A História das Notas de Rodapé | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/1/2002
A História das Notas de Rodapé
Lisandro Gaertner

+ de 10800 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Se alguém for perscrutar as origens das notas de rodapé, com certeza descobrirá serem elas tão antigas quanto a própria escrita. No momento em que se passou do relato oral - cercado de dúvidas e instabilidade - para o relato escrito - na tábua [1], como é comum se dizer - o homem procurava na verdade não apenas uma forma perene e segura de transmitir seus conhecimentos, experiências e desejos; o homem procurou com a escrita se entender e se explicar melhor. Logo, a nota de rodapé, pelas suas características únicas, não é só uma parte integrante e imprescindível da escrita, como também serve de espelho e exaltação da sua verdadeira razão de ser.

Contudo, não contradizendo a afirmação acima, não podemos ligar, como fazemos conceitualmente, a criação da escrita com a das notas de rodapé, literal e cronologicamente. Em primeiro lugar, não havia nos primeiros séculos da linguagem escrita a noção de "rodapé" [2]. O seu advento se deu realmente com os primeiros comerciantes fenícios que, ao usarem o papiro na feitura de seus contratos, incluíram automaticamente as notas com o objetivo de fornecer maiores explicações e prover de especificações as suas transações comerciais [3]. Em pouco tempo, essa invenção ou descoberta [4], que teve a sua origem no comércio, passou a ser utilizada na literatura e nas ciências.

O primeiro relato que se tem de sua utilização em obras literárias é referente a uma antiquíssima edição dupla, agora perdida, da ILIADA e da ODISSÉIA onde as notas de rodapé foram utilizadas para se explicar a povos não helênicos o papel e as peculiaridades das divindades gregas. Pouco tempo depois surgem os trabalhos de Heródoto que, na sua forma romanceada de contar a História, as utilizou como importantes ferramentas de explicação e retórica, sendo elas, às vezes, mais interessantes que o texto central. É curioso notar que esse recurso - hoje tão comum na produção de textos filosóficos - ficou de fora de suas primeiras obras, em contraposição aos tratados referentes a outras ciências. Com o passar dos séculos e com o avanço da sociedade tecnológica e tecnologizada [5] per si, os textos científicos se tornaram menos dependentes das notas de rodapé e os filosóficos, mais. Tal fato revela, à primeira vista, que as ciências são hoje mais claras ao público em geral e a filosofia mais obscura -- um movimento humano e, portanto, cultural já esperado e descrito por Augusto Comte [6].

Com o advento do Império Romano, as notas de rodapé realmente floresceram. Os satiristas e historiadores da época encontraram nessa ferramenta um grande aliado para traçar um perfil exato e opinativo - uma impossibilidade, a princípio - das culturas, terras e povos que se encontravam sobre o domínio de Roma e de sua PAX [7].

Com a queda do Império, as notas sumiram de vista de olhos ocidentais, mas no Oriente abundavam. Os chineses com sua cultura milenar já as utilizavam com maestria construindo textos dentro de textos e criando um tipo de narração que só foi surgir no Ocidente com Jorge Luís Borges [8].

No Ocidente, a Igreja foi a responsável pela reintrodução das notas de rodapé depois das invasões bárbaras. Primeiro, elas foram usadas como uma forma de explicar aos recém alfabetizados reis o monoteísmo, traçando paralelos entre as divindades pagãs gaulesas e saxônicas. Muitos autores chegam a afirmar que a "criação" dos santos partiu dessas explicações que, mal entendidas pelos novos líderes políticos da Europa, transformaram apóstolos e mártires em pequenas divindades [9].

O domínio das notas de rodapé pela Igreja só foi acabar na época do Iluminismo. Esse movimento cultural e ideológico surgido no meio do 2º milênio não poderia de forma alguma se furtar de usar um instrumento que tão bem representava a sua luta: a iluminação - traduzida aqui por entendimento [10] - do homem. Até o século vinte, graças à ligação formada com Iluminismo, elas se mantiveram dentro do ramo dos conhecimentos científico e filosófico, mas fora das artes. A única tentativa de sua utilização dentro da literatura nesse período foi realizada pelos ultra-românticos alemães que, na sua revista ILUMINARIS, construiam textos apenas com notas de rodapé. Apesar dessa ousada empreitada, muitos crítcos literários não os consideram verdadeiros artistas já que sua produção era voltada para a manifestação de um projeto filosófico [11].

Essa situação mudou na virada do século vinte. Com o surgimento das idéias modernistas e com a intensa experimentação artística, as notas apareceram em campos nunca antes por elas adentrados, como a música [12] e as artes pláticas [13]. O cinema e os quadrinhos, as novas artes, também se utilizaram de recursos correlatos; no entanto, devido à estrutura visual, a sua (das notas) importância foi menosprezada [14].

No último quarto do nosso século, com a proliferação da mídia computadorizada e com o estabelecimentoda rede digital de informação - Internet, Net ou Web -, as notas assumiram uma nova roupagem se apresentando como sub-rotinas ou endereços eletrônicos que ainda servem a mesma função de esclarecer e complementar - às vezes excessivamente [15] - o inesgotável conhecimento da raça humana.


1- O termo "na tábua" data da época de Moisés, onde a escrita, avalizada por Deus, graças à entrega das tábuas dos dez mandamentos no Monte Sinai, transformou a escrita - no mundo ocidental, seja feita a ressalva - em uma atividade sagrada; e portanto tudo o que era encontrado escrito "na tábua" - o veículo comum dessa forma de linguagem - não poderia ser contestado. [Volta]

2- É claro que existiam os rodapés, que já eram enontrados inclusive nos jardins suspensos da Babilônia, como nos diz Ebbermans na sua obra "Os mistérios arquitetônicos do Mundo Antigo", Mendaz Editora, 1923, São Paulo. No entanto a área escrita, comumente a pedra ou tábua - ver nota [1] - não permitia a existência desse espaço especial que só foi surgir com os papiros. [Volta]

3- Essa prática antiga está atualmente sendo extinta nos meios jurídicos. "O grande dilema da direito moderno está na criação de um texto simples, sem desvios ou caminhos obscuros. Esse dilema se resumiria, sim, com a extirpação das notas de rodapé de nosso meio e de nossa comunicação" - Juiz Alberto Souza, IV Encontro Nacional de Redação Jurídica, Uberaba, 1976.[Volta]

4- Pela sua ligação intrínseca com a escrita, a nota de rodapé, segundo o filólogo português Joaquim de Souza, "não poderia existir sem a letra escrita, a qual, sem ela (a nota de rodapé), também não existiria. O que a constitui como um passo evolutivo e natural da evolução das letras". [Volta]

5- "A grande questão que temos nesses tempos modernos é se a tecnologia nos controla ou se somos controlados pela tecnologia ". Finneas Rupert, sociólgo inglês, 1894-1945. [Volta]

6- No seu projeto positivista, Augusto Comte divide a história humana em três fases distintas e não concorrentes: a religiosa, a filosófica e a da razão ou científica. [Volta]

7- O próprio termo PAX ROMANA foi introduzido por César em um de seus famosos discursos numa nota de rodapé! [Volta]

8- "A obra de Borges está recheada por e pode ser vista como notas de rodapé que não se referem a texto algum, mas sim à própria vida" Júlio Cortazar, Crítica da Moderna Literatura Latino Americana, Silvo Editora, 1992, Porto Alegre. [Volta]

9- No Ramo de Ouro, Frazer faz um estudo mais detalhado desse fenômeno incluindo uma lista de correspondência entre santos e deuses pagãos. O mesmo foi feito por Jorge Duboc em seu estudo sobre as divindades afro-brasileiras. [Volta]

10- O entendimento do homem não foi alcançado pelo iluminismo, segundo o filósofo françes François Artaud, por causa das notas de rodapé. "O recurso utilizado para o esclarecimento serviu em úlitmos fins ao obscurecimento e jogou o iluminismo nas trevas em que ele hoje se encontra". Le Obscure Illuminism, Gerbot, 1967, Paris. [Volta]

11- O que esses críticos não levaram em consideração é que o projeto filosófico dos ultra-românticos procura uma explicação do ser pela linguagem em suas mais variadas formas. Tal projeto muito se aproxima da obra de Borges, conforme disse Júlio Cortazar - ver nota [3]. [Volta]

12- O jazz, nascido nas comunidades negras dos Estados Unidos, com seus acordes às vezes dissonantes e o seu propósito de criar um diálogo entre os instrumentos que o caracterizam, fez uso de "sub-rotinas musicais" - termo cunhado pelo baixista William "Getty" Gates - que se assemelham "àquelas frases pequenas do fim das páginas", idem. [Volta]

13- O trabalho de BoKû nas suas telas africanas (realizadas no período 1964-1967) procurou transformar o título da obra - a sua explicação - a sua nota de rodapé, em seu sentido e razão únicos. [Volta]

14- Esse menosprezo não partiu da utilização em si das notas, mas sim da novidade que elas representam em seus meios acadêmicos. O Crítico de Arte Leon Guirmand chegou a afirmar certa vez: "Essas novas tecnologias, introduzidas à força nas artes, não merecem e, por muito tempo, não merecerão nem uma nota de rodapé no Grande Livro da História da Arte". [Volta]

15- Eu sei que qualquer texto pode muito bem ser lido sem as notas de rodapé. Se o que é dito nelas fosse realmente importante, qual seria o objetivo de colocar tal informação em letras tão miúdas no fim de uma página para nos tirar a atenção do texto principal e interromper a nossa leitura? As notas de rodapé como uma série de criações humanas não têm uma razão verdadeira e servem, como tudo no mundo, para satisfazer apenas a quem escreve. Ou será que vocês pensam quem alguém ainda escreve pensando em ser lido? Se ninguém pensa mais nisso, imagine só aqueles que escrevem as notas de rodapé...


Lisandro Gaertner
Rio de Janeiro, 3/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro
02. Meus livros, meus tablets e eu de Ana Elisa Ribeiro
03. A internet não é isso tudo de Marta Barcellos
04. Seleção, que sufoco de Adriana Baggio
05. O bom humor do mal-humorado Jamelão de Airton Gontow


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner
01. E Viva a Abolição – a peça - 1/6/2006
02. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
03. A História das Notas de Rodapé - 3/1/2002
04. Orkut: fim de caso - 10/2/2006
05. Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:> - 23/4/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/1/2002
08h21min
Se era prá não ler, porquê não avisou logo? Agora, já li tudo! (até as notas de rodapé)
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
3/1/2002
11h17min
Belo texto. Um grande abraço do Marcos Tatame
[Leia outros Comentários de Marcos Tatame]
7/1/2002
09h23min
Ah! Não fui só eu que li.
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
25/1/2002
09h14min
Já que é para escrever textos metalinguísticos, que tal escrever sobre escrever? :-)
[Leia outros Comentários de Rodrigo Melo]
2/4/2002
12h12min
e ai maluco tudo bele
[Leia outros Comentários de felipe]
8/2/2006
09h55min
Muito interessante sua análise, e além disso, muito intrigante explicar a nota de rodapé com a nota de rodapé moderna, o hipertexto! Trouxe à luz sua necessidade em tempos de educação setorizada, onde a filosofia e a visão analítica do conhecimento foram subjugadas pelo apertar de botões! Uma mão na roda para os não intelectuais e enlatados de plantão! Já repassei para meus pares.
[Leia outros Comentários de Heloisa Brum]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARONTE
ANTONIO BRASILEIRO
EGBA 80
(1995)
R$ 11,00



PSICOLOGÍA PROYECTIVA: PSICOMETRIA Y PSICODIAGNOSTICO
L. E. ABT Y L. BELLAK (2ª EDICION)
PAIDOS (BUENOS AIRES)
(1978)
R$ 15,82



DESVENTURAS EM SÉRIE: MAU COMEÇO - VOL. 1
LEMONY SNICKET
CIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 15,00



ESPÍRITOS REBELDES
KAHLIL GIBRAN
RECORD
R$ 8,94



A HISTÓRIA - A BÍBLIA CONTADA COMO UMA SÓ HISTÓRIA DO COMEÇO AO FIM
FABIANO MORAIS
SEXTANTE
(2009)
R$ 24,99



UM VENTO NA PORTA
MADELEINE LENGLE
ROCCO
(2013)
R$ 23,00



A REGA DOS PRIMITIVOS REGADIOS ÀS MODERNAS TÉCNICAS DE REGA
JOSÉ RASQUILHO RAPOSO
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
(1996)
R$ 51,36



ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PESSOA COM SÍNDROME DE DOWN
CINDY DAMARIS GOMES LIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FAZENDO AS MALAS
MAURICIO MOURA; SIDNEY NAKAHODO
SARAIVA
(2012)
R$ 15,00



INCULTA & BELA
PASQUALE CIPRO NETO
PUBLIFOLHA
(2000)
R$ 4,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês