Ivan Angelo e a experiência da reescrita | Guilherme Tauil | Digestivo Cultural

busca | avançada
14917 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> João da Cruz encerra temporada na Casa das Rosas
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Tatuagens eólicas
>>> Terra úmida
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> Nuvem Negra*
>>> Contos fantásticos no labirinto de Borges
>>> Ilustres convidados
>>> Por que comemorar o dia das mães?
>>> Poeira, pra que te quero?
>>> Notas de um ignorante
>>> Teoria do Buraco de Rua
>>> Soluções geniais para a escola e a educação
>>> Orkut, ame-o ou deixe-o
Mais Recentes
>>> A Doutrina de Buda
>>> Dívida de Sangue
>>> Com Maria, a Mãe de Jesus
>>> Leitura Dinâmica e Memorização
>>> Introdução à Morfologia
>>> Paulo Francis Nu e Cru
>>> Morte na Alta Sociedade
>>> Cupom Zero
>>> A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen
>>> Caçada Mortal
>>> O Santo e a Porca e O casamento Suspeitoso
>>> Sociologia do Direito (O Fenômeno Jurídico como Fato Social)
>>> Azeite e azeitonas
>>> O Prazer Dos Aperitivos
>>> Cozinha Das Caraibas
>>> Cozinha Mexicana Sabores sedutores de uma cozinha , picante e temperada
>>> Ovos Sem Casca
>>> Tentação Da Culinária Frutas
>>> O Melhor Da Cozinha Portuguesa
>>> Cozinha Das Caraíbas
>>> Cozinha Mexicana
>>> Deliciosas Receitas De Peixe
>>> Arroz e arrozes
>>> A Mesa Com Burle Marx
>>> Flores De Jardim
>>> Ikebana
>>> Para Sempre Sua (3º Livro da Trilogia Crossfire)
>>> Profundamente Sua (2º Livro Trilogia Crossfire)
>>> Toda Sua (1º Livro da Trilogia Crossfire)
>>> Truques de Mágica
>>> Mondrian
>>> Realismo
>>> Salmo 119- O Alfabeto de Ouro
>>> O melhor Da Música Clássica
>>> Pollock
>>> Felino Selvagem Psicopata e Homicida
>>> O mundo é Mágico
>>> La Démocratie et Les Partis Politiques
>>> Sopas Receitas Caseiras
>>> Soja Receitas De Chef
>>> Tofu Receitas Chef
>>> The New Portuguese Table
>>> Receitas Do Castelo
>>> Um Rei A Mesa
>>> A Cozinha Antilhana
>>> A Cozinha Marroquina
>>> Cozinha Indonésia
>>> Pratos Basicos De Arroz
>>> Literatura, Cinema e Televisão
>>> The Bedford Reader
COLUNAS

Quinta-feira, 29/8/2013
Ivan Angelo e a experiência da reescrita
Guilherme Tauil

+ de 3700 Acessos

"A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer"

(Graciliano Ramos)

Não se sinta culpado se você nunca tiver lido Ivan Angelo, um de nossos maiores escritores em atividade. Mesmo sendo muito elogiado pela crítica - desde sua estreia em 1961 com o livro Duas faces, reunião de sete de seus contos e duas novelas de Silviano Santiago -, Ivan sempre foi meio recluso, sem muito gosto por entrevistas e avesso aos holofotes. Talvez porque ele seja, forçando o estereótipo, o mais mineiro dos mineiros que se mudaram para São Paulo na década de 60. Jornalista, Ivan participou de uma significativa experiência da moderna imprensa brasileira: "o então revolucionário Jornal da Tarde, criador de escola tanto na feição gráfica como no apuro do texto". Sua função de editor, porém, o afastava do contato direto com o leitor. Sem fazer desse silêncio um charme de personalidade inacessível, parece que Ivan Angelo gosta mesmo é de escrever, não de falar.

Isso é constatável se olharmos sua carreira, mesmo que panoramicamente. Ivan não decepcionou os críticos que o apontaram como promissor em sua estreia: em 1976, publicou um dos mais importantes (e o mais notável, sem dúvida) romances de seu tempo. A festa, premiado com um Jabuti, é um livro de fôlego político, ambientado na ditadura militar e bastante marcado pelo clima opressor e violento. Mas diferente de outros tantos romances da época que hoje têm valor apenas enquanto documento histórico, A festa é, de fato, uma obra de arte - dessas que são capazes de "provocar arrepios cívicos e estéticos", como escreveu Humberto Werneck, seu companheiro no Jornal da Tarde e nos cafés que tomam todas as quintas.

Um de seus aspectos mais chamativos é a estrutura, bastante experimental e recortada. Foi o crítico João Luiz Lafetá quem melhor a classificou: "romance-contos". Os capítulos que compõem a obra podem ser lidos separadamente, pois são dotados de unidade, mas também "extravasam uns nos outros, como se compusessem um sistema de vasos comunicantes" (a expressão é do Lafetá). Alguns personagens aparecem em mais de um capítulo, mas o que atua como fio unificador porém não condutor é a festa anunciada - que, vejam só, nunca acontece. Trata-se, enfim, de uma literatura que somente um autor muito maduro e habilidoso, buscando um novo modo de narrar, saberia compor.

Usei a palavra "maduro" não por acaso, pois quero me deter em um episódio curioso da obra de Ivan Angelo. Publicado em 1986, o livro de contos A face horrível se encerra com uma valiosa experiência de reescrita, da qual todo aspirante a escritor poderá (deverá!) tirar proveito. O conto Dènouement ("desfecho" em francês) foi publicado originalmente em seu já citado livro de estreia. Aqui, 25 anos depois, ele volta a aparecer para, nas mãos do escriba experiente, desdobrar-se em mais dois: Entrevero do autor com seu conto, em que dispõe, ao lado da ficção juvenil, comentários cruéis e jocosos de uma leitura autocrítica; e Final, o conto totalmente refeito.

Da leitura do original, vemos Libério, o narrador, angustiado com um impasse amoroso: sua esposa, Maria Lúcia, teve um caso com outro homem. No tormento psicológico do personagem principal, sua voz narrativa se divide em duas: uma se questiona e faz suposições; - ela me amava antes?, de quem é a culpa? - outra, ataca e refuta os questionamentos - ela é a culpada, seu idiota, claro. Basicamente, a primeira é emocional e ganha a simpatia do leitor, enquanto a segunda, expressando sua racionalidade num português excessivamente culto, o repele - um processo esquemático que nos remete ao anjo e ao demônio disputando o controle do homem. A junção das duas vozes retrata uma mente fervilhante que se prepara para um grande acontecimento.

Decidido, Libério convida Malu para um passeio em Congonhas, cidade que abriga os profetas esculpidos por Aleijadinho. Lá, surpreende sua esposa com a inscrição da estátua de Osaías: "Aceita a mulher adúltera e com ela tem novos filhos". Descoberta e envergonhada, ela acaba revelando a trama secreta, digna de uma novela televisiva, que envolve, entre outras coisas, um amor jurado mas impossível na juventude. Vocês sabem: eles se amam, mas a vida os separam; eles se casam com outros, mas a vida os une. A discussão do relacionamento segue-se intensa, porém bastante artificial, como demonstra o pensamento de Libério:

"Preciso compreendê-la para não desprezá-la. Estou de tal modo ligado a ela que é impossível desprezá-la sem desprezar-me".

O autor, aí, deixa escapar uma preocupação quanto à capacidade do leitor de compreender sua história, usando frases explicativas e francamente didáticas - como se isso suprisse uma lacuna técnica que não permitia o escritor inexperiente conduzir seus leitores somente através da ficção.

Nesse rodeio excessivamente interno, de muita pergunta e pouco gesto, é Libério quem sai perdendo, porque percebe que não poderia ter feito esse jogo humilhante com a esposa. Malu não quer voltar para casa e não pode continuar o relacionamento. Derrotado, Libério encontra a solução para o drama logo em seguida, na estrada: um caminhão enorme, contra o qual joga seu carro instintivamente. Dènouement tem, portanto, um desfecho dramático e excessivo, pois a morte pode ser sempre uma solução fácil.

O texto seguinte Entrevero do autor com seu conto é de pouca explicação mas de muito proveito. Trata-se do escritor mais velho apontando os defeitos - e alguns acertos - do mais novo. Das suas observações, a mais significativa me parece ser a seguinte:

"Bastaria dizer que o cara estava tranquilo e quando a mulher transou outro homem ele fundiu a cuca. Duas ou três frases, sem babaquices tipo 'como poderia ela ter certeza dos meus sentimentos?'. O parágrafo parece arrumado para contar o passado das personagens, é narrativo demais e não deveria ser. Tem de funcionar por justaposição, a soma é que deve narrar e dar sentido".

Está poupado o trabalho do crítico. Através de outros caminhos, Ivan chegou à mesma conclusão que o russo Joseph Brodsky quando disse que "O que torna uma narrativa boa não é a história em si, mas o que se segue a quê". Aprendida a lição, Ivan Angelo aponta a necessidade de alterar tanto a forma quanto o conteúdo de seu conto, sem poupar-se de puxões de orelha que sofrem os irmãos caçulas.

Final, o resultado desse exercício, é essencialmente diferente de sua matriz. A mudança mais notável é a linguagem, que abandona toda a pompa e os pronomes em segunda pessoa para tornar-se coloquial, fácil. Os devaneios de Libério recebem polimento: a dualidade das vozes internas desaparece, dando lugar a uma única, incerta, confusa, agressiva. As contradições do humano ficam claras e, por consequência, o homem fica exposto - não há espaço para a metafísica, o bem e o mal. O trecho que usei acima, para exemplificar o primeiro conto, se transforma no seguinte:

"Preciso é saber por quê. Conhecê-la melhor. Protegê-la".

A economia das palavras e as frases curtas dão ritmo à escrita, que agora se faz numa cadência propícia ao conflito interno. Tudo vira mais palpável, mais verossímil, próximo ao homem real - algo com o qual o leitor pode se identificar. Basta pensar que Dènouement vira, simplesmente, Final. Ou, então, que o casal que antes se suicidava tragicamente, agora volta para casa brigado, em silêncio. É o que geralmente acontece com os pares que brigam, não? O que antes era uma questão de morte, passa a ser "uma questão de tempo, como um castigo". Muito mais moderno, e profundo. E a inscrição do profeta, que funciona como síntese do conto, foi cortada pela metade: "Aceita a mulher adúltera", apenas. Não é preciso mais do que isso - pelo menos para um escritor do nível de Ivan Angelo.

Essa prosa enxuta, longe de ser esturricada, é uma valorosa qualidade para o ofício de cronista que Ivan pratica com mais dedicação desde 1999, quinzenalmente, nas páginas da revista Veja São Paulo. Sobre suas crônicas, prometo dedicar outro texto, pois seria injustiça de minha parte querer abordar um dos maiores cronistas contemporâneos nesse dènouement - ou melhor, nesse parágrafo final.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog Quarta Capa (siga também pelo Facebook).


Guilherme Tauil
São Paulo, 29/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
02. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
03. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
04. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
05. Píramo e Tisbe de Ricardo de Mattos


Mais Guilherme Tauil
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FISICA III - ELETROMAGNETISMO
YOUNG & FREEDMAN
ADDISON WESLEY
(2003)
R$ 45,00



SISTEMA PRESIDIAL: REINSERÇÃO SOCIAL
ROMEU FALCONI
ÍCONE
(1998)
R$ 29,00



ORTOPEDIA MAXILOFACIAL-CLINICA E APARELHOS VOL 3
JOHN W. WITZIG / TERENCE J. SPAHL
SANTOS
(1999)
R$ 50,00



O DOM DE CURAR - UM PODER QUE NÃO É NOSSO, O DOM DAS LÍNGUAS - NOVO PENTECOSTES
GEORGE MARTIN, AGNES SANFORD, SCANLAN, SHLEMON, BRENNAN, JARAMILLO, FORREST, GAVRILIDES
LOYOLA
(1976)
R$ 14,90



TEOLOGIA MORAL: A BUSCA DOS FUNDAMENTOS E PRINCÍPIOS PARA UMA VIDA FELIZ
ANTÔNIO MOSER
VOZES
(2014)
R$ 38,00



DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA E O VATICANO II
LUIZ GONZAGA SCUDELER
PAULUS
(2014)
R$ 17,00



20 POEMAS DE AMOR E UMA CANÇÃO DESESPERADA
PABLO NERUDA
JOSÉ OLYMPIO
(1978)
R$ 9,90



MAZE RUNNER - ORDEM DE EXTERMÍNIO
JAMES DASHNER
V&R - VERGARA & RIBA
(2013)
R$ 23,00



THETAHEALING AVANÇADO - UTILIZANDO O PODER DE TUDO O QUE É
VIANNA STIBAL
MADRAS
(2016)
R$ 41,90



REVISTA GRAÇA SHOW DA FÉ FRAUDE O CÓDIGO DA VINCI DESMASCARADO Nº 81
GRAÇA EDITORIAL
GRAÇA
R$ 3,00





busca | avançada
14917 visitas/dia
954 mil/mês