Píramo e Tisbe | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
29464 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pixel Show promove gratuitamente exibição do documentário "The Happy Film"
>>> Inédito no Brasil, espetáculo canadense SIRI estreia em novembro no Oi Futuro
>>> Antonio Nóbrega apresenta show comemorativo pela passagem dos 25 anos do Instituto Brincante
>>> Visita Temática : Os Múltiplos Tempos da Coleção de Ema Klabin
>>> Chagall é tema de palestra na Casa Museu Ema Klabin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um monstro que ri
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
>>> Apresentação
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Deus ex machina
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Homenagem a Orestes Barbosa
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
Mais Recentes
>>> O príncipe e o mendigo
>>> Dicionário de Ciências Ocultas 1 e 2
>>> Jonas
>>> O desafio historiográfico
>>> Decifrando o Genoma
>>> O Baudolino
>>> O Império do Sol
>>> Encanto Mortal
>>> A Ilha do Dia Anterior
>>> Ciência Política
>>> O Trabalho Infantil na Cidade de São Paulo
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Encantando Totalmente o Cliente
>>> As Vinhas da Ira _ Volume II
>>> Ser Mãe
>>> Sonetos Escolhidos
>>> Sonetos Escolhidos
>>> Nada Dura Para Sempre
>>> Dioniso & Cia. na moqueca do dendê: desejo, revolução e prazer na obra de Jorge Amado
>>> Ciência & Realidade 6ª série
>>> Redação Curso Básico Vol 1
>>> Redação Curso Básico Vol 2
>>> A Conquista da Matemática 7ª Série
>>> Redação Curso Básico Vol 3
>>> Português Através de Textos 5
>>> Português Através de Textos 7
>>> Ciência & Realidade 7ª série
>>> Ciência & Realidade 5ª série
>>> A Conquista da Matemática 6ª Série
>>> Caderno de Português Fundamental 5ª série
>>> Bom Tempo Estudos Sociais Ciências 4
>>> Língua Portuguêsa Vol 4
>>> Descobrindo a Gramática
>>> Português Através de Textos 6
>>> Verdades Fundamentais da Parábola do Rico e de Lázaro
>>> Dificuldades Bíblicas e Outros Estudos Vol. 1 (2ª ed.)
>>> Um rabino conversa com Jesus- um diálogo entre milênios e confissões
>>> Conceitos de crítica
>>> Conceitos fundamentais da poética- (2ª ed.)
>>> Marketing Digital Novas tecnologias & Novos Modelos de Negócio
>>> Excel 2007
>>> Project para Profissionais
>>> O crime do padre Amaro (15ª ed.)
>>> A câmara clara - nota sobre a fotografia (2ª ed.)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/1/2017
Píramo e Tisbe
Ricardo de Mattos

+ de 1900 Acessos

"...o que não vê o amor?" (Ovidius)

1. A lenda de Píramo e Tisbe encontra-se no Livro IV das Metamorfoses, a grande obra em verso do poeta latino Publius Ovidius Naso (43 a.C./17 d.C.). O livro de ouro da mitologia, como ficou traduzido entre nós The age of fable, de Thomas Bulfinch, traz sua versão resumida e em prosa. Nada receie o leitor, nem se acomode: o texto original, se vertido por tradutor que tenha percebido o espírito de simplicidade dos antigos poetas, é de tranquila leitura.

2. Quem foram estes personagens? Jovens babilônicos vivendo durante o reinado da lendária Semíramis, rainha da Babilônia, da Assíria e de outros reinos. Já à época da conversaçãoem que se declina a lenda dos dois amantes, os fatos são projetados num ainda mais remoto e incerto tempo-espaço. Neste ano, percebo-o agora, completam-se dois mil anos de desencarne do próprio poeta...

3. Píramo, o rapaz, era vizinho da jovem Tisbe. Ambos de beleza física equivalente. Nenhuma barreira que lhes impedisse a aproximação e o envolvimento. Convivendo na mesma localidade, atraíram-se. Juventude, beleza física, boa saúde e disposição: eis os prováveis atributos então buscados e encontrados, formando os elos iniciais da relação. Jovens divertindo-se um à vista do outro, um avaliando o desempenho do outro com maior ou menor discrição. Haveria contato físico? Inviável saber. Que tenha havido, apenas aumentaria o vínculo entre dois corpos plenos de frescor e de vitalidade, mutuamente eleitos entre tantos outros.

4. A explicação do mundo natural, dos eventos sociais e mesmo do destino do espírito facultou a Mitologia. Mitos para a criação do mundo; mitos para a elucidação das ocorrências da sociedade; mitos tentando definir a jornada do espírito. Um panteão de deuses gregos e latinos que, conforme mostra-nos Agostinho em outro monumento literário, A cidade de Deus, precisa desdobrar-se e especializar-se para manter-se. Júpiter é o onipotente, mas em caso de aumento patológico da temperatura corporal, deve ser evocada a deusa Febre. Agostinho critica a confusão mental que envolveria o pagão na busca de socorro para uma demanda. Tendo enrolado o leitor um pouco, posso voltar ao casal.


Semíramis

5. Lamentável que a união entre Píramo e Tisbe estivesse fadada à irrealização. Não a queriam seus familiares. Ignora-se se havia de cada lado planos para eles, ou se tratava de rivalidade entre vizinhos. Caso William Shakespeare tenha realmente utilizado a lenda como base de sua peça Romeu e Julieta, preferiu a rivalidade. Mitos são registrados e reavivados adiante. São ímãs psíquicos que podem expor nosso conteúdo e, por sua vez, servem de estofo para outras obras.

6. Que fazia o casal pós o anoitecer, cada um recolhido em sua casa? Habitavam construções vizinhas, divididas por uma parede. Píramo e Tisbe encontraram uma fresta na parede, estreita o suficiete para ter sido ignorada, mas larga o bastante para deixar passar seus murmúrios de lado a lado. O laço entre eles aperta-se. O que é físico tende a saciar-se e afastar-se. De barriga cheia, quem assistirá programa de culinária? É até irritante... A paixão entre Píramo e Tisbe encontrou meio de alimentar seus sentimentos independentemente da presença física. Pela fresta comunicavam-se, trocavam recados e juras. E se não pudessem sair de casa por causa da chuva ou do frio, ou se alguém precisasse acompanhar os familiares em visitas ou trabalhos? A fresta estaria ali, constantemente conferida pelo que ficasse.

7. Lembremos que os familiares vetaram a união. Li algures que não se interfere entre o ser e seu destino, não se intromete com o indivíduo no cumprimento do sentido de sua existência. Havia mais que atração física e paixão entre eles. O Amor fez-se notado. O Amor, entidade resultante do encontro de duas individualidades, do encontro de duas singularidades, como que percebeu o terreno propício e plantou-lhes a ideia da fuga. E escolheram fugir: definiram horário e ponto de encontro.

8. Tisbe chegou primeiro. Trazia até um véu, atributo de toda noiva e aceno para a seriedade de sua atitude. Esperou por Píramo, conforme combinado, sob amoreira branca próxima a um lago. Conhecessem melhor a vida selvagem, saberiam que esta é mais ativa justamente à noite, quando a temperatura é mais amena, as presas mais lerdas e os predadores mais ativos. É uma leoa que veio ao lago beber, com a boca vermelha do sangue de sua recente refeição. Tisbe recolheu-se a uma gruta para esperar o animal afastar-se. Não percebeu a queda de seu véu. A leoa retirou-se, não sem prévia destruição do véu encontrado em seu caminho.

Tisbe, por William Waterhouse

9. Deveras, melhor deizar que cada um realize o sentido de sua existência. Que mostre quem é por meio do que faz. Na lenda de Píramo e Tisbe, a leoa ficou com o papel das intercorrências a vida, aqueles imprevistos que surgem e poluem a questão principal. Deixassem o casal em paz e não se decidiriam pela fuga. Se não acordes em fugir e não iniciado o plano, não estariam no caminho da leoa. Certas ocorrências podem ser contornáveis para uns e fatais para outros.

10. Contornável para Tisbe: viu o animal e afastou-se. Fatal para Píramo, que chegou ao local e encontrou pegadas e um véu roto e ensanguentado. "Acabou-se", pensou ele em desespero, tirando um punhal da cita e ferindo-se. Ovidius foi mais sanguinolento e comparou o sangue saído da ferida de Píramo à água que sai ruidosa de um cano de chumbo partido. O sangue, de qualquer forma, saiu com força suficiente para tingir nos galhos as amoras até então brancas. E também pentrou a terra, sendo absorvido pelas raízes da planta e originando nova variedade.

11. Triste desfecho para nosso casal. Tisbe saiu da gruta e não reconheceu a amoreira de frutos tintos. Correu ao corpo de seu amado e recebeu dele o último olhar. Suicidou-se pretendendo encontrá-lo no outro mundo. As famílias cremaram os corpos e reuniram as cinzas em túmulo único. Grande consolo.

12. Entretanto, caro leitor, permita-me considerar que na lenda de Píramo e Tisbe, pretendi identificar a atração física entre os jovens; identificar um entrosamento de afeições - poeticamente representado na conversa pela fresta - que permitisse falar em paixão ou, melhor ainda, em união psíquica entre eles; enfim, tudo coroar com a identificação do encontro espiritual que consagrou o Amor entre eles e possibilitou uma decisão, uma atitude perante o mundo. Ainda que mal sucedida, tomá-la reforçou seu valor. Permita-me, caro leitor, acreditar ter exposto neste exercício, recorrendo a personagens mitológicas, algo da teoria tridimensional do Amor elaborada por Viktor Frankl. Não creia, contudo que este humílimo seguidor esgotou o assunto.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/1/2017


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
03. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
04. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
05. O Presidente Negro, de Monteiro Lobato - 29/7/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HQ CEBOLINHA 7 + OS NAMORADOS
MAURÍCIO DE SOUZA
GLOBO
(1994)
R$ 7,00



INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS AGÊNCIAS REGULADORAS
SÉRGIO GUERRA
FREITAS BASTOS
(2004)
R$ 28,00



COMO DSENVOLVER A MEMÓRIA
JOYCE D.BROTHERS E EDWARD P. EAGAN
RECORD
R$ 11,10



QUEM CONTA UM CONTO 5 (CONTOS) - LITERATURA BRASILEIRA
SAMIR MESERANI (COORD.)
ATUAL
(1990)
R$ 5,00



A SENDA DO HOMEM CELESTE - NARRADO POR UM VERDADEIRO COMBATENTE QUE A PERCORREU
J. G. GICHTEL
POLAR
(2001)
R$ 27,99



ONTEM AO LUAR - VIDA ROMÂNTICA DO POETA DO POVO CATULLO DA PAIXÃO CEARENSE
MURILLO ARAUJO
A NOITE
(1951)
R$ 20,00



HISTÓRIA DA LITERATURA CRISTÃ ANTIGA GREGA E LATINA - VOL. I: DE PAULO À ERA CONSTANTINIANA
CLAUDIO MORESCHINI | ENRICO NORELLI
LOYOLA
(1996)
R$ 52,00



CAVALOS E OBELISCOS
MOACYR SCLIAR
ÁTICA
(2001)
R$ 10,00



OS LUSÍADAS
LUÍS DE CAMÕES
KLICK
R$ 15,00



FILHOS DAS TREVAS
MORRIS WEST
CÍRCULO DO LIVRO
(1957)
R$ 8,70





busca | avançada
29464 visitas/dia
1,1 milhão/mês