Um gourmet apaixonado por Paris | Sérgio Augusto

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mário Botas ou o Regresso de Narciso
>>> Pronétaires, unissez-vous!
>>> O mapa da África
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
Mais Recentes
>>> Mengele- A historia completa do Anjo da Morte de Auschwitz - Biografia de Gerald L. Posner e John Ware pela Cultrix (2019)
>>> Poesia Que Transforma - Poesia de Braulio Bessa pela Sextante (2018)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (2007)
>>> Um Caso Perdido (hopeless) de Colleen Hoover pela Galera (2014)
>>> O Vale dos Anjos de Leandro Schulai pela Novo Seculo (2010)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini; Claudio Carina pela Globo Livros (2013)
>>> Maria de Rodrigo Alvarez pela Globo Antigo (2015)
>>> Aprendendo a Ser Pai Em Dez Lições de Valdir Reginato pela Paulinas (2004)
>>> Satori Em Paris de Jack Kerouac pela L&pm Editores (2010)
>>> James Bond in License Renewed de Ian Flemings pela New York (1987)
>>> Dia a Dia - Reflexoes (livro de Bolso) de Ricky Medeiros pela Mundo Maior (2011)
>>> Gotas de Animo para Descobrir as Coisas Simples da Vida de Margot Velez de Pava pela Paulinas (2004)
>>> Felicidade Em Poucas Palavras de Andrew Matthews pela Sextante (2008)
>>> Der Mann Mit Den Messern de Heinrich Böll pela Erzählungen
>>> Persuasão (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2018)
>>> A Abadia de Northanger (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2017)
>>> Razão e Sentimento (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2017)
>>> Orgulho e Preconceito (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2019)
>>> O Tripulante de Aeronaves e a Radiação Ionizante de Cmte. Amilton Camillo Ruas pela Bianch (2017)
>>> Précis de Thérapeutique et de Pharmacologie de A. Richaud pela Masson (1914)
>>> A Virgem Nossa Senhora de Federico Suárez pela Quadrante (2003)
>>> Hospital dos Médiuns de Carlos A. Baccelli pela Leepp (2007)
>>> O Lobo do Mar - Coleção Obra-prima de Cada Autor de Jack London pela Martin Claret
>>> Ghostgirl de Tonya Hurley pela Agir (2011)
>>> Mecanismos de Mediunidade de Chico Xavier pela Feb
ENSAIOS

Segunda-feira, 16/1/2006
Um gourmet apaixonado por Paris
Sérgio Augusto

+ de 5900 Acessos

Quem não gostaria de ter tido como mentor em Paris um sujeito chamado Yves Mirande?

Pequeno e alegre autor de farsas e libretos musicais, cheio da grana e joie de vivre, Mirande dominava como poucos a cidade, convivendo com o melhor da haute gomme e dos bas-fonds, freqüentando os seus mais conspícuos salões e as suas mais destacadas cortesãs. Seu forte era a gastronomia. Parecia conhecer todas as comidas, todos os vinhos, e saber combiná-los à perfeição. Gourmet e gourmand, era capaz de consumir, num único almoço, uma razoável quantidade de presunto cru de Bayonne com figos frescos, seguidos de um strudel de salsichão, um filé de lúcio (peixe semelhante à perca) coberto por um saboroso molho Nantua, um pernil de cordeiro lardeado com anchovas, alcachofras num pedestal de foie gras e quatro ou cinco tipos de queijos, com uma boa garrafa de bordeaux e outra de champanhe. Tudo isso arrematado com uma despudorada dose de Armagnac. Seu jantar — sim, horas mais tarde ele já estava faminto — era um pouco menos pantagruélico: uma ou duas cotovias, alguns lagostins, um linguado e um guisado de filhote de javali.

Por incrível que pareça, Mirande viveu até os 82 anos. Sem dar bola para dietas.

Foi a essa glória da glutonaria que A.J. Liebling (A de Abbott e J de Joseph) dedicou o último livro de sua vida: Between Meals, publicado em 1962 e agora lançado pela Ediouro, com o título de Fome de Paris – Memórias de um Gourmet Apaixonado, numa tradução empenhada, em que só detectei um erro grave: na pág. 124, um Pont-l’Éveque, o melhor queijo normando, é transformado, implicitamente, numa bebida.

Justíssima a dedicatória de Liebling. Mirande foi seu mestre espiritual, gastronômico e mundano na Paris dos anos loucos, quando o jovem jornalista americano, na flor dos 22 anos, trocou Nova York pela capital francesa. Fora estudar na Sorbonne, sustentado pelo pai, um peleteiro de origem austríaca que um dia acabou indo à falência.

Em 1926, o dólar valia 26 francos e Liebling tinha em caixa US$ 2 mil, volta e meia incrementados. Se já era fácil comer bem e barato na festiva Paris da Geração Perdida, imagine que inesquecíveis aventuras gastronômicas não se podiam ousar com uma despreocupada carteira de crédito e a assessoria técnica de Mirande.

Gertrude Stein, Hemingway, Fitzgerald — esses e outros exilados americanos estavam, na mesma época, criando a fama de Paris como uma festa móvel e permanente, mas Liebling não conviveu com nenhum deles. Se por ventura cruzou com um e outro, na rua ou no Closerie des Lilas, foi muito. Sua patota era de outro circuito. Fome de Paris não é sua obra mais marcante, longe disso, mas como ele sempre brilhava ao teclado de sua Remington, há um honroso lugar para ela ao lado de Paris é uma Festa (A Moveable Feast), de Hemingway; Paris Was Yesterday, de Janet Flanner; Paris Was Our Mistress, de Samuel Putnam; e dos clássicos da arte de bem comer e da memorialística que nos legaram Alice B.Toklas e, principalmente, a maravilhosa M.F.K. Fisher (de quem a Cia. das Letras já traduziu dois títulos).

Nada de receitas, apenas menus e lições, jamais solenes, sobre comidas e bebidas, regadas a histórias e personagens que deliciariam Rabelais e Brillat-Savarin, as sombras mais salientes por trás desse guia gastronômico-cultural, que, para mostrar logo a que veio, começa alfinetando Proust e sua madeleine. Ou, melhor dito, a frugalidade de Proust e seu saboroso, mas frugal, bolinho. Com esta observação: “À luz daquilo que Proust escreveu com um estilo tão sutil, foi um prejuízo para o mundo ele não ter um apetite mais aguçado.”

Liebling achava que só escreve bem sobre comida quem tem bom apetite. E este, por sua vez, precisa ser bem atendido todos os dias. Refeições, há que se administrá-las como uma conta bancária. Nada de comer caro e como um rei, hoje, e viver de batatas fritas até o próximo depósito. Isso é coisa de tuaregue, gozava Liebling, e quem assim age não tem vocação para gourmet.

Comer, insistia, é uma questão extremamente subjetiva: “O homem que aceita palpites na juventude terminará comendo na meia-idade em restaurantes ruins e muito aclamados, seguindo a sugestão do maître. Ele terá sido levado a esses lugares por publicações gastronômicas esnobes, e cairá no hábito de beber em demasia antes da refeição, para matar o sabor das iguarias que lhe disseram que seriam do seu agrado, mas não foram.” Ser rico, segundo ele, atrapalha mais do que ajuda, pois o excesso de dinheiro facilita, quando não incentiva, o diletantismo à mesa, impedindo a experimentação.

Mens sana in corpore sano” jamais seria sua divisa, até porque a considerava uma contradição em termos, “fantasia de quem acha possível ter simultaneamente duas coisas excludentes”. E antes de encerrar essa discussão, lembrava, maldosamente, um “arquétipo do homem abstêmio”: Hitler. “Quando, na cervejaria, os outros chucrutes viram que ele estava bebendo água, deviam ter percebido logo que não era confiável”. Liebling era muito divertido e transgredia a toda hora o politicamente correto. Como Mark Twain e H.L. Mencken, dois de seus mestres mais indeléveis.

Traindo suas convicções, tentou emagrecer numa clínica suíça, em 1956. Queria ver como é que era sofrer. Só não desistiu no primeiro dia porque pagara o tratamento adiantado. Preferiu continuar imensamente gordo — e epicuristicamente feliz. De algum modo precisava compensar a infelicidade que lhe trouxeram a feiúra, a calvície, a obesidade, as dívidas que levou para o túmulo e pelo menos dois casamentos desastrosos (o terceiro, com a escritora Jean Stafford, ex-mulher do poeta Robert Lowell, lhe foi mais leve). Morreu cedo, aos 59 anos, de uma série de complicações pulmonares, cardíacas e renais. Se tivesse chegado à idade de Mirande, teria morrido de desgosto com a ascensão da nouvelle cuisine.

Tomei conhecimento de Liebling, há muitas luas, por seu mais famoso aforismo: “A liberdade de imprensa é uma exclusividade do dono da rotativa.” Não é a melhor tradução para “Freedom of the press belongs to the man who owns one”, mas passa a idéia do que ele quis dizer: quem manda, mesmo, numa redação é o dono do jornal ou da revista. Além de emérito gastrônomo, Liebling foi o mais formidável crítico de imprensa que já existiu. Sua visão da imprensa americana não era nada lisonjeira: achava o sistema corrupto, impraticável, discriminatório, ineficiente e constantemente merecedor de umas traulitadas. Como esta: “A função da imprensa na sociedade é informar, mas seu papel na sociedade é ganhar dinheiro”.

Pioneiro no gênero, dissecava jornais, revistas e telenoticiosos com “a furiosa e atormentada concentração de um amante”, na expressão de seu biógrafo Raymond Sokolov. Sua coluna, “Wayward Press”, na revista The New Yorker, onde escreveu durante 28 anos, era tão reverenciada que os organizadores de uma série de convenções anuais com jornalistas independentes, iniciada em Nova York em 1972, sob os auspícios da revista More, não pensaram em outro nome na hora do batismo. E assim nasceram as Liebling Conventions.

Aos poucos fui me tornando um leitor tão voraz de A. J. quanto fui de I.F. Stone, Murray Kempton, e outros da mesma linhagem. Pena que só agora o estejam traduzindo aqui, começando pelo fim e sem promessa à vista de outros lançamentos. Não há planos, por ora, de incluir qualquer de seus trabalhos como repórter na coleção da Cia. das Letras dedicada a jornalismo literário. Stone também só chegou até nós por uma única obra, O Julgamento de Sócrates, tão atípica quanto Fome de Paris.

Vivo, versátil e erudito repórter, com uma sensibilidade literária de primeira linha, afeita a metáforas surpreendentes, Liebling foi, com seus colegas da The New Yorker Lillian Ross, Joseph Mitchell e Philip Hamburger, um dos precursores do que mais tarde ganharia o nome de Novo Jornalismo — efetivamente iniciado por Daniel Defoe, no século 18. Seu estilo irônico e coloquial, atento ao som das ruas e dos ambientes sórdidos de Manhattan, aos habitués de lutas de boxe, de pistas de corrida e dos escritórios dos Danny Roses da Broadway, teve o incomparável contista Damon Runyon como um ancestral direto. Dos mais agudos observadores do pugilismo, Liebling cobriu as principais lutas dos grandes do seu tempo — Joe Louis, Archie Moore, Rocky Marciano — deixando seus admiradores a imaginar que êxtases e hipérboles não lhe teriam provocado os saltitantes movimentos coreografados no ringue por Muhammad Ali.

A França foi sua eterna e incondicional paixão. Que páginas furibundas não teria escrito quando, por causa da recusa de Jacques Chirac a apoiar a invasão do Iraque, a direita americana declarou uma guerra nauseabunda à França e até aos vinhos franceses? Conheceu Paris ainda menino, com os pais, por volta de 1908, depois lá morou sozinho de 1926 a 1927, retornando em 1939, para cobrir a guerra no lugar da correspondente da The New Yorker, Janet Flanner, que fora visitar a mãe doente, na Califórnia. Estava numa das primeiras barcaças a chegar à praia de Omaha, no Dia D. Seus despachos do front, coligidos em livros, pareciam um misto de Tucídides com relatório militar e um filme de guerra de Humphrey Bogart. Odiava os alemães, não por ser judeu, mas pelos traumas deixados pelas sucessivas governantas teutônicas que infernizaram sua infância. E também porque, além de algozes da França, tinham uma culinária medíocre.

Sempre que podia, visitava Paris. Suas últimas palavras, balbuciadas na ambulância que o levava, em estado pré-comatoso, para o Hospital Mount Sinai, foram em francês. Jean Sttaford, que estava a seu lado, pensou que ele estivesse delirando uma conversa com seu amigo Albert Camus, cujos diários estava lendo quando uma pneumonia inaugurou sua viagem sem volta aos leitos hospitalares de Nova York, naquele final de dezembro de 1963. Vai ver estava mesmo era conversando com Yves Mirande sobre o inesquecível salmis de galinhola ao Armagnac que um tal de M. Louis Bouillon lhe serviu, em seu minúsculo restaurante da rue de Sainte-Anne, numa noite de 1939.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no "Caderno2", de O Estado de S. Paulo, em novembro de 2005.

Para ir além






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 16/1/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Twitter versus Facebook de Ricardo Freire
02. Inventário de Horácio Costa
03. O elogio da ignorância de Jaime Pinsky
04. Não podia acontecer na América de Sérgio Augusto


Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vida Positiva Em um Mundo Negativo
Neil Eskelin
Vida
(1981)



Novo Testamento
Edições Loyola
Loyola
(1979)



Conecte Matemática 1- Box Completo - 3 Livros
Gelson Iezzi e Outros
Saraiva
(2014)



Concreto Armado Eu Te Amo: para Arquitetos - 2ª Edição - Revista e ...
Manoel Henrique Campos Botelho
Blucher
(2011)



A Ditadura dos Cartéis: Anatomia de um Subdesenvolvimento
Kurt Rudolf Mirow
Civilização Brasileira
(1978)



Vocal Arts Medicine
Michael S Benninger
Thieme
(1994)



Como Se Preparar para a 2ªfase Exame de Ordem - Tributario -teoria e P
Pedro Barretto
Gen Metodo
(2014)



1602 Parte 2
Neil Gaiman e Outros
Marvel
(2004)



As Aventuras na Netoland Com Luccas Neto - 1ª Edição
Luccas Neto
Pixel
(2018)



Ética a Força do Cidadão
Sebastião Martins André Carvalho

(1999)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês