Kubrick, o iluminado | Geraldo Galvão Ferraz

busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Viva a revolução
>>> AC/DC 1977
>>> As maravilhas do mundo que não terminam
>>> Nem Aos Domingos
Mais Recentes
>>> Romances de Oscar Wilde de Jeanette Marillier pela Livraria martins (1952)
>>> Jesus - O Maior Psicólogo que Já Existiu de Mark W. Baker pela Sextante (2005)
>>> As Lendas de Dandara de Jarid Arraes pela Cultura (2016)
>>> Prevenção e controle de risco em maquinas equipamentos e instalações de Armando Campos / José da C. Tavares / Valter Lima pela Senac (2014)
>>> Sam, o encantador de Henry A. Zeiger, Alexandre M. de S. Melo pela Mm (1974)
>>> A Aldeia Sagrada de Francisco Marins pela Ática (1993)
>>> O Ponto Zero da Revolução - Trabalho Doméstico, Reprodução e Luta Feminista de Silvia Federici pela Elefante (2019)
>>> 10 Dias que abalaram o mundo de John Reed, Armando Gimenez pela Global (1978)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Ática (1980)
>>> O seminarista de Bernardo Guimarães pela Ática (1978)
>>> Vislumbres de la India de Octavio Paz pela Seix Barral (2014)
>>> Ah! Se eu soubesse de Rose dos Anjos pela Espírita francisco spinelli (1980)
>>> Poesia Completa e Prosa Escolhida -Volume Único de Gonçalves Dias pela José Aguilar (1959)
>>> Olga de Fernando Morais pela Companhia das Letras (2017)
>>> A Fôrça do Pensamento de William Walker Atkinson pela O pensamento (1978)
>>> Contra o Financismo - o Método Mais Prático e Eficiente para Investir de Felipe Miranda - Rodolfo Amsterden pela Empiricus (2016)
>>> Geografia da coragem de Jorge Macedo pela Edições asa (1988)
>>> Memórias do Aprendizado de Jorge Carvalho do Nascimento pela Edições Catavento (2004)
>>> O que todos devem saber sobre os Bancos de Roberto damasceno Pinto pela Ouro (1968)
>>> Pasquim apresenta Lúcia McCartney de Rubem Fonseca pela Codecri (1978)
>>> Trilogia de Mauro Rasi pela Relume dumará (1993)
>>> A Humanidade é Isenta de Pecado de Masaharu Taniguchi pela Seicho-No-Ie (2008)
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela FTD (1999)
>>> Plano Piloto de Victor Hugo G. Rodrigues pela Scortecci (1992)
>>> Curso completo de processo penal de Paulo Lúcio Nogueira pela Saraiva (1993)
>>> Prontuário de redação oficial de João Luiz Ney pela Dasp (1973)
>>> Intelectuais da Educação: Sílvio Romero, José Calasans e Outros Professores de Jorge Carvalho do Nascimento pela Edufal (2007)
>>> A Espada de Shannara de Terry Brooks; Ana Cristina Rodrigues pela Saída de emergência (2014)
>>> Insaciável de Meg Cabot pela Galera (2012)
>>> As Pedras Élficas de Shannara de Terry Brooks; Ana Cristina Rodrigues pela Saída de emergência (2014)
>>> Mordida de Meg Cabot pela Galera (2012)
>>> Tutor - um homem de olhar penetrante de Sue Hecker pela Harper Collins (2017)
>>> A tormenta de espadas - As crônicas de gelo e fogo de George R. R. Martin pela Leya (2011)
>>> Interação medicamentosa - 10A de Luiza cristina pela GEN Guanabara Koogan (2011)
>>> O símbolo perdido de Dan Brown pela Sextante (2009)
>>> Cuidado de Ferimentos Para veterinarios de equinos - 10A de Dean A. Hendrickson pela Roca (2016)
>>> Odontologia Veterinaria - 10A de Marco Antonio Gioso pela Manole (2007)
>>> Livros Série Gerenciamento De Projetos - Fgv de André Bittencourt do Valle, Carlos Alberto Pereira Soares, José Finocchio Jr. e Lincoln de Souza Firmino da Silva et al. pela Fgv (2010)
>>> Futebol e Futsal. Atividades, Jogos e Treinamento Para Homens e Mulheres. Fisiologia Aplicada -10A de Ivan da Cruz Picarro pela Phorte (2012)
>>> O Quarteto de Alexandria: Clea de Lawrence Durrell pela Ediouro (2006)
>>> Esporte e Educação Saúde e Cidadania na Escola - 10A de Adriana Brunstein pela Eureka (2015)
>>> Ensinando basquetebol para jovens - 10A de American S.E.P pela Manole (2000)
>>> Esporte e Educação - 9º ano: O esporte e a mente - 10A de Vários pela Mundial (2015)
>>> Ensinando tênis para jovens - 10A de American Sport Education Program pela Manole (1999)
>>> Esporte e Educação Saúde e Cidadania na Escola - 7º ano / Meio ambiente e atividade física - 10A de Denis Pierre Araki pela Eureka (2015)
>>> Esporte e Educação Saúde e Cidadania na Escola - 8º ano / Esporte e ciência - 10A de Denis Pierre Araki pela Eureka (2015)
>>> Esporte e Educação Saúde e Cidadania na Escola - 6º ano / Corpo em movimento - 10A de Denis Pierre Araki pela Eureka (2015)
>>> O Quarteto de Alexandria: Mountolive de Lawrence Durrell pela Ediouro (2006)
>>> Pedagogia do Esporte. Aspectos Conceituais da Competição e Estudos Aplicados - 10A de Riller Silva Reverdito pela Phorte (2013)
>>> Ensinando voleibol para jovens - 10A de American S.E.P pela Manole (1999)
ENSAIOS

Segunda-feira, 21/1/2008
Kubrick, o iluminado
Geraldo Galvão Ferraz

+ de 17200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Kubrick, sinônimo: polêmica. A lista é conhecida: pedofilia em Lolita, o fim do mundo com humor negro, em Dr. Fantástico, estupro e violência desmedida coreografados ao som de música clássica em Laranja mecânica, filosofia e misticismo incompreensíveis em 2001: Uma odisséia no espaço, a guerra sem sentido em Nascido para matar e uma crônica erótica em De olhos bem fechados. Mas talvez seu filme mais polêmico, pelo menos quanto à divisão do público, seja O iluminado.

A briga do público concentra-se no tratamento que Kubrick deu ao filme, ainda mais partindo de um ícone do terror, solidamente baseado na estética do gênero. Ao filmar um romance de Stephen King, que já havia vendido milhares de cópias e satisfeito seu público cativo com uma atmosfera aterrorizante, Kubrick já teria seu filme estruturado antecipadamente por uma platéia que estava implorando por sustos e arrepios.

Porém, o diretor pareceu estar presa dos demônios do hotel Overlook da história. Exatamente por King ser o que era, "o rei do terror", Kubrick resolveu fazer um filme que não fosse uma reprodução filmada do romance. Talvez só por isso escolhesse adaptar um livro tão pouco "in" em termos literários, o terceiro romance apenas de um escritor que, na época, 1977, freqüentava as listas dos mais vendidos, mas dificilmente era examinado pelos críticos respeitados. Afinal, em 1975, Kubrick filmara com requintes de exatidão Barry Lyndon, de William Thackeray, sem dúvida uma escolha no campo da alta literatura.

O único exemplo dele trabalhar com um livro sem intenções ao highbrow para transformá-lo numa obra própria, foi com Dr. Fantástico, de Peter George (1924-1966), um romancezinho mediano que transformou em obra-prima cinematográfica.

Ao estrear em 1980, O iluminado foi um sucesso de bilheteria. Mas os críticos não gostaram tanto assim. Uma famosa crítica de Pauline Kael na revista The New Yorker, por exemplo, censurava os virtuosismos técnicos de Kubrick como distração para o que deveria ser uma honesta e amedrontadora história de terror. Ela também ia diretamente ao ponto quando investia contra a mania metafísica do diretor, que colocava Jack Torrance (Jack Nicholson) como o zelador eterno do hotel Overlook, o que é parte de um diálogo de um garçom-fantasma com Jack. Kael faz a dedução perfeita: se o mal é eterno, pode-se colocar o osso projetado no ar, de 2001, como uma forma primitiva do machado de Jack em O iluminado. Além disso, Jack, que solta roncos furiosos e animalescos na perseguição pela topiaria de animais recortados nos arbustos do jardim, transformar-se-ia, ele mesmo, em macaco.

Na verdade, o filme dividiu seu público entre fãs de Stanley Kubrick e fãs de Stephen King (o próprio King, que teve seu esboço de roteiro vetado por Kubrick, nunca hesitou em falar mal de O iluminado, o filme). Quem era pró-Kubrick, falou sobretudo na técnica do mestre ao contar a história. Os pró-King disseram que o filme cortou partes essenciais da trama e mostrou um viés enigmático e nem sempre claro do tema.

E estes têm razão. Aparentemente, Kubrick não estava nem aí para a questão do "iluminado" do título. No livro, diz-se que o hotel, uma entidade do Mal, queria se apoderar da capacidade paranormal de Danny, o menino da história. Isso é tratado de raspão no filme. Também Jack, no livro, é um alcoólatra que está se recuperando. O hotel aproveita-se disso para dominar sua mente. No filme não se fala disso, o que faz a frase de Jack ― "Daria qualquer coisa por um drinque" ― uma espécie de oferenda de sua alma para o Mal, sem efeito para quem não conheça o livro.

Stephen King sempre seguiu um conceito caro aos fãs de histórias de lugares assombrados. Para ele,o hotel Overlook de O iluminado, o livro, assim como a Casa Marsten, de A hora do vampiro, são centrais do Mal, onde ele se acumula ao longo dos anos e usa seus poderes. Kubrick detonou todas as fórmulas do gótico. Ele filma quase tudo à luz do dia, sem deixar um cantinho escuro em todo o hotel. Nenhum dos acessórios comuns à história de um lugar mal-assombrado é usado para assustar. O que se tem ― e isto é inegavelmente um dos pontos altos do filme ― é a criação de uma atmosfera enervante, de que alguma coisa ruim vai acontecer. E isso já começa desde a maravilhosa cena de abertura nas montanhas do Colorado que vai acabar no fusca de Jack e família.

Pauline Kael diz que as aparições das garotas gêmeas e do sangue que jorra do elevador interrompem a ação maravilhosamente filmada com a steadycam, do menino andando de velocípede pelos corredores aparentemente infinitos do hotel. E diz pior ainda, que parecem fotos num audiovisual.

Elas travam a ação e não são bons efeitos naquilo que parece um trem-fantasma de parque de diversões. A gente sabe que vai aparecer alguma coisa e o que aparece não assusta, apenas se cumpre o previsível. Muito pior é o fato de quando a trama está praticamente no seu auge, haver um corte para o telejornal que o cozinheiro Halloran está assistindo na Flórida. O corte parece apenas um desajeitamento de Kubrick ou da montagem final.

Há quem diga que o grande tema do diretor-roteirista é o bloqueio de escritor. Bem, teria a ver com a crônica dificuldade de Kubrick terminar seus filmes. Basta lembrar que A.I. ― Inteligência artificial demorou 15 anos nas suas mãos e ele morreu antes de começar a filmagem. Entre O iluminado e Nascido para matar passaram-se sete anos; só 12 anos depois de Nascido para matar é que fez De olhos bem fechados... Obcecado pela perfeição, perseguiu seus atores. Scatman Crothers fez 160 tomadas (um recorde mundial, ao que se comenta) de uma cena. Poderia ser o contraponto das centenas e centenas de páginas com a frase "Muito trabalho e nenhuma brincadeira fazem de Jack um menino chato" que aparecem no filme (Kubrick exigiu que fossem datilografadas uma a uma, não xerocadas).

Do que se tem medo em O iluminado? Não é do horror, ou da presença do Mal. Mas da loucura desencadeada. De Jack fora de controle derrubando uma porta de banheiro para dizer: "Querida, cheguei!" Diante disso, a transformação da mulher linda que beija Jack e vira uma velha repulsiva é pouco eficiente.

Muito se discutiu sobre a atuação de Jack Nicholson. Ele não tem a medida exata da loucura. Já na entrevista inicial começa a denotar sinais de estranheza. Repete, de certa forma, o louco de Um estranho no ninho e sua atuação fica unidimensional, até mesmo chata. Daí, ele é um louco com um machado. Stephen King disse que imaginava William Hurt no papel. Dá para entender: Hurt tem cara e jeito de gente normal. Isso daria a contrapartida para a loucura induzida de Jack.

Positiva no filme é a perfeição técnica. A fotografia é muito bonita, como na cena do bar. Em 1997, Mick Garris fez uma nova versão, como minissérie, de O iluminado, com Stephen King de roteirista. Entraram o alcoolismo, a questão do "iluminado" e até mesmo os animais-plantas que Kubrick, no seu filme, resolveu que ficariam imóveis. O resultado até que ficou razoável. Mas insuficiente para resolver a briga: Stanley Kubrick ou Stephen King?

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na edição de número 119 da Revista Cult.


Geraldo Galvão Ferraz
São Paulo, 21/1/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica, um gênero brasileiro de José Castello


Mais Geraldo Galvão Ferraz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/1/2008
08h40min
O Iluminado foi um filme que sempre quis assistir e só há cerca de um mês consegui fazê-lo. Não sei se, quando criança, a careta de Nicholson me assustava e por isso achava que o filme seria muito bom... ficou famosa na capa da revista MAD. A careta da Shelley Duval era horrível também (Oh, mulher feia!). Mas apoio o que o autor atira aqui neste post, não tão profundamente, pois não sou um crítico tão objetivo. Só não gostei do que vi. Ao contrário do que diz o autor, acho o filme a cara de Stephen King. Mais mal acabado ainda, concordo, mas é como King escreve. As cenas do pivete andando de velotrol pelos corredores servem para dar a dimensão do tédio que é ficar trancado num local sem nada para fazer até a neve ir embora, mas o tédio sai tão cruelmente da tela que é a única impressão que fica realmente do filme. Essa do alcoolismo não sabia, talvez explique o inexplicável que me pareceu a transformação do Jack normal no Jack alucinado destruindo tudo com o machado de bombeiro (argh!).
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
22/1/2008
12h20min
A primeira vez que assisti ao "Iluminado", em 80, realmente causou uma impressão fortíssima, marcante. Depois dele, surgiram milhares de outros com a mesma cara, que quase perdeu a graça. Mas há sequências no filme impagáveis e a cara do Jack doidão, embora caricatural, não deixa de ser interessante. Mas, confesso que é um filme que está entre os meus escolhidos, ou iluminados. Outros filmes de Kubrick merecem a nossa atenção, senão pelo filme em si, mas pelo inusitado. Agora entre Kubrick e King, fico com o primeiro, indiscultivelmente.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MECÂNICA DAS ÁGUAS
E. L. DOCTOROW
COMPANHIAS DAS LETRAS
(1995)
R$ 35,90



PLAYBOY ANDREA GUERRA
DIVERSOS
ABRIL
(1998)
R$ 50,00



SOCIEDADE DE ADVOGADOS
SERGIO FERRAZ
MALHEIROS
(2002)
R$ 12,00



GERÊNCIA À BRASILEIRA
AGRÍCOLA DE SOUZA BETHLEM
MCGRAW-HILL
(1989)
R$ 10,00



A ARCA DOS BICHOS
MARCELO DUARTE
CIA DAS LETRINHAS
R$ 14,00



GUIMARÃES ROSA
TÂNIA MACEDO
ÁTICA
(1988)
R$ 5,00



O HORROR ECONÔMICO
VIVIANE FORRESTER
UNESP
(1997)
R$ 30,00



A ARTE DE GANHAR A VIDA - COLEÇÃO PERGUNTE AO JOSÉ
SEBASTIÃO MARTINS - VÁRIOS
LE
(1999)
R$ 5,00



A ALEGRIA DO TRIUNFO: MANUAL PRÁTICO DE PSICOLOGIA DO COTIDIANO
PATRICK ESTRADE
IBRASA
(1993)
R$ 5,00



O AVESSO DA POESIA
LUCIA BRAGA
CANOA DAS LETRAS
(1999)
R$ 9,11





busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês