Kubrick, o iluminado | Geraldo Galvão Ferraz

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 21/1/2008
Kubrick, o iluminado
Geraldo Galvão Ferraz

+ de 16600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Kubrick, sinônimo: polêmica. A lista é conhecida: pedofilia em Lolita, o fim do mundo com humor negro, em Dr. Fantástico, estupro e violência desmedida coreografados ao som de música clássica em Laranja mecânica, filosofia e misticismo incompreensíveis em 2001: Uma odisséia no espaço, a guerra sem sentido em Nascido para matar e uma crônica erótica em De olhos bem fechados. Mas talvez seu filme mais polêmico, pelo menos quanto à divisão do público, seja O iluminado.

A briga do público concentra-se no tratamento que Kubrick deu ao filme, ainda mais partindo de um ícone do terror, solidamente baseado na estética do gênero. Ao filmar um romance de Stephen King, que já havia vendido milhares de cópias e satisfeito seu público cativo com uma atmosfera aterrorizante, Kubrick já teria seu filme estruturado antecipadamente por uma platéia que estava implorando por sustos e arrepios.

Porém, o diretor pareceu estar presa dos demônios do hotel Overlook da história. Exatamente por King ser o que era, "o rei do terror", Kubrick resolveu fazer um filme que não fosse uma reprodução filmada do romance. Talvez só por isso escolhesse adaptar um livro tão pouco "in" em termos literários, o terceiro romance apenas de um escritor que, na época, 1977, freqüentava as listas dos mais vendidos, mas dificilmente era examinado pelos críticos respeitados. Afinal, em 1975, Kubrick filmara com requintes de exatidão Barry Lyndon, de William Thackeray, sem dúvida uma escolha no campo da alta literatura.

O único exemplo dele trabalhar com um livro sem intenções ao highbrow para transformá-lo numa obra própria, foi com Dr. Fantástico, de Peter George (1924-1966), um romancezinho mediano que transformou em obra-prima cinematográfica.

Ao estrear em 1980, O iluminado foi um sucesso de bilheteria. Mas os críticos não gostaram tanto assim. Uma famosa crítica de Pauline Kael na revista The New Yorker, por exemplo, censurava os virtuosismos técnicos de Kubrick como distração para o que deveria ser uma honesta e amedrontadora história de terror. Ela também ia diretamente ao ponto quando investia contra a mania metafísica do diretor, que colocava Jack Torrance (Jack Nicholson) como o zelador eterno do hotel Overlook, o que é parte de um diálogo de um garçom-fantasma com Jack. Kael faz a dedução perfeita: se o mal é eterno, pode-se colocar o osso projetado no ar, de 2001, como uma forma primitiva do machado de Jack em O iluminado. Além disso, Jack, que solta roncos furiosos e animalescos na perseguição pela topiaria de animais recortados nos arbustos do jardim, transformar-se-ia, ele mesmo, em macaco.

Na verdade, o filme dividiu seu público entre fãs de Stanley Kubrick e fãs de Stephen King (o próprio King, que teve seu esboço de roteiro vetado por Kubrick, nunca hesitou em falar mal de O iluminado, o filme). Quem era pró-Kubrick, falou sobretudo na técnica do mestre ao contar a história. Os pró-King disseram que o filme cortou partes essenciais da trama e mostrou um viés enigmático e nem sempre claro do tema.

E estes têm razão. Aparentemente, Kubrick não estava nem aí para a questão do "iluminado" do título. No livro, diz-se que o hotel, uma entidade do Mal, queria se apoderar da capacidade paranormal de Danny, o menino da história. Isso é tratado de raspão no filme. Também Jack, no livro, é um alcoólatra que está se recuperando. O hotel aproveita-se disso para dominar sua mente. No filme não se fala disso, o que faz a frase de Jack ― "Daria qualquer coisa por um drinque" ― uma espécie de oferenda de sua alma para o Mal, sem efeito para quem não conheça o livro.

Stephen King sempre seguiu um conceito caro aos fãs de histórias de lugares assombrados. Para ele,o hotel Overlook de O iluminado, o livro, assim como a Casa Marsten, de A hora do vampiro, são centrais do Mal, onde ele se acumula ao longo dos anos e usa seus poderes. Kubrick detonou todas as fórmulas do gótico. Ele filma quase tudo à luz do dia, sem deixar um cantinho escuro em todo o hotel. Nenhum dos acessórios comuns à história de um lugar mal-assombrado é usado para assustar. O que se tem ― e isto é inegavelmente um dos pontos altos do filme ― é a criação de uma atmosfera enervante, de que alguma coisa ruim vai acontecer. E isso já começa desde a maravilhosa cena de abertura nas montanhas do Colorado que vai acabar no fusca de Jack e família.

Pauline Kael diz que as aparições das garotas gêmeas e do sangue que jorra do elevador interrompem a ação maravilhosamente filmada com a steadycam, do menino andando de velocípede pelos corredores aparentemente infinitos do hotel. E diz pior ainda, que parecem fotos num audiovisual.

Elas travam a ação e não são bons efeitos naquilo que parece um trem-fantasma de parque de diversões. A gente sabe que vai aparecer alguma coisa e o que aparece não assusta, apenas se cumpre o previsível. Muito pior é o fato de quando a trama está praticamente no seu auge, haver um corte para o telejornal que o cozinheiro Halloran está assistindo na Flórida. O corte parece apenas um desajeitamento de Kubrick ou da montagem final.

Há quem diga que o grande tema do diretor-roteirista é o bloqueio de escritor. Bem, teria a ver com a crônica dificuldade de Kubrick terminar seus filmes. Basta lembrar que A.I. ― Inteligência artificial demorou 15 anos nas suas mãos e ele morreu antes de começar a filmagem. Entre O iluminado e Nascido para matar passaram-se sete anos; só 12 anos depois de Nascido para matar é que fez De olhos bem fechados... Obcecado pela perfeição, perseguiu seus atores. Scatman Crothers fez 160 tomadas (um recorde mundial, ao que se comenta) de uma cena. Poderia ser o contraponto das centenas e centenas de páginas com a frase "Muito trabalho e nenhuma brincadeira fazem de Jack um menino chato" que aparecem no filme (Kubrick exigiu que fossem datilografadas uma a uma, não xerocadas).

Do que se tem medo em O iluminado? Não é do horror, ou da presença do Mal. Mas da loucura desencadeada. De Jack fora de controle derrubando uma porta de banheiro para dizer: "Querida, cheguei!" Diante disso, a transformação da mulher linda que beija Jack e vira uma velha repulsiva é pouco eficiente.

Muito se discutiu sobre a atuação de Jack Nicholson. Ele não tem a medida exata da loucura. Já na entrevista inicial começa a denotar sinais de estranheza. Repete, de certa forma, o louco de Um estranho no ninho e sua atuação fica unidimensional, até mesmo chata. Daí, ele é um louco com um machado. Stephen King disse que imaginava William Hurt no papel. Dá para entender: Hurt tem cara e jeito de gente normal. Isso daria a contrapartida para a loucura induzida de Jack.

Positiva no filme é a perfeição técnica. A fotografia é muito bonita, como na cena do bar. Em 1997, Mick Garris fez uma nova versão, como minissérie, de O iluminado, com Stephen King de roteirista. Entraram o alcoolismo, a questão do "iluminado" e até mesmo os animais-plantas que Kubrick, no seu filme, resolveu que ficariam imóveis. O resultado até que ficou razoável. Mas insuficiente para resolver a briga: Stanley Kubrick ou Stephen King?

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na edição de número 119 da Revista Cult.


Geraldo Galvão Ferraz
São Paulo, 21/1/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vivendo de brisa de João Ubaldo Ribeiro
02. Sobre John Cage de Eduardo Barrox
03. Paradoxos da modernidade de Pedro Maciel
04. Achtung! A luta continua de Sérgio Augusto
05. São Paulo: veneno antimonotonia de Daniel Piza


Mais Geraldo Galvão Ferraz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/1/2008
08h40min
O Iluminado foi um filme que sempre quis assistir e só há cerca de um mês consegui fazê-lo. Não sei se, quando criança, a careta de Nicholson me assustava e por isso achava que o filme seria muito bom... ficou famosa na capa da revista MAD. A careta da Shelley Duval era horrível também (Oh, mulher feia!). Mas apoio o que o autor atira aqui neste post, não tão profundamente, pois não sou um crítico tão objetivo. Só não gostei do que vi. Ao contrário do que diz o autor, acho o filme a cara de Stephen King. Mais mal acabado ainda, concordo, mas é como King escreve. As cenas do pivete andando de velotrol pelos corredores servem para dar a dimensão do tédio que é ficar trancado num local sem nada para fazer até a neve ir embora, mas o tédio sai tão cruelmente da tela que é a única impressão que fica realmente do filme. Essa do alcoolismo não sabia, talvez explique o inexplicável que me pareceu a transformação do Jack normal no Jack alucinado destruindo tudo com o machado de bombeiro (argh!).
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
22/1/2008
12h20min
A primeira vez que assisti ao "Iluminado", em 80, realmente causou uma impressão fortíssima, marcante. Depois dele, surgiram milhares de outros com a mesma cara, que quase perdeu a graça. Mas há sequências no filme impagáveis e a cara do Jack doidão, embora caricatural, não deixa de ser interessante. Mas, confesso que é um filme que está entre os meus escolhidos, ou iluminados. Outros filmes de Kubrick merecem a nossa atenção, senão pelo filme em si, mas pelo inusitado. Agora entre Kubrick e King, fico com o primeiro, indiscultivelmente.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TESOUROS DA TERRA SANTA: DO REI DAVID AO CRISTIANISMO
ANDRÉA SAPOLNIK CALINA; LUIZ CALINA
MASP
R$ 10,98



ENSAIOS CRÍTICOS E FILOSÓFICOS
RAMÓN XIRAU
PERSPECTIVA
(1975)
R$ 8,02



IDEOLOGIA E MOBILIZAÇÃO POPULAR
MARILENA CHAUÍ; MARIA SYLVIA; CARVALHO FRANCO
CEDEC; PAZ E TERRA
(1978)
R$ 15,00



BRASIL VOL. 2 (ROMAMCE)
ERROL LINCOLN UYS
BEST SELLER
(1986)
R$ 18,00
+ frete grátis



O TEMPO DA CEIA
PEDRO FREIRE COSTA
QUETZAL
(1992)
R$ 13,70



HISTORIAS POSITIVAS: A LITERATURA (DES)CONSTRUINDO A AIDS
MARCELO SECRON BESSA (COM DEDICATÓRIA)
RECORD
(1997)
R$ 21,28



ANJOS E DEMÔNIOS
DAN BROWN; MARIA LUIZA NEWLANDS
ARQUEIRO
(2004)
R$ 8,90



INTRODUÇÃO À HISTÓRIA ECONÓMICA E SOCIAL DA EUROPA
JOSÉ VELGA TORRES
ALMEDINA
(1995)
R$ 31,26



PÉROLA E A FADA DO FLAMENGO
WENDY HARMER
FUNDAMENTO
(2015)
R$ 18,00



MURILO MENDES: O OLHAR VERTICAL
RAIMUNDO CARVALHO
EDUFES
(2001)
R$ 18,00





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês