A saturação dos novos autores | Márcia Denser

busca | avançada
30533 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Show com grupo Tambora faz um mergulho na obra de compositoras de diversos países da América Latina
>>> Pianista revelação, Juliana D'agostini mostra seu talento no Natal Musical do VillaLobos
>>> Ana Marson lança livro de crônicas em São Paulo
>>> Música, dança e boa conversa na "Semana Preta" do Centro de Referência da Dança
>>> Vila Cultural Cora Coralina recebe exposição 'Tempos Líquidos'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Rios inversos
>>> Você pertence a um não lugar
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lula e o Genocídio Negro
>>> Para entender Paulo Coelho
>>> Souza Dantas, Almoço e Chocolate
>>> Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor
>>> Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor
>>> Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor
>>> Proxxima: primeiro dia
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Ária da Rainha da Noite
>>> Let us protect you in the labyrinth
Mais Recentes
>>> Ensino de Ciencias e Cidadania
>>> Temas Transversais e a Estratégia de Projetos
>>> Sagarana
>>> Justiça e Esperança para Hoje
>>> Atlas Geográfico Escolar
>>> Trocando a Negação pela Graça de Deus
>>> Passagem para o Poético
>>> Atlas Geográfico Melhoramentos
>>> Morri para Viver Meu Submundo de Fama, Drogas e Prostituição
>>> Em Manhattan do terceiro Mundo
>>> Dança do fogo estudo sobre o Desejo
>>> Itinerário Espiritual de Santa Tereza de Ávila
>>> O Demônio e a Sra. Prym
>>> Inimigo Rumor 20
>>> Viena, Guia visual da Folha
>>> A Cura
>>> Pensamento Complexo: suas aplicações à liderança, à aprendizagem e ao desenvolvimento sustentável
>>> Dictionnaire D'Analyse du Discours (1ª ed.)
>>> Defenda seus direitos
>>> O momento da sua virada
>>> Uma Viagem Aos Reinos
>>> Trilha para os Jovens
>>> Titan - O mundo de aventuras fantásticas
>>> Sonhos Lúcidos
>>> Raiva. Seu Bem, Seu Mal
>>> O Shadowdale Vale Das Sombras
>>> O perdedor
>>> O livro secreto da maçonaria
>>> O livro da quituteira
>>> O caso Schreber
>>> O Caminho do mago
>>> Lobisomem O - Apocalipse - Rpg
>>> Livro do Mestre - Advanced Dungeons e Dragons
>>> Gurps. Modulo Básico
>>> Francisco de Assis e Francisco de Roma: Uma Nova Primavera na Igreja
>>> Forgotten Realms 3 Guia De Campanha Para Undermontain
>>> Cinema: O Divã e a Tela
>>> Até os Felizes Sofrem
>>> Assessoria de Imprensa
>>> As Virtudes da Casa
>>> Além do bem e do mal
>>> Aleister Crowley - A Biografia de um Mago
>>> A realização espontânea do desejo
>>> Belo Desastre
>>> Nao deixe para depois o que voce pode fazer agora
>>> Ecos Dos Mortos
>>> O pai sessenta minutos
>>> A Noite dos Quatro Furacões
>>> Caixa de Pássaros
>>> Qualidade em Serviços
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/6/2008
A saturação dos novos autores
Márcia Denser

+ de 7200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

O mercado editorial brasileiro está se fechando novamente ao autor nacional de ficção, um movimento negativo que se tornou cíclico, mas não inevitável, posto não ser um mecanismo cego. Antes é preciso corrigir os erros que se repetem ciclicamente e que levam ao dito fechamento.

De acordo com pesquisa realizada em 1995 pelo Idart (Departamento de Informação e Documentação Artística da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo), de cuja equipe fiz parte, entre 75 e 79, o mercado editorial e o parque gráfico nacionais expandem-se extraordinariamente em decorrência do chamado "milagre brasileiro" (a grana dos ianques que entrou com a ditadura), 12 anos depois, em 87, ao receber a conta do milagre, o Brasil pede moratória, coincidindo com a ascensão de Paulo Coelho, encabeçando a febre (ou melhor, praga) por obras de auto-ajuda e o fechamento do mercado editorial para os ficcionistas.

Em 90 o Brasil assina o consenso de Washington* cujas políticas perversas ajudarão a manter o referido mercado devidamente fechado por mais 12 dolorosos anos, apenas reabrindo em 2000, com a queda das vendas da auto-ajuda, o sucesso das antologias-balanço de fim de século e a emergência de uma nova geração de escritores.

Agora em 2008, embora ainda não seja abrangente, a tendência "cíclica" ao fechamento já se faz sentir. Como no horizonte não há nenhuma crise especialmente grave nem mudanças estruturais macroeconômicas, a única explicação que me ocorre cabe numa única palavrinha: saturação. Em parte por culpa do próprio mercado, em parte por culpa do autor. Meu Deus, já vi esse filme.

Eis as razões:

1) Inundação e encalhe de maus títulos, algo que se repete igualzinho à crise anterior, mas parece que editores, pequenos e grandes, esquecem as lições históricas, porque durante as vacas gordas apostam em tudo quanto é cavalo manco, metáforas zoológicas à parte, a exemplo do "escritor fofo" exaustivamente inventariado por Mirisola que, a despeito do ridículo, de fato existe e contribui vastamente para o recuo do mercado ― embora ambos (editoras e autores mancos) ainda não saibam: afinal, o leitor não é besta nem está aí para ser subestimado.

Há uma oferta imensa, massiva, indiscriminada ― fica difícil separar o joio do trigo, até porque atualmente é humanamente impossível ler tudo. Aquilo que Mirisola quis dizer com "profissionais qualificados no ramo que organizam antologias, escrevem de graça em jornais importantíssimos do Paraná, dão workshops e oficinas literárias, lançam livros geniais toda semana na Mercearia São Pedro" e que ao leitor parece piada, esculachos à parte, é a expressão da realidade, e o resultado é uma indigestão de maus autores e textos.

Publicou-se demais só pra aproveitar a maré de sorte e como livro não é pastel, publicaram-se bobagens, irrelevâncias ilegíveis, desnecessárias, tinta sobre o papel, alimento para o esquecimento, porque sequer para entretenimento tais textos se prestam. Afinal, é preciso ser competente, trabalhar duro, especializar-se, se o objetivo é escrever um bom policial, uma boa história de aventuras, uma boa biografia, e isso leva tempo.

Naturalmente o que ninguém levou em conta. Ao contrário, era preciso publicar já, agora, mês que vem, e o tempo de maturação e produção foi anulado.

Em nome do mercado, anulou-se o principal, descaracterizando-se assim o escritor e a escrita como profissão e como arte. Algo semelhante aconteceu nos anos 70: a editora Ática só na coleção Tempo Brasileiro lançou na mesma época dezenas de títulos de autores inéditos e onde estão esses sujeitos 30 anos depois? Bobagem.

Naturalmente, em 2000, ocorrem agravantes fazendo baixar ainda mais a qualidade e a seriedade: a ausência de crítica especializada nos grandes jornais, o efeito blog, a anomia (ausência de regras) do campo literário determinada por uma mídia irresponsável, sem critério, autofágica, anômica ela própria.

Ou seja: se qualquer um é escritor, logo ninguém é escritor.

Até porque, com o perdão dos blogueiros, escritor não dá em árvores.

2) A boa produção escrita entre 90 e 2000 já foi publicada, os bons escritores e poetas já foram revelados, posso citá-los um a um e dizer o porquê, e esses ainda precisam ser lidos, assimilados, julgados pelo público-leitor, pela academia, pelos críticos, pelos outros escritores e o momento é de consolidar posições etc.

Gerações de escritores não se sucedem ano a ano, é preciso exatamente o espaço de uma geração ― 30 anos ― entre uma e outra. É um saco ficar repetindo o óbvio, contudo não há mais gavetas dos já consagrados, e não há gavetas do porvir, vivemos uma espécie de entressafra.

Mas não, neguinho insiste, na rabeira do momento que passou. Então desabam concursos e prêmios do caralho. Lemos milhares de páginas, calhamaços, MONTANHAS de originais nada originais, de deixar qualquer um besta.

Repito: não há gavetas, nem produção genial nem gênios incompreendidos a serem descobertos. E se alguém te disser o contrário é porque está tentando te vender alguma coisa. Ou não?

Na primeira crise, o editor da Record, Sérgio Machado (aliás, meu editor), disse que em tempos economicamente bicudos o mercado só aposta em livros que garantem um retorno líquido e certo, tipo memórias, biografias e reedições de autores famosos. Faz sentido.

Embora os tempos não sejam exatamente bicudos, a reedição da obra de Jorge Amado pela Companhia das Letras não dá o que pensar?

* O consenso de Washington, chamado também de neoliberalismo, teve como pontos principais: abertura da economia por meio da liberalização financeira e comercial e da eliminação de barreiras aos investimentos estrangeiros; amplas privatizações; redução de subsídios e gastos sociais por parte dos governos; desregulamentação (demolição) das leis trabalhistas.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no site Congresso em Foco, em 29 de abril de 2008.


Márcia Denser
São Paulo, 2/6/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Passado e futuro da comunicação de Charles Cadé
02. Jobim: maestro ou compositor? de Luís Antônio Giron
03. Raspas e restos de 2005 de Mario Sergio Conti
04. Lembranças de Nova York de Rubem Fonseca
05. Retrato de corpo inteiro de um tirano comum de José Nêumanne


Mais Márcia Denser
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/6/2008
14h12min
Márcia, acho que vc está sendo muito fatalista. Realmente, hoje publica-se muita porcaria e escritores não existem às pencas como quer fazer acreditar a geração Averbuck da vida... Mas daí a dizer que não existe mais ninguém com talento e que devemos esperar 30 anos... já é demais. Aposto que existe um ou outro talento por aí que (ou ainda nao) foi descoberto, ou que está fazendo o que muito "escritor" da nova geração deveria ter feito: esperando a própria escrita maturar. Nem 8 nem 80, por favor...
[Leia outros Comentários de marjorie]
4/6/2008
14h28min
Marcia! A qualidade dos leitores também deve ser levada em conta! Não faltam "escritores-fantasmas", produzindo coisas abomináveis rotuladas de bibliografias, experências de vida e fórmulas de sucesso pessoal, assinando como artistas, "celebridades" e outros quejandos. Dar um salto de pára-quedas não faz ninguem ser paraquedista, mas é só pagar e pronto! Tem foto e tudo comprovando a façanha. Assim é a epidemia de escritores. A família, os funcionários, alguns amigos e, principalmente, a possibilidade de "imortalizar-se", com um registro na Biblioteca Nacional, além, é claro, daquela historia que dizem ter sido o Confucio quem disse: para ser homem (mulher), é necessario plantar uma arvore, fazer um filho e escrever um livro (é o responsável pelo que voce bem comenta). Ninguem é obrigado a comprar porcaria. Entretanto, a crítica, vez por outra, nos empurra algo absolutamente dispensável. Sigo acreditando que, bem peneirado, este cascalho sempre traz algum diamante... Um abraço, RA
[Leia outros Comentários de R.Almeida]
4/6/2008
20h58min
Márcia, você está mais afiada do que nunca! Sou seu fã desde os outros cometas. Depois desse ciclo de publicações vazias a que você se refere, só uma coisa não mudou absolutamente nesses anos: a sua verve cáustica, mordaz e certeira, que sem rodeios junta vaca gorda e cavalo manco no mesmo curral. A verdade é sempre cruel, mesmo pra quem não a percebe. Que dirá pra quem não a aceita? Beijos.
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
5/6/2008
10h16min
Temos um exemplo capital no texto acima e nos comentários que os seguem. Vejamos: 1) Um texto é escrito; 2) Há os que o detestam e 3) Há os que o adoram. É e será sempre assim. Que isso sirva de lição aos muitos letrados que fazem da sua subjetiva retórica o laço da própria forca. Pôr uma opinião assim, sem pé nem cabeça, Márcia, cria vínculos com o passado e passa a fazer parte de sua biografia. Sua opinião é digna de respeito, porém é limitada pela generalidade como você trata o corpus. E mais uma vez, criticar os Novos e generalizar... é um chover no molhado que não pára nunca!!! Até para (bem) escrever, em site ou blog, é preciso relevância. Se o seu problema são os Novos Escritores, o meu são eternos os críticos dos Novos, com seu pastiche interminável e o discurso "copia e cola", sem qualquer novidade ou corroboração lógica. Há os bons e há os ruins, ué (ou caralho, se você "prefere"... Um salva-vidas, por favor...
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
5/6/2008
14h36min
Acho que não dá pra ser tão radical. Arte não é matemática, assim não há como estipular que são x ou y bons escritores, a cada x ou y anos. Além disso, o conceito de "bom escritor" é relativo. Acho que há uma distinção a ser feita: o fato de um autor não ter seu trabalho reconhecido, seja através das vendas ou através das críticas, não significa que ele não tenha valor. Aliás, livros de auto-ajuda vendem muito bem e nem por isso têm qualidade excepcional (eu pessoalmente os acho insuportáveis, mas tem quem goste...). Continuando: Há autores que morreram sem ser reconhecidos (tiveram reconhecimento póstumo) - já pensou se não tivessem sido publicados? Há mesmo muita coisa ruim, mas com isso forma-se massa crítica para que textos de valor surjam... E qualquer autor tem o direito de achar o seu trabalho o máximo, e de tentar ser publicado, certo?
[Leia outros Comentários de Flavia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GUIA VALOR ECONÔMICO DE SEGUROS - PESSOA FÍSICA E BENS
JANES ROCHA
GLOBO
(2003)
R$ 9,00



SACRAMENTARIO
EDITORA VOZES
VOZES
(1998)
R$ 17,00



MÉTODOS DE DOSAGEM DE CONCRETO AUTOADENSÁVEL
PAULO CÉSAR CORREIA GOMES E ALEXANDRE RODRIGUES DE BARROS
PINI
(2009)
R$ 68,89



DEUSES, TÚMULOS E SÁBIOS: O ROMANCE DA ARQUEOLOGIA
C. W. CERAM
MELHORAMENTOS
(1973)
R$ 12,30



THE WOMAN IN WHITE
WILKIE COLLINS
PENGUIN READERS
(2008)
R$ 25,00



PROBLEMAS DA FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
JÚLIO FRAGATA, SJ
FACULDADE DE FILOSOFIA DA UCP (BRAGA)
(1989)
R$ 73,00



HISTORIA DA EDUCAÇAO DA ANTIGUIDADE AOS NOSSOS DIAS.
MARIO ALIGUIERO MANACORDA
CORTEZ
(1999)
R$ 60,00
+ frete grátis



O PRIMEIRO-MINISTRO - 11ª EDIÇÃO
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
(1977)
R$ 6,00



POPEYE Nº 12 - EDITORA GLOBO 1989
BUD SAGENDORF
GLOBO
(1989)
R$ 15,00



A UNIVERSIDADE INOVADORA
CLAYTON M. CHRISTENSEN E HENRY J. EYRING
BOOKMAN
(2012)
R$ 24,90





busca | avançada
30533 visitas/dia
1,1 milhão/mês