Medir palavras | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/5/2005
Medir palavras
Paulo Polzonoff Jr
+ de 8000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Faz parte da minha personalidade não medir palavras. Isto é bom e é ruim. A maioria das pessoas conhece o lado ruim disso. Não meço palavras para dizer o quanto detestei um livro, por exemplo. Mas há um lado bom em não medir palavras. Quando gosto muito de alguém, digo. Não hesito em estender às pessoas queridas e admiráveis um tapete vermelho de palavras. Faz bem para mim e, tenho certeza, também faz bem para elas. Ou me engano?

Esta não é a regra no mundo. Repare como a gente vive medindo as palavras que usa até mesmo para elogiar. Ou eu deveria dizer sobretudo para elogiar. A nossa sociedade (este fantasma de sete bilhões de tentáculos) suprimiu as boas palavras e tentou impor uma sublimação dos sentimentos mais aflorados - bem ao estilo vitoriano, que se julgava morto. Eu posso amá-lo, mas não convém dizer. É triste.

Cá para nós, eu acho que o mundo seria muito melhor se não medíssemos as palavras para dizer o quanto amamos, admiramos, somos gratos e estimamos determinada pessoa. Que eu saiba, este tipo de agrado não tem contra-indicação. Ao menos eu jamais conheci alguém que se sentisse ofendido com palavras de afeto.

No final do ano passado, por exemplo, eu me senti invadido por uma onda de afeto por algumas pessoas. Nunca escondi de ninguém que 2004 foi um ano difícil para mim. Por isso, achei justo que, ao final do ano, eu agradecesse às pessoas que fizeram daquele ano um pouco menos penoso. Peguei o telefone e disquei. Disse, mas foi difícil. Não que as palavras me saíssem com dificuldade. Eu tenho extrema facilidade com as tais. Posso até gaguejar um pouco, mas eu encontro sempre uma boa palavra no mar das minhas idéias. A dificuldade estava em imaginar como o outro recebia minhas palavras.

Disse que jamais conheci alguém que se sentisse ofendido com palavras de afeto. Menti. Conheço, sim, várias pessoas que se sentem mais do que incomodadas. É como se as palavras de afeto as ferissem. Desvio de caráter, você há de julgar. Não. Acho que é um efeito de uma sociedade que privilegia as coisas palpáveis. A velha história do ter em detrimento do ser. As pessoas acabam se protegendo demais de possíveis aproveitadores. E, na obsessão, acabam por criar uma carapaça intransponível. É mais comum do que se imagina.

Veja se não é o caso das relações amorosas. Várias vezes me envolvi com mulheres que não diziam o que sentiam - ainda que sentissem. Do mesmo modo, há mulheres que não vêem com bons olhos o fato de o homem dizer que a ama ou que ao menos se importa muito com ela. As relações amorosas mudernas são marcadas por silêncios ou supressões da palavra que geralmente resultam em equívocos e ruína. A mim parece que há uma lógica aí.

Particularmente, eu sofro por viver num tempo em que as palavras têm de ser milimetricamente medidas. Gosto de falar e gosto de me expressar. Às vezes eu me arrependo, é verdade. A pessoa que admirava ontem pode ter me decepcionado e então eu já não a admiro na medida da véspera. Mas eu pertenço ao coro dos que só se arrependem do que não dizem. Felizmente, vivo com alguém que não mede as palavras também. E nós somos felizes inundados com carinhos verbais diários.

Voltando. Dizia eu que no final de 2004 liguei para algumas pessoas para dizer o quanto elas foram importantes para mim naquele ano. As reações foram simples: alguns entenderam, outros não. Mas pior mesmo foi o tremor na minha voz. Eu tinha medo de ser julgado por minhas palavras como alguém que diz aqui sem dar o devido valor às palavras. E o que eu fazia, pasmem!, era justamente o oposto.

Hoje eu vivi este "drama" novamente. Sou um homem que fala. Se eu admiro, falo. Se agradeço, agradeço. Se estou tremendamente emocionado porque alguém depositou uma confiança extraordinária em mim, digo. Eu sou um homem emotivo. Não meço as palavras, especialmente nos bons momentos. E não quero ter jamais de suprimir os bons sentimentos que, ao se tornarem verbos, transformam-se também em verdades.

Portanto, se um dia eu ligar ou escrever dizendo obrigado ou ainda se, numa mesa de bar, disser que muito bom tê-los como amigos; se eu levantar o copo num brinde exagerado por uma conquista mínima ou se eu fizer um interurbano para agradecer pelo ano de convivência, acredite em mim. É de coração. Um coração que bate exagerado, que não tem vergonha da pieguice e que acredita que uma palavra não dita é, muitas vezes, uma palavra desperdiçada.

Uma idéia distorcida de liberdade
Faço aquele tipo que acredita na liberdade de um jeito muito patético, isto é, totalmente. O preço que pago por isso é a impopularidade. Não se trata, de modo algum, de uma virtude de mártir. Na verdade, é o castigo pela extrema burrice de achar que posso dizer o que penso impunemente.

Posso dizer, por isso, que eu sou um pouco anarquista. Dentro daquela idéia de anarquismo como um modo de vida no qual cada um pensa e age por si, sem controle externo. Mas minha utopia tem muito pouco de rebelde; trata-se de ignorância mesmo. Ou, por outra, de uma surdez, porque já ouvi os conselhos de Polônio umas dez vezes - e não o assimilei.

A história das minhas palavras livres é antiga e remonta aos primórdios da minha educação madura, ainda no colégio de freiras. Nas aulas de religião, eu pateticamente acreditava nas palavras da professora que dizia que não queria impor, e sim discutir. Com perguntas escabrosas, não demorou para que eu fosse sutilmente calado nos debates da aula. Sob a pena de ser reprovado, ainda que minhas notas em português e matemática sempre fossem as máximas.

Em vez de aprender o valor do silêncio, falei mais e mais durante toda a adolescência. Falta de cinta! Com a cara cheia de espinhas e as idéias cheias de hormônios, passei uns bons anos achando que minha língua afiada era algo a ser venerado pelo público ignaro. E dizia e dizia e dizia. Nunca ninguém me contradisse - o que só meu deu mais confiança para o desastre.

Nesta liberdade toda eu me embriaguei de palavras. Até hoje. Depois que passei a usar a palavra profissionalmente, pensei que teria a liberdade refreada. Nada disso aconteceu. Mas já então eu percebi que era refém da própria liberdade de dizer. Sabe como é: eu gostava de pensar que estava sendo original e subversivo (para usar um termo em desuso), quando, na verdade, eu só fazia repetir as palavras duras de quem não queria se expor.

Há uns poucos anos eu venho freqüentando um grupo de auto-ajuda para me ver livre da idéia de que sou livre para dizer o que penso. Não é fácil. Volta e meia eu ganho umas tantas estrelas na testa e faço discursos pungentes para uma platéia de viciados como eu. Mas as recaídas são inevitáveis. Uma vez na frente do computador e diante de um fato extraordinário, é difícil resistir à compulsão de dizer o que se pensa e o que não se pensa. Sempre com a impressão de que não se corre nenhum risco por isso.

Em casos de morte, a coisa se complica ainda mais, porque não raro o morto é uma pessoa importante para algum leitor incauto. E, ao falar qualquer coisa que abale a suposta honra do defunto, está-se ofendendo o leitor, o que nunca foi nem será jamais minha intenção. Tenho ganas de dizer sempre a todo mundo que a opinião é minha e que jamais quero impor o que quer que seja a ninguém, mas descobri que tal expediente tem um alto grau de rejeição. É como se eu estivesse tentando me desculpar com o mundo. Que não é benevolente.

Foi assim, com o espírito meio alquebrado pelas minhas próprias recentes palavras, que entrei hoje na sala do grupo de auto-ajuda, olhei na cara de cada um de meus companheiros de crença absurda e confessei que tinha caído no erro de dizer o que pensava - mais uma vez. Seguiu-se ao meu discurso um longo ooooooooh!, mas ninguém me reprovou. Chorei. Fiz meu escândalo básico. Me vi transformado numa borracha gigante, capaz de apagar todas as palavras escritas e ditas. Mas nada adiantou.

Hoje eu acordei e fazia sol. As palavras estão todas no papel, para quem quiser ler. Continuo tendo a minha opinião sobre isto e aquilo - e não raro minha opinião coincide com o mais impopular dos posicionamentos. Para o meu desespero, porém, continuo fiel à idéia de que é preciso pensar por contra própria, tanto quanto possível. Paradoxalmente, rezo o mantra de que nem tudo é preciso ser dito. E que o mundo agradece se não houver discordâncias sólidas daquilo que não se quer mudar.

Como agora já foi, quem sabe da próxima vez, não é mesmo? Não sei quanto a vocês, mas eu, bem, eu realmente torço por mim. E profetizo loucamente que haverá um dia em que finalmente distinguirei a palavra válida da inválida, a idéia pela qual vale a pena lutar daquela que é apenas ostentação e vaidade. Oremos.

Nota do Editor
Paulo Polzonoff Jr. dirige hoje o site Polzonoff Comunicação, onde estes textos foram originalmente publicados. (Reprodução gentilmente autorizada pelo autor.)


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 6/5/2005

Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr
01. Quem sou eu? - 8/12/1977
02. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
03. Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável - 15/8/2003
04. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
05. Está Consumado - 14/4/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2008
19h09min
Oi, Paulo. É muito bom não precisar medir as palavras, dizer tudo o que vier na telha. Mas qdo a gente amadurece, vai até mesmo tendo necessidade de medir as ditas palavras. Nunca fui de engolir sapo, falou o que não gostei, a resposta estava prontinha embaixo da língua. Isso desde criancinha, era uma fedelha malcriada, como diziam. Hoje, já não pode ser mais assim. Porque se você falar, vai pisar no calo deste ou daquele. E aí está formada a confusão!!! O trabalho da reflexão ajudou muito... Abraços Stela
[Leia outros Comentários de Stela ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Geografia Econômica Do Petróleo
Peter R. Odell
Zahar
(1966)



Máscaras e Murais de Minha Terra
Manoelito de Ornellas
Globo
(1966)



Livro Sociologia Dicionário Crítico de Sociologia
R. Boudon / F. Bourricaud
Ática
(1993)



Terra de Santa Cruz
Adélia Prado
Guanabara
(1986)



Hitler's Spy Against Churchill
Jan-Willem van den Braak
Pen and Sword Military
(2022)



O Cristo de Deus
Manuel Quintão
Federação Espírita Brasileira
(1955)



Cidadania e Participação
José Álvaro Moisés
Marco Zero
(1990)



Charbonneau Ensaio e Retrato
Alberto Martins
Scipione
(1997)



A Pipa
Roger Mello
Global
(2017)



Pétalas de Sangue
Ana Luisa Tavares
Do Autor
(2015)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês