Como Guimarães Rosa me arranjou um emprego | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS >>> Especial Guimarães Rosa

Quarta-feira, 19/4/2006
Como Guimarães Rosa me arranjou um emprego
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Ontem mesmo eu assistia à tevê e Thiago de Mello, o "poeta da liberdade", falava sobre seus encontros com Guimarães Rosa. Dizia o amazonense - também médico, como Rosa - que depois de ter o livro de João todo impresso, queria o mineiro trocar-lhe uma palavra na última página. Em vez de reluz, algo que se referia ao dia, fazia questão de escrever obluz, ou coisa que o valha. Thiago disse: mas isso não existe no dicionário! E Rosa, esperto mais que todos na não-língua portuguesa, disse que o dia, naquele texto, obluzia. E pronto.

Era isso o que Rosa fazia. Não lamentava uma língua pigarreante ou ríspida. Não comparava este dialeto com outro. Não tinha bobagens de um idioma mais fácil, mais isto ou aquilo. Ele atraiçoava as flexões e derivações da língua, de maneira que ela não fosse, mas se parecesse. Pinçava dali uma palavra, uma formação, uma morfologia nas palavras e inseria, como cirurgião da roça, tudo na sintaxe do português canônico. Traçava lá uma meia dúzia de ventos e fazia da língua não um texto coeso e coerente, que isso é coisa de gente normal. Nem um conto ou uma crônica, que isso é coisa que se aprende fácil, com meia dúzia de cursinhos de férias. Mas ele transformava todos aqueles sons e gestos de escrita em uma experiência estética. Diferente de outras e tão mais linda que fazia muito leitor de bula de remédio dizer que aquilo nem era literatura, e nem era mesmo.

Meus encontros com Rosa foram todos virtuais. Quando eu nasci, ele existia na estante da casa da minha avó. A obra nem fora aberta ainda. Fui tocar num exemplar quando já estava no ensino médio. E não foi porque mandaram ou porque ia "cair no vestibular". A escola não tem (ou não tinha) essas potencialidades. Eu quis. Eu quis ler Grande Sertão. E me parecia tão primordial, que nem fiz do obstáculo uma teia.

Lembro que demorei muito a passar das duas primeiras páginas. Difíceis. Um vizinho mais velho veio logo me contar que aquilo também acontecera com ele. Mas eu não sentei, agachei e chorei. Eu entrei pela terceira página e daí me pus a cavalo. Era como se uma nuvem de poeira densa, feita de linguagem, não quisesse mesmo me deixar ver aquele portal, como outros de desenho animado, que me levaria para os interiores do meu estado. Avante. Nem Rocinante nem Aquilante poderiam supor tanta vasteza e tanta aventura. Andei por aquelas trilhas por mais de mês.

Encontrei lá Riobaldo. Diadorim me deixou com intrigas. Seria uma história homossexual? Não, àquela altura. Engraçado era que ninguém entendia por que cargas d'água que queria mesmo ler aquela belezura de livro. Muito grande, muito grosso. Mas era isso. A língua que se falava ali não era de lugar nenhum neste mundo. E era bonita.

Quando acabei de ler, chorei. Mas não chorei porque Diadorim morria. Não chorei porque Riobaldo perdia. Chorei porque o livro se acabava. Chorei porque aquela havia sido uma experiência devastadora. Como encarar outro escritor depois de tudo isto? Como inventar uma linguagem se Rosa já havia inventado tudo? O que era prosa e o que era poesia? O mundo de cabeça para baixo. E era mais bonito.

Depois do Grande Sertão, entrei pela obra de Rosa afora. Mas, para mim, nenhuma delas era daquela toda maestria. Mesmo Manuelzão e Miguilim, que, estes sim, caíram no vestibular, pareciam petisco diante daquela ceia corajosa das veredas.

O mais interessante foi que o livro de Guimarães Rosa rendeu frutos na minha vida. Digo vida prática, no duro. É que logo um ano depois de ler a obra, deu de abrirem, já na universidade, um concurso, disputado, para quem quisesse entrar como bolsista de um grande e lindo projeto de extensão universitária. Eu era do segundo período apenas, e, atrevida, queria competir com mais de uma dezena de veteranos. Mas Diadorim não veria nisso vício. O diabo no meio do redemoinho e pronto.

Fui lá, me inscrevi, pensei em desistir, mas, não. O que diriam de mim meus botões? Uma covarde. Não é? Nem eu. Então fiz a prova. Quando entrei na sala cheia, me entregaram, e aos outros, um papel onde havia um comando, muito simples, e um texto.

Tratava-se de uma narrativa oral, dessas que se ouvem no sertão, contada por um velhinho do Vale do Jequitinhonha, contador de história analfabeto, respeitado em toda a região. O laço do capeta, ou a pedra de ouro. Era esse o nome do conto. Li com atenção, mas Rosa parecia me cutucar os ombros. O comando do teste era: reescrever (e transcriar) aquele conto, mudando a linguagem, a perspectiva, o foco narrativo, o que fosse. Virasse outro. E me pus a contar a história pela voz do velho, pai dos garotos protagonistas. Era uma verdadeira tragédia, com capeta e tudo no meio do rodamoinho. E eu estava Rosa naquele dia, naquela manhã, com toda aquela linguagem ainda ressonante.

Pois que dá. Uma semana depois, tirei primeiro lugar. A caneta e tudo. A pesquisadora logo queria saber quem eu era. De onde tirara aquilo. Se era do interior. E meu texto foi logo publicado no primeiro livro que brotou do projeto. E depois dele, outros. Mas eu tenho certeza de que era o Rosa que estava li, me fertilizando e me deixando contaminada. Senão, não.

Fiquei 4 anos naquele projeto. Conheci e registrei mais de 200 histórias do sertão norte de Minas. O acervo ficou em livros, CDs e nos arquivos do meu computador. Aprendi tanto que nem sei mais. Meu filho, hoje, ouve umas histórias dessa época. E ainda trabalho com ecos desses dias.

Posso um dia pôr aqui uma dessas narrativas. Mas é possível comprar livros e CDs com elas, com música, com recriação. É só entrar em contato com a Faculdade de Letras da UFMG.

Quanto aos livros do Rosa, não são apenas isso. Depois que alguém entra por aquelas trilhas, não anda mais sozinho pela literatura e, o mais grave, ganha um sentido novo no que lê adiante. As literaturas, depois dele, ficam tão pequenas. Livro bom é isto: muda tudo ao redor. E principalmente por dentro.

Notinha da extensão

Em maio, o Programa Pólo de Integração da UFMG no Vale do Jequitinhonha, em que está o projeto de extensão Quem Conta um Conto Aumenta um Ponto, vai pôr no ar um site. É só procurar. Lá os produtos de todos os projetos englobados pelo Pólo estarão disponíveis. E eu trabalhei nesse site também.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 19/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bonjour, tristesse de Adriana Baggio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


Mais Especial Guimarães Rosa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/4/2006
17h07min
Cara Ana Elisa, como uma coisa tão linda pode ser tão simples e tão difícil? Parabéns, digo, obrigado!
[Leia outros Comentários de Bernardo B Carvalho]
3/5/2006
04h24min
Ai, Ana. Já não bastava mia mana Rose me encafifar com essa história de estar lendo o Grande Sertão, lá vem ocê com estas prosas pra lá de boas e me fazer embrenhar pelas Veredas do Rosa. Lá vai eu destrinchar vales e cafundós atrás do que andam fazendo Diadorim, Riobaldo, Manuelzão, Miguilim etecetera e tar... Bom, que o Bom Deus me guie de volta à civilização... Se é que inda vou querer de saber disso. Inté mais ver...
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
27/1/2010
16h31min
Depois de ler Guimarães Rosa, todos os outros escritores ficam banais. Desisti de tentar ser escritor. Parece que não há mais nada a ser inventado, Guimarães Rosa já se apoderou da língua do Brasil. Mesmo que eu tivesse toda a inventividade vocabular dele, ainda me faltariam a alma da terra, a intuição e a poesia das plantas, dos bichos, dos ventos, dos cheiros, dos sentimentos todos das gentes, inclusive aqueles bem embutidos que não se explicam com palavras ou expressões normais... e, por fim, me faltaria a sabedoria simples e humilde de quem enxerga tudo, entende tudo, por dentro e por fora. São muitos os leitores instruídos absolutamente incapazes de compreender toda a beleza emanada de "Grande Sertão: Veredas". Mesmo a instrução, mesmo a inteligência comportam limitações. Comparar um carro-esporte com uma suprema obra de arte, e cometer o sacrilégio de preferir o carro-esporte! Guimarães Rosa não é para todos. É complicado, e é simplório demais para as chãs erudições do utilitarismo.
[Leia outros Comentários de Roberto Valderramos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês