Como Guimarães Rosa me arranjou um emprego | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Guimarães Rosa

Quarta-feira, 19/4/2006
Como Guimarães Rosa me arranjou um emprego
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Ontem mesmo eu assistia à tevê e Thiago de Mello, o "poeta da liberdade", falava sobre seus encontros com Guimarães Rosa. Dizia o amazonense - também médico, como Rosa - que depois de ter o livro de João todo impresso, queria o mineiro trocar-lhe uma palavra na última página. Em vez de reluz, algo que se referia ao dia, fazia questão de escrever obluz, ou coisa que o valha. Thiago disse: mas isso não existe no dicionário! E Rosa, esperto mais que todos na não-língua portuguesa, disse que o dia, naquele texto, obluzia. E pronto.

Era isso o que Rosa fazia. Não lamentava uma língua pigarreante ou ríspida. Não comparava este dialeto com outro. Não tinha bobagens de um idioma mais fácil, mais isto ou aquilo. Ele atraiçoava as flexões e derivações da língua, de maneira que ela não fosse, mas se parecesse. Pinçava dali uma palavra, uma formação, uma morfologia nas palavras e inseria, como cirurgião da roça, tudo na sintaxe do português canônico. Traçava lá uma meia dúzia de ventos e fazia da língua não um texto coeso e coerente, que isso é coisa de gente normal. Nem um conto ou uma crônica, que isso é coisa que se aprende fácil, com meia dúzia de cursinhos de férias. Mas ele transformava todos aqueles sons e gestos de escrita em uma experiência estética. Diferente de outras e tão mais linda que fazia muito leitor de bula de remédio dizer que aquilo nem era literatura, e nem era mesmo.

Meus encontros com Rosa foram todos virtuais. Quando eu nasci, ele existia na estante da casa da minha avó. A obra nem fora aberta ainda. Fui tocar num exemplar quando já estava no ensino médio. E não foi porque mandaram ou porque ia "cair no vestibular". A escola não tem (ou não tinha) essas potencialidades. Eu quis. Eu quis ler Grande Sertão. E me parecia tão primordial, que nem fiz do obstáculo uma teia.

Lembro que demorei muito a passar das duas primeiras páginas. Difíceis. Um vizinho mais velho veio logo me contar que aquilo também acontecera com ele. Mas eu não sentei, agachei e chorei. Eu entrei pela terceira página e daí me pus a cavalo. Era como se uma nuvem de poeira densa, feita de linguagem, não quisesse mesmo me deixar ver aquele portal, como outros de desenho animado, que me levaria para os interiores do meu estado. Avante. Nem Rocinante nem Aquilante poderiam supor tanta vasteza e tanta aventura. Andei por aquelas trilhas por mais de mês.

Encontrei lá Riobaldo. Diadorim me deixou com intrigas. Seria uma história homossexual? Não, àquela altura. Engraçado era que ninguém entendia por que cargas d'água que queria mesmo ler aquela belezura de livro. Muito grande, muito grosso. Mas era isso. A língua que se falava ali não era de lugar nenhum neste mundo. E era bonita.

Quando acabei de ler, chorei. Mas não chorei porque Diadorim morria. Não chorei porque Riobaldo perdia. Chorei porque o livro se acabava. Chorei porque aquela havia sido uma experiência devastadora. Como encarar outro escritor depois de tudo isto? Como inventar uma linguagem se Rosa já havia inventado tudo? O que era prosa e o que era poesia? O mundo de cabeça para baixo. E era mais bonito.

Depois do Grande Sertão, entrei pela obra de Rosa afora. Mas, para mim, nenhuma delas era daquela toda maestria. Mesmo Manuelzão e Miguilim, que, estes sim, caíram no vestibular, pareciam petisco diante daquela ceia corajosa das veredas.

O mais interessante foi que o livro de Guimarães Rosa rendeu frutos na minha vida. Digo vida prática, no duro. É que logo um ano depois de ler a obra, deu de abrirem, já na universidade, um concurso, disputado, para quem quisesse entrar como bolsista de um grande e lindo projeto de extensão universitária. Eu era do segundo período apenas, e, atrevida, queria competir com mais de uma dezena de veteranos. Mas Diadorim não veria nisso vício. O diabo no meio do redemoinho e pronto.

Fui lá, me inscrevi, pensei em desistir, mas, não. O que diriam de mim meus botões? Uma covarde. Não é? Nem eu. Então fiz a prova. Quando entrei na sala cheia, me entregaram, e aos outros, um papel onde havia um comando, muito simples, e um texto.

Tratava-se de uma narrativa oral, dessas que se ouvem no sertão, contada por um velhinho do Vale do Jequitinhonha, contador de história analfabeto, respeitado em toda a região. O laço do capeta, ou a pedra de ouro. Era esse o nome do conto. Li com atenção, mas Rosa parecia me cutucar os ombros. O comando do teste era: reescrever (e transcriar) aquele conto, mudando a linguagem, a perspectiva, o foco narrativo, o que fosse. Virasse outro. E me pus a contar a história pela voz do velho, pai dos garotos protagonistas. Era uma verdadeira tragédia, com capeta e tudo no meio do rodamoinho. E eu estava Rosa naquele dia, naquela manhã, com toda aquela linguagem ainda ressonante.

Pois que dá. Uma semana depois, tirei primeiro lugar. A caneta e tudo. A pesquisadora logo queria saber quem eu era. De onde tirara aquilo. Se era do interior. E meu texto foi logo publicado no primeiro livro que brotou do projeto. E depois dele, outros. Mas eu tenho certeza de que era o Rosa que estava li, me fertilizando e me deixando contaminada. Senão, não.

Fiquei 4 anos naquele projeto. Conheci e registrei mais de 200 histórias do sertão norte de Minas. O acervo ficou em livros, CDs e nos arquivos do meu computador. Aprendi tanto que nem sei mais. Meu filho, hoje, ouve umas histórias dessa época. E ainda trabalho com ecos desses dias.

Posso um dia pôr aqui uma dessas narrativas. Mas é possível comprar livros e CDs com elas, com música, com recriação. É só entrar em contato com a Faculdade de Letras da UFMG.

Quanto aos livros do Rosa, não são apenas isso. Depois que alguém entra por aquelas trilhas, não anda mais sozinho pela literatura e, o mais grave, ganha um sentido novo no que lê adiante. As literaturas, depois dele, ficam tão pequenas. Livro bom é isto: muda tudo ao redor. E principalmente por dentro.

Notinha da extensão

Em maio, o Programa Pólo de Integração da UFMG no Vale do Jequitinhonha, em que está o projeto de extensão Quem Conta um Conto Aumenta um Ponto, vai pôr no ar um site. É só procurar. Lá os produtos de todos os projetos englobados pelo Pólo estarão disponíveis. E eu trabalhei nesse site também.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 19/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Palavrão também é gente de Ana Elisa Ribeiro
02. Charles Darwin (1809-2009) de Ricardo de Mattos
03. Acaricia meu sonho, de Marcelo Barbão de Rafael Rodrigues
04. Escrevo deus com letra minúscula de Jardel Dias Cavalcanti
05. Dos Lobisomens de Ricardo de Mattos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


Mais Especial Guimarães Rosa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/4/2006
17h07min
Cara Ana Elisa, como uma coisa tão linda pode ser tão simples e tão difícil? Parabéns, digo, obrigado!
[Leia outros Comentários de Bernardo B Carvalho]
3/5/2006
04h24min
Ai, Ana. Já não bastava mia mana Rose me encafifar com essa história de estar lendo o Grande Sertão, lá vem ocê com estas prosas pra lá de boas e me fazer embrenhar pelas Veredas do Rosa. Lá vai eu destrinchar vales e cafundós atrás do que andam fazendo Diadorim, Riobaldo, Manuelzão, Miguilim etecetera e tar... Bom, que o Bom Deus me guie de volta à civilização... Se é que inda vou querer de saber disso. Inté mais ver...
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
27/1/2010
16h31min
Depois de ler Guimarães Rosa, todos os outros escritores ficam banais. Desisti de tentar ser escritor. Parece que não há mais nada a ser inventado, Guimarães Rosa já se apoderou da língua do Brasil. Mesmo que eu tivesse toda a inventividade vocabular dele, ainda me faltariam a alma da terra, a intuição e a poesia das plantas, dos bichos, dos ventos, dos cheiros, dos sentimentos todos das gentes, inclusive aqueles bem embutidos que não se explicam com palavras ou expressões normais... e, por fim, me faltaria a sabedoria simples e humilde de quem enxerga tudo, entende tudo, por dentro e por fora. São muitos os leitores instruídos absolutamente incapazes de compreender toda a beleza emanada de "Grande Sertão: Veredas". Mesmo a instrução, mesmo a inteligência comportam limitações. Comparar um carro-esporte com uma suprema obra de arte, e cometer o sacrilégio de preferir o carro-esporte! Guimarães Rosa não é para todos. É complicado, e é simplório demais para as chãs erudições do utilitarismo.
[Leia outros Comentários de Roberto Valderramos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês