Situação da poesia hoje | Affonso Romano de Sant'Anna

busca | avançada
45848 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/9/2008
Situação da poesia hoje
Affonso Romano de Sant'Anna

+ de 6100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A atual situação da poesia brasileira me lembra a palavra entropia. Dizem os especialistas que o universo vai desmilinguir-se entropicamente, e que não tem mais jeito. A rigor, pensei também numa expressão até mais apropriada: "dispersão poética". É também mais sofisticada. E se fosse escrever um ensaio sobre isto, terminaria dizendo que somente uma intervenção crítica que operacionalize a "poética da dispersão" pode aclarar e superar a "dispersão poética". Alguém o fará?

Comecei falando de entropia e dispersão, mas posso recomeçar de outro modo. Factual. Objetivo. A tal dispersão atinge, especialmente, os últimos 60 anos. Até o modernismo há um certo consenso em torno das grandes obras desse período. Pode haver uma ou outra discrepância, mas o conjunto é basicamente o mesmo. Depois é que a coisa pega. Como essa encrenca se deu, quais os responsáveis, que forças desintegradoras atuaram nisto, é tarefa para estudos e pesquisas. E tornando mais claro o que estou dizendo, avanço: é inadiável uma revisão da Geração 45, das vanguardas entre 56 e 68, da poesia marginal institucionalizada nos anos 70 e de uma série de nomes e autores que surgiram nas últimas décadas.

Falei de entropia, falei de dispersão e agora sou forçado a retomar a palavra cânone. Nossa geração se vangloriou de acabar com o cânone. O canônico, paradoxal e ironicamente, era ser contra o cânone. Deu no que deu. Brecha para apressados, espertos e placebos. Não se percebia que ser contra o cânone era uma estratégia de poder, entrar no desejado/aspirado cânone pela janela ou porta de trás. Deu no que deu: geléia geral. Tem quem goste. Há gosto para tudo.

Falo como quem participou ostensivamente nos últimos 50 anos dos caminhos e descaminhos da poesia brasileira. Quando comecei, nos anos 50, o modernismo estava no auge e seus poetas maiores estavam tendo a edição de suas poesias completas. Assisti ao apogeu da Geração 45 que ocupava suplementos, revistas e programas de rádio com seus poetas sendo celebrados. Vi (e participei) da emergência das vanguardas (1956-1968). Vi (e participei) da efervescência lítero-musical dos anos 60 e 70. Vi (e participei) da configuração da poesia marginal nos anos 70 e assisti à sua institucionalização universitária. Vi pessoas e grupos agressivamente aparecerem, alardearem que descobriram a "fórmula da verdadeira poesia", e desaparecerem.

Durante todo esse tempo, fui júri de dezenas de prêmios de poesia, fui crítico, ajudei a editar poetas em livros e revistas. Repito, participei dos caminhos e descaminhos da poesia brasileira nos últimos 50 anos denunciando sempre a "luta pelo poder literário" e buscando o diálogo. E acho que hoje as coisas estão muito confusas e têm que ser revistas. Não podemos botar a culpa só na "fragmentação" típica da pós-modernidade e fingir que não é conosco.

Insistindo na urgência de se passar a limpo o século XX algumas questões me parecem pertinentes em relação à poesia:

1. Será que não é um erro fazer um pacote e jogar no lixo a Geração 45, livrando a cara apenas de João Cabral? O quanto de pré-conceito, de patrulhamento, de briga de gerações havia na estratégia de descartar tantos autores que são julgados sem serem lidos? Dou exemplo de uma das clamorosas injustiças ― Paulo Mendes Campos. Foi trucidado pela juvenilidade auriverde de Mário Faustino e ignorado pelos que vieram depois.

2. As "vanguardas" dos anos 50 e 60, graças ao seu charme utópico e à neofilia não teriam sido supervalorizadas? O que restou de tanto messianismo e salvacionismo, o que restou de poesia em tudo isto?

3. Reconhecendo o papel da música popular no contexto histórico e político dos anos 60 e 70, não teria ocorrido, no entanto, um exagero de teses sobre compositores e músicos juvenilmente transformados em grandes vates?

4. Será que alguns "poetas marginais" tão institucionalizados são assim tão relevantes?

5. Enfim, um problema que transcende a poesia. A questão sócio-antropológica da mediação e da legitimação. Até os anos 70 havia uma meia dúzia de críticos de repercussão nacional que funcionavam como instância legitimadora (ou não). O país que tinha 70 milhões hoje tem cerca 200 milhões de habitantes. Aumentou o número de poetas e dissolveram-se as instâncias mediadoras e legitimadoras. Os suplementos, cedendo à sociedade do espetáculo, optaram por resenhas e reportagens. E ocorreu o fenômeno que chamo de "evangelização da crítica", pastores criam seitas no fundo de quintal e pastoreiam seus fiéis.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal Rascunho, na edição de agosto de 2008. Leia também "O poeta em pânico".


Affonso Romano de Sant'Anna
Rio de Janeiro, 8/9/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Joey e Johnny Ramone de André Barcinski
02. Oscar Wilde, dândi imortal de J.C. Ismael
03. Chico Buarque falou por nós de Ruy Castro
04. Direita, Esquerda ― Volver! de Antonio Prata
05. Kubrick, o iluminado de Geraldo Galvão Ferraz


Mais Affonso Romano de Sant'Anna
Mais Acessados de Affonso Romano de Sant'Anna
01. A mulher madura - 14/12/2009
02. Morreu Vinicius de Moraes - 3/8/2009
03. Duchamp e o Dadá - 20/2/2006
04. Obras-primas recusadas - 19/3/2007
05. Situação da poesia hoje - 8/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/9/2008
10h37min
Quem poderá dizer se as obras são ou não relevantes? Penso que não se pode ter um parâmetro legitimador único, definido por alguns ou por uma instância. Então, os que não se enquadram não poderão ser incluídos na verdadeira poesia? A poesia deve ser apreciada e respeitada em suas diversas formas... Ora, estamos noutro século. Não podemos permitir que a poesia continue sendo escrita como no passado. Os poetas evoluíram! A poesia evoluiu! Os poetas têm sensações não mais despertadas pela perda de um amor; ou por um estado febril, consequência de alguma doença de época. Viva a poesia desconexa! Viva a poesia moderna!
[Leia outros Comentários de Edi Kersting ]
8/9/2008
10h56min
Bravo, Poeta! Em poucas palavras, obrigado pela lucidez ao tematizar assunto tão complexo. E ao "passar[mos] a limpo o século XX..." a sua obra (tanto poética quanto crítica) merece especial destaque! Abraços do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
9/9/2008
14h03min
Sou um garimpeiro de poesia. Quase que diariamente procuro um pedacinho dourado que brilhe no turvez cotidiana. Homi, seu minino, tááá difícil! Em seis meses de pesquisa, o que notei é que está havendo uma fusão de textos de auto-ajuda, poesia, e pensamento politicamente correto. O resultado que vejo é uma "poesia" opaca e pegajosa, feita, me parece, de açucar e massa corrida. Tá tudo no "pó da rabiola"? Não. Há sim poesia e poetas cheios de entusiasmo e fúria; mas, pelo que estou sentindo, são uma espécie em extinção.
[Leia outros Comentários de Y.N. Daniel]
14/9/2008
15h56min
Há um problema na poesia, sim! Sou freqüentadora de rodas poéticas desde 1996 e percebo que os poetas modernos não evoluem. Quando um colega oferece uma correção, eles recusam, como se o poeta já nacesse pronto. São inúmeros os desabafos pessoais ditos poemas. A maioria deles não é poeta. Amo tudo o que leio de Affonso R. Sant'Anna! Parabéns pela matéria pertinente ao nosso momento.
[Leia outros Comentários de Gelza Reis Cristo]
16/9/2008
12h05min
O talento de Affonso Romano de Sant'Anna nos possibilitou ler este belo texto, "Situação da poesia hoje". Sou poeta, adoro escrever e fico, às vezes, incomodado pelo fato de muitas pessoas se aventurarem como escritores e estarem distantes da humildade; não aceitam sugestões, críticas, não querem aprimorar seu modo de escrever, desmerecendo a poesia com produções que poderiam ser melhoradas caso aceitassem melhorar o que escrevem. Meus cumprimentos ao poeta e escritor Romano de Sant'Anna, que nos possibilitou uma oportuna reflexão a respeito da poesia brasileira de hoje.
[Leia outros Comentários de Maurilio Tadeu de Ca]
18/9/2008
01h19min
Poesia, Deus meu, não é automóvel, que só vale o do ano. Poesia é o que houve no passado de bom, somado ao que existe de bom no presente. Alugue um teatro hoje para recitar poesias de agora! No passado, todos os ingressos eram comprados.
[Leia outros Comentários de Feiz Nagib Bahmed]
6/10/2008
12h17min
A poesia é muito maior que nossas discussões tolas e corriqueiras. Sempre haverá um dono da razão alardeando o fim da poesia e/ou coisa assim. Como dizia Octavio Paz, o fim da poesia trará o fim da humanidade. Todos têm o direito de se expressar, o que legitima ou não alguma coisa é a sobrevivência através do tempo.
[Leia outros Comentários de Edson Bueno de Camar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O HOMEM RENOVADO
NADIR NOGUEIRA
N NOGUEIRA
(1997)
R$ 10,00



CRUZ E LIBERTAÇÃO NO ESPÍRITO
HAROLDO J. RAHM SJ E MARIA J. R. LAMEGO
PAULINAS
(1976)
R$ 10,00



BÍBLIA SAGRADA - ALMEIDA REVISTA E ATUALIZADA - LETRA MAIOR - ROSA
JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA
SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL
(2009)
R$ 29,90



A PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO: OS 50 ANOS DO BNDES E DO BANCO DO
ROBERTO CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE
JOSÉ OLYMPIO
(2003)
R$ 26,82



LOCUÇÕES TRADICIONAIS NO BRASIL - COISAS QUE O POVO DIZ
LUÍS DA CÂMARA CASCUDO
ITATIAIA
(1986)
R$ 20,00



O CAMALEÃO NO ABISMO
RAMIRO BATISTA
ITATIAIA
(1986)
R$ 12,00



MAYA® HYPER–REALISTIC CREATURE CREATION (+ DVD)
AUTODESK MAYA PRESS
JOHN WILEY CONSUMER
(2008)
R$ 80,00



CYRANO DE BERGERAC
EDMOND ROSTAND
ABRIL CULTURAL
(1983)
R$ 26,82



AVALON HIGH
MEG CABOT
RECORD
(2007)
R$ 8,99



DICIONÁRIO LATIM-PORTUGUÊS - TERMOS E EXPRESSÕES
JAIR LOT VIEIRA
EDIPRO
(2018)
R$ 71,90





busca | avançada
45848 visitas/dia
1,4 milhão/mês