A mulher madura | Affonso Romano de Sant'Anna

busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
Mais Recentes
>>> Sucos e Vitaminas para Crianças de Amanda Cross pela Manole (2007)
>>> Super (lacrado) de Marcelo Carneiro da Cunha pela Galera Record (2010)
>>> A Separação e o Divórcio Após a Emenda Constitucional Nº 66/2010 (lacr de Lauane Andrekowisk Volpe Camargo pela Lumen Juris (2014)
>>> Estórias de um Delegado de Cyro Vidal pela Via (2003)
>>> Marley & Eu de John Grogan pela Ediouro (2006)
>>> Almanaque Tex Nº 37 de G. L. Bonelli pela Mythos (2009)
>>> Vírus Tropical de Power Paola pela Nemo (2015)
>>> Finanças Básicas de Herbert B. Mayo pela Cengage Learning (2009)
>>> Antropologia uma Introdução 4 Edição de Marina de Andrade Marconi e Outros pela Atlas (1998)
>>> O Cavaleiro das Palavras - Col. Jabuti de Luiz Antonio Aquiar pela Saraiva (2006)
>>> Managing Our Natural Resources - 5ª Ed. de William G. Camp pela Cengage Learning (2008)
>>> A Voz do Silêncio de H P Blavatsky pela Pensamento (1953)
>>> Dinamize sua capacidade de Masaharu Taniguchi pela Seicho NO IE (2008)
>>> A Turma do Pererê Nº 1 de Ziraldo pela Abril (1975)
>>> O Oposto de Todo Mundo de Joshilyn Jackson pela Harpercollins (2016)
>>> New York in the Thirties de Berenice Abbott pela Dover Publications (1973)
>>> Crônicas para uma Nova Escola (lacrado) de Danilo Gandin pela Wak (2008)
>>> A escrita dos lideres de Kenneth Roman pela Best Business (2016)
>>> A Economia na Rússia de J. F. Normano pela Atlas (1945)
>>> Mensalão - Diário de um Julgamento - 2ª Ed (lacrado) de Joaquim Falcão pela Método (2015)
>>> Trapalhões Nº 32 de Rafael Spaca pela Abril Jovem (1990)
>>> Memórias de um sargento de milícias de Manuel Antônio De Almeida pela Martin Claret (2010)
>>> Essentials of English Third Edition de Vicent F. Hopper / Cedric Gale pela Barrons (1982)
>>> Contra Natura de Oscar Cesarotto pela Iluminuras (1999)
>>> A Armadilha de Dante (lacrado) de Arnaud Delalande pela Record (2009)
ENSAIOS

Segunda-feira, 14/12/2009
A mulher madura
Affonso Romano de Sant'Anna

+ de 14900 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Flamenco Woman Painting, de Richard Young

O rosto da mulher madura entrou na moldura de meus olhos.

De repente, a surpreendo num banco olhando de soslaio, aguardando sua vez no balcão. Outras vezes ela passa por mim na rua entre os camelôs. Vezes outras a entrevejo no espelho de uma joalheria. A mulher madura, com seu rosto denso esculpido como o de uma atriz grega, tem qualquer coisa de Melina Mercouri ou de Anouke Aimé.

Há uma serenidade nos seus gestos, longe dos desperdícios da adolescência, quando se esbanjam pernas, braços e bocas ruidosamente. A adolescente não sabe ainda os limites de seu corpo e vai florescendo estabanada. É como um nadador principiante, faz muito barulho, joga muita água para os lados. Enfim, desborda.

A mulher madura nada no tempo e flui com a serenidade de um peixe. O silêncio em torno de seus gestos tem algo do repouso da garça sobre o lago. Seu olhar sobre os objetos não é de gula ou de concupiscência. Seus olhos não violam as coisas, mas as envolvem ternamente. Sabem a distância entre seu corpo e o mundo.

A mulher madura é assim: tem algo de orquídea que brota exclusiva de um tronco, inteira. Não é um canteiro de margaridas jovens tagarelando nas manhãs.

A adolescente, com o brilho de seus cabelos, com essa irradiação que vem dos dentes e dos olhos, nos extasia. Mas a mulher madura tem um som de adágio em suas formas. E até no gozo ela soa com a profundidade de um violoncelo e a sutileza de um oboé sobre a campina do leito.

A boca da mulher madura tem uma indizível sabedoria. Ela chorou na madrugada e abriu-se em opaco espanto. Ela conheceu a traição e ela mesma saiu sozinha para se deixar invadir pela dimensão de outros corpos. Por isto as suas mãos são líricas no drama e repõem no seu corpo um aprendizado da macia paina de setembro e abril.

O corpo da mulher madura é um corpo que já tem história. Inscrições se fizeram em sua superfície. Seu corpo não é como na adolescência uma pura e agreste possibilidade. Ela conhece seus mecanismos, apalpa suas mensagens, decodifica as ameaças numa intimidade respeitosa.

Sei que falo de uma certa mulher madura localizada numa classe social, e os mais politizados têm que ter condescendência e me entender. A maturidade também vem à mulher pobre, mas vem com tal violência que o verde se perverte e sobre os casebres e corpos tudo se reveste de uma marrom tristeza.

Na verdade, talvez a mulher madura não se saiba assim inteira ante seu olho interior. Talvez a sua aura se inscreva melhor no olho exterior, que a maturidade é também algo que o outro nos confere, complementarmente. Maturidade é essa coisa dupla: um jogo de espelhos revelador.

Cada idade tem seu esplendor. É um equívoco pensá-lo apenas como um relâmpago de juventude, um brilho de raquetes e pernas sobre as praias do tempo. Cada idade tem seu brilho e é preciso que cada um descubra o fulgor do próprio corpo.

A mulher madura está pronta para algo definitivo.

Merece, por exemplo, sentar-se naquela praça de Siena à tarde acompanhando com o complacente olhar o vôo das andorinhas e as crianças a brincar. A mulher madura tem esse ar de que, enfim, está pronta para ir à Grécia. Descolou-se da superfície das coisas. Merece profundidades. Por isto, pode-se dizer que a mulher madura não ostenta jóias. As jóias brotaram de seu tronco, incorporaram-se naturalmente ao seu rosto, como se fossem prendas do tempo.

A mulher madura é um ser luminoso, repousante às quatro horas da tarde, quando as sereias se banham e saem discretamente perfumadas com seus filhos pelos parques do dia. Pena que seu marido não note, perdido que está nos escritórios e mesquinhas ações nos múltiplos mercados dos gestos. Ele não sabe, mas deveria voltar para casa tão maduro quanto Yves Montand e Paul Newman, quando nos seus filmes.

Sobretudo, o primeiro namorado ou o primeiro marido não sabem o que perderam em não esperá-la madurar. Ali está uma mulher madura, mais que nunca pronta para quem a souber amar.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no livro A mulher madura. Leia também "É preciso aprender a ser mulher".


Affonso Romano de Sant'Anna
Rio de Janeiro, 14/12/2009

Mais Affonso Romano de Sant'Anna
Mais Acessados de Affonso Romano de Sant'Anna
01. A mulher madura - 14/12/2009
02. Duchamp e o Dadá - 20/2/2006
03. Morreu Vinicius de Moraes - 3/8/2009
04. Obras-primas recusadas - 19/3/2007
05. Situação da poesia hoje - 8/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/12/2009
17h55min
ARS é o pinguim na geladeira da literatura brasileira.
[Leia outros Comentários de Guilherme]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cry Freedom
John Briley
Oxford Bookworms Press



Planejamento e Atendimento a Arte do Guerreiro
Flávio L. S. Ferrari
Loyola



Memórias de um Educador
Pr. Walter Boger
Iae
(1998)



Decifrando a Fortaleza Digital
Sérgio Pereira Couto
Universo dos livros
(2005)



O Grande Livro dos Pensamentos de Casseta e Planeta
Casseta e Planeta
Record
(1994)



Três Russos e Três Ingleses
Júlio Verne
Matos Peixoto
(1965)



Clara dos Anjos e Outras Historias - Biblhioteca Folha 9
Lima Barreto
Ediouro
(1997)



Conecte Live: História 2
Ronaldo Vainfas e Outros.
Saraiva
(2018)



Parentonomics
Joshua Gans
Mit Press
(2010)



Court Traite de Laction, Classes Terminales A-b
Denis Huisman; André Vergez
Fernand Nathan
(1969)





busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês