Entrevista com Ron Bumblefoot Thal | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> The Jungle Book de Walt Disney pela Ladybird Books Limit (1996)
>>> Vibrações de Harmonia e Prosperidade de Antônio Carlos Rocha pela Pallas
>>> The Berenstain Bear Scouts and the Terrible Talking Termite de Stan & Jan Berenstain pela Scholastic Books (1996)
>>> Carassotaque de Alfredo Aquino pela Iluminuras (2008)
>>> Prevenção dos Problemas de Aprendizagem no Pré-escolar de Eny Léa Gass pela Enelivros (1994)
>>> Renovando Atitudes de Francisco do Espíto Santo Neto - Espírirto Hammed pela Boa Nova (1997)
>>> Pelos Caminhos da Verdade de Márcio Fiorillo pelo Espírito Madalena pela Lúmen Editorial (2010)
>>> Os Grandes Líderes - Fidel Castro de John J. Vail pela Nova Cultural (1987)
>>> Playboy n60 Angelina Muniz - julho 1980 de Civita pela Abril (1980)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Olhar Acima do Horizonte de Luiz Alberto Py pela Rocco (2002)
>>> Psicanálises de Ontem e de Hoje - o Poder da Mente Humana 2 de Henri Gratton pela Loyola
>>> A Aparição de José Mauro Silva Dias pela Faer
>>> Nove Meses na Vida de uma Solteirona de Judith Rossner pela Record (1969)
>>> Homens Duas Sátiras e uma Fábula de Marilia Pacheco Fiorillo pela Arx (2004)
>>> Matemática 1 - Versão Beta de Edwaldo Bianchini e Herval Paccola pela Moderna (1995)
>>> Minha História : um Diário para Encontrar Sua Voz de Michelle Obama pela Objetiva (2019)
>>> Assis Brasil - um Diplomata da República Volume I de Alvaro da Costa Franco (org.) pela Fundação Alexandre Gusmão (2006)
>>> Fundamentos Socioantropologicos da Educação de Alexandre Vieira pela Fael (2013)
>>> Revista Guitar Player Janeiro de 2010 de N/d pela Melody
>>> Problemas Penais Concretos de Miguel Reale Júnior pela Malheiros (1997)
>>> Presentes da Natureza de Dione Mendes de Melo pela Do Autor (1998)
>>> Mães Confiantes, Filhos Realizados de Catherine Hickem pela Thomas Nelson Brasil (2010)
>>> Contabilidade para Concursos de Airto Ferronato pela Sagra (1989)
>>> Nações do Mundo - Israel de Vários Autores pela Cidade Cultural (1987)
ENTREVISTAS

Segunda-feira, 8/3/2010
Ron Bumblefoot Thal
Rafael Fernandes

+ de 15200 Acessos

Ron "Bumblefoot" Thal está se tornando mais conhecido por fazer parte do trio de guitarristas do Guns N' Roses, ao lado de Richard Fortus e do DJ Ashba. Mas sua história começou muito antes disso. Seu primeiro disco, Adventures of Bumblefoot, foi lançado em 1995 e já evidenciava seu jeito peculiar de tocar, com uma sonoridade diferenciada. Ao longo de sua carreira, além das técnicas usuais, começou a tocar uma guitarra fretless, ou seja, sem trastes, em que a escala do braço do instrumento é lisa como num violino ou num violoncelo. Também usa um dedal (sim, aquele mesmo que sua avó usa para costurar) para aumentar as possibilidades sonoras. Mas essa procura por novos caminhos está sempre a favor da música. Álbuns como Normal (2005) e Abnormal (2008) mostram a capacidade de Thal em compor boas canções. São os casos de "Normal", "Dash", "Simple days", "Overloaded", e "Breaking", entre tantas outras, que também evidenciam suas influências diversas, do Beatles ao heavy metal.


Ouça um trecho de "Breaking", do disco Normal

Sua habilidade no instrumento impressiona. Não meramente pela velocidade, mas pela criatividade e incrível fluência com que toca ― tudo parece fácil. Nas gravações de seus discos ele mesmo costuma registrar a maioria dos instrumentos, além de cantar. O músico também vem aumentando aos poucos sua base de fãs, que é fiel. E ele tem usado há anos artifícios que tem sido colocados como "modernos" no mercado da música: o contato direto com esses fãs via chats, fóruns e afins, trocando ideias e deixando até que eles escolham as faixas de um disco, como ocorreu no EP Barefoot (2008). Bumblefoot não tem discos lançados no Brasil, mas é possível comprar seus CDs e merchandise diretamente dos EUA através do site Bald Freak, que faz entregas no País. A seguir, uma entrevista feita no final de fevereiro de 2010, quando se preparava para a parte sul-americana da turnê do Guns N' Roses, depois da banda ter passado com sucesso por países da Ásia e por diversas cidades do Canadá.

01) Seu estilo particular é reconhecível e evidente desde seu primeiro disco, Adventures of Bumblefoot (1995). Você sempre procurou abordagens e sons diferenciados? E quais eram (são) suas influências e referências?

Eu comecei tocando guitarra nos anos 70, ainda garoto, com 6 ou 7 anos. As bandas que eu me ligava eram Kiss, Beatles, AC/DC, Ramones, Sex Pistols, (Pink) Floyd, (David) Bowie, Queen, Who, Blondie, Boston, Yes, Billy Joel, Jethro Tull, Kinks, e muitos mais... E depois muito metal "old school", que na época não era "old school", era algo completamente novo. Eu tinha uma coleção de música diversa e era uma esponja a tudo o que eu via, ouvia e sentia. Eu nunca me preocupei em me encaixar ou em não me encaixar, eu apenas fazia minhas próprias coisas e talvez algo disso apareça quando eu faço música, o que pode ser visto como uma coisa boa ou ruim. Eu nunca tentei ser diferente, eu simplesmente tentava ser honesto e real e fazia o que eu verdadeiramente sentia e acreditava.

02) Quando eu ouço sua música eu penso num "caldeirão sonoro". Você pode ir de uma música meio "Sex-Pistols-encontra-guitarrista-virtuoso" como em "Abnormal" até uma balada rock como "Simple days". Isso é um trabalho "conceitual" ou apenas surge em sua mente? Como trabalhar para incorporar tantos estilos diferentes e criar de coisas mais "malucas" a canções mais diretas?

Todas essas diferentes bandas e pessoas que eu ouvi me inspiraram por toda a vida; e bandas que eu toquei, pessoas com quem escrevi: todas essas coisas são parte do que sou e as pequenas recordações de cada estrada viajada tendem a aparecer nas músicas em diferentes momentos. Todas peças fundamentais que me tornaram o que eu era, o que quer que eu fosse naquele momento. É assim para todo mundo, eu acho. Você é a soma de sua própria existência e, como você continua vivendo, essa soma aumenta. Eu não penso sobre isso quando estou escrevendo uma música, é mais como se a música viesse para mim de algum lugar e eu tento dar aos outros o que foi dado a mim.

03) Qual é sua história com a guitarra sem trastes? Quando e como você começou a tocar? Teve influência de outros músicos do instrumento? E quando e como você começou a tocar com um dedal?

Eu tenho usado o dedal, ou algo similar, desde o final dos anos 80. As notas continuam nas cordas depois que a escala termina [a escala são os espaços entre os trastes no braço da guitarra] e eu queria uma maneira de acessar essas notas sem interferir na maneira natural de tocar na escala. Então eu mantenho um dedal no meu dedo mindinho, na mão da palheta, e o bato na corda para atingir as notas, como se estivéssemos tocando a corda no traste. Você precisa olhar na corda em si ― não na escala ― e observar as divisões pela extensão onde você encontraria as notas. Aconteceu o mesmo para tocar a guitarra sem trastes. A Vigier Guitars é a empresa que faz todas as minhas guitarras, a sem trastes, a com dois braços, a velha "Flying Foot" (pé voador) com as asas (risos). Eu tenho tocado as guitarras sem trastes deles por uma dúzia de anos, fiz muitas das minhas músicas nelas e fiquei satisfeito em poder trazê-las para o Guns N' Roses e para o Chinese Democracy. Tocar na guitarra sem trastes e com o dedal pelo braço da guitarra tem o desafio similar de desenvolver uma boa entonação. Com o tempo sua precisão melhora, como aconteceria ao tocar um violoncelo ou um violino.


Ouça um trecho do solo de "Shackler's Revenge", do Guns N' Roses, que é tocado com a guitarra sem trastes

04) Seu álbum completo mais recente foi Abnormal (de 2008). Ele é muito conectado na música e nas letras com o Normal (de 2005). Ambos têm músicas ótimas e marcantes. Mas, ao mesmo tempo, elas têm letras fortes e irônicas sobre problemas que você enfrentou na sua vida. Foi difícil se expor dessa maneira? Quando você começou a criar esse conceito? E como você fez para unir os dois lançamentos sem se repetir?

Foi fácil, só abaixar a guarda e deixar tudo sair. É libertador. Não esconda nada, apenas diga o que você sente e todas as notas se encaixam. É uma história pessoal sobre estar medicado para depressão, me sentindo "normal" pela primeira vez, mas percebendo que você "amaciou" seu lado criativo que faz você ser o que é. Você então luta com a escolha de com qual versão de você mesmo quer viver: aquela "em paz", mas com um interior silencioso, ou aquela batalhando uma guerra interior, mas repleta de música. Escolhi a guerra. Mas eu vivenciei tanto naquela época e é sobre isso que é o CD Normal. O Abnormal foi o capítulo seguinte da vida, de estar no Guns N' Roses e como eu processei as mudanças que ocorreram à minha volta, como eu repentinamente fui visto por muitos uma criatura diferente, do dia para a noite.

05) Por outro lado, o EP Barefoot, apesar de algumas letras fortes, tem um clima mais solto. E as faixas foram escolhidas pelos fãs. Por que um álbum acústico? E por que deixar os fãs escolherem as músicas?

Eu nunca tinha feito um álbum acústico, e na maioria do tempo que estou tocando é desplugado, apenas curtindo com um violão. Eu apenas senti que era a hora de fazer. Saiu mais fácil do que qualquer outro disco que fiz e foi muito divertido reescrever e reinterpretar músicas já existentes para encaixar o violão, e para cantá-las novamente. Sobre os fãs escolherem as músicas, a música é para eles, eles deveriam ter alguma participação nisso. Eu os tive cantando vocais de apoio em discos, escolhendo músicas, lista de músicas para as turnês... É um esforço combinado, o artista e os fãs são duas partes que se juntam para completar o quadro.


Ouça um trecho de "Delilah", numa versão só com guitarra e voz, que está no EP Barefoot

06) Li muitas de suas entrevistas recentes sobre o Guns N' Roses e você parece mais integrado à banda, mais confortável. Também me parece que a banda em si está mais relaxada e integrada, se comparada à turnê de 2006 e 2007. O que mudou?

Em primeiro lugar, o álbum foi lançado. Ter músicas nas quais eu tive participação sendo lançadas fez com que eu me sentisse mais em casa, não apenas como um convidado. Tocar minhas próprias partes de guitarra, ter partes definidas nas músicas novas para tocar e atualizando meu equipamento para tocar tudo ao vivo com a guitarra de dois braços (um com trastes, outro sem), tudo simplesmente pareceu solidificado. E depois de anos juntos, há mais camaradagem, eu não me sinto mais como "o novo cara" ― e isso não tem nada a ver com alguém ter entrado depois de mim. Nós já vivemos juntos uma parte de vida maior agora.

07) Os fãs do Guns N' Roses estão sempre reclamando sobre como eles querem esse ou aquele membro de volta, ou sobre a escolhas das músicas etc. Como lidar com as expectativas deles e com a repercussão sem sentido?

Você pode chorar sobre o que não é ou vir ao show e curtir o que é. Meu interesse é sobre o que é.

08 ) Como foram suas gravações no Chinese Democracy? Quais seus momentos favoritos nelas e que tipo de "legado" você acha que o disco vai deixar para a música?

Meus momentos favoritos foram torturar o Caram [Constanzo, produtor do disco] sobre a afinação da guitarra. Nós estávamos usando muitas guitarras diferentes, em muitas faixas, com muita experimentação, então nós tínhamos que checar a afinação constantemente. Caram dizia "OK, cheque a afinação, e então nós faremos essa faixa". Eu dizia "Está afinada, estamos bem", só para sacanear ele. Ele respondia "vamos apenas checar e ter certeza". Eu respondia: "Está afinada, está bom, vamos gravar". E ele dizia: "Vamos lá, apenas cheque". Eu: "Não, estamos bem, manda ver". "POR FAVOR CHEQUE A P*** DA AFINAÇÃO!". "ESTÁ AFINADA!". "AFINE!!!!!". "NÃO!!!". (risos) Uma vez ou outra, só para acabar com ele! (risos) Uma coisa boa do Chinese Democracy é que não foi masterizado para tentar ser o álbum com mais volume de seu tempo, em detrimento das dinâmicas e da clareza, como muitos hoje em dia. Eu espero que outras bandas sigam isso, e comecem a masterizar para ter o melhor som, não o mais alto. Nós temos que voltar à qualidade de som e à "variação dinâmica" [dynamic range]. E se você quiser algo mais alto, é só aumentar no botão de volume.

09) Algum plano para um novo disco solo? Você tem algum material? Se sim, já tem alguma "direção musical"?

Eu nunca planejo uma direção, eu apenas deixo a música acontecer com qualquer que seja o clima que vier naturalmente. Eu tenho músicas se agitando em minha mente, mas eu não sinto que é o momento de trabalhar nelas. Eu nunca consigo escrever enquanto estou em turnê, parece sempre ser ou um ou outro, estúdio ou palco. No momento, meu foco é na turnê do Guns N' Roses.

10) Como tem sido essa turnê 2009/2010 do Guns N' Roses até agora? Você pode mencionar os melhores e os piores momentos?

Tem sido a melhor. Nós estamos nos superando, tocando o show mais longo da banda em sua história (3 horas e 37 minutos em Tokyo, em Dezembro de 2009), tocando em lugares na Ásia pela primeira vez, fazendo jams espontâneas de covers de AC/DC e Pink Floyd, têm sido realmente bons momentos. Momentos que eu tento não pensar sobre, hmmm... Passar a primeira noite da turnê asiática de cara para baixo num chão de banheiro, vomitando 16 horas seguidas (risos) e ficar dopado de remédios de gripe me sentindo muito doente para me mover, na metade da turnê no Canadá. Mas mesmo isso não parece tão ruim quando eu olho para trás, esse tipo de coisa acontece sempre na estrada. Você não dorme, sua no palco, toca centenas de mãos, congela entrando no ônibus, outra pessoa está doente no ônibus, vai acontecer, você é o próximo (risos). Os melhores momentos para mim são as coisas que cercam o show, os momentos "normais", de apenas curtir com pessoas legais. Uma boa lembrança foi dar uma aula de guitarra como parte de um concurso de uma rádio em Halifax [cidade do Canadá]. Os vencedores foram uma família realmente legal, eu os levei numa visita ao palco antes do show e curti ouvir sobre onde eles vivem em Newfoundland ― pessoas realmente boas. Gostaria muito de fazer coisas como essa durante a turnê sul-americana, espero que haja tempo de fazer isso e que a agenda de viagem permita isso.

11) Quais suas espectativas para o Guns N' Roses em 2010 e 2011?

Eu nunca suponho, prevejo ou espero, porque qualquer coisa pode mudar a qualquer hora ― negócios, doença, desastres naturais, desastres não naturais, qualquer coisa. Eu apenas espero que os planos para o futuro imediato, a turnê sul-americana, corram bem. Tudo depois disso é aberto a qualquer coisa ― eu adoraria continuar em turnê, trabalhar em músicas adicionais, mas apenas as coisas que devem acontecer é que vão de fato acontecer, e estou bem com isso.

12) O que você está esperando da turnê sul-americana? E se sinta à vontade para falar qualquer coisa para os fãs brasileiros?

Vocês todos têm sido maravilhosos comigo, muito obrigado! Eu sinto que já conheço muitos de vocês, de e-mails e chats, vocês são muito passionais, vocês têm muito coração. Estou contando os dias até que eu possa vê-los cara a cara, até podermos estar juntos nos shows. Vocês têm meu amor, obrigado por tudo. :) Vejo vocês em breve!

Nota do Autor
Colaborou Bruno do Amaral.

Para ir além
Turnê Guns N' Roses: de 07 a 16 de março de 2010. Ingressos em www.ticketmaster.com.br.

Tungcast Guns N' Roses: Parte 1 e Parte 2.


Rafael Fernandes
Araçoiaba da Serra, 8/3/2010


Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Pollyana Ferrari por Julio Daio Borges


Mais Entrevistas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Enciclopédia Badem Vol. 8 A-z
Orlando Vicente
Iracema



Retrospectiva Yuri Gorbachev (Pintura)
Beatrice Booth (Curadora)
Conjunto Caixa Cultural
(2004)



Aqui e Agora
Robert Cohen
Best Seller
(2001)



A Antecipação do Adjetivo em A Morte de Lindóia, Fragmento de O Uruguai
Renira Lisboa de Moura Lima e Outros
Edufal
(2006)



Medição e Serviço Social - 8ª Edição - Obra Revista e Ampliada
Reinaldo Nobre Pontes
Cortez
(2016)



Concursos Públicos Matemática
Sérgio Ramos
Gold
(2011)



Gossip Girl, V. 9 - Vai Sonhando
Cecily Von Ziegesar
Galera Record
(2008)



Os Escravos
Castro Alves
Klick
(1997)



Noções de Direito Constitucional Canônico
Edson Luiz Sampel
Santuário
(2020)



Bíblia Sagrada e.p - Maltese
Tradução Padre Antonio Pereira De Figueiredo
Maltese





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês