Digestivo nº 135 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> O terraço dos Benardini de Suzanne Prou pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Robin Hood A Lenda Da Liberdade - Série Deixa Que Eu Conto de Pedro Bandeira pela Moderna (paradidaticos) (2012)
>>> Estudos Espíritas de Divaldo Franco; Joana de Ângelis (Espírito) pela Feb (1983)
>>> Livro Religião Atos Introducao e Comentario de Howard Marshall pela Mundo Cristão (1980)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Cortiço em Quadrinhos de Aluisio Azevedo pela Principis (2019)
>>> A Contadora De Historias de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2005)
>>> Nova Bíblia Viva de Vários Autores pela Mundo Cristão (2010)
>>> O poeta e o cavaleiro de Pedro Bandeira pela Ftd (1998)
>>> Livro Pedagogia Interdisciplinaridade Formação de Profissionais da Educação de Célia Maria Haas; Ecleide Cunico Furlanetto pela Pioneira (2000)
>>> Livro Infanto Juvenis O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> A Hora Da Verdade. Voo Livre de Pedro Bandeira pela Atica (paradidaticos) (1998)
>>> Livro Esportes Jogo Sujo O Mundo Secreto da Fifa Compra de Votos e Escândalo de Ingressos de Andrew Jennings pela Panda Books (2011)
>>> Emaranhados em mim - autografado de Fernanda Maia pela Ruja (2020)
>>> Dicionário Visual De Bolso 3 Em 1 de Dorling Kindersley pela Blucher (2011)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1987)
>>> Livro Auto Ajuda Quando Termina é Porque Acabou de Greg Behrendt / Amira Ruotola-behrendt pela Rocco (2006)
>>> Livro Música Song and Circumstance The Work of David Byrne from Talking Heads to the Present de Sytze Steenstra pela Continuum (2010)
>>> Lusco Fusco - Vida e morte de um desconhecido de Marcello Mathias pela Bertrand Brasil (1991)
>>> A violencia na contemporaneidade: o olhar da psicologia de Sandra amorim pela Crv (2015)
>>> Livro Filosofia Guia Politicamente Incorreto da Filosofia Ensaio de Ironia de Luiz Felipe Pondé pela Leya (2012)
>>> O ludico e a cognição de Margarete Bertolo Boccia pela Oikos (2014)
>>> Pantano De Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Livro Turismo Guia Visual Folha de São Paulo Cuba de Dorling Kindersley pela Publifolha (2004)
>>> Livro Artes A Arte de Fazer um Jornal Diário de Ricardo Noblat pela Contexto (2007)
>>> O Grande Conflito Ellen G White Uma Saga Milenar Novo de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 28/5/2003
Digestivo nº 135
Julio Daio Borges
+ de 2200 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Imprensa >>> Ela desatinou
A Cult, que, em 2003, vem seguindo a linha “tudo ou nada” (Beatles, Literatura gay, Hitler e Carandiru), resolveu este mês dedicar uma capa a Chico Buarque. Na verdade, um dossiê que desapontou. Basta pensar: o que há de mais relevante na obra do poeta: seus versos, seu teatro ou seus romances? Qualquer brasileiro sabe a resposta, mas a Cult (infelizmente) inovou e deu maior atenção a aspectos periféricos. Primeiro, num texto de Heitor Ferraz Mello, estendendo-se sobre os livros “Fazenda modelo” (1974), “Estorvo” (1991) e “Benjamim” (1995) – que, por mais que sejam “Chico Buarque de Hollanda”, não se prestam, assim, a tantas análises. Em seguida, com uma entrevista de Adélia Bezerra de Meneses, debruçou-se (felizmente) sobre sua poética – mas de maneira indireta, e superficialmente, afinal marcada pela informalidade do tom de conversa. Por fim, através de Fernando Marques, reservando alguma atenção às suas peças: “Roda viva” (1967), “Calabar” (1973), “Gota d’água” (1975) e “Ópera do malandro” (1978) – que, vá lá, têm a sua importância, mas que foram sobrevalorizadas a partir do momento em que Zé Celso assumiu a primeira e o tom puramente contestatório (às vezes, plenamente justificado) se apoderou das demais. Contudo, não resta a menor dúvida: o compositor de MPB deveria ter prevalecido no quadro geral – embora o próprio prefira, atualmente, refugiar-se na prosa literária. Trocando em miúdos: a Cult ficou devendo. Talvez porque o mal de Chico Buarque seja o unanimismo que paira sobre sua obra, cujo viés interpretativo ficou tão calcado no momento histórico que é praticamente impossível “redescobri-lo” a esta altura. Teríamos de jogar todas as referências fora e começar tudo de novo. Talvez, inclusive, não seja uma má idéia – contanto que um autor maior do que o atual surja. Lógico: nem tudo é frustração na Cult: a edição vale pela crônica de Eric Nepomuceno (enfim, um jornalista), velho amigo e confidente. [Comente esta Nota]
>>> Cult
 



Música >>> Ressoando loucamente ao longe
Com a chegada do frio e o aspecto inusitado de se realizar numa tarde de domingo (quando, normalmente, o Mozarteum reserva as noites de segunda e terça-feira), o concerto da Orquestra da Filadélfia não poderia ter sido mais agradável. Apesar de ter acontecido numa concorrida Sala São Paulo, em que se podia encontrar personalidades tão díspares quanto Marta Suplicy e Ed Motta, o clima foi de civilidade e podia-se captar inglesismos no ar. A sessão foi aberta com o autobiográfico “Don Juan” de Richard Strauss, poema sinfônico também executado na temporada 2001 do mesmo Mozarteum. (Na ocasião, sob a batuta de Sir Andrew Davis, à frente da BBC Symphonic Orchestra.) Para o caso atual, do regente Yakov Kreizberg e da Philadelphia Orchestra, não passou de um aquecimento. Nos primeiros minutos, o público já podia sentir a riqueza de timbres e a veemência do maestro. Livres, porém, da prova de fogo, os músicos se deixaram levar, arrastando consigo a platéia, na execução da abertura da ópera “Tannhäuser”, de Richard Wagner. De melodia mais reconhecível, calaria a audiência que, neste momento, suprimiria igualmente quaisquer dúvidas acerca da competência do “ensemble”. Mas, depois do intervalo, os mesmos espectadores pecariam por ignorância (quantas vezes isso não acontece), interrompendo a Segunda Sinfonia de Brahms em três ocasiões (lembrando que os movimentos são em número de quatro). Com esse fechamento, o programa se revelou denso, embora a “performance” da Filadélfia tenha se mostrado musculosa. Para “aliviar a carga”, digamos, Kreizberg optou por um bis rápido e um tanto quanto populista (embora revigorante), arrancando “ohs” esparsos. O saldo foi, obviamente, positivo, para todas as partes. Ainda que os paulistanos precisem freqüentar mais a Sala que homenageia sua cidade – e aprender a apreciar melhor algumas formas. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 



Internet >>> O rei está nu
A farra dos portais foi desmascarada. Já é público: eles estão sendo bancados, por fora, pelas “teles”. Sim, as “majors” da telefonia financiam os grandes conglomerados de mídia na internet, na medida em que estes geram navegação, e graças à bendita “conexão discada”, pulsos. Assim, se você perde horas entre “noticias de última hora”, “ensaios fotográficos” e “babados de celebridades”, e se permanece conectado via linha telefônica, está indiretamente financiando o enriquecimento das grandes companhias e o oligopólio dos portais. E não escapa um, todos têm o rabo preso – embora a grande maioria negue e se faça de “franciscana” quando vai negociar com um pequeno site. Acontece que os sites não levam nada, nem por fora – e muitos continuam fornecendo conteúdo de graça, gerando tráfego e alimentando essa cadeia milionária. Felizmente, há exceções – e elas devem ser louvadas. Afinal, não é bolinho sobreviver no mar da internet. Aqueles que encontram alternativas merecem aplausos. Um desses casos é o da empresa “Via Global”, que começou com guias de lazer na Web, construídos a partir da opinião de internautas, e que, no ano passado, migrou para as bancas. Inicialmente, com volumes condensados de estabelecimentos e serviços selecionados, no Rio e em São Paulo, o “Via Rio” e o “Via Sampa”. Agora, a partir de uma experiência com boletim impresso, por meio da revista “Trade by Via Global”, que está em seu primeiro número e que vai circular gratuitamente para empreendedores do setor. Outro caso, exemplar, é o do Webinsider, um precursor em termos de notícias e de comentários, sempre direcionado para os profissionais que efetivamente “fazem” a internet, e que, recentemente, passou a promover workshops com seu time de experts. O Webinsider vai sair do virtual para o real, transmitindo conhecimentos “in loco”, para interessados em pagar por módulos de 10 horas cada, sempre aos sábados. Enquanto os mesmos tubarões continuam abocanhando as verbas que existem, o resto da WWW precisa sair de um certo romantismo e se profissionalizar. É com iniciativas concretas que a Grande Rede vai amadurecer. Do contrário, ficará eternamente presa à adolescência atual. [Comente esta Nota]
>>> O faroeste da internet | Trade by Via Global | Cursos Webinsider
 
>>> MAU HUMOR

“Quando alguém lhe disser: ‘Não é uma questão de dinheiro, mas de princípios’, pode ter certeza: trata-se de uma questão de dinheiro.” (Kim Hubbard)

* do livro Mau humor: uma antologia definitiva de frases venenosas, com tradução e organização de Ruy Castro (autorizado)

>>> CHARGE DA HORA: "FOME ZERO RELOADED" POR DIOGO



Clique aqui para ver outras charges no diogosalles.com.br


>>> AVISO AOS NAVEGANTES

O Editor do Digestivo Cultural pede desculpas mais uma vez (a última) aos Leitores que não receberam o "Digestivo nº 134", informando que ele se encontra disponível no referido link.
 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/5/2003
22h31min
Pô, vai parecer até propaganda, mas não posso deixar de dizer que concordo totalmente com você, Julio: é preciso mais e mais profissionalismo na web. Quem quiser apenas deleite, que faça o seu blog, oras (não há nada de depreciativo nisso, é o espaço maior da expressão amadora na rede hoje em dia). A internet precisa cada vez mais daquilo que sempre foi o seu motor maior: criatividade, tanto para sobreviver dela quanto para driblar os tubarões (seria tudo a mesma coisa? risos...). Parabéns pelo texto enxuto e direto também. Tá 10!
[Leia outros Comentários de Ricardo Saldanha]
27/5/2003
04h03min
Parabéns pela inteligência do argumento, Julio. Eu também acho tudo isso. A gente enfrenta as dificuldades em vários níveis da sociedade, seja nos preços absurdos de remédios, escola dos filhos, academia, etc. e ainda tem que sustentar esses tubarões das grandes empresas que só pensam em lucro e não querem saber das nossas dificuldades e isso é revoltante. Parabéns. E aproveito o ensejo para recomendar uma visita ao meu modesto blog.
[Leia outros Comentários de Renato Telles]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aventuras Maravilhosas do Capitão Cororan
Alfred Assolant
Companhia Nacional
(2007)



Diários do Vampiro Anoitecer
L.J. Smith
Galera
(2010)



As Certezas Perdidas da Psicanálise Clínica
Stefania Turillazzi Manfredi
Imago
(1998)



Guia da Paris Impressionista
Patty Lurie
Record
(1998)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira A Noite do Professor
Jean Pierre Gattégno
Companhia das Letras
(1995)



Amarras do Passado
Emile Rose
Harlequin
(2013)



Dom Casmurro - Coleção Literatura Brasileira - Nova Ortografia
Machado de Assis
Ciranda Cultural
(2008)



Mercado Financeiro Produtos e Serviços
Eduardo Fortuna
Qualitymark
(2002)



Livro Sociologia Dez Lições para o Mundo Pós-pandemia
Fareed Zakaria
Intrínseca
(2021)



Pedagogia Social - Educação e Trabalho...
Noêmia de Carvalho Garrido et al. (Org.)
Expressão e Arte
(2011)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês