Digestivo nº 165 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
28698 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs
>>> 10 coisas que a Mamãe me ensinou
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (I)
>>> Maupassant e Flaubert
>>> Feijão preto com paio: daqui não saio
>>> O Aspirante a Corrupto
>>> O Aspirante a Corrupto
>>> Na calada do texto, Bentinho amava Escobar
>>> Deus
>>> Thou shalt not be afraid for the terror
Mais Recentes
>>> Adestramento Inteligente: Com Amor, Humor e Bom Senso de Alexandre Rossi pela Cms (1999)
>>> Zadig Ou La Destinée de Voltaire pela Marcel Didier (paris)
>>> Dicionário Bíblico Vida Nova de Derek Williams pela Vida Nova (2000)
>>> Levantando uma Nova Geração na Janela 4/14 para Transformar o Mundo de Luís Bush pela Não Encontrada (2011)
>>> Direito Administrativo 20 Parte II de Márcio Fernando Elias Rosa pela Saraiva (2018)
>>> Informática: Aplicada às áreas - Livro de Exercícios de Vários pela Atlas (2003)
>>> Introdução à Administração (5ª) de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> E Business na Infoera o Impacto da Infoera na Administracao de Empr... de Carlos F Franco Jr pela Atlas (2006)
>>> O Senhor dos Anéis de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2001)
>>> Benção Diária de Max Lucado pela Thomas Nelson (2014)
>>> The Story of San Michele de Axel Munthe pela Mayflower (1975)
>>> Uma História de Natal Charles Dickens de Charles Dickens pela Ática (2008)
>>> Diante do Espelho de Ricky Medeiros pela Vida e Consciencia (2005)
>>> Direito Constitucional 18 de Rodrigo César Rebello Pinho pela Saraiva (2018)
>>> Direito Constitucional 17 : Teoria Geral da Constituição e Direitos... de Rodrigo César Rebello Pinho pela Saraiva (2018)
>>> Construindo o Futuro Através da Educação: do Fortran à Internet de Tércio Pacitti pela Cengage (2002)
>>> Manual de Direito Público e Privado de Max e Édis pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Jornalismo de Trânsito de J. Bispo Morais pela Do Autor (2016)
>>> Whats So Amazing About Grace? - Hardcover de Philip Yancey pela Zondervan Usa (1997)
>>> Oab Nacional 1ª Fase, V. 8 - Direito Administrativo de Alexandre Mazza pela Saraiva (2011)
>>> O Casamento de Nicholas Sparkes pela Arqueiro (2012)
>>> Caminho das Estrelas de César Souza pela Sextante (2008)
>>> Quem Conta um Conto... e Outros Contos de Machado de Assis e Outros pela Objetivo
>>> Dicionário de Português - Schifaizfavoire de Mário Prata pela Globo (1993)
>>> Ivanhoé de Walter Scott pela Ediouro
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 10/3/2004
Digestivo nº 165
Julio Daio Borges

+ de 2900 Acessos




Imprensa >>> Comic Riffs
“Mosh!” é provavelmente uma das menores revistas do mundo; editada por S. Lobo, um dos sujeitos mais lacônicos da internet (se bem que, por e-mail, quem nunca soou lacônico?). “Mosh!” custa 3 reais e é uma publicação da Gibiteca Editora. Tem 32 páginas e é recheada com quadrinhos e música pop. O entrevistado da segunda edição é Jimi James, uma minicelebridade da “cena” atual. “Mosh!” tem histórias de internautas (de blogs e de fotoblogs); tem desilusão amorosa “teen”, temperada com violência; tem crise de identidade jovem; tem sonhos de consumo da geração “indie”; e tem existencialismo “rock’n’roll”. No fundo, trata-se de mais uma tentativa de expressão de nomes que já convivem com a Grande Rede, mas que ambicionam uma sobrevivência no papel. “Mosh!” é cara para meia hora de entretenimento descompromissado; quase descartável (afinal, quem hoje quer pagar?). No fim, o grito de uma juventude (pós-anos 90) que não aconteceu ainda em revista, e que talvez não vá acontecer. O século XXI, no Brasil, assistiu ao nascimento e à morte da “Play” (da editora Conrad); e da “Crocodilo”, na sua esteira. Viu o pipocar dezenas de títulos sobre informática e sobre a Web, mas que se embrenharam pelo viés técnico e que nunca foram “a voz” em termos comportamentais. Sem contar a “Zero” (um clone tardio da “Bizz”, nas palavras de André Forastieri), e sem contar os híbridos (analógico/digital) como a “Radar Interativo”. Resumindo a ópera: a internet ainda não teve o seu veículo nas bancas. Não conseguiu ser “sintetizada” (talvez porque isso seja mesmo impossível). A “Mosh!” tenta. Como tantas outras, que continue tentando. [Comente esta Nota]
>>> Mosh!
 



Música >>> I’ve been up, I’ve been down
Sting participou da melhor banda de rock dos anos 80 (o Police), saiu em carreira solo, amigou-se com a Anistia e o Raoni, fez-se jazzista, tocou ao lado dos maiores instrumentistas, gravou com Tom Jobim e com Jacques Morelembaum (com este no 11 de setembro), flertou com a “dance music” e com os orientalismos... o que mais faltava? Nada. Eis então que ele lança um disco depois que todas as possibilidades foram esgotadas: “Sacred Love” (2003). É uma espécie de “lounge” – que não incomoda mas que também não enche barriga. Há mais ou menos 10 anos, Sting emplacava seu grande divisor de águas: “Ten Summoner’s Tales”, onde registrava um bem-sucedido retorno à forma canção. Seus recursos de compositor estavam afinados com a sofisticação instrumental de seu conjunto. Depois daquele CD, Sting não precisava provar mais nada. Mas seguiu gravando. “Mercury Falling” (1996) é um filho menos inspirado de “Ten Summoner’s Tales”, e “Brand New Day” (1999) não compromete embora não acrescente nada. “Sacred Love” vem nesse ritmo descendente, quase como um fim de contrato de gravadora. Sting continua cantando bem e tirando alguns lampejos de gente como Dominic Miller (guitarra) e Vincent Colaiuta (bateria), mas nada que justifique uma entrada em estúdio, mais o desgaste de um novo álbum. As letras estão longas e ele nunca pareceu tão verborrágico (vide “Inside”). Fica difícil decorar e não há nada que aponte para um possível “hit” (apesar da aposta da indústria ser na dançante [e orientalizante] “Send Your Love”). A melhor: “Stolen Car”, com um clima de “Blade Runner” e Stephen King no início, mas que embarca numa “levada” convincente como o refrão. O resto são tiros a esmo: blues, blues-rock, eletrônico, sons de cítara e até coro gospel. Como salada, não chega a ser intragável (porque Sting nunca é). Em compensação, o mundo pop não vai sentir a menor falta de “Sacred Love”. [Comente esta Nota]
>>> Sacred Love - Sting - Universal
 



Cinema >>> Arnito Rey
Era uma vez um sujeito chamado Arnold Friedman. Sua mãe se separou quando ele era pequeno e costumava trazer seus namorados para casa. Arnold dividia o espaço da cama com eles, que, sem a menor cerimônia, mantinham relações com sua genitora (enquanto ele estava presente; pelo menos, é o que conta). Esse mesmo sujeito, quando completou 13 anos, passou a sentir atração por meninos de sua idade e, segundo confessa, passou a relacionar-se com o irmão mais novo (de 8 anos). O irmão, hoje um senhor de 60, diz que não se lembra de nada. O fato é que Arnold Friedman casou-se com Elaine, para quem o sexo sempre foi uma coisa mecânica e burocrática. (Como um hábito; pois assim lhe havia ensinado Arnold.) Acontece que eles tiveram três filhos: David, Seth e Jesse. Eram uma família meio biruta que filmava e gravava tudo compulsivamente. Os filhos eram também meio bobos; o pai, um professor universitário um pouco “nerd”; e a mãe, uma infeliz acuada e sem voz. Nesse cenário, teve lugar um dos mais horripilantes escândalos dos Estados Unidos. Consta que Arnold se apaixonou pelo próprio filho, Jesse, com quem manteve um “relacionamento” (enquanto este era criança). Arnold ministrava aulas de piano e de computação em casa, tendo o Jesse adolescente como seu ajudante. Juntos, ao longo dos anos, eles violentaram quase duas dezenas de garotos de idades variadas que compunham suas classes. “Na Captura dos Friedmans” (2003), um documentário de Andrew Jarecki, reconstitui o cenário doentio em que os crimes se desenrolaram. É mais um daqueles casos em que se pergunta até onde o cinema deve ir. A humanidade precisa tomar conhecimento desses atos nos seus detalhes? Essa “realidade” deve mesmo ser mostrada ou não passa de patologia que deve ser, clinicamente, estudada? No fim, Arnold Friedman morreu na prisão, Jesse passou 13 anos preso, David foi ser palhaço (literalmente) em Nova York e Elaine casou-se novamente. E a opinião pública poderia ter sobrevivido muito bem sem eles. [Comente esta Nota]
>>> Capturing the Friedmans
 
>>> CHARGE DA HORA: "RESSACA" POR DIOGO



Clique aqui para ver outras charges no diogosalles.com.br


>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO*** RECOMENDA
(CN - Conjunto Nacional; VL - Shopping Villa-Lobos)


>>> Cafés Filosóficos
* A jornada mitológica de Joseph Campbell - Ana Figueiredo, Betty Mindlin e Gustavo Barcellos (5ª f., 11/3, 19h30, VL)

>>> Palestras
* Nós, Mulheres - Silvia Bruno Securato, Neta Mello, Nancy B. B. Alcântara e Ana Judith Veloso (3ª f., 9/3, 19hrs., VL)
* Reeducação alimentar: O melhor remédio contra a obesidade - Cristiane Machado Godoy (Sáb., 13/3, 16hrs., VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Aves da Grande São Paulo - Edson Endrigo e Pedro F. Develey
(2ª f., 8/3, 18h30, CN)
* Homens: Duas sátiras e uma fábula - Marilia Pacheco Fiorillo
(3ª f., 9/3, 18h30, CN)
* Paragens - Ronivalter Jatobá
(4ª f., 10/3, 18h30, CN)
* Aconteceu em Sampa - Ortus e Renzo Luce
(5ª f., 11/3, 18h30, CN)

>>> Shows
* Música das Nações - Grupo Setó
(2ª f., 8/3, 20hrs., VL)
* Standards & Mainstream - Traditional Jazz Band
(6ª f., 12/3, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Banda LEST3R
(Dom., 14/3, 18hrs., VL)

** Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos: Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional: Av. Paulista, nº 2073

*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Monster Volume 3 511 Kinderheim
Naoki Urasawa
Conrad
(2006)



A Autoridade no Espelho
Alexandre Carnevali da Silva
Cbje
(2010)



Cachorros Encrenqueiros Se Divertem Mais
John Grogan
Ediouro
(2008)



Presença do Axe - 1ª Edição
Denise Pini Rosalem da Fonseca
Pallas
(2014)



Introduccion a las Técnicas de Investigación Social
Ezequiel Ander Egg
Hvmanitas
(1971)



Nutricion y Politicas Publicas
Geneviève Le Bihan e Outros (coord.)
Chales Léopold Mayer
(2003)



Positivismo Jurídico – Lições de Filosofia do Direito - 1ª Edição
Norberto Bobbio
Ícone
(1995)



501 Animais na Fazenda e Muito Mais
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2013)



A Hora é Agora
Zibia Gasparetto
Vida e Consciencia
(2015)



Depois do Silêncio
Raul Marques
7 Letras
(2009)





busca | avançada
28698 visitas/dia
2,2 milhões/mês