Digestivo nº 183 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
>>> Curitiba
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 14/7/2004
Digestivo nº 183
Julio Daio Borges

+ de 7700 Acessos
+ 3 Comentário(s)




Internet >>> Sapientiam Autem Non Vincit Malitia
Está surgindo uma “neodireita” na internet. Tudo começou, em 1994-1995, com Olavo de Carvalho. Na época, ele apareceu com um discurso “novo”: desancando a “hegemonia” da esquerda na mídia, conclamou uma “juventude” sem ideologia definida para lutar por um verdadeiro “debate de idéias”. Longe dos chavões da geração 1964-1968 (atualmente no poder) e longe das arenas onde as perguntas e respostas estavam viciadas. Há mais ou menos 10 anos, parecia interessante e até fez algum sucesso. De repente, Olavo de Carvalho estava pipocando nas principais publicações (“Jornal da Tarde”, “Folha de S. Paulo”, “O Globo”, “Bravo!”) e caindo nas graças de grandes nomes (Paulo Francis, Roberto Campos, Wagner Carelli). Mas, de repente também, ele começou a mostrar suas reais intenções. Era um “Nosso Senhor Jesus Cristo” que escapava daqui, era um preconceito contra as mulheres, os negros ou os homossexuais que escapava de lá. Era uma simpatia súbita pelos ideais da TFP e era uma visão de mundo tão distorcida quanto, por exemplo, a dos membros da Opus Dei. Olavo de Carvalho não era santo – e sob o pretexto de querer desanuviar algumas mentes confusas, estava doutrinando outras tantas. Muita gente, ao perceber a estratégia, pulou fora. Mas muita gente ficou – e continuou professando a “filosofia” de Olavo de Carvalho, adotando-o inclusive como guru. Foram os “olavettes”. Alguns deles fundaram o extinto site “O Indivíduo” e alguns deles, sim (a segunda dentição), vieram à tona com os “Wunderblogs”. Os “Wunders”, como são chamados, negam veementemente esse fato, mas quando foram recentemente abordados pela “Folha de S. Paulo”, que lhes pediu o nome de um pensador contemporâneo, não hesitaram em apontar... Olavo de Carvalho. Os “Wunderblogs” viraram agora livro e seria injusto reduzi-los à condição de discípulos de Olavo de Carvalho, principalmente por causa de Fabio Danesi Rossi (um ateu) e de Daniel Pellizzari (um neófito). Mas convém lembrar que os “Wunders” não são santos – e que uma “neodireita” pode ser tão nefanda quanto a “neo-esquerda” atual... [Comente esta Nota]
>>> Wunderblogs - Wunders - 300 págs. - Barracuda |
Olavo de Carvalho - O Indivíduo - Folha de S. Paulo

 



Cinema >>> Prêt-à-porter
Parece que, no cinema americano atual, há um beco sem saída para o qual todos os grandes diretores convergem: o humor – e o desejo de retratar “La Amérique profonde” (se é que essa expressão se adapta ao caso). Basta observar: pelo menos, quatro ou cinco nomes partem – desde o final da década de 1990 – para o pastelão. De Woody Allen (por força do contrato com a Dreamworks) até os Irmãos Cohen (agora sob o guarda-chuva da Touchstone Pictures). Passando por Quentin Tarantino (o único que não se rendeu totalmente à fórmula) e por Robert Altman (que oscila de acordo com o projeto em voga). E o “American Way”, nisso tudo? Woody Allen rodou um longa sobre a cafonice e a ignorância de uma família “emergente”; Quentin Tarantino estacionou seu imaginário na década que até hoje nos define (a de 70); Robert Altman ecoa mais quando emula (ou inspira?) David Mammet (e se prende a uma daquelas cidadezinhas do interior dos Estados Unidos). E os Irmãos Cohen, que eram alguns dos últimos cineastas por quem valia a pena sair de casa, não têm feito melhor. “Os Matadores de Velhinha” (atualmente em cartaz) é quase uma releitura de “A Fortuna de Cookie” (1999, de Altman). Tem também como protagonista uma “old lady” que, aparentemente inofensiva, dá um baile nas demais personagens. Ainda prevalece o virtuosismo em algumas cenas e, sim, eles domesticaram o Namoradinho da América, Tom Hanks – mas isso não basta para salvá-los de alguns clichês lamentáveis: um homem que sofre desarranjos intestinais; um quadro que muda de expressão conforme o entorno; criminosos que, para arrombar um cofre, cavam um túnel (igualmente presente em “Trapaceiros” [2000], de Woody Allen); e aqueles estereótipos mais chulos sobre raça, credo, classe e cor. Se não for coerção do estúdio, ou uma maldição que a todos assombra, pode ser – até (quem sabe) – uma crise, um surto geral de esterilidade. Aos quais todos estamos expostos. E, como o show tem de continuar (“the show must go on”), seguimos produzindo... – ainda que não tão convictos quanto antes (fomos). Talvez para não perder o sustento, e talvez para não perder simplesmente a mão. Enquanto a musa não vem; ou não (tão breve) retorna. E, se a inspiração foi a santa padroeira dos antes incomparáveis Irmãos Cohen, deve haver um jeito de fazê-la voltar. Pelo bem da sétima arte. [Comente esta Nota]
>>> The Ladykillers
 



Além do Mais >>> Um conto de fadas
Na temporada do Mozarteum Brasileiro, sempre há uma apresentação onde o concerto é mais robusto, exigindo da platéia concentração e atenção fora do normal. Por longas horas. Não é, certamente, “para qualquer um”. Assim foi com a Bamberger Symphoniker, que em 2003 apresentou a 9ª Sinfonia de Schubert, uma obra de mais de 40 minutos, composta em seu “annus mirabilis”. Executada, evidentemente, sem intervalos. Agora, em 2004, é muito possível que nada supere, nesse sentido, a apresentação da National Polish Radio Symphony Orchestra, acompanhada pelo violonista Boris Belkin, no final do mês de junho. Quem assistiu à segunda sessão, atravessou o dilacerante “Concerto para violino nº 1”, de Bruch, e a incomparavelmente densa “Sinfonia nº 6”, de Bruckner. Como explicaria Sérgio Igor Chnee, em sua palestra introdutória (no “Clube do Ouvinte”, aberto a todos desde o início do ano), Bruckner reverenciava Wagner – e se este tivesse composto sinfonias, estas seriam as de Bruckner. Já do concerto de Bruch, conhece-se a clássica gravação de Isaac Stern, que vinha acondicionada em luxuosos estojos, até antes de sua morte (2001). O violino metaforicamente “grita” no “alegros”, mas proporciona, ao mesmo tempo, enlevos inesquecíveis no tempo “lento”, no caso, o “adagio”. Belkin, que se descabelou nos instantes mais agitados e que quase flutuou nos mais calmos, cumpriu brilhantemente a função. Tornando, aliás, este ano pródigo em violinos e virtuoses. Já Gabriel Chmura, o regente, que manteve a tensão do “majestoso” até o “finale”, em Bruckner, esquentou os motores na comparativamente suave abertura de Stanislaw Moniuszko, de aparentemente ínfimos 12 minutos. No fim, o peso sinfônico de Bruckner eclipsaria tudo – dentro da escola que fez, do gênero, um “tour de force”, poucas vezes exibido, assim, no Brasil. (E pensar que, antes do começo da temporada, tivemos a 9ª de Mahler – que, por alguma razão, não arrastou a emoção do público como agora, embora tenha sido corretamente executada.) E olhando na programação do resto do ano, talvez só o “Messias” de Haendel apague a marca que esses poloneses maravilhosos. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA

>>> Cafés Filosóficos
* Cenários de Universo Eterno e o Modelo do Big Bang - Mario Novello
(Ter., 13/7, 19h30, VL)

>>> Palestras
* Comportamento do Consumidor e Pesquisa de Mercado - Helder Haddad Silva (Qui., 15/7, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* O Barbeiro de Valladolid - Guto Franco
(Seg., 12/7, 19hrs., VL)
* A Arte de Vender Sonhos - Ademir S. Stein
(Ter., 13/7, 19hrs., VL)

>>> Shows
* Música das Nações - Grupo Il Dolce Ballo
(Seg., 12/7, 20hrs., VL)
* “Bix” Biederbeck - Traditional Jazz Band
(Sex., 16/7, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Dill Casella
(Dom., 18/7, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural



>>> Circuito Erdinger & Kiss FM
Acontece nesta quarta-feira, dia 14/7, a partir das 21 hrs., no Bar Sagrado (Rua Dr. Renato P. de Barros, nº 994 - Itaim - Tel.: 11 3848-0302), onde estará se apresentando a banda Os Caras.

* a Erdinger é parceira do Digestivo Cultural
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/7/2004
01h28min
Julio, seria interessante que você explicasse aos seus leitores o motivo de ter associado de tal forma os autores do wunderblogs com o Olavo de Carvalho. Diga-nos, quais são as idéias olavianas que são repetidas por nós? Se você não deixar isso claro, alguém pode pensar que você está interessado apenas em lançar preconceitos.
[Leia outros Comentários de Marcelo De Polli]
14/7/2004
01h54min
Olá, apenas informando que processei o senhor pelo uso indevido de um termo cunhado por mim e registrado legalmente como de minha propriedade intelectual (a saber, "olavete"). O t duplo não disfarça, pode esquecer. Aguarde contato de meus advogados, quando voltarem da Samoa Ocidental. Passar bem.
[Leia outros Comentários de Daniel Pellizzari]
14/7/2004
20h38min
Além da não muito sutil referência aos Wunderblogs, gostaria de lembrar que Ladykillers é uma remontagem de um filme de 1955 com Peters Sellers e Alec Guiness. Tal fato passou em branco ao "resenhista" e creio que seu conhecimento tenha certa relevância.
[Leia outros Comentários de Bruno Gripp]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROJETO BURITI - GEOGRAFIA 5
VIRGINA AOKI
MODERNA
(2009)
R$ 14,00



EMOÇÕES NO DIVÃ DE EDUARDO MASCARENHAS
EDUARDO MASCARENHAS
GUANABARA
(1985)
R$ 8,00



REMÉDIO AMARGO
ARTHUR HAILEY
CIRCULO DO LIVRO
(1984)
R$ 5,00



PEDRO MÉDIO E RITA DOCE - ENTRE LINHAS ADOLESCÊNCIA (C/ COMPLEMENTO)
TELMA GUIMARÃES CASTRO ANDRADE
ATUAL
(2005)
R$ 12,90



HISTOIRE DES IDÉES POLITIQUES: TOMO I - DES ORIGINES AU XVIII
JEAN TOUCHARD E OUTROS (CAPA DURA)
PRESS UNIVERSITAIRES DE FRANCE
(1959)
R$ 14,28



O ADÚLTERO AMERICANO - 155
JED MERCURIO
RECORD
(2014)
R$ 10,00



DIREITO ADQUIRIDO
NILMA GONÇALVES LACERDA
DEL REY
(1999)
R$ 26,28



EXERCICE DALGÈBRE: 1 CYCLE SCIENTIFIQUE, 1 ANNEE PREPARATION AUX
B. CALVO, J. DOYEN, A. CALVO, F. BOSCHET
ARMAND COLIN
(1970)
R$ 42,28



NOVO GOVERNO. NOVAS POLÍTICAS
ALEXANDRA GARCIA
VOZES
(2003)
R$ 11,00



ASSIM É COMO TERMINA
KATHLEEN MACMAHON
AGIR EDITORA
(2012)
R$ 10,00





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês