Digestivo nº 262 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
>>> Retrato do Artista Quando Velho de Joseph Heller pela Cosac & Naify (2002)
>>> No Tempo das Catástrofes de Isabelle Stengers; Eloisa Araújo pela Cosac & Naify (2015)
>>> Manual de esquemas de Klöckner- Moeller pela Do autor (1971)
>>> Inesgotáveis Enigmas do Passado de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Evidências dos Ovnis - As Ciências Proibidas de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Características de Deus que chamam a nossa atenção. de Silas Malafaia pela Central Gospel (2012)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 20/1/2006
Digestivo nº 262
Julio Daio Borges

+ de 3300 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Música >>> Long Haired Child
Envolto numa aura de mistério quase até o final do ano passado, Devendra Banhart só podia ser encontrado – em português – no universo dos podcasts. Guilherme Werneck foi o primeiro; seguido, em Portugal, por Edgard Costa. Só, muito depois, veio o Estadão (com uma daquelas matérias “de divulgação”, feito release, bem mastigadinhas...). A primeira audição do cantor e compositor provoca uma estranheza ímpar. Afinal, Devendra tem uma voz envolvente (isso ainda existe?), canta em vários idiomas com desenvoltura e liquefaz gêneros sem que possamos identificar suas fontes de inspiração. Seu único defeito – grave – é gostar demais de Caetano Veloso. Mas, por Cripple Crow, lançado nos Estados Unidos no ano passado, está perdoado. Como sabe qualquer vendedor de discos no Tio Sam (isso ainda existe?), Devendra Banhart se situa numa faixa perdida entre os anos 60 e 70. Veio da mesma espaçonave através da qual desembarcaram, no começo – quando ainda eram bons –, Lenny Kravitz (Let Love Rule, 1989) e Black Crowes (Shake Your Money Maker, 1990). Outra referência, talvez possível, seja o poliglota Manu Chao – mas Devendra não é nem tão chato, nem tão enjoativo a longo prazo. Nem tão pop (espera-se). Reza a lenda que ele viveu na Venezuela e que andava meio perdido, com seu violão, pelas ruas de São Francisco, quando foi “descoberto” por uma gravadora (isso ainda existe?). O pessoal da YGR, que o lançou, trata-o com reverência e considera-o – isso ainda existe? – um artista. (Eu sei que você não acredita, mas vai acreditar quando escutar.) Devendra Banhart é quase ingênuo em expor-se tanto em seus álbuns. Seus discos “transpiram”. São relíquias de um tempo pré-majors do disco... Que ele pule então esse capítulo; saltando logo para o iTunes. E que cure, no processo, o autor de "Leãozinho". [Comente esta Nota]
>>> Devendra Banhart
 



Literatura >>> Metafilosofia e ficção
O que esperar da autobiografia de um filósofo? Tirando Santo Agostinho, que inaugurou o gênero – e ainda de lambuja “inventou” a psicologia – com suas Confissões, e Bertrand Russell, com sua alentada obra homônima em três volumes, ninguém sabe o que esperar de uma biografia filosófica. Mas ela floresceu, como gênero, justamente... no século da biografia, o XX. (A moda de falar de si não começou na internet.) O fato é que, recentemente, Colin McGinn arriscou-se na aventura, com A construção de um filósofo, pela Record, em 2005. Os títulos dos capítulos são inspiradores, abordando, por exemplo, a intimidante filosofia da linguagem de Wittgenstein, e outros temas tão ou mais elevados. A quarta capa ostenta o elogio de Stephen (deve ser “Steven”) Pinker e o apoio do – depois vamos saber – “amigo” Oliver Sacks. E, realmente, McGinn começa bem, revelando seus dilemas entre a psicologia e a filosofia, explorando sua relação tensa com Oxford e transformando argumentos cabeludos, como o da existência do mundo exterior, em palavras simples, fáceis de processar. Acontece, porém, que a vida pessoal de McGinn é muito árida em termos de relacionamentos e, por mais que nos interessemos por filosofia, ficamos esperando de aconteça alguma coisa. Logo nas primeiras páginas, ele deixa sugerida a sua homossexualidade, mas... mesmo assim... Parece que para compensar, no final, McGinn cai na frivolidade e precisa falar – embora não haja nenhum interesse filosófico nisso – que conheceu, numa festa, Brad Pitt e sua então esposa Jennifer Aniston. O que há de instigante, numa existência filosófica, provavelmente está lá, mas Colin McGinn podia ter falado mais de si e, ao mesmo tempo, nos poupado de seu momento Contigo. [Comente esta Nota]
>>> A construção de um filósofo - Colin McGinn - 266 págs. - Record
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come fast-food
O hambúrguer sobreviveu a Super Size Me, o documentário de Morgan Spurlock? Parece que não incólume. O McDonald’s, principal alvo do documentarista norte-americano, diz que não, que nada mudou, mas lançou logo um cardápio de saladas e divulgou a tão exigida tabela de calorias nas lojas. Algumas andaram fechando, por exemplo, em São Paulo e algumas outras – do Burger King – andaram abrindo. (Na Itália, o Mac perdeu a guerra para uma... padaria.) É antiga a disputa entre as duas cadeias de sanduíche, nos Estados Unidos, por menos calorias e por uma dieta mais saudável. Saudável? Já por estas bandas, Sergio Arno, o chef que virou franquia, andou colocando sua assinatura no General Prime Burger. Não deixa de ser hambúrguer, mas entra na categoria “luxo” – pelo exotismo e só. Ou nem isso: qualquer coisa que queria ser tendência hoje em dia, no Brasil, deixa de lado a – outrora na moda – palavra “trend” e adota rapidamente o termo “prime”. Já reparou? “All you need is love”... (A propaganda: no rádio e na televisão.) Mas... na contracorrente do sanduíche de mainstream, está o (ou “a”) Engenharia do Hambúrguer. O nome assusta um pouco. O que pensar? Cheeseburger com ISO 9000? Alfaces recolhidas, para o cheese-salada, na base da ISO 14000, a certificação ambiental? Fordismo? Taylorismo? Linha de montagem de sanduíches? Nada disso. Apenas uma lanchonete singela, como nos velhos tempos, no bairro do Campo Belo. Lembrando, talvez – antes da consagração –, a incipiente rede Stop Dog (que de “dog” não tinha nada), nos anos 90. Ou o Chicohamburguer, na avenida Ibirapuera, nos anos 80 e antes. A Engenharia do Hambúrguer está lá, low-profile. O dono deve ser engenheiro... Soa como uma boa justificativa. Que o engenheiro hamburguês, então, mantenha a mesma discrição, acertando no marketing tanto quanto acerta no nome da hamburgueria. [Comente esta Nota]
>>> Engenharia do Hambúrguer - Rua Pascal, nº 968 - Campo Belo - Tel. 5042-0307
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/1/2006
15h30min
Uma boa sugestão de autobiografia filosófica é o livro "Confissões de um Filósofo", de Bryan Magee, editado no Brasil pela Martins Fontes. Foi um dos livros que lí com vontade duas vezes em menos de um ano.
[Leia outros Comentários de Fabiano Caruso]
21/1/2006
12h27min
As vezes leio e releio certas matérias e fico pensando na capacidade humana de criticar obras musicais. Existe bom gosto e mau gosto, existe "a gosto do freguês"... Não sei bem onde certas opiniões querem chegar. Mas continuarei lendo até compreender melhor.
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACT MATH FOR DUMMIES
MARK ZEGARELLI
FOR DUMMIES
(2011)
R$ 17,50



PERSPEKTIVLEHRE
ERHARD GULL
ND
R$ 58,36



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1976)
R$ 5,00



A REPÚBLICA BRASILEIRA 1964- 1984
EVALDO VIEIRA
MODERNA
R$ 5,00



SERESTA MINEIRA
LAR DE PAULA
LAR DE PAULA
R$ 40,00



É PROIBIDO CHORAR
J. M. SIMMEL
NOVA FRONTEIRA
R$ 5,00



REUNIAO DE PAIS: SOFRIMENTO OU PRAZER? - 2ª ED.
BEATE G. ALTHUON / CORINNA H. ESSLE / ISA S. STOEB
CASA DO PSICÓLOGO
R$ 11,00



VALA CLANDESTINA DE PERUS
VARIOS AUTORES
INSTITUTO MACUCO
(2012)
R$ 5,12



AÇÕES INSTITUCIONAIS DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCAC
RICARDO AZAMBUJA SILVEIRA
DO AUTOR
R$ 5,00



O CARNÊ DOURADO
DORIS LESSING (A MAIOR ESCRITORA VIVA DE LÍNGUA INGLESA)
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 25,00
+ frete grátis





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês