Digestivo nº 300 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Um Recital para Ariano - com Antônio Nóbrega
>>> Coletiva de Arte Naïf | Galeria Jacques Ardies
>>> Cia O Grito evoca os fantasmas do teatro em nova peça
>>> Meu Reino por um Cavalo faz temporada online a partir de 2 de dezembro
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aforismos com juízo
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Quando uma moto se apaixona
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> A Serbian Film: Indefensável?
>>> Uma década no rastro de Paulo Francis
>>> Uma década no rastro de Paulo Francis
>>> Digestivo Cultural na ABL
>>> Seis anos em seis meses
>>> Valeu a espera
Mais Recentes
>>> O Brasil é feito por nós? de Ricardo Soares pela Atual (2009)
>>> Inside Light Wave 3d de Dan Ablan pela New Riders Pub (1998)
>>> Missa do galo e outros contos de Machado De Assis pela L&PM pocket (2012)
>>> Cahiers de Droit Fiscal International - Vol. 99a - 1938-2014 de International Fiscal Association pela International Fiscal Association (2014)
>>> Mudança do Clima no Brasil .. de Ronaldo Seroa da Motta e Outos. pela Ipea (2011)
>>> O Homem Moderno e a Imagem Bíblica do Homem de Leo Scheffczyk pela Paulinas (1976)
>>> O Centenário do Imortal Roberto Lyra - Coletânea Em Homenagem de Andréa Ferreira e Morgado - Editores pela Autor (2002)
>>> O Novo Inglês sem Esforço de Anthony Bulger pela Epu (1987)
>>> A sociedade pós industrial de Domenico de Masi pela Senac (2003)
>>> Medicina Alternativa de A a Z de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza
>>> O Tipo Penal, a Teoria Finalista e a Nova Legislação Penal de Luiz Luisi pela Sergio Antonio Fabris Editor (1987)
>>> Comidas de Santo e Oferendas de José Ribeiro pela Eco
>>> Campos de Invisibilidade de Aba Lovelace pela Sesc (2018)
>>> O Dr. Fausto e Seu Pacto Com o Demônio: o Fausto Histórico, o Fausto. de Jayme Mason pela Objetiva (1989)
>>> As Crônicas de Narnia: a última Batalha de C. S. Lewis pela Martins Fontes (2003)
>>> Empowerment and Innovation de Martin Beirne pela Edward Elgar (2006)
>>> O Que é Método Paulo Freire - Coleção Primeiros Passos - Nº 38 de Carlos Rodrigues Brandão pela Brasiliense (1984)
>>> World Tax 2015 de Vários Autores pela Euromoney (2015)
>>> Castelo da Mina de Carlos Antero Ferreira pela Horizonte (2007)
>>> Notas do Subsolo de Fiodor Dostoievski pela L&pm (2018)
>>> A Esperança de Suzanne Collins pela Rocco (2011)
>>> O último Caso da Colecionadora de Livros de John Dunning pela Cia das Letras (2009)
>>> Petróleo, Energia Elétrica e Siderúrgica: a Luta pela Emancipação de Medeiros Lima pela Paz e Terra (1975)
>>> Ser Protagonista Biologia 2 Manual do Professor de Fernando Santiago dos Santos pela Sm (2010)
>>> Cirurgia da Obesidade de Arthur B. Garrido Júnior pela Atheneu (2006)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 20/10/2006
Digestivo nº 300
Julio Daio Borges

+ de 1900 Acessos
+ 4 Comentário(s)




Imprensa >>> Les Indispensables
Enquanto o formato CD atingia o auge e depois a queda, a imprensa musical não se animou a soltar novos títulos. Havia outras maneiras mais interessantes de se perder dinheiro, diziam. Por exemplo, com uma amante argentina. O irônico, ainda no tocante a publicações musicais, é que hoje a mesma Argentina serve de modelo para o Brasil. A Argentina não teve a sua Bizz – pelo menos, não com esse nome –, mas está na nossa frente com a sua versão da Rolling Stone (igualzinha à original, só que em espanhol) e com a sua adaptação para Les Inrockuptibles (esta uma revista inicialmente francesa). Por aqui, temos assistido às campanhas agressivas da velha Bizz (as últimas duas edições, respectivamente, com John Lennon e Renato Russo) e há quem anuncie a Rolling Stone brasileira (para quem não se lembra, já em sua segunda encarnação). Em termos de periódicos, e considerando-se o ocaso do CD (e do DVD), é um boom editorialmente tardio. Primeiro, porque havia muito mais dinheiro circulando, no reino da indústria fonográfica, nos anos 90. Segundo, porque imprimir papel, depois da internet, não faz muito sentido (sobretudo para as novas gerações...). Embora o público seja outro, os publishers parecem se inspirar no aumento recente da tiragem de uma New Yorker ou de uma Economist. No Brasil, vale repetir, é sintomático que o melhor site sobre música, nesse formato de revista eletrônica, seja ainda o CliqueMusic (do início do milênio, mas abandonado logo depois...). Apesar do TramaVirtual (outra proposta) e do Music News (mais uma newsletter). Será que uma nação musical como a nossa reencontrará sua fórmula? Não perca a resposta nos próximos, e emocionantes, capítulos. [Comente esta Nota]
>>> Los Inrockuptibles
 



Música >>> Entrance
Ainda que um tenha se originado a partir do rock e que o outro tenha praticamente fundado a noção de MPB (que ninguém aqui se esqueça da polêmica envolvendo a guitarra elétrica!), vale a pena malcomparar Fito Paez e Caetano Veloso. São dois ícones pop que, a exemplo da bossa nova, fazem mais sucesso fora (e são mais respeitados lá) do que em seu país de origem. Cansado de apanhar da crítica a cada novo disco, o nosso Caetano anda cada vez mais quieto em seus lançamentos em áudio. Do último, , ninguém ouviu falar. Os lojistas, na falta de uma classificação melhor, já o apelidaram de “Caetano com guitarras” ou de “Caetano tocando rock”. Já Fito Paez está, em forma de poster gigante, forrando as principais lojas de discos de seu país (ou as que ainda restaram...). Seu CD recebeu o título de El mundo cabe en una canción e a imprensa local não se dispõe nem mesmo a resenhá-lo. Reserva, para ele, um minúsculo espaço; lança dúvidas e não estabelece nenhum juízo sólido. Como se Fito Paez fosse uma doença contagiosa (como, aqui, o é Caetano). O fato é que El mundo... não soa mal, apesar de os compatriotas do autor terem razão: registra inquietações muitas, mas não apresenta necessariamente novidades. Como Caetano, Fito cresceu demais internacionalmente – e até há pouco era mais conhecido como marido de Cecilia Roth, a protagonista de Tudo sobre minha mãe (1999). E Caetano era aquele que cantava “Cucurrucucu Paloma”... Tudo culpa do Almodóvar. (Aliás, o modelo atual de felicidade para Paez é Victoria Abril.) São, no mau sentido, “antenas da raça”. Entre um verso e outro de uma gravação, se vêem obrigados a fazer um statement. Como o diretor de colégio em O Ateneu, estão condenados à obsessão da própria estátua. Pena para a música dos países dos dois... [Comente esta Nota]
>>> El mundo cabe en una canción - Fito Paez
 



Literatura >>> Fervor de Buenos Aires
Borges também ficou conhecido por seus ares oraculares e por sua aparições públicas – cênicas, às quais já se dedicaram até alguns livros... Mas Borges, como qualquer pessoa, possuía seu duplo. Daqui a algumas semanas, está vindo à tona um Borges privado – também em formato de livro... Não, não é mais um lançamento duvidoso de Maria Kodama. São as anotações do diário de Adolfo Bioy Casares, a maior amizade em toda a vida de Jorge Luis Borges. O amigo fiel (ou infiel?) tratava de registrar os papos com o Bruxo, de duas a três vezes por semana, quando este comparecia à sua casa para jantar. Surge, então, um Borges muito menos diplomático que o de costume, mas tão interessante quanto (ou mais). Espanta um pouco que o erudito, que tinha por hábito embasar qualquer colocação, chame, por exemplo, Thomas Mann de “idiota”. Ou que não veja muita graça nos monumentos literários construídos por Joyce, embora reconheça, em sua linguagem, algo de “endiabrado”. Ou, finalmente, que menospreze a obra de contemporâneos como Ernesto Sabato (com o qual Borges teve, a propósito, um encontro – em livro aqui no Brasil...). A justificativa para essas e outras divertidas boutades reside na certeza – compartilhada por Borges e Bioy Casares – de que o escritor deve preservar apenas aquilo que diz respeito a seus temas, o resto deve terminantemente descartar. (Os autores brasileiros, eternamente fazendo média e escrevendo prefácios inócuos, vão se horrorizar.) Para quem não se interessa muito pela língua solta borgiana, o volume, intitulado simplesmente Borges, promete vir recheado de novos juízos literários bem-comportados. Felizmente, Borges ainda pode ser Borges – mesmo que por vias tortas. [Comente esta Nota]
>>> Borges, de Adolfo Bioy Casares: dos amigos implacables
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/10/2006
01h49min
O escritor pode falar o que bem entender, quando com amigos. A coisa muda de figura quando ele vai a público. Todos temos o direito de falar o que bem entendermos, quando bem quisermos. Mas será que Borges chamaria Mann de "idiota" em uma entrevista? Creio que não. Poderia criticar o autor, mas não xingá-lo. A isto, chamamos de bom senso. Acredito que Borges tinha, apesar de saber muito pouco sobre sua vida pessoal e seus comentários.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
16/10/2006
19h02min
Esse cara Fito Paez é realmente um ícone da música latina. Mas ainda gosto mais do Caetano. Fito Paez sempre aparece com suas canções melodiosas e em algumas vezes questiona socialmente as políticas sociais de sua terra. Fito fita com a MPB e suas músicas são bem vindas aqui!!!
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
17/10/2006
07h42min
A música sempre é nossa eterna companheira, temos sempre um encontro com a arte da harmonia aliada ao ritmo ou balanço, na ternura do rock, na beleza do samba, na alegria dos afoxés e na singeleza de quem sabe cantar ou tocar. Se há uma ilusão que não devemos nunca apagar é a musica, que fica como uma doce poesia harmoniosa pra sempre em nós.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
25/10/2006
10h17min
boa dica de leitura, tanto a matéria do la nación quanto o livro. não se esqueça de acusar o lançamento em espanhol ou português. outra coisa... vc saberia dizer se este é um tipo de continuação daquelo outro livro do bioy, "descanso de caminantes"?
[Leia outros Comentários de eassis]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Heróis de Verdade
Roberto Shinyashiki
Gente
(2005)



Branca de Neve
Henrique Simas
Imago
(1999)



Abandonado
Vinícius Pinheiro
Geração
(2015)



O Egito secreto
Paul Brunton
Pensamento
(1991)



História do Corpo Vol. 1
Vários
Vozes
(2008)



Minha Razão de Viver - Memórias de um Repórter
Samuel Wainer
Record
(1988)



O Dom das Línguas
Maria Lúcia Vianna
Com Deus
(1998)



Como Cuidar da Nossa Água
Vários Autores
Beí
(2014)



The Watercolorists Complete Guide to Color 5ªimp(2002)(inglês)
Tom Hill
North Light Books
(2002)



O mito individual do neurótico
Jacques Lacan
Zahar
(2008)





busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês