Digestivo nº 309 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Mestres da dança de MG, Marlene Silva e Henry Netto são homenageados em 17 e 18 de março
>>> Projeto “Sala de Visita” recebe Mauricio Virgulino para falar sobre Educomunicação e arte
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O menino e o Homem Aranha
>>> À beira do caminho
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Modernismo e Modernidade
>>> O último a sair que apague a luz
>>> Entretenimento dá dinheiro, sim!
>>> Teatro para todos
>>> Creating a profitable startup
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> Itaúnas não será esquecida e nem Bento
Mais Recentes
>>> O Patinho Feio Clássicos Ilustrados de Mauricio de Sousa pela Girassol (2016)
>>> O Que São Multinacionais de Bernardo Kucinski pela Brasiliense
>>> Razão e Sensibilidade de Jane Austin pela Lafonte (2020)
>>> Alice no País das Maravilhas de Lewis Caroll pela Scipione
>>> O Ouro de Midas de Adriana Bernardino pela Ftd
>>> Dom Quixote (capa Verde) de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural
>>> Siga Seu Coração de Andrew Matthews pela Sextante (2007)
>>> Desabrochar de Emoções- Poemas de Esther Sterenberg pela Esther Sterenberg
>>> O Verde Que Vale Ouro de Daniel C. Esty; Andrew Winston pela Campus (2008)
>>> Os Sonhos Que Alimentam a Vida de José Gregori pela Jaboticaba
>>> Conexão de Maria Aparecida Martins pela Vida e Consciência (2001)
>>> Sem Pecado de Ana Miranda pela Companhia das Letras (1993)
>>> Que Saudade, Snoopy! de Charles M. Schulz pela Conrad
>>> A Rebelião da Pontuação de William Tucci pela Scipione (2008)
>>> Histórias do Pooh de Disney pela Publications International (2009)
>>> Quem Mexeu no Meu Queijo? de Spencer Johnson pela Record (1998)
>>> A Farsa de Christopher Reich; Fernanda Abreu pela Arqueiro (2008)
>>> A Galeria da Fama dos Cientistas Malucos de Daniel H. Wilson pela Cultrix (2011)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1980)
>>> A Most Wanted Man de John Le Carré pela Hodder and Stoughton
>>> Noite na Taverna de álvares de Azevedo pela Ediouro
>>> The 17 Day Diet de Dr. Mike Moreno pela Free Press (2010)
>>> Lava Jato de Vladimir Netto pela Primeira Pessoa (2016)
>>> The Phantom of the Opera de Jennifer Bassett pela Oxford
>>> Necessidades Humanas Subsídios À Crítica dos Mínimos Sociais de Potyara a P Pereira pela Cortez (2000)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 29/12/2006
Digestivo nº 309
Julio Daio Borges

+ de 2400 Acessos




Internet >>> Inspire me
A revista Pequenas Empresas Grandes Negócios talvez seja a primeira publicação no Brasil a estampar o novo boom da internet em sua capa e nestes termos. Está lá, em vermelho, ainda que, dentro, um desses especialistas afirme que a nova ameaça de bolha, nos Estados Unidos, está longe de se concretizar aqui no Brasil. Para uma imprensa que, desde a bolha de 2000, se negava a reconhecer que a internet pudesse ser lucrativa, ou que sequer continuasse a existir, já é um começo. Alguma coisa sobre a “segunda geração”, e naturalmente sobre o sufixo “2.0” (que deriva de “Web 2.0”), permeia a reportagem – muito embora a maior parte dos negócios apresentados pela publicação não reúnam, essencialmente, as principais características do novo boom. Pelo contrário, muitos dos cases são ainda sucessos tardios da “Web 1.0”, que, por falta de fôlego, oportunidade ou ocasião, não se concretizaram antes do estouro da primeira bolha brasileira. O Easyfoto (de 2005), por exemplo, talvez seja uma conseqüência do E-fotos (do início dos anos 2000). O Samba, outro exemplo, pode ser uma grande idéia – trocar, na conexão discada, o interurbano pelo “0800” – mas se baseia em provimento de acesso, que é um negócio de que a AOL, nos EUA, já saiu e de que o próprio UOL, mais dia menos dia, vai ter de sair. Já a invenção de Marcos Nader – o “carimbo eletrônico” – vem para minimizar a burocracia (não provoca, portanto, uma revolução), enquanto que o Superbid, por mais que dê voltas, remonta, quer queira quer não, aos sites de leilão (mesmo que seja mais focado que um eBay ou que um MercadoLivre). A grande novidade, por exclusão, talvez seja a Camiseteria, de Fabio Seixas – onde o cliente customiza seu produto, aí sim, à maneira da Web 2.0 (e do novo boom). Contudo, quem está atento à blogosfera brasileira, deve saber que Seixas é o autor do conhecido Versão TXT, blog do Rio. Em resumo: louva-se a boa vontade de Pequenas Empresas Grandes Negócios, para com a “internet 2.0”, mas seus jornalistas poderiam ter pesquisado um pouquinho mais. [Comente esta Nota]
>>> Pequenas Empresas Grandes Negócios
 



Música >>> Bisscchhhh!!
Discos de bateristas, quando existem, são chatíssimos. Solos intermináveis, uma verdadeira competição para enfiar cada vez mais ritmos (ou supostamente isso), fora a participação de outros solistas que, incitados ao virtuosismo, tornam a coisa ainda mais aborrecida. Edu Ribeiro, surpreendentemente, fugiu de tudo isso. No seu Já tô te esperando, CD solo e de estréia, pela Maritaca, não encontramos nada que, remotamente, lembre “um disco de baterista”. Talvez pelo fato de que Edu compõe, assinando quase todas as faixas, sempre com temas instrumentais. Seu parceiro de algumas composições, e que igualmente assina o encarte, é o violonista Chico Pinheiro – o que talvez explique, ainda, a riqueza de harmonias e melodias. Edu Ribeiro, no entanto, confessa que andou tendo aulas de guitarra, que topou com um tema no mesmo dia da concepção de seu filho – como se, consciente ou inconscientemente, lutasse com charme pela paternidade desse Já tô te esperando, tão elogiado e cheio de pequenos achados musicais. Além das rapidinhas, em que todo mundo se vira (como a própria “Já tô te esperando”, a faixa título, e “Cinco”, por exemplo), o destaque vai para as lentas e introspectivas, como “Galada” (atenção para Daniel D’Alcântara ao flugelhorn). Metafísica, também, “Pedacinho do Théo”, referência imediata ao filho do baterista, em que Toninho Ferragutti conduz ao acordeom. Interessantíssima, ainda, a bossa “El Rei dos Casamentos”, muito suave no trompete de D’Alcântara, apoiada no piano elétrico de Fábio Torres, sem cair nos clichês do gênero mas acrescentando algo ao cardápio daqueles que já viraram do avesso o Tom. Encerra “Anne e Iracema”, com um toque mais lírico, nada brega porém, em que o violão sobressai mais do que o normal, só que sem os excessos condenáveis. A falta de pretensão (e de expectativa) fez, como acontece às vezes, de Já tô te esperando um disco de baterista audível. Edu Ribeiro, cuja responsabilidade era bater com dois pedaços de pau em cima de algumas caixas, de repente ensina, a outros instrumentistas brasileiros, que um CD solo pode ser, sim, colorido e vibrante. [Comente esta Nota]
>>> Já tô te esperando
 



Artes >>> Espirituosidade e sensualidade
Em meio a chuvas e alagamentos, túneis inacabados e obras do metrô a céu aberto, falta de planejamento e caos urbano, São Paulo continua, milagrosamente, produzindo arquitetos. Como Isay Weinfeld. Se o nome não é familiar, para quem não é do meio, basta evocar o Clube Chocolate, a Forneria San Paolo e a Disco. Ainda o Hotel Fasano e a loja da Fórum na rua Oscar Freire. Mesmo que com funções completamente distintas, essas edificações levam a assinatura de Isay Weinfeld – e basta evocá-las na memória para perceber que existe nelas, apesar dos desvarios da Paulicéia, a unidade que caracteriza um estilo. Weinfeld, que é também autor de projetos de residências, de intervenções em fazendas e em casas de praia, mereceu um volume da coleção Arquitetura e Design, da Viana & Mosley editora, cujo texto é do jornalista Daniel Piza. Na introdução e no perfil de Piza, Weinfeld aparece como um sujeito despojado, que pode sentar e conversar até num balcão de padaria. Aparece, ainda, como admirador fervoroso de João Gilberto – seria sugestivo pensar na queda de ambos pelo minimalismo –, fora Radiohead (vanguarda roqueira que transcende o rock) e Blossom Dearie (uma intérprete quase obscura de jazz). E é um alívio percorrer as quase 70 páginas de imagens dedicadas aos trabalhos de Weinfeld. O recorte de suas realizações na metrópole, e em outros estados do Brasil, sugere que para a poluição visual, para o kitsch e para o subdesenvolvimento (econômico e cultural) pode haver esperança. Weinfeld aparentemente chegou naquele ponto ótimo em que pode abraçar só as causas que lhe interessam, recusando até clientes ou propostas que não se encaixam no seu portfolio. Num tempo em que a Bienal só provoca menos revolta que a política, em que arte, mercado e espetáculo são sinônimos, em que quase todo artista quer ser, no fundo, celebridade, Isay Weinfeld parece um alienígena recém-desembarcado. Que ele continue, então, criando mundos para salvar nossos olhos de retinas tão fatigadas. [Comente esta Nota]
>>> Isay Weinfeld
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Para onde ela foi
Gayle Forman
Novo Conceito
(2014)
R$ 20,00



Médicos Do Céu, Médicos Da Terra
Maguy Lebrun
Nova Época
R$ 6,90



Cozinha do Mundo Itália
Abril Coleções
Abril Coleçoes
R$ 10,00



Aventuras na História Nº 48
Vários Autores
Abril
R$ 5,00



Filosofía Jurídica y Social 8337
Dr Wilhelm Sauer
Labor
(1933)
R$ 97,00



Presidentes do Brasil
Fábio Koifman
Rio
(2002)
R$ 10,82



Collins Pocket Portoghese Dizionario
Não Informado
Boroli Editore
(2005)
R$ 15,00



Nunca Desista de Seus sonhos
Augusto Cury
Sextante
(2004)
R$ 8,00



Doidão
Jose Mauro de Vasconcelos
Melhoramentos
(2001)
R$ 15,00



The Hundred and One - Dalmatians: Level 3
Dodie Smith
Longman
(2001)
R$ 6,90





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês