Digestivo nº 374 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
40230 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 25/7/2008
Digestivo nº 374
Julio Daio Borges

+ de 1600 Acessos




Cinema >>> Jogos do Poder, de Mike Nichols
Tom Hanks personifica os Estados Unidos da América no cinema já há algumas décadas, então todo filme com ele é suspeito até prova em contrário. Jogos do Poder, no entanto, conta com o brilhantemente subversivo Philip Seymour Hoffman — o coadjuvante que é, há anos, melhor do que muitos atores principais — e, embora seja propaganda republicana subliminar, o longa é anárquico e irreverente em igual medida. Julia Roberts também dá as caras — como uma dondoca texana das mais bem informadas — e a direção é de Mike Nichols, o que garante alguma isenção (se é que ela é necessária), por ter feito o controvertido Closer e o ex-controvertido (hoje clássico) A Primeira Noite de um Homem. Jogos do Poder está, ainda, longe de ser unânime e essa é, talvez, a sua maior graça, numa época de eleições presidenciais norte-americanas, em que um dos temas mais espinhosos é justamente a Guerra do Iraque. Ao contrário do engajado Leões e Cordeiros, de Robert Redford (pró-democratas, para quem não percebeu), Jogos do Poder conta a história do financiamento dos mujahidin, no Afeganistão, pela CIA, que resultou na primeira derrota do Exército Vermelho, no fim da década de 80 (sugerindo, para muitos, que começou aí a derrocada do comunismo e da antiga União Soviética). Charles Wilson (Hanks), um congressista do Texas, faz a ponte entre a CIA, representada por Gust Avrakotos (Seymour Hoffman), e o governo dos EUA, elevando o orçamento da operação, gradativamente, de 5 milhões para 1 bilhão de dólares. Embora tenha sido condecorado no final, a história não acaba aí — porque, aliás, a História nos levou ao 11 de Setembro. Teriam aquelas armas caído nas mãos do Talibã e de Bin Laden? Wilson, ele mesmo, se arrepende e diz que vai levar isso até o túmulo. Os Estados Unidos não deviam ter abandonado o Afeganistão em ruínas? Nunca vamos saber. Por isso Jogos do Poder se torna, atualmente, interessante. [1 Comentário(s)]
>>> Jogos do Poder
 

Música >>> Trio 202 ao Vivo: New York + São Paulo
Nelson Ayres (piano), Ulisses Rocha (violão) e Toninho Ferragutti (acordeom) estão entre os maiores instrumentistas brasileiros de suas respectivas gerações — mas eles não formavam um trio até abril do ano passado, quando, por um erro de uma produtora, e por um compromisso agendado de última hora pela mesma, Ayres, Rocha e Ferragutti deram à luz o Trio 202, para se apresentar no Jazz Standard, depois de apenas três noites de ensaios. O resultado, no CD Ao Vivo New York + São Paulo, é impressionante, sabendo-se ou não dessa história saborosa. É música brasileira de qualidade — e é jazz, também, de qualidade — desde a primeira faixa, uma releitura instigante de "Só Danço Samba", de Tom Jobim e Vinicius de Moraes. A performance segue animada com "Teu Sorriso" (Rocha), "Helicóptero" (Ferragutti) e "Choro do Adeus" (Ayres). "O Morro não tem vez" desponta, junto com a lembrança de Piazzolla em "Alfonsina y el Mar" (de Ariel Ramirez e Felix Luna), entremeadas por "Sanfonema" (de Ferragutti). O registro fecha no auge com a eterna "Ponteio" (de Edu Lobo) e a bem escolhida "De Bahia ao Ceará" (do justamente revisitado mestre Moacir Santos). A bendita confusão do Trio 202 se estendeu até o Tom Jazz e quem viu, teve sorte — apesar de que todo mundo pode ouvir agora. O lançamento foi da Azul Music e o mínimo de reconhecimento que deveria ter merecido é o de ser considerado um dos melhores álbuns instrumentais do último ano. Entre tantas participações inócuas de instrumentistas, entre tantos revivals sem o menor sentido e entre tantas produções seriadas sem nenhuma importância, o Trio 202 se destaca, até como uma bagunça inspirada de três grandes virtuoses. [1 Comentário(s)]
>>> Trio 202 ao Vivo: New York + São Paulo
 



Gastronomia >>> Oficina Bistrô Fernando Morais
Para quem quer sair das rotas mais manjadas da gastronomia paulistana, uma boa pedida é o Oficina Bistrô, do jovem chef Fernando Morais, no bairro da Pompéia. Homônimo do biógrafo mais comentado do ano, o discípulo do chef Alessandro Segato não tem, contudo, qualquer parentesco com o escritor mineiro. Morais, do Oficina, impressionou Segato quando foi ter com ele aulas, aos 20 e poucos anos. Depois do boom dos cursos superiores de gastronomia, ninguém poderia imaginar uma história simples assim — mas foi o que aconteceu: Morais trabalhou com Segato no Zoë, no La Risotteria e chegou a cozinheiro-chefe do Empório do italiano. O Oficina Bistrô, portanto, é o vôo solo do chef Fernando Morais, depois de passar, ainda, pelo Goga, do Alto de Pinheiros. Na decoração, o Oficina fez uma opção pelo "rústico sofisticado" — que revitalizou tantas casas consideradas hoje "vintage" na cidade: paredes descascadas e tijolos aparentes, na fachada, convivem com tábuas de caixas de uva, madeiras de assoalho de trem e até um eixo de carro de boi, no interior. Logo na entrada, uma "cozinha vitrine" ou "cozinha show", dividindo o salão principal de um segundo ambiente, intimista e aconchegante nas noites de frio, como uma taberna. Morais, embora atento e eficiente na preparação dos pratos, busca um clima informal, abordando as mesas, explicando detalhadamente as opções do cardápio e estimulando, inclusive, a interação entre os clientes. Num dia qualquer da semana, no horário do jantar, é possível encontrar desde turistas amistosos de fora de São Paulo até jornalistas da Folha (que afluem constantemente depois dos elogios de Josimar Melo). O menu é um pouco exótico, mas compensa qualquer risco que se venha a correr: as Lascas de Polvo do Chef (como entrada), a Arraia ao Burro e Tomilho ou o Coelho Brulé (como prato principal) e o Estrogonofe de Frutas com Sorvete ou o Espelho de Pistache (como sobremesas) são os destaques. Morais mantém a precocidade do ex-pupilo de Segato e o sucesso, imediato, de sua primeira casa é plenamente justificado. [Comente esta Nota]
>>> Oficina Bistrô Fernando Morais
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RELIGIONES Y LITERATURA DE JAPÓN
WALTER GARDINI
EDITORIAL KIER
(1995)
R$ 47,28



PERRY RHODAN - UM ESTRANHO NA LUA
KURT MAHR
SSPG
(2006)
R$ 20,00



A ÁGUA E OS SERES VIVOS
MASSAO HARA
SCIPIONE
(1991)
R$ 15,00



1808
LAURENTINO GOMES
PLANETA DO BRASIL
(2007)
R$ 15,00



I CHING ILUSTRADO
JUDY FOX; KAREN HUGHES; JOHN TAMPION
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 5,00



TEATRO DE ODUVALDO VIANNA (TEATRO BRASILEIRO)
ODUVALDO VIANNA
TEIXEIRA
(1941)
R$ 40,00



UM AMIGO NA CAVERNA
ELIANA SÁ E LAURABEATRIZ
SCIPIONE
(2012)
R$ 7,90



WHY "A" STUDENTS WORK FOR "C" STUDENTS AND WHY "B" STUDENTS WORK
ROBERT T. KIYOSAKI
PLATA PUBLISHING
(2013)
R$ 49,28



GREAT CHRISTIAN THINKERS - THE SPIRITUAL HERITAGE OF SIX KEYS THEOLOGIANS
PETER VARDY
FOUNT
(1999)
R$ 15,00



ASHES TO ASHES
TAMI HOAG
BANTAM BOOKS
(1999)
R$ 15,00





busca | avançada
40230 visitas/dia
1,3 milhão/mês