Digestivo nº 374 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> Suplemento Literário de Minas
>>> Johnny Alf no Supertônica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Das construções todas do sentir
>>> Vontade de fazer arte
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> Aliás (Estadão) debate Cultura
>>> No TV
Mais Recentes
>>> Anjos e preces 0004 - Especial os anjos e a felicidade de Vários Autores pela Escala (2007)
>>> Os signos e o amor - Sagitário de Raquel de Luccas pela Três (1987)
>>> Guattari- Confrontações de Kuniichi Uno, Laymert Garcia dos Santos pela N-1 Edições (2016)
>>> Novo testamento de Vários Autores pela Os gideões internacionais (1981)
>>> Novena de nossa senhora de Arquidiocese de São Paulo Região Episcopal Lapa pela Arquidiocese de São Paulo Região Episcopal Lapa (2000)
>>> 365 dias de gratidão: Mensagens inspiradoras para viver o agora de Academia pela Academia (2021)
>>> Novo testamento 1 - Os santos evangelhos e os actos dos apóstolos de Fr. Damião Klein O. F. M. pela Typ. S. Francisco (1929)
>>> 365 Peces de Koneman pela Koneman (2021)
>>> Bircát Hamazôn Sefaradi de Jessica e Zaki Kattan pela Jessica e Zaki Kattan (2014)
>>> 501 Desastres Mais Devastadores De Todos Os Tempos de La Fonte pela La Fonte (2021)
>>> 501 Eventos Que Merecem Ser Conhecidos de La Fonte pela La Fonte (2021)
>>> Symposium cuskelly: In memoriam Eugene James de Misioneros del Sagrado Corazón pela Actas (2002)
>>> Nietzsche e a Verdade de Roberto Machado pela Graal (1999)
>>> O Meu Caminho de Eni Devidé pela Instituto Phocus (2014)
>>> Revista de catequese (kit 4 livros) de Vários Autores pela Salesiana (1991)
>>> 501 Filmes Que Merecem Ser Vistos de La Fonte pela La Fonte (2021)
>>> Sob palavra instantâneos filosóficos de Jacques Derrida pela Fim de século (1999)
>>> 501 Ilhas Imperdíveis de La Fonte pela La Fonte (2021)
>>> 50 Coisas Que Você Pode Fazer Para Evitar A Dor Nas Costas de La Fonte pela La Fonte (2021)
>>> Simpatias que resolvem246 simpatias que vão te ajudar em tudo!!! de Vários Autores pela Alto astral (2018)
>>> Em torno de Jacques Derrida de Evando Nascimento e Paula Glenadel pela 7 Letras (2000)
>>> O selvagem da ópera de Rubem Fonseca pela Companhia das letras (1994)
>>> Rumos 4 no Judaísmo no Sionismo e Em Israel de Org Sionista Mundial pela Sionista Mundial (1987)
>>> The Wounded Woman de Linda Schierse Leonard pela Shambhala (1983)
>>> Novena da família a são josemaria escrivá de Francisco Faus pela Opus Dei (2004)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 25/7/2008
Digestivo nº 374
Julio Daio Borges

+ de 1800 Acessos




Cinema >>> Jogos do Poder, de Mike Nichols
Tom Hanks personifica os Estados Unidos da América no cinema já há algumas décadas, então todo filme com ele é suspeito até prova em contrário. Jogos do Poder, no entanto, conta com o brilhantemente subversivo Philip Seymour Hoffman — o coadjuvante que é, há anos, melhor do que muitos atores principais — e, embora seja propaganda republicana subliminar, o longa é anárquico e irreverente em igual medida. Julia Roberts também dá as caras — como uma dondoca texana das mais bem informadas — e a direção é de Mike Nichols, o que garante alguma isenção (se é que ela é necessária), por ter feito o controvertido Closer e o ex-controvertido (hoje clássico) A Primeira Noite de um Homem. Jogos do Poder está, ainda, longe de ser unânime e essa é, talvez, a sua maior graça, numa época de eleições presidenciais norte-americanas, em que um dos temas mais espinhosos é justamente a Guerra do Iraque. Ao contrário do engajado Leões e Cordeiros, de Robert Redford (pró-democratas, para quem não percebeu), Jogos do Poder conta a história do financiamento dos mujahidin, no Afeganistão, pela CIA, que resultou na primeira derrota do Exército Vermelho, no fim da década de 80 (sugerindo, para muitos, que começou aí a derrocada do comunismo e da antiga União Soviética). Charles Wilson (Hanks), um congressista do Texas, faz a ponte entre a CIA, representada por Gust Avrakotos (Seymour Hoffman), e o governo dos EUA, elevando o orçamento da operação, gradativamente, de 5 milhões para 1 bilhão de dólares. Embora tenha sido condecorado no final, a história não acaba aí — porque, aliás, a História nos levou ao 11 de Setembro. Teriam aquelas armas caído nas mãos do Talibã e de Bin Laden? Wilson, ele mesmo, se arrepende e diz que vai levar isso até o túmulo. Os Estados Unidos não deviam ter abandonado o Afeganistão em ruínas? Nunca vamos saber. Por isso Jogos do Poder se torna, atualmente, interessante. [1 Comentário(s)]
>>> Jogos do Poder
 

Música >>> Trio 202 ao Vivo: New York + São Paulo
Nelson Ayres (piano), Ulisses Rocha (violão) e Toninho Ferragutti (acordeom) estão entre os maiores instrumentistas brasileiros de suas respectivas gerações — mas eles não formavam um trio até abril do ano passado, quando, por um erro de uma produtora, e por um compromisso agendado de última hora pela mesma, Ayres, Rocha e Ferragutti deram à luz o Trio 202, para se apresentar no Jazz Standard, depois de apenas três noites de ensaios. O resultado, no CD Ao Vivo New York + São Paulo, é impressionante, sabendo-se ou não dessa história saborosa. É música brasileira de qualidade — e é jazz, também, de qualidade — desde a primeira faixa, uma releitura instigante de "Só Danço Samba", de Tom Jobim e Vinicius de Moraes. A performance segue animada com "Teu Sorriso" (Rocha), "Helicóptero" (Ferragutti) e "Choro do Adeus" (Ayres). "O Morro não tem vez" desponta, junto com a lembrança de Piazzolla em "Alfonsina y el Mar" (de Ariel Ramirez e Felix Luna), entremeadas por "Sanfonema" (de Ferragutti). O registro fecha no auge com a eterna "Ponteio" (de Edu Lobo) e a bem escolhida "De Bahia ao Ceará" (do justamente revisitado mestre Moacir Santos). A bendita confusão do Trio 202 se estendeu até o Tom Jazz e quem viu, teve sorte — apesar de que todo mundo pode ouvir agora. O lançamento foi da Azul Music e o mínimo de reconhecimento que deveria ter merecido é o de ser considerado um dos melhores álbuns instrumentais do último ano. Entre tantas participações inócuas de instrumentistas, entre tantos revivals sem o menor sentido e entre tantas produções seriadas sem nenhuma importância, o Trio 202 se destaca, até como uma bagunça inspirada de três grandes virtuoses. [1 Comentário(s)]
>>> Trio 202 ao Vivo: New York + São Paulo
 



Gastronomia >>> Oficina Bistrô Fernando Morais
Para quem quer sair das rotas mais manjadas da gastronomia paulistana, uma boa pedida é o Oficina Bistrô, do jovem chef Fernando Morais, no bairro da Pompéia. Homônimo do biógrafo mais comentado do ano, o discípulo do chef Alessandro Segato não tem, contudo, qualquer parentesco com o escritor mineiro. Morais, do Oficina, impressionou Segato quando foi ter com ele aulas, aos 20 e poucos anos. Depois do boom dos cursos superiores de gastronomia, ninguém poderia imaginar uma história simples assim — mas foi o que aconteceu: Morais trabalhou com Segato no Zoë, no La Risotteria e chegou a cozinheiro-chefe do Empório do italiano. O Oficina Bistrô, portanto, é o vôo solo do chef Fernando Morais, depois de passar, ainda, pelo Goga, do Alto de Pinheiros. Na decoração, o Oficina fez uma opção pelo "rústico sofisticado" — que revitalizou tantas casas consideradas hoje "vintage" na cidade: paredes descascadas e tijolos aparentes, na fachada, convivem com tábuas de caixas de uva, madeiras de assoalho de trem e até um eixo de carro de boi, no interior. Logo na entrada, uma "cozinha vitrine" ou "cozinha show", dividindo o salão principal de um segundo ambiente, intimista e aconchegante nas noites de frio, como uma taberna. Morais, embora atento e eficiente na preparação dos pratos, busca um clima informal, abordando as mesas, explicando detalhadamente as opções do cardápio e estimulando, inclusive, a interação entre os clientes. Num dia qualquer da semana, no horário do jantar, é possível encontrar desde turistas amistosos de fora de São Paulo até jornalistas da Folha (que afluem constantemente depois dos elogios de Josimar Melo). O menu é um pouco exótico, mas compensa qualquer risco que se venha a correr: as Lascas de Polvo do Chef (como entrada), a Arraia ao Burro e Tomilho ou o Coelho Brulé (como prato principal) e o Estrogonofe de Frutas com Sorvete ou o Espelho de Pistache (como sobremesas) são os destaques. Morais mantém a precocidade do ex-pupilo de Segato e o sucesso, imediato, de sua primeira casa é plenamente justificado. [Comente esta Nota]
>>> Oficina Bistrô Fernando Morais
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Criar Viva o Extraordinário
Lester Bello
Bello
(2013)



A Leitura da Sorte na Umbanda e no Candomblé - 1ª Edição
Omiran Onidajó
Pallas
(2009)



Língua, Literatura & Redação 2
José de Nicola
Scipione
(1998)



A paixão em claro
Elisabeth Veiga
Topbooks
(1992)



Curso de Direito Processual do Trabalho
Renato Saraiva
Metodo
(2007)



Espiral Ditado pelo Espírito Carlos Abrano
Leo Fernandes
Isis
(2009)



Dor Diagnostico e Tratamento
A C Camargo Andrade Filho
Roca
(2001)



Exame da Ordem - 2. Fase - Civil
Cíntia Erica Mariano
Espaço Jurídico
(1993)



Princípios de Cariologia
Sérgio Pimentel Storino
Eplitie
(1988)



Curso de Física 2
Antônio Máximo e Beatriz Alvarenga
Scipione
(1999)





busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês