Digestivo nº 420 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
Mais Recentes
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Galera Junior (2015)
>>> Alimentação sem Carne de Eric Slywitch pela Alaúde (2016)
>>> Maus: A História de um Sobrevivente - História Completa de Art Spiegelman pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alex no País dos Números de Alex Bellos pela Companhia das Letras (2011)
>>> A História da Medicina de Anne Rooney pela M. Books (2013)
>>> História da Arte Italiana - 3 Volumes de Giulio Carlo Argan pela Cosac Naify (2003)
>>> Justiça: O Que é Fazer a Coisa Certa (Edição Especial Capa Dura) de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2021)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> O Outono da Idade Média de Johan Huizinga pela Cosac Naify (2010)
>>> Vocabulário da Psicanálise de Laplanche e Pontalis pela Martins Fontes (1998)
>>> Meditações Diárias Para Mulheres Que Amam Demais de Robin Norwood pela Rocco (2009)
>>> Supertição no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2001)
>>> Marketing Trends de Francisco Alberto Madia de Souza pela Makron Books (2000)
>>> Retorno Do Investimento Em Capital Humano de Jac Fitz-enz pela Makron Books (2001)
>>> O Gigante Enterrado de Kazuo Ishiguro pela Companhia das Letras (2017)
>>> O Fim Do Poder de Moisés Naím pela Leya (2013)
>>> Introdução as Obras de Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan de J. D. Nasio pela Jorge Zahar (1995)
>>> Amor Incondicional E Perdão de Edith Stauffer pela Totalidade (2007)
>>> Tarde Demais de Colleen Hoover pela Record (2022)
>>> A Bíblia Dos Meninos de Carolyn Larsen pela Mundo Cristão (2000)
>>> Peter Camenzind de Hermann Hesse pela Todavia (2022)
>>> Cuidando da Família em Crise de T. Berry Brazelton pela Martins Fontes (1991)
>>> Livro Game Of Thrones: Guia Completo Da Serie Da Hbo de Bryan Cogman pela Leya (2013)
>>> Talvez Uma Historia De Amor de Martin Page pela Rocco (2009)
>>> Por Voce- Vol. 1 de Laurelin Paige pela Fabrica231 (2015)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 19/6/2009
Digestivo nº 420
Julio Daio Borges
+ de 2200 Acessos




Internet >>> A blogosfera brasileira e o blog da Petrobras
Embora permaneça praticamente em silêncio sobre a morte melancólica dos jornais, a blogosfera brasileira de repente se exalta quando o assunto é "blog da Petrobras". Foi um auê, nas últimas semanas, como não acontecia desde que o Estadão resolveu cutucar os blogueiros com uma campanha publicitária há quase dois anos. Tudo bem, houve o levante, contra os "dinossauros", durante a primeira Campus Party (em 2008), mas a blogosfera BR andava buscando conciliação, com a mídia jurássica, inclusive porque muitos blogs (e blogueiros) foram abduzidos pelo chamado mainstream (editorial e publicitário). "Essa 'guerra' só prejudica os dois lados", murmuravam ainda há pouco, com olímpica superioridade... para, recentemente, explodir, declarando barbaridades como: "vamos à forra"; "entremos firme nesta guerra de informação"; "guerra é guerra". A turma do "deixa disso" não conseguiu, desta vez, calar os exaltados... Existem, claro, outros sentimentos em jogo, logo a suposta "guerra" extravasa frustrações outras, que têm pouco ou nada a ver com a Petrobras... Em primeiro plano, está a discussão sobre a estatal ter "furado" a imprensa através de seu blog — divulgando na internet perguntas (e respostas) que seriam publicadas pelos jornais, antes da hora combinada, e rompendo com a pacto, histórico, entre jornalista e "fonte". Pesam, nessa mesma discussão, a anunciada "CPI da Petrobras" e o fato de a estatal ser um dos maiores anunciantes da mídia impressa na atualidade. Num segundo plano, está a ideologia (sempre ela) — com a Petrobras assumindo o papel de "governo" e os jornais sendo associados à "oposição" (ou à "mídia golpista", como querem alguns...). O restante da blogosfera entra, nesse vácuo, para atacar a eterna falta de reconhecimento por parte da imprensa-impressa; para denunciar o estado de penúria das redações atuais (sugerindo que pode fazer melhor); e reivindicar — como não poderia deixar de ser — uma fatia mais generosa do "bolo publicitário" (que, para internet, é quase tão minguante quanto a participação do MinC no orçamento da União)... A presente guerra, portanto, guarda mais semelhança com um tiroteio do que com uma ação organizada. O resultado mais concreto, que se espera, é o aparecimento de novos "blogs da Petrobras" — ou o que quer que, em sentido figurado, isso possa significar... [2 Comentário(s)]
>>> Blog da Petrobras — Fatos e Dados
 



Televisão >>> O Poeta Fingidor, com documentário de Claufe Rodrigues
Fernando Pessoa, quem diria, virou atração turística. É a primeira impressão do documentário de Claufe Rodrigues, exibido pelo GNT e agora encartado, em formato DVD, na nova antologia O Poeta Fingidor, pela editora Globo. Desde o mausoléu, entre reis de Portugal, até a estátua, fotografada à exaustão, passando pela casa, pela biblioteca e pelas relíquias da sobrinha-neta, Fernando Pessoa está exposto à visitação pública, embora, durante toda a vida, tenha fugido da realidade, e se enterrado no "sonho", como seu heterônimo Bernardo Soares. É, à primeira vista, uma contradição — e nada indica que sua poesia será melhor compreendida por causa desse alvoroço. Enfim, tirando a curiosidade pela celebridade (da qual nem Pessoa escapa), o documentário vale pelas intervenções de José Blanco, Gonçalo Tavares, entre outros entusiastas da obra. A sugestão de que Pessoa teria superado Camões é exagerada, naturalmente. Ainda que o tenha feito, recentemente, em número de traduções. Conforme um depoimento, muito oportuno, aponta: Álvaro de Campos se media com Walt Whitman, Ricardo Reis se media com o latino Horácio e Alberto Caeiro se media com os gregos clássicos — mas nada indica nem sequer a intenção de superá-los... Carlos Felipe Moisés, no prefácio da antologia, justifica a popularidade de Fernando Pessoa por ele haver antecipado o "estilhaçamento do ego do homem moderno". Não sabemos mais quem somos; somos, portanto, vários — um para cada situação. Daí, os "heterônimos" — e a conclusão, angustiante, de que uma personalidade, só, não basta. "Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me" é um verso de Campos em "Tabacaria"... Não faltam, claro, os clichês no documentário, como o pôr do sol, combinado à leitura de "Mar Português". Ficam, contudo, as revelações, como a do slogan, maroto, criado para a Coca-Cola: "Primeiro, estranha-se; depois, entranha-se". Fernando Pessoa pertence mais à nossa época do que à sua própria, mas essa aparente tragédia, de não ter sido quase publicado (e reconhecido) em vida, pode tê-lo salvado. [1 Comentário(s)]
>>> O Poeta Fingidor
 



Música >>> Chickenfoot, de Satriani, Hagar, Anthony e Smith
Enquanto o Van Halen não decide se volta ou não volta (e como, ou com quem, volta), Sammy Hagar e Michael Anthony se juntaram a Joe Satriani e Chad Smith (Red Hot Chili Peppers) para montar o que estão chamando de "supergrupo": o Chickenfoot. O nome — apesar de, na capa do disco, fazer menção ao símbolo de "paz e amor" — evoca, em bom português, os tais "pés de galinha" ou as rugas da velhice. Querendo ou não, acabamos ligando "Chickenfoot" à idade provecta de alguns membros da banda, mais notadamente Hagar e Anthony. Isso não é motivo, porém, para acomodação: Sammy Hagar não economiza em matéria de gogó, e é quem confere maior unidade ao conjunto — que, apesar do marketing, não soa como um simples grupo de mercenários. Joe Satriani também trabalha bastante e não economiza em truques. Embora não seja um "criador" (como Eddie Van Halen) — na definição de Pound —, é um "mestre" e faz uso de todo seu arsenal de guitarras, timbres e virtuosismos. Michael Anthony deve uni-los mais pelas piadas, como fazia no Van Halen, enquanto Chad Smith, conforme ele mesmo confessa, alterna-se entre a bateria dos Rolling Stones e a do AC/DC, e a evocação, inevitável, de Alex Van Halen. Os títulos, à primeira vista, soam preguiçosos: "Oh Yeah", "Runnin' Out", "Get It Up". E, claro, retornam algumas obsessões pessoais de Hagar: "Sexy Little Thing", "My Kinda Girl". Entre mortos e feridos, salvam-se possíveis hits: "Avenida Revolution" (lembra "Pleasure Dome"), "Sexy Little Thing" (de novo, lembra AC/DC), "Get It Up" ("Arriba, Arriba"), "My Kinda Girl" (roubando os "coros" do Van Halen). Sem contar bons empréstimos de Deep Purple (de quem tocam "Highway Star") e mesmo Black Sabbath (a "introdução" de "Iron Man", em "Soap On A Rope" — que, por sua vez, lembra "Satch Boogie"...). O Van Halen, até agora, ficou para trás. Enquanto isso, Joe Satriani realiza seu velho sonho de tocar numa banda de verdade... [2 Comentário(s)]
>>> Chickenfoot
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Com os corações cheios de amor
Rabino Mattisyahu Salomon
ArtScrll Series



Antologia Efémera 1950-2000
E. M. de Melo e Castro
Lacerda
(2000)



Leite Derramado
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2009)



Sucos e Vitaminas para Crianças
Amanda Cross
Manole
(2007)



O Universo Simbólico da Criança: Olhares Sensível para a Infância
Adriana Friedmann
Vozes
(2005)



O discurso da homossexualidade feminina
Denise Portinari
Brasiliense
(1989)



Otelo
Hildegard Feist
Scipione
(2015)



You Can Be Happy no Matter What
Richard Carlson
New World Library
(2006)



Livro Literatura Estrangeira Bela Distração Irmãos Maddox - Livro 1
Jamie Mc Guire
Verus
(2014)



Ele Vem do Fundão
Dyonelio Machado
Ática
(1982)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês