Digestivo nº 420 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2009: intolerância e arte
>>> A Marafa Carioca, de Marques Rebelo
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Geração abandonada
>>> O dia em que a Terra parou
>>> A Geração Paissandu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
Mais Recentes
>>> Boneco de Pano de Daniel Cole pela Arqueiro (2017)
>>> Hereges de Leonardo Padura Fuentes pela Boitempo (2015)
>>> Nix de Nathan Hill pela Intrinseca (2018)
>>> Os Anagramas de Varsóvia de Richard Zimler pela Record (2010)
>>> Os Anagramas de Varsóvia de Richard Zimler pela Record (2010)
>>> Código da Vida de Saulo Ramos pela Planeta (2007)
>>> Caras Animalescas de Renato Moriconi; Ilan Brenman pela Cia das Letrinhas (2013)
>>> Jujubalândia de Mariana Caltabiano pela Brinque Book (1997)
>>> O Pequeno Dragão - 2ª Nova Ortografia de Pedro Bandeira; Carlos Edgard Herrero pela Moderna (2009)
>>> O Coiso Estranho de Blandina Franco pela Companhia das Letras (2014)
>>> Rupi! o Menino das Cavernas de Timothy Bush; Gilda de Aquino pela Brinque-book (1997)
>>> Casa-grande Senzala - Dois Volumes de Gilberto Freyre pela Jose Olympio (1950)
>>> Condessa de Barral: a Paixão do Imprerador de Mary del Priore pela Objetiva (2008)
>>> Isso Me Traz Alegria de Marie Kondo pela Sextante (2016)
>>> As Aventuras de Benjamim: o Muiraquitã de Camila Franco; Marcela Catunda; e Outros pela Companhia das Letrinhas (2004)
>>> Vitrines e Coleções de Christine Ferreira Azzi pela Memória Visual (2010)
>>> El Nacimiento de Europa de Robert S. López pela Editorial Labor (1963)
>>> O Que é Isso, Companheiro? de Fernando Gabeira pela Companhia das Letras (1997)
>>> Mística e Espiritualidade de Leonardo Boff; Frei Betto pela Vozes (2010)
>>> As Aventuras de Pinóquio de Carlo Collodi pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Livro das Perguntas de Ferreira Gullar; Pablo Neruda; Isidro Ferrer pela Cosac & Naify (2008)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (1991)
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1998)
>>> Uma Janela Em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2001)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 19/6/2009
Digestivo nº 420
Julio Daio Borges

+ de 1800 Acessos




Internet >>> A blogosfera brasileira e o blog da Petrobras
Embora permaneça praticamente em silêncio sobre a morte melancólica dos jornais, a blogosfera brasileira de repente se exalta quando o assunto é "blog da Petrobras". Foi um auê, nas últimas semanas, como não acontecia desde que o Estadão resolveu cutucar os blogueiros com uma campanha publicitária há quase dois anos. Tudo bem, houve o levante, contra os "dinossauros", durante a primeira Campus Party (em 2008), mas a blogosfera BR andava buscando conciliação, com a mídia jurássica, inclusive porque muitos blogs (e blogueiros) foram abduzidos pelo chamado mainstream (editorial e publicitário). "Essa 'guerra' só prejudica os dois lados", murmuravam ainda há pouco, com olímpica superioridade... para, recentemente, explodir, declarando barbaridades como: "vamos à forra"; "entremos firme nesta guerra de informação"; "guerra é guerra". A turma do "deixa disso" não conseguiu, desta vez, calar os exaltados... Existem, claro, outros sentimentos em jogo, logo a suposta "guerra" extravasa frustrações outras, que têm pouco ou nada a ver com a Petrobras... Em primeiro plano, está a discussão sobre a estatal ter "furado" a imprensa através de seu blog — divulgando na internet perguntas (e respostas) que seriam publicadas pelos jornais, antes da hora combinada, e rompendo com a pacto, histórico, entre jornalista e "fonte". Pesam, nessa mesma discussão, a anunciada "CPI da Petrobras" e o fato de a estatal ser um dos maiores anunciantes da mídia impressa na atualidade. Num segundo plano, está a ideologia (sempre ela) — com a Petrobras assumindo o papel de "governo" e os jornais sendo associados à "oposição" (ou à "mídia golpista", como querem alguns...). O restante da blogosfera entra, nesse vácuo, para atacar a eterna falta de reconhecimento por parte da imprensa-impressa; para denunciar o estado de penúria das redações atuais (sugerindo que pode fazer melhor); e reivindicar — como não poderia deixar de ser — uma fatia mais generosa do "bolo publicitário" (que, para internet, é quase tão minguante quanto a participação do MinC no orçamento da União)... A presente guerra, portanto, guarda mais semelhança com um tiroteio do que com uma ação organizada. O resultado mais concreto, que se espera, é o aparecimento de novos "blogs da Petrobras" — ou o que quer que, em sentido figurado, isso possa significar... [2 Comentário(s)]
>>> Blog da Petrobras — Fatos e Dados
 



Televisão >>> O Poeta Fingidor, com documentário de Claufe Rodrigues
Fernando Pessoa, quem diria, virou atração turística. É a primeira impressão do documentário de Claufe Rodrigues, exibido pelo GNT e agora encartado, em formato DVD, na nova antologia O Poeta Fingidor, pela editora Globo. Desde o mausoléu, entre reis de Portugal, até a estátua, fotografada à exaustão, passando pela casa, pela biblioteca e pelas relíquias da sobrinha-neta, Fernando Pessoa está exposto à visitação pública, embora, durante toda a vida, tenha fugido da realidade, e se enterrado no "sonho", como seu heterônimo Bernardo Soares. É, à primeira vista, uma contradição — e nada indica que sua poesia será melhor compreendida por causa desse alvoroço. Enfim, tirando a curiosidade pela celebridade (da qual nem Pessoa escapa), o documentário vale pelas intervenções de José Blanco, Gonçalo Tavares, entre outros entusiastas da obra. A sugestão de que Pessoa teria superado Camões é exagerada, naturalmente. Ainda que o tenha feito, recentemente, em número de traduções. Conforme um depoimento, muito oportuno, aponta: Álvaro de Campos se media com Walt Whitman, Ricardo Reis se media com o latino Horácio e Alberto Caeiro se media com os gregos clássicos — mas nada indica nem sequer a intenção de superá-los... Carlos Felipe Moisés, no prefácio da antologia, justifica a popularidade de Fernando Pessoa por ele haver antecipado o "estilhaçamento do ego do homem moderno". Não sabemos mais quem somos; somos, portanto, vários — um para cada situação. Daí, os "heterônimos" — e a conclusão, angustiante, de que uma personalidade, só, não basta. "Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me" é um verso de Campos em "Tabacaria"... Não faltam, claro, os clichês no documentário, como o pôr do sol, combinado à leitura de "Mar Português". Ficam, contudo, as revelações, como a do slogan, maroto, criado para a Coca-Cola: "Primeiro, estranha-se; depois, entranha-se". Fernando Pessoa pertence mais à nossa época do que à sua própria, mas essa aparente tragédia, de não ter sido quase publicado (e reconhecido) em vida, pode tê-lo salvado. [1 Comentário(s)]
>>> O Poeta Fingidor
 



Música >>> Chickenfoot, de Satriani, Hagar, Anthony e Smith
Enquanto o Van Halen não decide se volta ou não volta (e como, ou com quem, volta), Sammy Hagar e Michael Anthony se juntaram a Joe Satriani e Chad Smith (Red Hot Chili Peppers) para montar o que estão chamando de "supergrupo": o Chickenfoot. O nome — apesar de, na capa do disco, fazer menção ao símbolo de "paz e amor" — evoca, em bom português, os tais "pés de galinha" ou as rugas da velhice. Querendo ou não, acabamos ligando "Chickenfoot" à idade provecta de alguns membros da banda, mais notadamente Hagar e Anthony. Isso não é motivo, porém, para acomodação: Sammy Hagar não economiza em matéria de gogó, e é quem confere maior unidade ao conjunto — que, apesar do marketing, não soa como um simples grupo de mercenários. Joe Satriani também trabalha bastante e não economiza em truques. Embora não seja um "criador" (como Eddie Van Halen) — na definição de Pound —, é um "mestre" e faz uso de todo seu arsenal de guitarras, timbres e virtuosismos. Michael Anthony deve uni-los mais pelas piadas, como fazia no Van Halen, enquanto Chad Smith, conforme ele mesmo confessa, alterna-se entre a bateria dos Rolling Stones e a do AC/DC, e a evocação, inevitável, de Alex Van Halen. Os títulos, à primeira vista, soam preguiçosos: "Oh Yeah", "Runnin' Out", "Get It Up". E, claro, retornam algumas obsessões pessoais de Hagar: "Sexy Little Thing", "My Kinda Girl". Entre mortos e feridos, salvam-se possíveis hits: "Avenida Revolution" (lembra "Pleasure Dome"), "Sexy Little Thing" (de novo, lembra AC/DC), "Get It Up" ("Arriba, Arriba"), "My Kinda Girl" (roubando os "coros" do Van Halen). Sem contar bons empréstimos de Deep Purple (de quem tocam "Highway Star") e mesmo Black Sabbath (a "introdução" de "Iron Man", em "Soap On A Rope" — que, por sua vez, lembra "Satch Boogie"...). O Van Halen, até agora, ficou para trás. Enquanto isso, Joe Satriani realiza seu velho sonho de tocar numa banda de verdade... [2 Comentário(s)]
>>> Chickenfoot
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vacinas Orientações Práticas
Lourdes Bernadete
Martinari
(2011)



Case, Amori, Universi
Fosco Maraini
Oscar Mondadori
(1999)



Maturidade Revista
Rosana Hermann
Gente
(2003)



Nosso Lar. Bastidores do Filme
Wagner de Assis
Feb
(2010)



Contabilidade Introdutória + Livro de exercícios
Equipe de Professores da FEA da USP
Atlas
(1985)



Sabrina: Cúmplices e Amantes
Bervely Brandt
Nova Cultural



Sexo e Negócios
Shere Hite
Bertrand Brasil
(2011)



O Cinema Documentário e Suas Linhas de Fuga
Eco Ufrj Publicação da Pós Graduação (nº5)
Ufrj
(1997)



Rurouni Kenshin - Crônicas da era Meiji - Volume 22
Nobuhiro Watsuki
Jbc
(2015)



O Pequeno Filósofo
Gabriel Chalita; Thais Linhares
Globo Antigo
(2011)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês