Digestivo nº 437 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Coleção de histórias da Bíblia - A mais preciosa história do mundo, ricamente ilustrada (capa dura) de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sbb (2004)
>>> Escritos políticos de Frantz Fanon pela Boitempo (2021)
>>> A Bíblia das Descorbertas - Nova Tradução na Linguagem de Hoje de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sbb (2010)
>>> O patriarcado do salário notas sobre Marx, gênero e feminismo (v.1) de Silvia Federici pela Boitempo (2021)
>>> The art of Papercutting. 35 stylish projectis for gifting, cards & decoration de Deborah Schneebeli-Morrell pela Ciclo Books (2011)
>>> Raça, nação, classe - As identidades ambíguas de Étienne Balibar , Immanuel Wallerstein pela Boitempo (2021)
>>> Marxismo e questão racial: dossiê Margem Esquerda de Silvio Luiz De Almeida (Organizador) pela Boitempo (2021)
>>> Interseccionalidade (capa sobre pintura) de Patricia Hill Collins, Sirma Bilge pela Boitempo (2021)
>>> Por Que os Homens Casam com as Mulheres Poderosas? de Sherry Argov pela Sextante (2013)
>>> Colonialismo e luta anticolonial: desafios da revolução no século XXI de Domenico Losurdo pela Boitempo (2020)
>>> Os Rodriguez de Leandro Dupré Maria José Dupré pela Saraiva (1958)
>>> Horrible Science: Ugly Bugs de Nick Arnold pela Scholastic Books (2009)
>>> Calipso - Coleção Mistério de Ed Mcbain pela Edibolso (1981)
>>> Bermuda Triângulo da Morte de Martin Ebon pela Nova Época (1975)
>>> 13th Street: Battle of the Bad-Breath Bats de David Bowles pela Harper Collins (2020)
>>> Sem Mais Nem Menos de Luís Dill pela Ática (2012)
>>> Express math: 6e année de Marie - Claude Babin pela Caractere (2019)
>>> Judas O Obscuro de Thomas Hardy pela Itatiaia (1969)
>>> A Esperança Morre Depois de A. Gefen pela Record (1977)
>>> Express math 1ere année de Claire Chabot pela Caractere (2019)
>>> O desaparecido de Percival C. Wren pela Minerva (1975)
>>> 15 Grandes Destinos de Diélette pela Editorial verbo (1980)
>>> História Concisa do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2011)
>>> Um Dom Especial - Clássicos Históricos de Jackie Manning pela Harlequin (2001)
>>> O analista de bagé de Luís Fernando Verissimo pela Circulo do livro (1981)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 23/10/2009
Digestivo nº 437
Julio Daio Borges

+ de 2800 Acessos




Literatura >>> Euclidiana, por Walnice Nogueira Galvão
A sobrevivência de um escritor, depois de morto, não depende só de sua consagração em vida, mas também de pesquisadores dedicados como Walnice Nogueira Galvão, especialista em Euclides da Cunha. O autor de Os Sertões, além de despontar com sua obra, no começo do século passado, conquistando o respeito de toda a intelectualidade brasileira, foi premiado com admiradores póstumos como a professora titular de teoria literária e literatura comparada da USP. O interesse de Walnice Nogueira Galvão a levou, entre outras realizações de monta, a organizar um fundamental volume de cartas do escritor, pela Edusp (em 1997), e a estabelecer a mais recente edição crítica de Os Sertões, harmonizando todas as variantes conhecidas, desde 1902. As histórias de sua devoção por Euclides da Cunha estão coligidas neste Euclidiana, um volume de ensaios, que a Companhia das Letras acaba de lançar. Walnice Nogueira Galvão começa com estilo, em "Ecos Literários", passa à biografia de Euclides, incluindo a Escola Militar, naturalmente sua morte trágica e seu jornalismo no Estado de S. Paulo, dedicando, ainda, uma terceira parte ao que chama de "Epistolografia", para encerrar com "Livros", ou as edições do escritor. Euclides da Cunha, como todo grande clássico, é um mundo, e mergulhar nas análises da professora Walnice é se deixar envolver pela prosa de um de nossos maiores autores. Embora tenha falecido precocemente, aos 43 anos, Euclides se converteu em mito e vive agora também nos estudos de Walnice Nogueira Galvão. Bastante sóbria na escrita, talvez evocando o mestre, a professora Walnice não se furta, igualmente, a emitir opiniões, e repassa desde as derivações literárias como a de Mario Vargas Llosa até as deformações folhetinescas como Desejo, com Vera Fischer e Guilherme Fontes. Para compensar, as presenças de José Calasans, Oswaldo Galotti, Antonio Houaiss e Franklin de Oliveira — "euclidianos e conselheiristas". Euclidiana, enfim, é mais uma homenagem, que merece ser lida, ao nosso grande Euclides da Cunha. [Comente esta Nota]
>>> Euclidiana: Ensaios sobre Euclides Da Cunha
 



Teatro >>> Terça Insana, o segundo DVD
É louvável que um projeto como o Terça Insana continue em cartaz desde 2001. Com uma proposta de renovar seus quadros de humor a cada semana, o Terça Insana foi se consagrando, saindo do centro da cidade para se firmar no Avenida Club, em Pinheiros. Veio o primeiro DVD, ainda pela Trama (em 2004), e, agora, o segundo DVD marca a passagem do Terça Insana para uma segunda fase, pós-consagração. Desta vez, nada de Aline Dorel (só nos créditos), Irmã Selma, a Sheila ("uma loucura") ou MC Dollar (uma homenagem aos rappers de shopping). Com o sucesso da primeira trupe, muitos seguiram carreira solo, outros buscaram o mainstream televisivo, outros, ainda, preferiram o teatro clássico. Grace Gianoukas, junto a seu fiel escudeiro, Roberto Camargo ("Betina Botox") tiveram de renovar o cast, mas conseguiram boas aquisições. Neste novo DVD, as grandes revelações são: Marco Luque, que faz o hilariante taxista Silas Simplesmente, Mary Help (a empregada Maria do Socorro) e o Garçom; e Agnes Zuliani, uma atriz veterana, com formação em História, que faz a Senadora Biônica ("Lembra?"), Carlota Joaquina, com sotaque português impecável, e a Mal Amada. Grace Gianoukas ainda segura bastante a onda com a Mulher Moderna (entre trabalho, marido e filhos, claro) e a Adolescente (personagem inspirada nas crianças mimadas de hoje). Já Roberto Camargo se sai muito bem como Cupido, embora soe um pouco deprimente como Homem de 40 (mais que engraçado). Guilherme Uzeda, ainda que seja uma novidade na trupe, com seus personagens, não marca muito. Grace parece uma de suas criações, falando nos extras, justificando muito a demora do DVD e enumerando as características de cada ator que já passou pelo projeto. Embora seja a fundadora e, idealmente, tenha se realizado na profissão, soa um pouco cansada — e, de repente, a terceira fase do Terça Insana pode vir a depender de outras variáveis além do seu fôlego... [Comente esta Nota]
>>> Terça Insana
 



Música >>> Irmãs Labèque encerrando a Temporada 2009 do Mozarteum
Se em 2005 Katia e Marielle Labèque abriram a Temporada do Mozarteum Brasileiro, em 2009, retornando ao Brasil, fecharam com música espanhola e o famoso Bolero de Ravel. Quatro anos atrás, a influência da Espanha já se insinuava pela escolha de peças do mesmo Ravel que evocavam, pelo estilo, o país do Dom Quixote. Sem contar a presença do mundo hispano-americano, graças ao baterista venezuelano, Pablo Bencid, que, em 2005, fechou um segundo bloco que começou com Leonard Bernstein (a peça "America" estava incluída). Neste ano, a parte percussiva do espetáculo ficou a cargo do Grupo PIAP, convidado para interpretar, conjuntamente, o Bolero. Seguindo a notação original, para dois pianos (do próprio Maurice Ravel), a reprodução do "crescendo", mais conhecido por causa da presença de orquestras, foi acontecendo graças à introdução lenta de cada instrumento de percussão, enfatizado pela intensidade dos toques de Katia e Marielle. Desde um pandeiro muito discreto, fazendo apenas a marcação, até explodir em tambores, surdos e, aparentemente, timbales, combinados com berimbau, caxixi e triângulo, entre muitos outros. A plateia, que já esperava com ansiedade o Bolero, explodiu, por sua vez, em palmas e sorrisos, de pé, louvando as irmãs francesas e o grupo de percussão da Unesp. No início, as Labèque preferiram começar a apresentação mais sérias, com um bloco inteiro dedicado a Isaac Albéniz, excertos da sua suíte Iberia, com arranjos de Enrique Granados (entre outros). O mesmo Granados reapareceria abrindo o segundo bloco, com sua suíte para piano, Goyescas, La Maya y el Ruiseñor (com este último passeando alegremente pelo teclado das instrumentistas). Antes do ovacionado Ravel, ainda houve Paco de Lucia e Joan Albert Amargós. O primeiro é mais conhecido por sua habilidade, lendária, ao violão, mas se mostrou compositor agradável em Canción de Amor. A Temporada 2010 do Mozarteum também promete com Maria João Pires, Zubin Mehta e a Filarmônica de Munique, a Sinfônica de Heidelberg com Hiaou Zhang, fora a Oslo Camerata, o Ensemble Berlin e o Waldstein Quartet. [Comente esta Nota]
>>> Katia e Marielle Labèque
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Magia & Gestão
Geraldo R. Caravantes
Makron
(1997)



A Vitória de Nélio
Cecília Rocha e Clara Araújo
FEB
(2011)



Yo Soy El Mercado: Teoría, Métodos y Estilo de Vida del Perfecto
Yo Soy El Mercado
Duomo Ediciones
(2010)



O Bicho Homem
Cristina Moutella Glicia Van Linden
Objetiva
(1997)



Como Gerenciar Informações
Lynn Lively
Campus
(2002)



50 Anos de Presença na Terra de Santa Cruz: 1955 - 2005
Editora o Recanto
O Recado (sp)
(2004)



Eu Sou o Mensageiro
Markus Zusak
Intronseca
(2007)



A Descentralização da Educação
Revista Contexto e Educação, Nº 25 de 1992
Inijuí
(1992)



História Universal Terceiro Volume
H. G. Wells
Livros do Brasil



El Mundo Arqueológico del Cnl. Federico Diez de Medina
Roy Querejazu Lewis
Los Amigos del Libro (cochabam
(1983)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês