Digestivo nº 82 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
79550 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clássico de Charles Dickens retrata as misérias sociais da industrialização inglesa
>>> Clube latino-americano de Jazz por streaming terá transmissão gratuita no Brasil
>>> Fora da Casinha realizará apresentações circenses virtuais voltadas para toda família
>>> As Clês narram as vozes femininas do mundo
>>> Programa DIVERSAS estreia na Rádio USP dia 11 de março
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior
>>> O Hobbit - A Desolação de Smaug
>>> Itinerário de leituras off-line
>>> Paying debt to karma
>>> O Riso dos Outros
>>> Brazil, por Django Reinhardt
>>> A crítica musical
>>> A melhor versão shakespeariana de Kurosawa
>>> Cultura às moscas
Mais Recentes
>>> O Mito da Beleza de Naomi Wolf pela Rocco (1992)
>>> Pra que serve Matemática ? Geometria de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Mário Pedrosa, Retratos do Exílio de Carlos Eduardo de Senna Figueiredo pela Antares (1982)
>>> Pra Que Serve Matemática ? Semelhança de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Equação do 2º Grau de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Álgebra de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Harry Potter e a Ordem da Fênix de J. K. Rowling pela Rocco (2003)
>>> O Sorriso do Lagarto de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1989)
>>> As 10 Mulheres Que Você Vai Ser Até os 35 de Alison James pela Best Seller (2009)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Martin Claret (2001)
>>> Cascata de Luz de Irene Pacheco Machado pela Recanto
>>> O Amanhã a Deus Pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2006)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Rio Gráfica
>>> Sheila Levine Está Morta e Vivendo Em Nova York de Gail Parent pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Espelho Meu de Edgar J. Hyde pela Ciranda Cultural (2010)
>>> A 2ª Morte de R a Ranieri pela Edifrater (1997)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Cem Melhoramentos Crônicas (que, na Verdade, São 129) de Mario Prata pela Planeta (2007)
>>> Pare de Sofrer de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Harmonização de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Mulheres Alteradas 1 de Maitena pela Rocco
>>> Vernon God Little de Dbc Pierre pela Record (2004)
>>> Seja Líder de Si Mesmo de Augusto Cury pela Sextante (2004)
>>> Crônicas para Gostar de Ler Volume 5 de Carlos Drummond de Andrade pela Atica
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 22/5/2002
Digestivo nº 82
Julio Daio Borges

+ de 900 Acessos




Artes >>> Oígame, compay
E São Paulo se rendeu mais uma vez à musicalidade advinda de Cuba. Foi no último dia 21 de maio, durante a apresentação do Coro de Câmara Exaudi, seguindo a temporada internacional do Mozarteum Brasileiro, na Sala São Paulo. O repertório, embora rigorosamente clássico, dada a ocasião e dado o local, foi docemente retocado pela inclusão, durante o bis, de peças de compositores latino-americanos. O Coro têm a direção de María Felícia Pérez, e por ser incomumente reduzido a 12 vozes, permite ao espectador acompanhar com detalhe a mecânica da concepção e do arranjo “a capella”; afinal, são três grupos de quatro cantores cada: sopranos, contraltos, tenores e baixos. A noite começou contida, pautada por obras de Mendelssohn e Brahms. O primeiro acostumando o público à escrita e aos versos de difícil assimilação, em alemão; dentre esses, um poema assinado por J. W. Goethe (modelo de Mendelssohn, mas obviamente insuperado por ele). De Brahms, um pouco do que o programa chamou de “polifonia arcaica” (aparentada à Renascença); completada pela “homofonia vocal” (aparentada à canção popular). Se o rigor tedesco produziu momentos de fina apreciação, o despertar da audiência só ocorreu mesmo com Giachino Rossini, e suas peças: “I gongolieri” e “La passeggiata” – pontuadas pela alegria do realizador d’“O Babeiro de Sevilha”, ainda que escritas numa época de padecimento físico e moral do operista italiano. Depois do intervalo, voltou-se a Brahms, com o coro numa postura relaxada, apesar da exigência quase virtuosística das “Canções de Amor” de Joahnnes, que naquele então (idos de 1830) vivia uma arrebatada paixão pela filha de Robert e Clara Schumann. Por ironia do destino (ou dos organizadores), o mesmo Schumann viria a sucedê-lo e a fechar o programa com a breve “Vida de cigano”. Tocante e cheia de sentimento, foi a homenagem prestada pelo Coro à sua terra natal – com uma canção foclórica cubana e um animado “chá chá chá”, chacoalhando a sisuda Sala São Paulo. Certamente um dos pontos altos da nossa temporada “vocal” em 2002, podendo se repetir também neste dia 22 de maio, e igualmente em Santos, no próximo dia 23. Ouça (é o que quer dizer Exaudi, o nome). [Comente esta Nota]
>>> Coro de Câmara Exaudi - dia 22 em São Paulo, dia 23 em Santos
 



Música >>> Point of view point
Uma nota que ecoa até se perder. Um bocejo murmurante. Um acorde repetido aleatoriamente. Uma bateria que entra no contratempo. Um pássaro que canta e some. São elementos que compõem a música de Keigo Oyamada, mais conhecido como Cornelius. A dificuldade que o Ocidente tem em memorizar e pronunciar nomes que vem do Oriente, somada a toda aura de mistério que envolve uma personalidade esquiva e inventada (vide o ex-Prince), motivou o músico japonês a se embalar por um disco branco, com um único ponto azul. Mas o que um maluco das colagens musicais, vindo do país do sol nascente, pode representar para nós, brasileiros? Pois é, aí é que está: pode representar muito, na medida em que a influência brasílica permeia todo o seu CD. A começar pela segunda faixa: uma seqüência de palavras (que não dispensa o encarte), num “crescendo”, muito semelhante ao que se fez em poesia concreta, e muito mais semelhante ainda às experiências dos Mutantes durante a década de 60 (basta ter em mente que Tecnicolor, com as quebradas de “Bat Macumba” [ié-ié], ganhou o mundo muito recentemente). A viagem segue em meio a barulhos de água e à sugestão de uma sonda de submarino, quando novamente o Brasil emerge em “Tone Twilight Zone”. Será que são os grilos? Ou o violão minimalista? Ou até mesmo a vinheta que evoca o “cacarejar” de um tucano? Ninguém sabe; o certo é que estamos refletidos ali, em algum lugar. A ambiência tropical prossegue em “Bird Watching - At Inner Forest”. E, mais adiante, para quem não percebeu, Cornelius arrisca uma interpretação robotizada de “Brazil” (sim, “Aquarela do Brasil” de Ary Barroso, vertida para o inglês). Lógico: as quebradas e as excentricidades do moço não facilitam nem um pouco a audição, mas “Point” (esse é o nome do CD) merece uma chance; nem que seja para se reconhecer ali, furtivamente, entre as faixas. [Comente esta Nota]
>>> Point - Cornelius - Trama
 



Além do Mais >>> Una expresión genuina
Depois do México, do Chile e de Portugal, o “Prêmio Ibero-americano de Música – Tomás Luis de Victória” tem sua primeira edição em São Paulo. Originado na Espanha, seu objetivo é laurear compositores contemporâneos de países periféricos (como o nosso), concedendo um estímulo à toda essa musicalidade relegada a segundo plano, no circuito internacional. Dentre os realizadores brindados com esse reconhecimento, estão Harold Gramatges (em 1996), Xavier Montsalvatge (em 1998) e Celso Garrido-Lecca (em 2000). Após a abertura da sessão solene (no último dia 16, no Teatro Cultura Artística), alguns desses nomes tiveram suas obras executadas, durante recital da pianista cubana Martha Marchena (que, naquela noite, também homenageava a argentina Beatriz Balzi). As festividades terão continuidade no próximo dia 23, na Sala São Paulo, com apresentação da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP), quando será anunciado o compositor vencedor do “Prêmio” deste ano. No programa, estão previstas as “Bachianas brasileiras nº 4”, de Villa-Lobos, bem como o “Concerto nº 3” para piano de Prokofiev. Tomás Luis de Victoria, o maior polifonista espanhol, e que dá nome ao “Prêmio”, em algum lugar do tempo e do espaço teria se orgulhado, ao perceber que suas partituras vêm sendo tocadas na América Latina através dos séculos e que sua assinatura vem distinguindo autores nestas terras de além-mar. Vale ressaltar que o “Prêmio Ibero-americano de Música” é uma iniciativa da Sociedade Geral de Autores e Editores (SGAE), fundada em 1899, em Madri, defendendo hoje os direitos de mais de dois milhões de compositores ao redor do mundo. [Comente esta Nota]
>>> IV Prêmio Ibero-americano de Música
 



Gastronomia >>> Don't panic, eat organic
Em meio à miríade de siglas classificatórias dos alimentos (light, diet, integral, natural), algumas empresas têm literalmente pelejado para divulgar produtos ditos orgânicos. Qual a diferença [a maioria deve se perguntar]? Os “organicos” são provavelmente os únicos produzidos sem defensivos químicos ou fertilizantes minerais industrializados. Além disso, a certificação desses alimentos só ocorre se a empresa que os produz não alterar o equilíbrio ecológico do ecossistema em que atua, exercendo também um impacto social e econômico positivo sobre a comunidade. [Essa terminologia lembra um pouco a certificação ISO; a diferença é que não fica só no discurso.] Muitos brasileiros não sabem, mas no interior de São Paulo está instalado o projeto que lidera a produção de açúcar orgânico no mundo: o Projeto Cana Verde, da marca Native. São mais de 20 países consumindo o açúcar da Native, que se divide entre “claro” e “dourado”, dependendo da quantidade de mel de cana armazenado entre os cristais. A empresa está tão empenhada em difundir a cultura orgânica que tem promovido verdadeiros workshops culinários nos supermercados; tendo inclusive contratado ninguém menos que Wilma Kövesi, para desenvolver receitas de bolos, geléias, molhos e pães a partir do selo Native. Além do açúcar, a marca tem apostado no café, o primeiro sem aditivos químicos no Brasil, apresentando-se nas formas: moído, em grãos e solúvel. O preço é um pouco mais elevado que o normal, mas o sabor e a aparência não deixam nada a dever aos equivalentes “aditivados”. É talvez o investimento que cada um faz por um planeta mais verde, e menos cinza. [Comente esta Nota]
>>> Native - Projeto Cana Verde - Receitas
 



Cinema >>> How deep is your love
A história se repete: uma mãe, atolada até o pescoço com os problemas do filho, para protegê-lo, resolve dar um jeitinho e acaba se enrolando cada vez mais, numa trama que envolve assassinato e chantagem. Eis o mote utilizado em “Até o Fim” (The Deep End), com lançamento pela Fox. No presente caso, o filho é homossexual; a mãe exige que ele se afaste das “más companhias”; ocorre uma morte acidental (quase um paradoxo, mas o roteiro insiste nisso); alguém aparece exigindo dinheiro e exibindo provas que incriminam o filho; a mãe faz das tripas coração para levantar o dinheiro e... [o melhor é ir ver como isso acaba]. Sem comprometer o desfecho, pode-se dizer que a mãe se envolve emocionalmente com o chantageador; esse, por incrível que pareça, também se envolve com ela e resolve ajudá-la a levantar a quantia. Muitos vão logo aproveitar a deixa e afirmar: mais um filme que visa a destruição dos valores tradicionais (!), mais especificamente, o núcleo fundamental da sociedade: a família (!). Bem, não é nada disso. Até porque família nenhuma termina destruída (ainda que a alma da pobre mulher acabe em frangalhos). Eis o grande charme dessa trama: embora os motivos sejam reconhecíveis aqui e ali, o essencial é que – apesar do turbilhão de emoções por que Tilda Swinton (a mãe) passa – a estabilidade do lar é preservada e “tudo segue como antes” (a um preço extremamente elevado, é lógico). Tudo bem, não é propriamente um acontecimento em termos cinematográficos (nem em termos de resignação e sacrifício), mas dá o que pensar. [Talvez uma homenagem atrasada e um tanto quanto canhestra ao Dia das Mães...] [Comente esta Nota]
>>> Até o Fim
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A casa da morte
May, Karl
Garnier - Itatiaia
(2000)
R$ 25,00



Manuel d'Écriture Sainte 6 Vol.
R. P. J. Renié
Librairie Catholique Emmanuel Vitte
(1948)
R$ 297,00



Vip Luciana Gimenez Nº 206
Vários Autores
Abril
(2002)
R$ 6,99



A Bíblia mais Bela do Mundo 17
Pe. Antônio Charbel
Abril
(1965)
R$ 6,00



Um Chão de Presas Fáceis - Documentário
Fernando Fiorese
Escrituras
(2015)
R$ 12,57



Pequeno Romanceiro
Guilherme de Almeida
Martins
R$ 49,00



Antigo Livro de São Marcos e São Manso: os Tesouros da Feitiçaria
Maria Helena Farelli
Pallas
(2005)
R$ 25,95



Cumprimento da Sentença
Valter F. Simioni Silva
Leud
(2008)
R$ 13,82



Uma Estrela Negra no Teatro Brasileiro: Relações Raciais e de Gên
Julio Claudio da Silva
Uea (manaus)
(2015)
R$ 48,82



Sinais de contato
José Trigueirinho Netto
Pensamento
(1989)
R$ 5,00





busca | avançada
79550 visitas/dia
2,1 milhões/mês