Digestivo nº 85 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Romance breve
>>> Prefeito dará a carros bela vista da universidade
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> A revista Bizz
>>> Cheech & Chong reloaded
>>> A Istambul de Orhan Pamuk
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> Considerações sobre a leitura
>>> cheiro de sossego
>>> Niemeyer e a unanimidade
Mais Recentes
>>> Educacao Continuada Na Era Digital - Vol.18 de Maria Helena Silva Bettega pela Cortez (2004)
>>> Livro Infantil Histórias De Ninar Para Garotas Rebeldes de Elena Favilli pela Vergara & Riba (2017)
>>> Lifetime Of Rules On Dating Women de Gaviw Recly ; Louis Vale pela Dowling Pr (1996)
>>> Remember Everything You Read de Stanley D. Frank pela Avon Books (1992)
>>> Flash Gordon - Os Proscritos e o Tirado de Mongo de Alex Raymond pela Brasil-America (1979)
>>> Versao Beta de Rodrigo Barros pela Enkla (2016)
>>> Livro Filosofia Aristóteles Retórica Coleção Folha Grandes Nomes do Pensamento 1 de Aristóteles pela Folha De S. Paulo (2015)
>>> Amputações de Membros Inferiores: Em Busca da Plena Reabilitação de José André Carvalho pela Manole (1999)
>>> O Decreto Da Alegria de Rubem Alves pela Ftd (2016)
>>> Livro Filosofia O Príncipe Clássicos de Nicolau Maquiavel pela Penguin - Companhia (2010)
>>> Confronto - Diários Do Vampiro de L.J. Smith pela Galera Record (2010)
>>> Vidas De Chico Xavier de Marcel Souto Maior pela Planeta Do Brasil (2003)
>>> Flash Gordon - No Mar do Mistério de Alex Raymond pela Brasil-America (1978)
>>> The Personal Efficiency Program de Kerry Gleeson pela John Wiley & Sons (1994)
>>> Um Certo Capito Rodrigo Erico Verissimo de Erico Verissimo pela Folha De São Paulo (2008)
>>> Danico Pe De Vento de Isabel Vieira pela Moderna (2002)
>>> Dicionário Gramatical de Verbos do Português Contemporâneo do Brasil de Francisco da Silva Borba pela Unesp (1991)
>>> Livro Filosofia Schopenhauer Aforismos Para A Sabedoria De Vida Coleção Folha Grandes Nomes do Pensamento 2 de Schopenhauer pela Folha de S. Paulo (2015)
>>> Ecos Noturnos de Leonardo Affonso De Miranda Pereira; Mariana Costa pela Contra Capa (2018)
>>> Minimanual Compacto Química Teoria E Prática de Glaucia Bosquilha pela Rideel (2003)
>>> Sempre um Colegial de John Le Carré pela Circulo do Livro
>>> Flash Gordon - No Reino das Cavernas de Alex Raymond pela Brasil-America (1974)
>>> Don't Sweat The Small Stuff For Men de Richard Carlson, Ph. D. pela Hyperion (2001)
>>> Como A Música Ficou Grátis de Stephen Witt pela Intrinseca (2015)
>>> Oração Para Desaparecer de Socorro Acioli pela Companhia Das Letras (2023)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 12/6/2002
Digestivo nº 85
Julio Daio Borges
+ de 6800 Acessos




Imprensa >>> Normativos, descritivos e recreativos
A Cult, antes a publicação onde os acadêmicos da USP divulgavam o resumo de suas teses, depois da aquisição pela Editora 17 (gestão Daysi Bregantini), vem conquistando seu lugar ao sol das bancas de revista. Manuel da Costa Pinto, o heróico fundador, permanece na direção do periódico, mas o agente catalisador dessa “renovação” tem sido, fica claro, Luís Antônio Giron, um dos pais do legendário Caderno Fim de Semana, da Gazeta Mercantil. Giron assina, neste mês de junho, a reportagem de capa (primeira na história da Cult): “Crepúsculo dos Gramáticos”. Nela, fomenta a discussão que está na iminência de acontecer (mas que todos os lados desejam evitar): por que, de repente, os guardiões da inculta e bela saíram de cena? e por que, também de repente, fomos invadidos pelos consultores, pelos apresentadores de tevê e pelos professores de cursinho? A contenda obviamente gira em torno de duas figuras-chave: Pasquale Cipro Neto (o eterno “darling” da mídia letrada, de quem Giron colheu depoimentos) e Evanildo Cavalcante Bechara (o último bastião do português castiço, de quem se tem uma entrevista). Para completar a paisagem, há ainda a injunção dos revisores e copidesques dos grandes jornais que, graças a seus manuais de redação (num País cujo ensino público e privado anda à beira da indigência), converteram-se nos derradeiros oráculos do que é “certo” e do que é “errado”. Como se não bastassem os galicismos (seculares), os anglicismos (turbinados pela era da informática), as aberrações (vide “gerundismo”) e as arbitrariedades (vide Folha de S. Paulo, que aboliu o uso do trema), o idioma luso-português viu-se retalhado em feudos, onde os senhores têm poder de vida e de morte sobre seus vassalos. Que a intelligentsia local silencie a esse respeito, não é fato que configure propriamente uma novidade. Que a Cult traga à baila esse assunto é sinal de que, apesar dos pesares, alguém ainda se importa. [Comente esta Nota]
>>> Revista Cult
 



Música >>> Crítico não crê
Miúcha reuniu um repertório canônico nesse seu retorno ao disco: o não por acaso “Miúcha.Compositores”. Chamada exaustivamente de artista bissexta, justifica a espera ao estrear na Biscoito Fino (essa sim, a sucessora da Elenco, de Aloysio Oliveira, evocado no texto de apresentação) e ao recrutar, além da nata dos criadores, a fina flor dos instrumentistas de MPB. Não bastasse a “canja” especialíssima de João Donato (dividindo a tríade da Bossa Nova com Tom Jobim e João Gilberto), no arranjo, na regência, no piano, no trombone e na voz, contou com o violão de Guinga (que o emprestou à sua “Você, você”), também com o violão de Paulinho Jobim (que resgatou “Quando a lembrança me vem”, em meio aos papéis do pai), ainda o arranjo, a regência e o piano de Cristóvão Bastos (na “Canção inédita”, por exemplo), sem com contar o anfitrião, Francis Hime, que não poderia ficar de fora (em sua primeira e última parceria com Vinícius, “A dor a mais”). A produção fica a cargo de José Milton, que também distribuiu canções e arranjos para Helvius Vilela (em “Refém da Solidão”, de Baden e Paulo Cesar Pinheiro), Leandro Braga (em “Solidão”, de Tom e Alcides Fernandes) e Eduardo Souto Neto (em “Fox e trote”, de Guinga e Nei Lopes). Apesar da gravidade de algumas peças (como “Cor de cinza”, de Noel Rosa), “Miúcha.Compositores” é um CD alegre e ensolarado, a começar pelo amarelo da capa e pelo sorriso da primogênita do clã dos Buarque de Hollanda. A bateria, cuja discrição não se sente, de Carlos Bala, as cordas e os sopros reforçam a marca registrada da Civilização do Rio de Janeiro, na expressão (dúbia) do “brazilian jazz”, tal como o mundo a conheceu. Miúcha, que escreveu parte dessa história (não apenas por ser a mulher de João Gilberto), retoma-a em mais um capítulo, certamente à altura de todos os anteriores. [Comente esta Nota]
>>> Miúcha.Compositores - Biscoito Fino
 



Internet >>> Virtual cai na real
Passou quase em brancas nuvens, o livro de Alice Sampaio, “Amor na Internet”. Se fosse lançado na época da “febre” (ou da “bolha”), há três ou quatro anos atrás, teria se transformado em best-seller; mas não se transformou. Afinal, quem andou por chats, lá pelo fim dos anos 90, deve ter inevitavelmente cruzado com essa jornalista que caçava histórias de vida para o seu romance. Nesse aspecto, o volume cumpre sua promessa: a pesquisa de Alice Sampaio foi extensiva e ela compilou mais de 15 casos de amor (todos extrapolaram a Web para desembocar na realidade). Há desde adolescentes, em sua compulsão pelo “ficar” (potencializado pela rapidez e pela praticidade), até cinqüentões avessos à tecnologia que, sábios, fazem da internet um meio, não uma mensagem. Para enriquecer esse universo, e sua posterior análise, a autora convidou psicólogos, psiquiatras e psicanalistas para ajudá-la a entender os comportamentos e os tipos de relacionamento que a nova ferramenta proporciona. Em geral, os pontos de vista são bastante “conservadores”, no sentido de não aceitarem ou não compreenderem que os sites de encontro, as salas de bate-papo e os e-mails falham – e falham amplamente – como armas para combater a solidão e o desamor. Não confundir, porém, com uma abordagem fria e distante do problema. Alice Sampaio, por exemplo, mergulha em experiências pessoais e, ao final do trabalho, abre ela mesma o coração para dizer que o príncipe... – bem, o príncipe... – ganhou asas e voou. O que motiva a leitura das mais de trezentas páginas, contudo, talvez seja aquela índole voyeurista, a mesma que vasculha as novelas e os reality shows, atrás de quentes emoções (há várias no livro). Embora não seja “aquele tratado antropológico”, aborda essa realidade que, para muitos, é mais real do que a outra, a original: a realidade do internauta. [Comente esta Nota]
>>> Amor na Internet - Alice Sampaio - 347 págs. - Editora Record
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
Nove entre dez donos de bares ou restaurantes apontam o livro de Percival Maricato como a bíblia para quem quer se estabelecer no setor. Não por acaso, ele tem como título justamente: “Como montar e administrar bares e restaurantes”. Lançado há mais de 3 anos (já na sua 3ª edição), quando foi concebido era o único no gênero e chegou a ser desacreditado pelos editores e até mesmo pelos amigos do autor. Maricato persistiu e se tornou o grande papa no assunto. Afinal, qual é o segredo desse volume de duzentas e poucas páginas? Em primeiro lugar, conforme frisa a introdução, ele não foi escrito por um teórico e tem uma exposição feita a partir da experiência prática do “restaurateur”. Não se preocupa em competir com tratados sobre gastronomia, tampouco pretende palestrar sobre os hábitos alimentares ou a vida noturna brasileira. Os capítulos são enxutos e suficientemente objetivos, tirando dúvidas e dando dicas para quem quer se iniciar, se firmar ou se aperfeiçoar no ramo. O trabalho está dividido em 5 grandes partes: “Para conhecer o setor”; “Como montar seu negócio”; “Administração”; “Marketing”; e “O futuro”. Maricato então percorre desde o sonho e as ilusões acerca do “métier” até os aspectos do dia-a-dia de uma casa, passando pela burocracia, pelo projeto arquitetônico, pela feitura do cardápio, pela escolha de profissionais, pela assessoria de imprensa, pelas tendências, pela propaganda – enfim, pelo que há de mais importante, indo fundo nos detalhes. Faz também uma análise de mercado, com números bastante convincentes, e traça um percurso histórico que remota à compra e venda de alimentos e bebidas há seis mil anos. Percival Maricato é o mesmo homem por trás da “Revista de Bares & Restaurantes” e seu livro, realmente, tem o que dizer, merecendo toda a fama. Ilustrativo e não muito técnico, vai atrair igualmente olhos e mãos curiosos. [Comente esta Nota]
>>> Como montar e administrar bares e restaurantes - Percival Maricato - 204 págs. - Editora Senac
 



Cinema >>> The safest room in the house
Está atualmente em voga um tipo de filme que, ao infligir torturas nas personagens, na verdade as inflige no espectador. Todo mundo conhece o gênero: ele compete com a violência da vida real; e como essa tem sido crescente, a outra, para acompanhá-la, cresce num ritmo muito mais celerado. Resultado: mesmo que a nossa capacidade de suportar (e assimilar) a violência do dia-a-dia “evolua” em progressão aritmética, no cinema, como na Lei de Malthus, nossa sensibilidade é aviltada aos trancos, em progressão geométrica ou até mesmo exponencial. É a impressão que nos passa uma produção como “Quarto do Pânico”, o novo longa de Jodie Foster. Dentre as cenas desenvolvidas com requintes de crueldade, há: um espancamento à base de botinadas; um braço que arde em chamas; um rosto golpeado a marretadas; uma menina, provavelmente diabética, ficando verde pela falta de insulina; uma mão esmigalhada graças a uma porta de aço automática. E há mais; muito mais. É, para começar, um desperdício de Jodie Foster que, quer queira quer não, debutou aos 13 anos em “Taxi Driver” (de Scorsese) e agora vive de bancar a heroína viril, exibindo apenas suas curvas siliconadas de mulher de quarenta anos. Para acompanhá-la, Kristen Stewart, uma ninfeta subliminarmente hermafrodita, cuja atuação se resume a algumas caras e bocas. Resta ainda Forest Whitaker, esse mais desperdiçado do que todos os outros juntos, depois de papéis razoavelmente relevantes com aquele do mecânico (Cyrus Cole) em “Cortina de Fumaça” (Smoke, 1995). O cenário é o dos apartamentos do West Side nova-iorquino, tão comuns em tela grande e tão raros na existência de meros mortais. A sofisticação toda não dura 15 minutos; então chega a promessa anunciada da barbárie. Se o sujeito procura sustos, aflições e uma história rasa, vai encontrar em “Quarto do Pânico”. Se, ao contrário, não é nada disso que procura, pode passar longe do cartaz que não vai perder nada. [Comente esta Nota]
>>> Panic Room
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Introdução à Metodologia do Trabalho Científico
Maria Margarida de Andrade
Atlas
(2010)



No Silêncio do Quarto
Almir Ribeiro Guimarães
Vozes
(1986)



Livro Pedagogia Construtivismo A Poética das Transformações
Monique Deheinzelin
Ática
(1996)



Prismas e ótica
Waldemar Zveiter
Plg-Comunicações
(1980)



Somente para Garotos e Garotas Que Querem Se Dar Bem
Alexandra L. Bichara
Golden Books
(2008)



Livro de Bolso Ciência Política Democracia O Governo de Muitos Série Opinião e Debate
Walter Santos Jr.
Scipione
(1996)



Peter Pan
James M. Barrie
Ciranda Cultural
(2019)



Treze Contos
Anton Tchekhov
BestBolso
(2013)



Skinner x Rogers: Maneiras Contrastantes de Encarar a Educação
Frank Mihollan; Bill E. Forisha
Summus
(1978)



Livro Dicionários Duden Die Rechtschreibung Volume 1
Die Deutsche
Dudenverlag





busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês