Digestivo nº 85 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
67475 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 12/6/2002
Digestivo nº 85
Julio Daio Borges

+ de 6200 Acessos




Imprensa >>> Normativos, descritivos e recreativos
A Cult, antes a publicação onde os acadêmicos da USP divulgavam o resumo de suas teses, depois da aquisição pela Editora 17 (gestão Daysi Bregantini), vem conquistando seu lugar ao sol das bancas de revista. Manuel da Costa Pinto, o heróico fundador, permanece na direção do periódico, mas o agente catalisador dessa “renovação” tem sido, fica claro, Luís Antônio Giron, um dos pais do legendário Caderno Fim de Semana, da Gazeta Mercantil. Giron assina, neste mês de junho, a reportagem de capa (primeira na história da Cult): “Crepúsculo dos Gramáticos”. Nela, fomenta a discussão que está na iminência de acontecer (mas que todos os lados desejam evitar): por que, de repente, os guardiões da inculta e bela saíram de cena? e por que, também de repente, fomos invadidos pelos consultores, pelos apresentadores de tevê e pelos professores de cursinho? A contenda obviamente gira em torno de duas figuras-chave: Pasquale Cipro Neto (o eterno “darling” da mídia letrada, de quem Giron colheu depoimentos) e Evanildo Cavalcante Bechara (o último bastião do português castiço, de quem se tem uma entrevista). Para completar a paisagem, há ainda a injunção dos revisores e copidesques dos grandes jornais que, graças a seus manuais de redação (num País cujo ensino público e privado anda à beira da indigência), converteram-se nos derradeiros oráculos do que é “certo” e do que é “errado”. Como se não bastassem os galicismos (seculares), os anglicismos (turbinados pela era da informática), as aberrações (vide “gerundismo”) e as arbitrariedades (vide Folha de S. Paulo, que aboliu o uso do trema), o idioma luso-português viu-se retalhado em feudos, onde os senhores têm poder de vida e de morte sobre seus vassalos. Que a intelligentsia local silencie a esse respeito, não é fato que configure propriamente uma novidade. Que a Cult traga à baila esse assunto é sinal de que, apesar dos pesares, alguém ainda se importa. [Comente esta Nota]
>>> Revista Cult
 



Música >>> Crítico não crê
Miúcha reuniu um repertório canônico nesse seu retorno ao disco: o não por acaso “Miúcha.Compositores”. Chamada exaustivamente de artista bissexta, justifica a espera ao estrear na Biscoito Fino (essa sim, a sucessora da Elenco, de Aloysio Oliveira, evocado no texto de apresentação) e ao recrutar, além da nata dos criadores, a fina flor dos instrumentistas de MPB. Não bastasse a “canja” especialíssima de João Donato (dividindo a tríade da Bossa Nova com Tom Jobim e João Gilberto), no arranjo, na regência, no piano, no trombone e na voz, contou com o violão de Guinga (que o emprestou à sua “Você, você”), também com o violão de Paulinho Jobim (que resgatou “Quando a lembrança me vem”, em meio aos papéis do pai), ainda o arranjo, a regência e o piano de Cristóvão Bastos (na “Canção inédita”, por exemplo), sem com contar o anfitrião, Francis Hime, que não poderia ficar de fora (em sua primeira e última parceria com Vinícius, “A dor a mais”). A produção fica a cargo de José Milton, que também distribuiu canções e arranjos para Helvius Vilela (em “Refém da Solidão”, de Baden e Paulo Cesar Pinheiro), Leandro Braga (em “Solidão”, de Tom e Alcides Fernandes) e Eduardo Souto Neto (em “Fox e trote”, de Guinga e Nei Lopes). Apesar da gravidade de algumas peças (como “Cor de cinza”, de Noel Rosa), “Miúcha.Compositores” é um CD alegre e ensolarado, a começar pelo amarelo da capa e pelo sorriso da primogênita do clã dos Buarque de Hollanda. A bateria, cuja discrição não se sente, de Carlos Bala, as cordas e os sopros reforçam a marca registrada da Civilização do Rio de Janeiro, na expressão (dúbia) do “brazilian jazz”, tal como o mundo a conheceu. Miúcha, que escreveu parte dessa história (não apenas por ser a mulher de João Gilberto), retoma-a em mais um capítulo, certamente à altura de todos os anteriores. [Comente esta Nota]
>>> Miúcha.Compositores - Biscoito Fino
 



Internet >>> Virtual cai na real
Passou quase em brancas nuvens, o livro de Alice Sampaio, “Amor na Internet”. Se fosse lançado na época da “febre” (ou da “bolha”), há três ou quatro anos atrás, teria se transformado em best-seller; mas não se transformou. Afinal, quem andou por chats, lá pelo fim dos anos 90, deve ter inevitavelmente cruzado com essa jornalista que caçava histórias de vida para o seu romance. Nesse aspecto, o volume cumpre sua promessa: a pesquisa de Alice Sampaio foi extensiva e ela compilou mais de 15 casos de amor (todos extrapolaram a Web para desembocar na realidade). Há desde adolescentes, em sua compulsão pelo “ficar” (potencializado pela rapidez e pela praticidade), até cinqüentões avessos à tecnologia que, sábios, fazem da internet um meio, não uma mensagem. Para enriquecer esse universo, e sua posterior análise, a autora convidou psicólogos, psiquiatras e psicanalistas para ajudá-la a entender os comportamentos e os tipos de relacionamento que a nova ferramenta proporciona. Em geral, os pontos de vista são bastante “conservadores”, no sentido de não aceitarem ou não compreenderem que os sites de encontro, as salas de bate-papo e os e-mails falham – e falham amplamente – como armas para combater a solidão e o desamor. Não confundir, porém, com uma abordagem fria e distante do problema. Alice Sampaio, por exemplo, mergulha em experiências pessoais e, ao final do trabalho, abre ela mesma o coração para dizer que o príncipe... – bem, o príncipe... – ganhou asas e voou. O que motiva a leitura das mais de trezentas páginas, contudo, talvez seja aquela índole voyeurista, a mesma que vasculha as novelas e os reality shows, atrás de quentes emoções (há várias no livro). Embora não seja “aquele tratado antropológico”, aborda essa realidade que, para muitos, é mais real do que a outra, a original: a realidade do internauta. [Comente esta Nota]
>>> Amor na Internet - Alice Sampaio - 347 págs. - Editora Record
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
Nove entre dez donos de bares ou restaurantes apontam o livro de Percival Maricato como a bíblia para quem quer se estabelecer no setor. Não por acaso, ele tem como título justamente: “Como montar e administrar bares e restaurantes”. Lançado há mais de 3 anos (já na sua 3ª edição), quando foi concebido era o único no gênero e chegou a ser desacreditado pelos editores e até mesmo pelos amigos do autor. Maricato persistiu e se tornou o grande papa no assunto. Afinal, qual é o segredo desse volume de duzentas e poucas páginas? Em primeiro lugar, conforme frisa a introdução, ele não foi escrito por um teórico e tem uma exposição feita a partir da experiência prática do “restaurateur”. Não se preocupa em competir com tratados sobre gastronomia, tampouco pretende palestrar sobre os hábitos alimentares ou a vida noturna brasileira. Os capítulos são enxutos e suficientemente objetivos, tirando dúvidas e dando dicas para quem quer se iniciar, se firmar ou se aperfeiçoar no ramo. O trabalho está dividido em 5 grandes partes: “Para conhecer o setor”; “Como montar seu negócio”; “Administração”; “Marketing”; e “O futuro”. Maricato então percorre desde o sonho e as ilusões acerca do “métier” até os aspectos do dia-a-dia de uma casa, passando pela burocracia, pelo projeto arquitetônico, pela feitura do cardápio, pela escolha de profissionais, pela assessoria de imprensa, pelas tendências, pela propaganda – enfim, pelo que há de mais importante, indo fundo nos detalhes. Faz também uma análise de mercado, com números bastante convincentes, e traça um percurso histórico que remota à compra e venda de alimentos e bebidas há seis mil anos. Percival Maricato é o mesmo homem por trás da “Revista de Bares & Restaurantes” e seu livro, realmente, tem o que dizer, merecendo toda a fama. Ilustrativo e não muito técnico, vai atrair igualmente olhos e mãos curiosos. [Comente esta Nota]
>>> Como montar e administrar bares e restaurantes - Percival Maricato - 204 págs. - Editora Senac
 



Cinema >>> The safest room in the house
Está atualmente em voga um tipo de filme que, ao infligir torturas nas personagens, na verdade as inflige no espectador. Todo mundo conhece o gênero: ele compete com a violência da vida real; e como essa tem sido crescente, a outra, para acompanhá-la, cresce num ritmo muito mais celerado. Resultado: mesmo que a nossa capacidade de suportar (e assimilar) a violência do dia-a-dia “evolua” em progressão aritmética, no cinema, como na Lei de Malthus, nossa sensibilidade é aviltada aos trancos, em progressão geométrica ou até mesmo exponencial. É a impressão que nos passa uma produção como “Quarto do Pânico”, o novo longa de Jodie Foster. Dentre as cenas desenvolvidas com requintes de crueldade, há: um espancamento à base de botinadas; um braço que arde em chamas; um rosto golpeado a marretadas; uma menina, provavelmente diabética, ficando verde pela falta de insulina; uma mão esmigalhada graças a uma porta de aço automática. E há mais; muito mais. É, para começar, um desperdício de Jodie Foster que, quer queira quer não, debutou aos 13 anos em “Taxi Driver” (de Scorsese) e agora vive de bancar a heroína viril, exibindo apenas suas curvas siliconadas de mulher de quarenta anos. Para acompanhá-la, Kristen Stewart, uma ninfeta subliminarmente hermafrodita, cuja atuação se resume a algumas caras e bocas. Resta ainda Forest Whitaker, esse mais desperdiçado do que todos os outros juntos, depois de papéis razoavelmente relevantes com aquele do mecânico (Cyrus Cole) em “Cortina de Fumaça” (Smoke, 1995). O cenário é o dos apartamentos do West Side nova-iorquino, tão comuns em tela grande e tão raros na existência de meros mortais. A sofisticação toda não dura 15 minutos; então chega a promessa anunciada da barbárie. Se o sujeito procura sustos, aflições e uma história rasa, vai encontrar em “Quarto do Pânico”. Se, ao contrário, não é nada disso que procura, pode passar longe do cartaz que não vai perder nada. [Comente esta Nota]
>>> Panic Room
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LUCÍOLA
JOSÉ DE ALENCAR
ARMAZÉM DA CULTURA
(2011)
R$ 30,00



GIOCONDO DIAS, UMA VIDA NA CLANDESTINIDADE
IVAN ALVES FILHO
MAUAD
(1997)
R$ 15,00



ALMAS EM CONFLITO
SÔNIA TOZZI
LÚMEN
(2011)
R$ 6,90



FLORBELA ESPANCA - MELHORES POEMAS
ZINA C. BELLODI
GLOBAL
(2005)
R$ 14,90



BRASIL, ESTE PAÍS TEM JEITO?
PAULO RABELLO DE CASTRO; PAULO C DE BRITO
RIO FUNDO
(1992)
R$ 14,00



MISTÉRIOS DO MAR A VIDA SOB AS ÁGUAS
RECREIO
ABRIL
R$ 5,00



A HERDEIRA
SIDNEY SHELDON
CIRCULO DO LIVRO
(1978)
R$ 10,00



O LIVRO DAS CRUELDADES
PATRICIA HIGHSMITH
COMPANHIA DAS LETRAS
(1989)
R$ 6,90



COMO NASCEM OS MENINOS E MENINAS
VÁRIOS AUTORES
TRILHA EDUCACIONAL
(2005)
R$ 7,90



MANUAL DE GESTÃO EMPRESARIAL
SERGIO BULGACOV
ATLAS
(1999)
R$ 17,87





busca | avançada
67475 visitas/dia
2,6 milhões/mês