Digestivo nº 92 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caminho para a Saúde
>>> Romance breve
>>> Prefeito dará a carros bela vista da universidade
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> A revista Bizz
>>> Cheech & Chong reloaded
>>> A Istambul de Orhan Pamuk
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> Considerações sobre a leitura
>>> cheiro de sossego
Mais Recentes
>>> Livro Infanto Juvenis Biografia Caçadas de Pedrinho O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Livro Auto Ajuda Gente Que Faz de Luiz Fernando Garcia pela Gente (2006)
>>> Luís de Camões Redondilhas Canções Sonetos de Luís de Camões pela Real Gabinete Portugues de Leitura (1980)
>>> Pioneiros da Cultura do Café na Era da Independência de Gilberto Ferrez pela Imprensa Nacional (1978)
>>> Coleção Completa Folha Grandes Mestres da Pintura 20 Livros Vincent Van Gogh + Paul Cézanne + Monet + Goya + Picasso de Van Gogh; Picasso; Monet pela Folha de São Paulo (2007)
>>> Livro Literatura Estrangeira Os Sofrimentos do Jovem Werther Clássicos Volume 7 de J. W. Goethe pela Abril Coleções (2010)
>>> O legado de Humboldt de Saul Bellow pela Nova Fronteira (1977)
>>> Direito Civil dos Contratos e das Declarações Unilaterais da Vontade - vol. 3 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2003)
>>> Livro Administração Aprenda a Operar no Mercado de Ações de Dr. Alexandre Elder pela Campus (2006)
>>> L'Anomalie de Herve Le Tellier pela Gallimard (2020)
>>> Operação Cavalo De Tróia: Jerusalém - Vol. 1 de J.J. Benítez pela Mercuryo (1995)
>>> Livro Infanto Juvenis O Picapau Amarelo Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Livro Literatura Crime e Castigo Clássicos Volume 1 de Fiódor Dostoiévski pela Abril Coleções (2010)
>>> All You Can Do Is All You Can Do But All You Can Do Is Enough! de A.L. Williams pela Ivy Books (1989)
>>> Obras escolhidas 4 Período da terceira guerra civil revolucionária de Mao Tsetung pela Alfa Omega (1979)
>>> Introdução à Leitura d'Os Maias de Carlos Reis pela Coimbra (1997)
>>> Modèles et Innovations - Études de Littérature Portugaise et Brésilienne de Anne-Marie Quint pela Sorbonne Psn (1995)
>>> Livro Infanto Juvenis Histórias Diversas Viagem Ao Céu de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Disney Horror de Vários pela Abril (2012)
>>> Livro Administração A Execução Premium The Execution Premium A Obtenção de Vantagem Competitiva Através do Vínculo da Estratégia Com as Operações do Negócio de Robert S. Kaplan pela Elsevier (2008)
>>> A Aurora Nascente de Jacob Boehme pela Paulus (1998)
>>> Luchino Visconti - O Fogo da Paixão de Laurence Schifano pela Nova Fronteira (1990)
>>> Livro Literatura Estrangeira Crime e Castigo Clássicos Volume 2 de Fiódor Dostoiévski pela Abril Coleções (2010)
>>> Les Antimodernes - De Joseph de Maistre à Roland Barthes de Antoine Compagnon pela Gallimard (2005)
>>> Livro Infanto Juvenis O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Brasiliense
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 31/7/2002
Digestivo nº 92
Julio Daio Borges
+ de 5400 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Imprensa >>> Baby Boomers
É um paradoxo. As telecomunicações evoluíram tremendamente, mas as pessoas se afastaram como nunca. Quanto mais podemos nos comunicar, mais relações construiremos (em termos de número). Inutilmente, porém. A superficialidade tende a ser também crescente. Alimentando esse ciclo, na insatisfação dos contatos rasos e imediatos, procuraremos ainda mais seres humanos - na esperança vã de aprofundar alguma coisa. Mas, novamente, a "quantidade" prevaleçará sobre a "qualidade", e nos sentiremos, no fim das contas, ainda mais sozinhos e vazios. Qual a solução? Não há nenhuma à vista, por enquanto. "Carta Capital", através de uma matéria do "The Observer", noticia a onda de luxúria que invade Nova York depois do 11 de setembro: no desespero de se sentirem vivos e "funcionando", os nova-iorquinos se lançaram ao sexo, mesmo que caça-níqueis, pois foi a única resposta contundente que encontraram para a ameaça de morte iminente. Como no paradoxo dos relacionamentos que não se bastam, embarcaram numa moda de procurar mais e mais parceiros, no sonho (sempre frustrado) de uma existência plena. A revista conta que esse quadro costuma se repetir em tempos de guerra: a geração pós-1945, os filhos do Vietnã e as criancinhas encomendadas graças ao conflito da Coréia, provocaram saltos na taxa de natalidade dos Estados Unidos e do mundo. Na Big Apple, quase um ano depois do atentado ao World Trade Center, os hospitais já registram um aumento de 15% a 25% nos nascimentos (ainda que as estatísticas não sejam precisas). No Brasil, que grosso modo não chegou nem na era dos contraceptivos, vive a síndrome maníaco-depressiva das ligações intermitentes aqueles que habitam as metrópoles, invadidas pelas "teles" e pela parafernália tecnológica de "afastar quem está perto" e "aproximar quem está longe". Quem sabe seja um problema para o "homem cordial" resolver, embora a "cordialidade" do brasileiro hoje passe longe, tendo sido abandonada em algum ponto. [Comente esta Nota]
>>> New York, new hedonists | Sex in a time of terror
 



Música >>> Companheiro dileto
Depois de celebrar o centenário do nascimento (em 1998), a Revivendo comemora o cinqüentenário da morte do artista que inaugurou seu catálogo: Francisco Alves. Dono da discografia mais farta da música brasileira em 78 rotações, espraiou-se por tantos ritmos e estilos que foi consagrado como o "Rei da Voz". A efeméride mereceu uma caixa com 4 CDs (92 faixas) categorizando o "velho Chico" justamente entre o "Seresteiro", o "Sambista", o "Carnavalesco" e o intérprete de "Grandes Versões". O encarte ainda conta que Francisco Alves, filho de português de bar, teve como modelo Vicente "O Ébrio" Celestino, embora sua grande chance tenha surgido graças a um convite de José Barbosa da Silva, o Sinhô. Nestes tempos pós-bossa nova, os registros de cantores "com voz" remetem a um Brasil antigo, onde reinavam o rádio, a influência operística e do bel canto nas primeiras gravações. Os erres pronunciados, as vogais estendidas em vibrato - antes de se converter em cacoetes e excessos de, por exemplo, um Cauby Peixoto. Se o álbum "Seresteiro" enfatiza o Francisco Alves compositor, com parceiros como Orestes Barbosa e David Nasser, o "Carnavalesco" guarda surpresas como os duetos com Mário Reis (em "Marchinha de Amor" [1932] e "Formosa" [1933]), confrontando duas eras: a do coloquialismo (que se afirmava) e a da voz empostada (que partiria, caricata). São igualmente representativas as intervenções de Lamartine Babo, campeão de audiência da época com Ary Barroso. No "Sambista", são coroados, além desses, Herivelto Martins e Ismael Silva; nas "Grandes Versões", curiosidades pitorescas como "Beija-me Muito" (sim, a partir de "Besame Mucho"). Completam o trabalho, as indispensáveis notas de Abel Cardoso Junior, junto à Revivendo, a nos guiar, mais de cinco décadas depois. [Comente esta Nota]
>>> Cinqüenta Anos Depois - Francisco Alves - Revivendo
 



Literatura >>> Ad imortalitatem
Vozes inconformadas se levantam neste momento contra o ingresso de Paulo Coelho à Academia Brasileira de Letras. Para além da indignação geral e do absurdo, essa eleição talvez se destaque das outras por seu caráter eminentemente histórico: ela espelha inequivocamente o estado de confusão mental em que se encontram as artes e a cultura contemporâneas. E também a noção que as pessoas fazem de literatura, na aurora do novo século. A criação foi definitivamente dessacralizada, e a fruição banalizada até o limite da ignorância e da insensibilidade. Qualquer cidadão, não importando sua origem ou formação, deve estar apto a consumir "produtos artísticos" e "bens de cultura", independentemente de ter inclinação ou nutrir gosto pela coisa. A necessidade, portanto, das obras-primas se afirmarem justamente por seu caráter mundano permitiu o ingresso de magos dos números (e das cifras) no panteão de espíritos elevados, secularmente inacessíveis ao vulgo. Machado de Assis nunca freqüentou a lista dos mais vendidos, mesmo quando impingido como leitura obrigatória em sala de aula - naturalmente, como se vê, não faria barulho num país de 170 milhões de habitantes e num planeta de 6 bilhões de terráqueos. Já Paulo Coelho obteve consagração intergaláctica, sendo recebido por pequenas multidões de leitores e de chefes de estado, onde quer que pisem seus livros e sua pessoa. Faltava-lhe, nesse contexto, a legitimação dos grandes das letras brasileiras - e onde obter isso senão na casa fundada por Machado de Assis (tradicional, ainda que contestada por muitas gerações)? Paulo Coelho conseguiu; mas isso não o livra de ser esquecido pela posteridade; nem salva seus apoiadores do fogo da inquisição intelectual, em épocas futuras. A literatura de Paulo Coelho não melhora e a literatura brasileira não piora, por ele ser hoje um "imortal". Até porque a imortalidade, aquela que só o tempo confere, está muito além do juízo dos homens. [Comente esta Nota]
>>> Paulo Coelho
 



Além do Mais >>> O Brasil da inovação
A prática de spam, ou o envio de e-mail não-solicitado, é uma das maiores pragas que ameaçam a internet. Herdeiro das malas-diretas postais, mas de custo quase zero e alcance praticamente ilimitado, surgiu para promover sites, embrenhou-se nas malhas do e-commerce e atualmente é instrumento de ramos cada vez mais insuspeitados, como a propaganda política. O que faria um candidato acreditar que o usuário de correio eletrônico votaria nele caso recebesse uma mensagem sua? Acontece que, conforme atestam as tentativas desesperadas de políticos nanicos em chamar a atenção na mídia, o e-mail se transformou em mais uma ferramenta da máquina partidária, para desespero dos usuários de computador. Então, como já desperdiçam em panfletos, bandeiras e adereços os mais inventivos, não custaria nada (literalmente) bombardear a caixa postal de internautas desprevenidos, do Oiapoque ao Chuí. É um mistério como se elegem certos nomes no Brasil. Os habitantes de Lilipute, no cenário político brasileiro, vivem de repetir generalidades e de recauchutar programas de governo. Fazem igual no e-mail: prometem aumentar o emprego; elevar o "mínimo"; garantir a segurança; investir em saúde; focar na educação; construir moradias; e incentivar a previdência. Ou seja, ruminam o blablablá populista que se arrasta desde tempos imemoriais. O que será necessário para deter os candidatos "spammers"? Apocalípticos do universo virtual prevêem a derrocada do e-mail, numa época em que as mensagens invasivas serão em número muito superior àquelas solicitadas efetivamente. Como se não bastasse a imposição de arcaísmos como o horário eleitoral gratuito, ainda temos de driblar "unabombers" da política nacional em defesa da nossa privacidade. [Comente esta Nota]
>>> Spam eleitoral irrita californianos
 



Cinema >>> La coupable
Com a ascensão e a consagração de Almodóvar, veio à tona o cinema sentimental, de gestos exagerados e de cores berrantes. Ganharam papéis de destaque, as mulheres e os homossexuais - foram praticamente suprimidos os homens. Com a falência do macho, as atrizes conquistaram a primazia em roteiros e salários - os atores se tornaram meros coadjuvantes. A história se repete em "Oito Mulheres", de François Ozon, uma homenagem às divas do cinema, onde praticamente não há homens. (Nesse clube, menino não entra.) Um elenco com tão acentuada "polaridade" sexual só poderia se sustentar se, a cada estrela, fosse atribuída uma personalidade forte e marcante. Foi o que ele fez (o diretor). Catherine Deneuve, por exemplo, é um arremedo de Marilyn Monroe; Virginie Ledoyen, da Sabrina vivida por Audrey Hepburn - a assim vai, octeto afora. O argumento (um policial), portanto, não segue adiante e não tem importância, num contexto dessa natureza. Cada fêmea dá o seu show, cantando, dançando, atuando - e é só. Os cinéfilos, por essa razão, se divertem muito mais que o próprio público, reconhecendo falas, cenas e figurinos. O que, por si, não explica esse "sucesso todo" na França. Ainda mais depois de "Pacto dos Lobos" (2001) e "Amélie Poulain" (2001). (Quem entende os franceses?) Ninguém venha dizer que foi por conta da publicidade no metrô. De qualquer jeito, é um desperdício de beldades: dado o formato, nenhuma consegue ser muito bem aproveitada. Sobressai Isabelle Huppert, vivendo uma solteirona ranheta e voluntariosa. Também Emmanuelle Beart, na via oposta: silenciando e falando só quando recebe ordem para tanto. Dentre as menos aproveitadas, reina infelizmente Fanny Ardant. É provável que não dure nas bilheterias do Brasil, que perdeu há muito da sua inclinação francofônica. [Comente esta Nota]
>>> 8 femmes
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/7/2002
14h58min
Bom, eu não vou comentar o texto especificamente, mas sim parabenizar você Julio pela iniciativa do site de uma maneira geral. É, realmente, uma maneira de discutir e pensar de um modo não superficial, diferente do que acontece na maioria das coisas da atualidade.
[Leia outros Comentários de Fernanda Falcão de B]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Revista Vida Simples: para quem quer viver mais e melhor. Setembro, Edição 96
Vários Colaboradores
Abril
(2010)



Dawn - Tsumetai Te vol 01
Shinshu Ueda
Sampa
(2004)



Calunga Verdades do Espírito
Luiz Gasparetto
Vida & Consciência



Minhas Primeiras Notas ao Violão
Othon Gomes da Rocha Filho
Irmãos Vitale
(1966)



Onze Minutos - Portuguese
Paulo Coelho
Rocco
(2003)



Respire! Você Está Vivo!
Thich Nhat Hanh
Vozes
(2008)



Bíblia Sagrada Novo Testamento Edição Pastoral
Paulus
Paulus
(2005)



Monet
David Spence
Ciranda Cultural
(2010)



Hellen: Minha Amada Imortal
Varios Autores
Dpl
(2005)



O Lazer no Brasil
Renato Requixa
Brasiliense
(1977)





busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês