Wikipedia And The Death Of The Expert, by Maria Bustillos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
Mais Recentes
>>> English in Formation 6 de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metodologia de análise gramatical de Ursula Wiesemann, Rinaldo de Mattos pela vozes (1980)
>>> Marketing de Guerrilha de Jay Conrad Levinson e Charles Rubin pela Record (2000)
>>> Pescadores de Corações de Padre Antonio Maria pela Universos dos Livros (2011)
>>> Modelo de Atendimento Terapêutico Com Informática - Modelo Barbosa & D de George Barbosa e Outros pela Vetor (2003)
>>> falencia da critica de leyla perrone moises pela perspectiva (1999)
>>> The Science of Jurassic Park and the Lost World de Rob Desalle & David Lindley pela Harper Perennial
>>> Contabilidade Gerencial - Nova Edição de Ray H Garrison Eric W. Norreen pela Ltc (2001)
>>> Jornalismo investigatigação - O caso Quércia de Sérgio Buarque de Gustão pela Civilização Brasileira (1993)
>>> A Vertigem da Imortalidade de Paulo Schiller pela Companhia das Letras (2000)
>>> Retalhos da Minha Vida de Laurentina Murici de Medeiros pela Do autor (2008)
>>> Tatuagem de Jenifer Lynn Barnes pela Rocco (2005)
>>> Contabilidade Financeira de Stickney & Weil pela Atlas (2001)
>>> Viver vale a pena de Lucília Junqueira de almeida Prado pela Moderna (1988)
>>> Direito e Justiça de Victor Avarbach pela Pini (1991)
>>> Revolução Em Tempo Real de William G Mcgowan pela Campus (1991)
>>> Sortes de Villamor de Nilma Lacerda pela Scipione (2010)
>>> Inventario de Desimportâncias de Grupo escritores pela Obaduque (2013)
>>> Livros de Christiane Zschirnt pela Globo (2006)
>>> A Cerimônia do Chá de Paulo Coelho pela Caras
>>> Semântica - Série Princípios de Roldofo Ilari e João Wanderley Geraldi pela Atica
>>> Kings Ransom de Ed Mcbain pela Oxford Bookworms
>>> Procura-se na Mansao Banks de Rafael Malagutti pela Sinergia (2012)
>>> Quando é Inverno em nosso coração de Américo Simões pela Barbara (2012)
>>> Indentidades Trocadas de Lisa Scottoline pela Abdr (2001)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Internet

Quarta-feira, 8/2/2012
Wikipedia And The Death Of The Expert, by Maria Bustillos
Julio Daio Borges

+ de 4700 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Digestivo nº 485 >>> A Wikipedia, como um dos maiores símbolos da internet, se tornou alvo de ataques periódicos. A pretensão de uma enciclopédia feita por qualquer pessoa era quase uma afronta ao Iluminismo de Diderot e D'Alembert. Talvez o erro tenha sido usar, justamente, a palavra "enciclopédia", mas a internet, e a tecnologia, sempre tomaram emprestados termos do velho mundo (off-line), renovando-os. Um site, originalmente do inglês, não é mais somente um "lugar" ou local geográfico. Uma webpage é quase a contradição de uma página impressa. E o e-mail está, hoje, muito distante da definição de "correio eletrônico" (o que quer que isso possa ser, ou tenha sido...). Voltando à Wikipedia, um dos maiores ataques à sua pretensão de "enciclopédia" tem como alvo seus "erros" (no sentido mais amplo do termo). Mostrar que um enciclopédia ― outrora, o suprassumo do conhecimento de qualquer civilização ― está errada é, supostamente, invalidá-la por completo. Uma enciclopédia errada é, aparentemente, como um professor que não sabe a sua matéria; como um expert que tropeça na própria especialidade; como um profissional que ignora os rudimentos de seu ofício. Pois bem, em 2006, a revista Nature, percorrendo verbetes aleatórios da Wikipedia e da Britannica ― máximo tradicionalismo em termos de enciclopédia ―, constatou que o número de erros na Web era... tão grande quanto... no papel! Foi um choque. Mas o mundo sobreviveu; e o establishment intelectual aprendeu a lidar com o fato. De modo que, em sua primeira década, a Wikipedia se consolidou, deixando de ser proibida como citação em trabalhos sérios, para se tornar uma ferramenta últil no dia a dia de milhões de pessoas. Tendo isso tudo em vista, Maria Bustillos, escritora, publicou um dos melhores ensaios de 2011... sobre a Wikipedia. Bustillos começa aproximando a internet, berço da Wikipedia, de Marshall McLuhan, o gênio canadense que, no século XX, proclamou que o meio era a mensagem. Bustillos nos conta que McLuhan se formou em Cambridge, pegando um momento, nas letras inglesas, em que, para variar, não se acreditava que nada de útil estivesse sendo produzido. Os acadêmicos que lecionavam naquela época pregavam, abertamente, que não valia a pena ler os contemporâneos e que era mais proveitoso passar a vida inteira se preparando para ler John Milton, um autor do século XVII. McLuhan foi atrás de outro mestre, F. R. Leavis, que, confrontando o status quo, ousava aproximar, de Milton, poetas como Pound e Eliot. Apoiada em biógrafos e estudiosos, Maria Bustillos acredita que, nesse ponto, McLuhan começou a duvidar das noções convencionais de "autoridade" e "especialidade". O que isso tem a ver com a Wikipedia? Tem a ver que, pela primeira vez desde o advento de Gutemberg (e sua prensa), com a Wikipedia (e a internet) estamos subvertendo a noção de que o conhecimento vem "de cima para baixo", que a audiência só deve escutar passivamente e que a "autoria", até etimologicamente, deve rimar com autoridade. McLuhan pregava que a palavra impressa, ao substituir a tradição oral, criara a noção do conhecimento quase como inspiração divina, diminuindo a importância de uma cultura humana compartilhada. E o Romantismo cristalizaria a ideia do gênio criativo individual... Fala, então, Clay Shirky, em uma entrevista concedida à mesma Maria Bustillos: A química surgiu da alquimia. Mas evoluiu ― ao contrário da alquimia ―, porque, justamente, os químicos abriam seu conhecimento para que ele fosse testado por seus pares. Esse conhecimento, portanto, só era válido, quando pudesse ser comprovado por outros, e, não, quando permanecia encerrado por segredos, mistérios ou fórmulas mágicas. É a noção de ciência. Assim, Bustillos fecha o ciclo: A Wikipedia é importante não porque tenha versões definitivas de cada verbete, ombreando-se com outras enciclopédias clássicas como a Britannica, mas, sim, por ― nas suas discussões, na construção de cada verbete e no vaivém de opiniões diferentes ― apostar num processo dialético, talvez numa nova teoria do conhecimento, evocando os primórdios da nossa ciência. Por fim, McLuhan impregnou o ar com o germe da dúvida, sobre o conhecimento "pronto e acabado". Apostou numa expressão mais adequada à nossa época, a da "galáxia de insights". Seria ela a internet? A Wikipedia? As redes sociais?
>>> Wikipedia And The Death Of The Expert
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. O Iconoclasta, de Gregory Berns (Além do Mais)
02. Com: Atitude, 5ª edição (Além do Mais)
03. Mashup (Imprensa)
04. Homenagem do vício à virtude (Cinema)
05. Trauma a ser evitado (Cinema)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/2/2012
14h55min
Julio, ""Pois bem, em 2006, a revista Nature, percorrendo verbetes aleatórios da Wikipedia e da Britannica ― máximo tradicionalismo em termos de enciclopédia ―, constatou que o número de erros na Web era... tão grande quanto... no papel! Foi um choque."" Para mim isso é motivo de alívio, porque mostra que o sistema aberto da Wikipedia funciona. Durante anos assinei a Britannica online e não vejo como uma enciclopédia fechada poderia sobreviver nesses dias de mudanças científicas galopantes. Não levando em consideração o dispêndio, viva a Wikipedia! Em 1945, em seu artigo seminal no Atlantic, "As We May Think", Vannevar Bush previa tudo isso. Nada de novo sob o sol. abraço, Cesar Barroso www.MiamiHoje.com
[Leia outros Comentários de Cesar Barroso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Brasil: Território e Sociedade no Inicio do Século XXI
Milton Santos e Maria Laura Silveira
Record
(2001)



Lamenin
Pólo Noel Atan
Ação Mental Interplanetária
(1999)



Amores Infernais
Melissa Marr e Outros
Galera
(2011)



Bruce
Peter Ames Carlin; Paulo Roberto Maciel Santos
Nossa Cultura
(2013)



Ágape
Padre Marcelo Rossi
Globo
(2010)



O Que é Energia Nuclear
José Goldemberg
Brasiliense
(1981)



Você Pode Enteder a Bíblia !
Watch Towe Bible and Tract Society
Watch Towe Bible and Tract Soc
(2016)



Curso de Direito Administrativo
Aloísio Zimmer Júnior
Metodo
(2009)



Desastre na Mata
Pedro Bandeira
Melhoramentos
(2003)



The French art of tea
Mariage Frères
Mariage Frères
(2002)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês