Nêumanne contra a Wikipedia | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arte Brasileira Hoje: um arquipélago
>>> Sobre o som e a fúria
>>> O fim do livro, não do mundo
>>> Jornal: o cadáver impresso
>>> O naufrágio é do escritor
>>> 6 de Maio #digestivo10anos
>>> O Mundo Pós-Americano, de Fareed Zakaria
>>> Inglourious Basterds, de Quentin Tarantino
>>> O fim da inocêcia blogueira
>>> Allen Stewart Konigsberg
Mais Recentes
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Karl Rauch
>>> Brief an Den Vater de Franz Kafka pela Fischer (1989)
>>> Sonhos de Bunker Hill de John Fante pela L&pm (2003)
>>> I Ching - O Livro das Mutações de Desconhecido pela Trevo (2004)
>>> O Mistério dos Temperamentos de Rudolf Steiner pela Antroposofica (1994)
>>> O Verdadeiro Livro dos Sonhos e da Sorte de Ahmed El-Khatib pela Rígel
>>> Capitães de Areia de Jorge Amado pela Companhia de Bolso (2009)
>>> Baudolino de Umberto Eco pela Record (2001)
>>> Dangerous - O Maior Perigo é a Censura de Milo pela Milo Yannopoulos (2018)
>>> Los Celtas: Magia, Mitos Y Tradicion de Roberto Rosaspini Reynolds pela Continente (1998)
>>> Cinco Anos - Julgamento Político na União Soviética de J. Oliveira Freitas Trad pela Intercontinental
>>> Feng Shui no Trabalho de Darrin Zeer pela Sextante (2008)
>>> O Poder do Hábito de Charles Duhigg pela Objetiva (2012)
>>> Poder Sem Limites de Anthony Robbins pela Best Seller (1987)
>>> Saber Envelhecer e A Amizade de Cícero pela L&pm (2011)
>>> Os Três Estigmas de Palmer Eldritch de Philip K. Dick pela Aleph (2010)
>>> Livro Direito : espaço público e transformação social de Darcísio Corrêa (Org.) e outros pela Unijui (2003)
>>> Monarquia de Dante Alighieri pela Lafonte (2017)
>>> Os Senhores do Fosso de Michael Moorcock pela Europa-América (1969)
>>> Da Morte; Metafisica Do Amor; Do Sofrimento do Mundo de Arthur Schopenhauer pela Martin Claret (2011)
>>> O Livro do Viver e do Morrer de Osho pela Cultrix (2006)
>>> Livro VIPs Histórias Reais de um Mentiroso: o livro que deu origem ao Filme e ao Documentário de Mariana Caltabiano pela Jaboticaba (2005)
>>> Marxismo: Alvorada ou Crepúsculo de Jorge Boaventura pela Record (1968)
>>> Fale Mais Eficazmente de Dale Carnegie pela Do Autor
>>> Uso Mágico das Velas - O Seu Significado Oculto de Michael Howard pela Ediouro
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 6/9/2006
Nêumanne contra a Wikipedia
+ de 6900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O Nêumanne sempre foi um grande amigo do Digestivo. Devemos a ele um dos nossos primeiros reconhecimentos públicos. E o Nêumanne ajudou a inaugurar, junto com o Daniel Piza, o Giron e o Sérgio Augusto, a seção Ensaios do site - cedendo, sempre de bom grado, seus textos para republicação.

Mas eu recebi, por e-mail, um texto do Nêumanne sobre a Wikipedia (ou, em português, "Wikipédia") e me vejo, agora, quase na obrigação de rebater algumas críticas que ele fez à conhecida enciclopédia livre e, mais genericamente, à internet.

Dentro dos temas de sempre do Nêumanne, é, na verdade, mais uma crítica às iniciativas do ministro Gilberto Gil, sistematicamente em direção ao Creative Commons, e aos candidatos do horário eleitoral gratuito (mais especificamente, aos petistas, mensaleiros e sanguessugas, que se (re)apresentam como se nada fosse...).

* * *

Partindo de uma hipótese apocalíptica, Nêumanne começa seu artigo afirmando que vivemos "sob a égide da desconstrução", e da "desinformação" - que o conceito de "enciclopédico" está perto do fim e que a organização do conhecimento está, hoje, "fora de moda".

É verdade que os "desconstrucionistas" de plantão andaram muito em voga no século XX, e eu concordo que a "evolução" das fontes de informação no mesmo período (jornal para revista, rádio para televisão) não contribuiu em nada para a educação do povo. Mas, depois da internet, da WWW e, principalmente, do Google, não dá para simplesmente dizer que "a organização do conhecimento está fora de moda".

Nem entrei na Wikipedia ainda, mas o Google, por exemplo, é um esforço - como certamente nunca houve - de organizar o maior repositório de informações sobre a humanidade até hoje: a internet. E o Google é, coincidentemente, a mais bem sucedida empresa de internet hoje em dia. (E o Google vai dominar o mundo, como a Microsoft dominou, você tem alguma dúvida?)

O tamanho do Google, sua influência e seu valor de mercado são, portanto, a prova de que o desejo de organização, a "fome por conhecimento" e até a ambição "enciclopédica" estão mais vivos do que nunca. Ninguém tem Diderot ao alcance do Messenger (ou do Skype), mas tem o Google e tem a internet. Eu prefiro; e você?

* * *

Nêumanne então introduz subliminarmente alguns conceitos do Creative Commons - um movimento que procura conferir maior flexibilidade ao direito autoral (nos EUA, às leis de copyright) - mas interpreta tudo à sua maneira. Segundo ele, Gilberto Gil estaria, no fundo, trabalhando pela "demolição da autoria" e tirando definitivamente o direito de quem produz de viver da sua própria produção.

Nem vou entrar aqui no mérito de que, no Brasil, só uma meia dúzia (Gil entre os poucos) vive de "arrecadação" de direito autoral. Vou entrar, sim, na discussão do Creative Commons...

Para começar, o Creative Commons não é obrigatório para todos. Depois: quem define o tipo de licença (que determina o "uso" da obra) é o próprio autor. Ou seja: o Creative Commons não acaba com o direito autoral - apenas abre mais uma possibilidade para quem quer compartilhar, mais livremente, sua própria produção.

* * *

Logo adiante, Nêumanne proclama que, atualmente, a "criação estética está submetida à coletivização" e que vivemos "sob o domínio do apócrifo". Então, para ele, a Wikipedia seria nada mais que "uma brincadeira de hackers", e que, devido à "criatividade" (no mau sentido do termo) e às "idiossincrasias" dos autores dos verbetes eletrônicos, a Wikipedia é, em resumo, uma "anti-enciclopédia".

Para início de conversa, ninguém está submetendo ninguém à "coletivização". Na internet, a propósito, os blogs são hoje, pelo contrário (!), a maior manifestação de vozes individuais em muito tempo (ainda, claro, que muitas não tenham nada a dizer e que muitos só ressuscitem ultrapassadas escolas de pensamento...). Depois: embora haja muito pseudônimo na Web, há mais gente aparecendo, no balanço, do que se escondendo - mais assinaturas do que apócrifos.

Por último, a Wikipedia, se for mesmo uma brincadeira, é uma brincadeira séria - que já dura meia década. Não foi fundada por hackers, não é alimentada só por eles e não é possível que o velho Nêumanne não conheça a comparação que a revista Nature fez entre a Wikipedia e a Enciclopédia Britânica... Tanto na profissional quanto na "amadora", em verbetes aleatórios de ciência, foi encontrado o mesmo número de erros. A Wikipedia, portanto, é tão falha quanto a outra.

* * *

Por fim, não é a vitória das "versões" sobre os "fatos" (embora Nélson Rodrigues, por exemplo, preterisse futebolisticamente os fatos: "Se os fatos estão contra mim, azar dos fatos - pior para os fatos".) Os fatos, aliás, nunca estiveram tão à disposição das pessoas como estão hoje (fatos, inclusive, que nem gostaríamos de revelar - fatos que dizem respeito à nossa privacidade...).

A diferença é que, com a abertura dos canais de comunicação, você encontra versões, em número praticamente infinito, para tudo o que quiser. Todo mundo pode, em princípio, dar sua versão de qualquer coisa.

O Nêumanne, volto a repetir, é alguém muito importante na história do Digestivo. E eu sei que sua crítica é, no fim das contas, política (usando, como gancho, a WWW e a Wikipedia).

Mas me preocupa, ainda assim, certa mentalidade, originalmente da classe jornalística, que persiste, para com a internet (como se ela e a imprensa fossem inimigas...). O Nêumanne teve apenas a coragem de expor. O fato - e não a versão - é que os jornalistas estão mais preparados do que qualquer outra categoria para a World Wide Web. Pena que nem todos perceberam ainda...


Postado por Julio Daio Borges
Em 6/9/2006 às 10h08

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Irmãos Amâncio de Julio Daio Borges
02. Petistas nos Correios de Julio Daio Borges
03. Entrevista: Celso Kallarrari de Julio Daio Borges
04. Meu Tempo é Hoje, o filme de Julio Daio Borges
05. O que acontece em São Paulo de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/9/2006
18h40min
Julio, o preconceito contra o novo é usual para os dominadores de uma cultura. Qual cultura, cara pálida? Ora, a da dita cultura superior, adensada nas universidades e na grande imprensa. O Nêumanne é apenas um caso, da desídia que "intelectuais" devotam aos usuários da Web. Condicionam uma perfomance de valor ao indivíduo que reproduz a cartilha por eles lançada. Esquecem que a liberdade de pensamento não pode ser refém de um formato, ou de uma ideologia, por isso, menosprezam tudo que não faz parte de seu mundo fechado. Parabéns pela crítica. Você é dos poucos que encara essa turma ideologizada em chavões. Abraços.
[Leia outros Comentários de Rodrigo Xavier]
7/9/2006
08h00min
Tenho que o alcance da www faz a possibilidade do apócrifo assustadora quando não se tem segurança na capacidade crítica do receptor. Vide a quantidade de hoaxes, fakes & trolls. Por outro lado, acredito que qualquer tentativa de mau uso será alvo de pertinentes esclarecimentos, ainda que tendentes à falácia, ou sofrerá a devida correção (ainda que por meio hacker que, ao contrário do que muitos pensam, vem trabalhando pela segurança das informações e pela legitimidade do uso da web. Os outros são os "crackers"). Também me preocupo. Só que prefiro acreditar na evolução dos caminhos da informação. []s
[Leia outros Comentários de Emilio]
5/10/2006
11h11min
Estou imprimindo o seu artigo. Vou lê-lo diversas vezes. É óbvio que a contribuição da web, dos blogs, da Wikipédia supera em muito o potencial pedratório dos mesmos. É muito mais ponte do que abismo. É evidente que os jornalistas largam numa posição privilegiada. Basta ter coragem - fator decisivo nesta "instant media". Acho que é tema para um Seminário de dois dias, com inscrição, mesas-redondas, crachá e tudo.
[Leia outros Comentários de Joel Macedo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Impérios do Pós-apocalipse
Estevan Lutz (org)
Estronho
(2015)



Livro Infanto Juvenis O Pequeno Príncipe
Antoine de Saint Exupéry
Agir
(1989)



Leitura e Escrita na Era Digital
Cleide J. M. Pareja
Fael
(2013)



Grécia Mitológica
João Ribeiro Jr.
Papirus
(1984)



Estratégia Contemporânea Internacionalizancão Cenária e Redes
Benny Kramer Costa
Akademika
(2008)



Cirque du Freak - A Living Nightmare...
Darren Shan
Harper Collins
(2000)



Coleção RockÂ’nÂ’roll Hambúrguer, Sorvetes & Milk-shakes (lacrado)
Melhoramentos
Melhoramentos
(2013)



Crianças Geniais: Santos Dumont
Patrícia Rodrigues
Pe Da Letra
(2021)



Pestanas de Bronze
Sergio Bruni
Léo Christiano
(2013)



Um Amigo no Escuro
Marcia Kupstas
Moderna
(2008)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês