Boa tarde às coisas aqui em baixo | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
>>> Fábio Porchat no Comedia em Pé
>>> La dolce vita
>>> Discurso de Isaac B. Singer
>>> O Iconoclasta, de Gregory Berns
Mais Recentes
>>> Mãe de Máximo Gorki pela Palla
>>> A Vida de Lima Barreto de Francisco de Assis Barbosa pela José Olympio (1952)
>>> O Perigo do Dragão de Bruna Lombardi pela Círculo do Livro (1984)
>>> Condição da Mulher - Artigos de Marta Suplicy pela Brasiliense (1984)
>>> Sob a Cruz das Estrelas de Odette de Barros Mott pela Ftd (1986)
>>> Foi Mesmo... de Perseu Lemos pela Bagaço (1997)
>>> As Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Abril Cultural (1971)
>>> Fim do Século de Hillel Schwartz pela Editores Associado (1992)
>>> Como Educar Crianças Em Grupo de Marie Winn e Mary Ann Porcher pela Ibrasa (1975)
>>> Coração de Vidro de José Mauro Vasconcelos pela Melhoramentos (1981)
>>> A Segunda Abolição de Cristovam Buarque pela Paz e Terra (1999)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1990)
>>> Literatura Comentada de Jorge Amado pela Abril Cultural (1981)
>>> A Divina Paródia de Alvaro Cardoso Gomes pela Globo (2002)
>>> A Mulher pela Metade de Patricia Tenorio pela Caliban (2009)
>>> De Bacamartes de Festa de Devoção de George Michael Alves Organizador pela Funcultura (2014)
>>> Eça de Queiroz, Agitador no Brasil de Paulo Cavalcanti pela Cepe (2000)
>>> Joaquim Nabuco e o Novo Brasil de Humberto França Organizador pela Cepe (2011)
>>> Aventura e Rotina de Gilberto Freyre pela José Olympio (1953)
>>> Antologia Poética de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1989)
>>> Eu Sei Que Vou Te Amar de Arnaldo Jabor pela Record (1986)
>>> A Correnteza de Ricardo Gontijo pela Best Seller (1988)
>>> Candido Ou o Otimismo de Voltaire pela Newton Compton Brasil (1996)
>>> Dez Anos e Nove Meses de Fred Paronuzzi pela Comboio de Corda (2011)
>>> Morte ao Invasor de Gilvan Lemos pela Prefeitura do Recife (1984)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Sexta-feira, 24/6/2005
Boa tarde às coisas aqui em baixo
Julio Daio Borges

+ de 3200 Acessos




Digestivo nº 232 >>> Não consta que o mercado editorial, como o fonográfico, viva uma crise recente. Mas, à maneira das coletâneas, das regravações e das reinterpretações em CD, popularizam-se, também na indústria do livro, as compilações, os compêndios e as coleções. A quase impossibilidade de firmar novas referências, e principalmente novos nomes – nunca mais como antes –, obrigam, ainda que inconscientemente, à reedição, à revisão, à revisitação. E não à renovação: que, além de muito arriscada como business (quanto custa para construir um autor?), não encontra eco em meio à balbúrdia contemporânea; nem aparato conceitual – uma vez que o pós-modernismo, no que tange ao conhecimento, se apóia da máxima de Chacrinha: “Eu vim para confundir; não para explicar”. Assim, meio como uma estratégia de sobrevivência, só resta explorar o parco repertório que as pessoas já têm – e não tentar ampliar-lhes os horizontes, porque não dá. Como em todos os cenários desse tipo, os oportunistas se refestelam – porque não há investimento, apenas a recolha de dividendos. Por outro lado, contudo, os honestos ainda encontram saídas hábeis para prover uma resposta inteligente ao atual panorama. É o caso de Enrique Vila-Matas, e do seu Bartleby e companhia, pela editora Cosac Naify. Num dos volumes mais elogiados pela imprensa brasileira nos últimos tempos, Vila-Matas faz por merecer, ao revisitar a sina de escritores ágrafos – sujeitos que ou nasceram estéreis, ou se tornaram estéreis ou ainda, mais interessante, optaram deliberadamente pela esterilidade. Claro que retoma exemplos clássicos, como o de Rimbaud, o de Melville (pai do Bartleby) e o de Truman Capote. Mas são nas pequenas histórias, de personagens obscurecidos, que a narrativa toma corpo e justifica a empreitada. Para escrevinhadores, é um volume delicioso (um consolo? um conforto?). Para leigos, mais uma chance de lidar com o fracasso – tirando até proveito dele – numa sociedade onde o sucesso, quando não é amplo e consagratório, se transforma num fardo que, invariavelmente, todos temos de carregar. Apesar do marasmo, apesar das fórmulas fáceis – de quem requenta referências as mais manjadas –, Vila-Matas mostra que a criatividade ainda vale (por mais que haja reloaded).
>>> Bartleby e companhia - Enrique Vila-Matas - 188 págs. - Cosac Naify | Uma ferida iletrada | All the rest is silence | Guía de lacónicos | Weblog sobre o livro Bartleby e companhia
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Na Natureza Selvagem, de Sean Penn (Cinema)
02. Memórias Alheias (Artes)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Estratégia Empresarial - 3ª Edição
Agricola Bethlem
Atlas
(2001)



A Investigação Nas Ciências Sociais
João Ferreira de Almeida e José Madureira Pin
Presença
(1976)



Para Querer Bem - Antologia Poética de Manuel Bandeira
Manuel Bandeira
Moderna
(2005)



Terminologia de Mercado
Roberto Lobo
Fauna (rj)
(1969)



Dom Camilo e os Cabeludos
Giovanni Guareschi
Círculo do Livro
(1976)



Economia & Mercados Introdução à Economia e ao Marketing
Sérgio Guimarães
Ática
(1988)



Economia 17ª Ed
Paul A. Samuelson e William D. Nordhaus
Mcgraw Hill
(2004)



Glossário de Defesa Civil e Estudos de Riscos e Medicina de Desastres
Antônio Luiz Coimbra de Castro
Ministério de Integr. Nacional
(2004)



Imposto de Renda Pessoa Juridica para Contadores - Segunda Ed
Cleônimo dos Santos e Sidney Ferro Barros
Thomson Iob
(2007)



El Delito de Defraudacion Tributaria; Estado Actual de las Teoria
Revista de Direito Tributário, Nº 39 de 1987
Revista Tribunais
(1987)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês