Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A mulher madura
>>> Regras da Morte
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
Mais Recentes
>>> Fale-me de amor de Michel Quoist pela Paulus (1988)
>>> Maravilhas do Mundo de Elvira de Oliveira pela Klick (2001)
>>> A História Crítica da Nação Brasileira de Renato Mocellin pela Do Brasil (1987)
>>> Direito Municipal na Constituição de Petrônio Braz pela Led (2001)
>>> Direitos Reais de Cristiano Chaves de Farias e Nelson Rosenvald pela Lumen Juris (2006)
>>> Linguagem de Sinais de Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados (1992)
>>> Curva de rio de Juarez de Oliveira pela Caminhos da Literatura (1987)
>>> O Anjo da Morte de Ricardo Reis de Jose Sarmago pela Caminho (1984)
>>> O livro da música de Keith Spence pela Zahar (1981)
>>> Os Abutres de Taylor Caldwell pela Record
>>> Água Viva: Uma Gênese do Desenvolvimento de Eloi Fernández y Fernández pela Nova Fronteira/ RJ. (2003)
>>> A Casa Grande de Taylos Caldwell pela Record
>>> Legislação ambiental de José Geraldo Brito Filomeno. Organização pela Imprensa Oficial do Estado SP (2000)
>>> A Mulher Secreta de Victoria Holt pela Círculo do Livro
>>> Execução civil e cumprimento de sentença. Vol. 3 de Sérgio Shimura & Gilberto Gomes Bruschi pela Método (2009)
>>> Direito Processual do Trabalho de Wagner D. Giglio pela Saraiva (2005)
>>> Comentários à Constituição Brasileira de 1988. Vol. 1. Arts. 1 ao 43 de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1990)
>>> Resumo de Direito Penal (Parte Geral) C oleção Resumos 5 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer et alii pela Malheiros (2004)
>>> À Margem da lagoa Prateada 5 de Laura Ingalls Wilder pela Record (1967)
>>> Resumo de Direito Comercial (Empresarial) Coleção Resumos 1 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer pela Malheiros (2005)
>>> Blue Bloods - Vampiros em Manhattan de Melissa De La Cruz pela Moderna (2010)
>>> Responsabilidade civil e sua interpretação jurisprudencial de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
BLOG

Segunda-feira, 25/9/2006
Blog
Redação

 
A Canção Pobre

Sintam-se em casa, nobres amigos! A partir de hoje, esse é meu blog oficial, e é aqui que vocês poderão ler o que já foi chamado por algum anônimo pedante de "elucubrações" de "um aspirante a jornalista malogrado, um beócio escritor de idiotices".(...)

Continuarei a fazer o que sempre fiz, falando de livros aqui, discos ali, cotidiano acolá... flertando com contos vez por outra, sendo polêmico quando tiver que ser, e por aí vai (e o melhor: agora tudo devidamente dividido por categoria!).

Ponham links em seus blogs, divulguem para seus amigos e continuem com as visitas e os comentários.

É isso. Estamos aí!

Jorge Wagner, inaugurando seu blog (porque ele Comenta aqui no Digestivo...).

[3 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
25/9/2006 à 00h26

 
El dia que me quieras

Termina neste final de semana a temporada do espetáculo El dia que me quieras, belíssimo trabalho do grupo Folias d'Arte. No texto, do venezuelano José Ignácio Cabrujas, o famoso cantor de tangos Carlos Gardel faz uma viagem à Venezuela. A peça foca a tradicional família Ancizar, que tem suas relações botadas em xeque com a chegada do astro.

Foto: Lígia Jardim / Divulgação

A montagem é estruturada como os próprios musicais de Gardel, com músicas executadas no decorrer da trama. Uma das irmãs Ancizar está se preparando para ir à União Soviética com o marido. A irmã mais velha reprova este desejo, ocupada com os preparativos para a chegada de Gardel. A sobrinha órfã não tem olhos para outra coisa que não seja o cantor. O irmão, um fanfarrão idealista, consegue inclusive se aproximar dele.

Com um tom cômico, a peça é uma bela reflexão sobre a morte das utopias. O marido de Maria Claudia, Pio, aparece na primeira parte com óculos escuros como um cego, que assume uma postura revisionista e bota, melancolicamente, seus valores e crenças em uma nova perspectiva. Maria Claudia é uma deslumbrada encantada pelo discurso do marido - ela sonha com a vida no campo nos kholkozes da Ucrânia -, mas que vacila ao ficar próxima de Gardel, que visita a casa.

Foto: Lígia Jardim / Divulgação

A decadência da família emerge entre discursos inócuos e uma cegueira para o mundo circundante. Os Ancizar estão presos a um tempo que passou, em uma cidade colocada a escanteio no desenvolvimento econômico e cultural. Seus horizontes não ultrapassam aquela Caracas nostálgica que endeusa Gardel.

Todos ali são no fundo figuras vazias ilhadas em um país colonizado, agarrados desesperadamente a tradições empoeiradas pelo tempo. Tanto o nome do finado General Ancizar quanto a grandeza da casa, um palacete decadente, com móveis cobertos, são evocados com freqüência.

Foto: Lígia Jardim / Divulgação

O texto alcança grandes dimensões na inteligente e sensível montagem de Marco Antonio Rodrigues, que carrega no registro expressivo de seus atores. O elenco é talentoso e celebra a alegria de se fazer teatro, com um belo trabalho musical e lindas imagens, além de interagir com o próprio entorno do galpão, quando se abrem as portas do teatro.

O Folias, responsável por alguns dos melhores espetáculos paulistanos dos últimos anos, acerta em cheio em El dia que me quieras. Teatro de discussão política sem nem sequer passar perto de ser panfletário ou leviano. Aqui, a reflexão vem do riso e da poesia.

Para ir além

El dia que me quieras - Galpão do Folias - R. Ana Cintra, 213 - Santa Cecília - Tel. (11) 3361-2223 - R$ 20 - 150 min. - Sexta e sábado, 21h; domingo, 20h - Até 24/09.

Para quem quiser conhecer melhor o trabalho do grupo, há algumas boas oportunidades. Até o dia 24 de outubro acontece o projeto "Latinitudes e Longitinidades", com uma série de debates, filmes e show com a Améria Latina em questão. No dia 13 de outubro reestréia a montagem de Otelo, de Shakespeare. E também em novembro acontece a quinta edição da Mostra do Folias, evento anual que traz outros trabalhos do grupo e peças de conjuntos convidados. Em 2006 virão os grupos As Graças, Caixa de Imagens, Farândola e Barracão Teatro.

[Comente este Post]

Postado por Guilherme Conte
22/9/2006 às 15h43

 
Um dia na vida

Eduardo acorda. Ao seu lado, no criado mudo, disputam o pequeno espaço um pen drive, celular, dois livros, um caderno e no topo da pilha, seu notebook. Sentado na cama, desliga o despertador do celular, puxa o notebook para o seu colo e acessa o primeiro site que lhe vem à cabeça, verificando a conexão wireless. Ainda tem tempo de sobra antes de sair para a primeira aula da semana. Abre dois endereços de webmail distintos e em um deles resolve finalmente, e agora com bastante calma, responder ao e-mail irritado que a namorada enviara ontem. Antes mesmo de terminar, percebe que o download de um cd importado que deixou executando durante a noite já encerrou e começa a escutar as músicas. Conecta o seu mp3player no notebook para carregar as músicas enquanto terminar de escrever. No outro webmail uma mensagem da Bianca enviada para ele e mais dez amigos tenta combinar um dia para um jantar em grupo. Verifica sua agenda eletrônica e vota pela próxima quarta. Acessa um site que agrega informações sobre as músicas que ele escuta no computador e vê sugestões de artistas similares. Percebe que seu contato foi adicionado na lista de um amigo, e acessa a página deste para ver o que ele está escutando. Enquanto isso sua namorada e ex-colega de trabalho entram no chat. Conversa com os dois, intercalando seu tempo entre um e outro. Na lista de discussão de tradutores do Gnome dá o seu palpite sobre o uso de verbos em imperativo ou infinitivo. Agora está na pagina inicial da wikipedia e resolve que ainda dá tempo para corrigir aquele último parágrafo sobre sua cidade natal. Já está meio atrasado, mas entregar o trabalho do professor no site da disciplina não leva mais que dois minutos. Quando sai de casa percebe que esqueceu de pagar a fatura do cartão...

Vinicius Pinheiro, em (por extenso) "Um dia na vida de um indivíduo social imerso na emergente economia da informação em rede", no blog (dentro do site) que linca pra nós.

[2 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
22/9/2006 à 00h02

 
Podcast: carta de alforria

Os podcasts estão crescendo no mercado mundial como uma nova forma de distribuição de arquivos multimídia, tanto para áudio quanto para programas de vídeo. Eles estão demonstrando que a população cibernética procura assuntos específicos para ouvir ou ver, pinçando o ouro do rio.

Mas será que isto é produtivo? Uma leitura rápida do título diria que sim, é uma carta de alforria. Carta, esta, dada aos escravos para comprovarem a liberdade, e, no nosso caso, retirando os péssimos programas veiculados nas emissoras, sobrando só os que, no nosso ponto de vista, possuam qualidade.

Desta forma, não precisamos, teoricamente, nos preocupar com entretenimento, este sempre será "legal", utilizando, propositalmente, uma expressão nada criteriosa. Ninguém fará um download e arquivará, periodicamente, um programa que julgue de profundo desinteresse.

Nesta linha de raciocínio, encontramos a primeira carta de alforria, ou seja, liberdade e qualidade para nossos sentidos.

Por outro lado, dependendo da nossa disposição em pesquisar novas podcasts e tempo hábil para descobertas (estamos falando do comodismo), nos confinaremos, inconscientemente, em uma caverna semelhante à de Platão.

Ou seja, dogmatizaremos nossa linha de raciocínio à opinião do criador do postcast. Enquadraremos nosso gosto ao poder de crítica e persuasão deste mentor escolhido para nos entreter.

Em suma, por meio do podcast teremos aprisionado a nossa possibilidade de conhecer o novo. Como sairemos desta redoma? A carta de alforria desta vez se inverte: a liberdade, talvez, esteja em ver também porcarias. Estamos diante de uma faca de dois gumes.

Como se entreter sem se chatear?

Ora, a palavra chave é proporcionalidade. O tempo, o seu tempo, cada vez mais precioso, deve ser economizado com podcasts, realmente interessantes no seu ponto de vista.

Mas não se esqueça da maravilha de descobrir o porquê da expressão "gosto não se discute", e, principalmente, que novas culturas surgem a todo o momento.

Para não se enclausurar, para se ter a real carta de alforria, deve-se, sim, adotar um podcast, porém, sem perder a capacidade de criticar, positiva ou negativamente, tudo o que se ouve ou vê, dando oportunidade ao vôo mágico do livre arbítrio e da respectiva liberdade que isto nos trás.

[6 Comentário(s)]

Postado por Daniel Bushatsky
21/9/2006 às 15h02

 
LiveMarks

...is a project to show del.icio.us and other services' bookmarks live. Porque... você quer ver as pessoas guardando links agora?

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
21/9/2006 à 00h04

 
Patrícia Palumbo e o rádio

Jornalista que faz rádio costuma ser louco por rádio. Os primeiros anos da profissão normalmente são de salários mais baixos e horas de trabalho mais puxadas, o que espanta quem não tiver um encanto natural por esse meio. A jornalista Patrícia Palumbo, da Eldorado, gosta tanto de rádio que coleciona aparelhos. Coleciona também belas entrevistas em sua trajetória, com vozes inconfundíveis da música brasileira. Patrícia mostrou algumas delas no último dia 15, no curso de jornalismo cultural promovido pelo Centro de Estudos da Revista Cult.

Patrícia começou a carreira na rádio Cultura AM há 18 anos, e lá aprendeu a fazer "jornalismo com responsabilidade". Por ser transmitida em AM, FM e ondas curtas, a Cultura tem um alcance enorme, até mesmo fora do País. Ela diz que hoje só trabalha com o que gosta, e que ganha bem para isso. "Minha independência foi um pouco de sorte e muito de postura. Desde o começo procurei lugares onde pudesse buscar essa especialização". Na discoteca da Fundação Padre Anchieta, por exemplo, ela extraiu o que pôde do acervo de 40 mil LPs da rádio.

Aprendeu logo que "você tem de trabalhar a linguagem, seduzir seu ouvinte". Depois de conquistá-lo, o jornalista ganha confiança suficiente para entrar no não habitual, em assuntos mais variados e sair da pobreza da agenda cultural que domina as rádios hoje. Embora haja exemplos esparsos de bons programas no ar, as rádios estão cada vez mais massificadas, se agregando a redes que padronizam o conteúdo. É um público muito grande para o alcance ínfimo existente de programas culturais atraentes e com conteúdo. Uma emissora como a rádio Transamérica, por exemplo, chega a atingir 160 mil pessoas por minuto. Patrícia informa também que, segundo o Ibope, cerca de 99% dos domicílios brasileiros possuem aparelho de rádio - um contingente enorme de ouvintes em potencial para bons programas de cultura.

Ela cita os exemplos do Planeta Som, na rádio USP FM, com Magda Pucci (do grupo musical Mawaca), que explora só o terreno na música, ou o Show da Manhã , na Jovem Pan, que tem o jeitão da rádio: rápido, popular, lúdico. Mais sóbrio, o Estação Cultura , na Cultura FM, com Gioconda Bordon (que antes fazia Espaço Informal na Eldorado), achou um ritmo próprio, mais lento; Patrícia acredita que é contraponto interessante à loucura do trânsito urbano, no horário do programa (das 18h às 19h, de segunda à sexta-feira).

Na rádio em moldes mais tradicionais, Patrícia levou ao ar o Vozes do Brasil, por um ano, às terças-feiras à noite, na rádio Eldorado. O programa tinha entrevistas com grandes vozes da MPB. Rendeu filhotes, como o Vozes ao Vivo, parceria com o Sesc Vila Mariana, e o Vozes na Biscoito, com a gravadora Biscoito Fino. O último veio a partir de entrevistas de Patrícia em que ela perguntou a artistas como Chico Buarque ("Eu aprendi a cantar ouvindo rádio") e Maria Bethânia ("Eu me criei ouvindo rádio 24 horas") qual era a relação deles com o rádio.

Patrícia Palumbo ouve e produz rádio para internet. Além de ter suas preferidas, envia boletins de música brasileira contemporânea para a rádio Grenouille, em Marselha, na França. Contudo, não se entusiasma muito com podcasts. "O podcast ainda não é uma alternativa de trabalho, é só diversão", afirma. Se o podcast vai se tornar um fenômeno sério no Brasil, como os blogs de jornalistas têm se tornado, só dá para saber com o tempo.

Uma curiosidade: ela não escreve os roteiros antes de ir para o ar. Abre o programa apenas com a primeira música na cabeça, e deixa que uma "puxe" a outra. "Você tem de estar preparado todo o tempo, saber que vai entrar ao vivo. Esse negócio de precisar ter alguma coisa escrita, senão você não dá conta, é uma armadilha. Você tem que ter firmeza, saber do que está falando."

[2 Comentário(s)]

Postado por Verônica Mambrini
20/9/2006 às 12h35

 
Exposição coletiva

Se eu fosse artista, convidava 27 curadores para encher o espaço vazio de um museu e deixava eles à vontade. O título da minha obra seria 27 curadores e eu teria criado a primeira exposição coletiva invertida do mundo.

Sheila Leirner, no seu Quando, Onde e Como, que, óbvio, linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
20/9/2006 à 00h06

 
6 anos esta noite

Cenumlembra? Celembra! Claro que celembra...

[2 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
19/9/2006 às 10h22

 
Inactivism

Eu tenho um projeto de leitura: autores consagrados, pouca literatura contemporânea. Não que eu deplore obras de escritores iniciantes (essa aversão, de tão difundida, me parece antes um defeito que uma qualidade), mas tenho muito medo de errar e valorizo o dinheiro que gasto.

Uma das conseqüências desse projeto é que leio críticas como quem desfruta de uma obra em si mesma. E é aí que está o problema: resenhistas freqüentemente lançam mão de expressões que, de tão vulgarizadas, perderam completamente o sentido, não persuadem mais, e isso me deixa muito, mas muito irritado.

Se fôssemos levar os críticos das nossas revistas impressas de cultura a sério, os lançamentos literários se encaixariam quase sempre no esquema da "prosa afiada", "ácida" e blablablá. Parece que a beleza não é uma qualidade admirada pelos resenhistas de hoje em dia. Uma pena. É como se a sordidez e a contundência de um realismo chulo fossem as únicas coisas que interessassem. Os leitores que freqüentam os melhores blogs já devem ter ouvido essa lamentação uma dúzia de vezes. Endosso.

Quando não assinala a crueza da "prosa", o resenhista parece não encontrar outro caminho senão aquele do adjetivo milagroso, que define o livro de uma maneira tal - "maravilhoso", "delicioso", "imperdível" etc. - que até parece que é a primeira vez que toma contato com alguma obra de relevância. A síntese absoluta do crítico sempre me pareceu a mais pobre expressão das suas sensações.

Cleber Corrêa, no seu blog, que linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
19/9/2006 à 00h10

 
Jotabê Medeiros e o som

Jotabê Medeiros, Jerônimo Teixeira e Luiz Carlos Merten, palestrantes do curso de jornalismo cultural promovido pelo Centro de Estudos da revista Cult, são jornalistas de veículos respeitados da grande imprensa, vêm do Sul do País e escrevem sobre cultura. A respeito do métier de cada um, respectivamente jornalismo especializado em música, livros e cinema, os três obedecem ao mesmo mandamento: paixão é fundamental. Aí se encerram as semelhanças mais óbvias. A palestra de Jotabê - que escreve sobre música para o Estado de S. Paulo desde 1994 - foi a quarta de um ciclo que contou com a abertura de Carlos Graieb, editor-executivo da revista Veja e, embora não tenha tirado o pé do chão, voltou-se à teoria, citando referências teóricas em autores como Susan Sontag, Greil Marcus e Tony Parsons.

Jotabê Medeiros é formado em Comunicação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), no Paraná. Começou na crítica musical quase por acaso. Mandou para a revista SomTrês uma resenha de The Wall, disco antológico de 1979 do Pink Floyd (que não era mais lançamento na época), e recebeu uma resposta de Maurício Kubrusly, então editor da publicação. Kubrusly tinha gostado do texto de Medeiros e chamou-o para escrever na revista. Antes da abertura das importações (e da internet, claro), manter-se atualizado sobre música era caríssimo. Só viajando para fora do Brasil ou pedindo uma ajudinha para amigos. "Disco, nos anos 1980, era quase um contrabando", conta Jotabê. Desanimado, ele declinou o convite de Kubrusly: "Eu não tenho dinheiro para comprar os álbuns". "Não tem problema, a gente vai mandar toda semana uma caixa de CDs para você para você escolher sobre o que quer escrever", respondeu o editor. Dadas as circunstâncias, um convite irrecusável para qualquer apaixonado por música, nem que fosse de graça. Não era, e começou formalmente a carreira de Jotabê na crítica musical.

A SomTrês foi uma das primeiras revistas especializadas em música e áudio do Brasil. A primeira edição, de janeiro de 1979, trazia as chamadas: "As músicas proibidas pela censura", "Inédito: o verdadeiro hit-parade do rádio", "Mais de 30 páginas com os novos equipamentos" e "Zezé Motta: a receita do segundo LP". Além da chamada de capa "Os racks estão chegando", ilustrada pela foto de dois racks no meio de papel de presente prateado desembrulhado, com a própria Zezé Motta (pouco) vestida de oncinha, atirada languidamente entre os racks. A revista se equilibrava entre a cobertura de música, instrumentos e equipamentos de áudio, mix que não existe mais no mercado editorial brasileiro. Durou até 1989, com 132 edições.

As revistas de música no Brasil costumam ter pouca variedade ou solidez, com altos e baixos marcados - caso da Bizz. Desde novembro de 2005, a revista está de volta ao mercado, pela editora Abril, em mais uma "reencarnação". Depois de ser referência nos anos 1980, teve uma sobrevida bastante criticada na década de 1990 - em 1995, a mudança chegou ao nome, que se tornou ShowBizz. Para outubro, a Rolling Stone lança uma edição brasileira, mensal, que vai se espelhar na versão norte-americana. Segundo Jotabê, "o principal problema dessas revistas é a falta de ousadia", e a relação incestuosa com as gravadoras. Daí, um pulo para ficarem como "conteúdo igual ao catálogo das gravadoras".

E não é fácil escapar dessa relação, já que uma das fontes na área de cultura atualmente é a assessoria de imprensa. A redação do Estado, por exemplo, recebe de 20 a 30 CDs e livros sobre música por semana de assessorias ou gravadoras. É muito material para poucos jornalistas fazerem o filtro - no Estado há quatro cobrindo música - sem contar ainda o que chega ao jornalista por outros meios, como indicação de conhecidos e contatos do meio musical. "Essa é a realidade do mercado: não dá para cobrir tudo que é relevante. Com a abundância de informação, as coisas não adquirem relevância", diz Jotabê. "Panic At The Disco! é a grande banda do momento, para a molecada. Daqui a alguns meses, não vai ser. Eu escreveria isso".

Um tipo de preocupação freqüente entre os estudantes é como o crítico separa as preferências pessoais do trabalho e se a crítica é capaz de influenciar o sucesso comercial de um produto cultural - o fato é que a crítica tem quase nenhum poder perto do impacto dos investimentos em marketing feitos pelas gravadoras. Mesmo reconhecendo esse fato, Jotabê lamenta, por exemplo, um músico do naipe de Paulinho da Viola estrear espetáculo com casa vazia. "Tem artistas que parece que não foram talhados para a multidão. Eu acho uma heresia ter lugares vazios no show do Paulinho da Viola." Arremata com um sorriso melancólico: "Os caminhos do destino na música são meio tortuosos".

De acordo com Jotabê, existem quatro tipos de críticos: "Tem o crítico que escreve para convencer alguém, que trata o leitor como se fosse um consumidor; tem o crítico que é fã de uma banda ou de determinado gênero; tem o crítico intelectual, que é o crítico com a pretensão de pensar a sua época; e tem o crítico que escreve porque precisa do dinheiro. Eventualmente, se enquadra ao mesmo tempo em alguma das outras categorias". E sobre seu próprio trabalho, diz que o que espera a cada show ou álbum, é uma "música mais desafiadora, mais independente, mais incômoda".

[Comente este Post]

Postado por Verônica Mambrini
18/9/2006 às 14h58

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GRANDE ENCICLOPEDIA GEOGRAFICA MUNDIAL VOL. 1
DULCIDIO DIBO
LIBRA
(1968)
R$ 6,00



ARTE DA COMPOSIÇÃO E DO ESTILO E HISTÓRIA DA LITERATURA PORTUGUESA ...
ANTONIO DA CRUZ
VOZES
(1935)
R$ 11,56



AS TRÊS IRMÃS- CONTOS
ANTON TCHEKHOV
ABRIL
(1979)
R$ 24,00



O PODER DO AGORA
ECKHART TOLLE
SEXTANTE
(2002)
R$ 10,90



LÚDICO NA QUÍMICA
CARLOS ANTÔNIO BARROS E SILVA JÚNIOR UND AYLA BIZERRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



PORTUGAL E O FUTURO
ANTÔNIO DE SPÍNOLA
NOVA FRONTEIRA
(1974)
R$ 10,00



PROSPERIDADE EM 42 DIAS
HUMBERTO PAZIAN
BUTTERFLY
(2008)
R$ 19,00



SEM PERDÃO
FREDERICK FORYTH
RECORD
(1982)
R$ 24,22
+ frete grátis



CODICE DI NAPOLEONE IL GRANDE PEL REGNO DITALIA (RIEDIZIONE)
NÃO DEFINIDO
CEDAM - PADOVA
(1989)
R$ 250,00



ATLAS DE HISTOLOGIA
MARIANA DI FIORE
GUANABARA
(1991)
R$ 160,00
+ frete grátis





busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês