Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
>>> Fábio Porchat no Comedia em Pé
>>> La dolce vita
>>> Discurso de Isaac B. Singer
>>> O Iconoclasta, de Gregory Berns
>>> Nem tudo o que é neo é clássico
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
Mais Recentes
>>> A Linha de Keri Smith pela Intrinseca (2017)
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
BLOG

Sexta-feira, 16/1/2009
Blog
Redação

 
Dez motivos para blogar

1. Você pode (quase) tudo. Quando faltar inspiração, escreva uma lista de dez motivos para fazer alguma coisa. No final, acabará se divertindo.

2. É bom ter audiência, mesmo sem fazer idéia de quem são os leitores. Você apenas precisa aprender a lidar com essa relação meio íntima com leitores tão anônimos.

3. Com o tempo você percebe que sobrevive sem comentários. Segundo as estatísticas, apenas 1% dos leitores deixa um. Então pare de implorar pelos comentários dos amigos.

4. Blogar ajuda a organizar as idéias, exercitar a escrita e você ainda corre o risco de escrever algo realmente bom.

5. Amigos distantes, ou distanciados, se sentem próximos ao ler o seu blog. Você não precisa de orkut para se relacionar, e só se expõe se, e o quanto, quiser.

6. Você está deixando um registro histórico, da sua vida ou da sua época, embora isso pareça uma grande pretensão agora.

7. O fato de blog não dar dinheiro não é motivo para parar. Pense bem: você realmente não começou porque havia essa possibilidade.

8. Provavelmente você terá mais leitores do que se publicar um livro.

9. Você pode terminar uma lista de dez com nove itens e nenhum editor vai chamar a sua atenção.

Marta Barcellos, no recém-inaugurado Espuminha de leite, que já linca pra nós.

[6 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
16/1/2009 à 00h12

 
Ciclistas na Paulista ontem

Fotos de Mario Amaya, que também escreveu sobre, via @inagaki.

[1 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
15/1/2009 às 18h19

 
A Web como principal fonte

"Qual é a sua fonte de notícias nacionais e internacionais?", uma pesquisa do Pew Research, em "Web Passes Papers as Preferred News Source".

[1 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
15/1/2009 à 00h34

 
Internet enfraquece a imprensa

"No tempo da mídia de massa, a imprensa definia o alcance do debate mais legítimo com relativa facilidade, pois os leitores, do outro lado da linha, estavam conectados só à grande mídia, e, não, uns aos outros. Agora, essa mesma autoridade está erodindo... E eu explico [a seguir] por quê."

Jay Rosen, no PressThink, via @raquelrecuero (porque a grande imprensa nunca apanhou tanto da internet como atualmente; 2009, conforme Clay Shirky colocou, vai ser um "banho de sangue"....

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
14/1/2009 à 00h02

 
eclipse

tinha as mãos crispadas como se dentro estivesse o segredo da vida e do mundo, algo que se soltasse voaria feito nave espacial, a se explodir lá em cima entre luas eclipsadas, coisa estranha que choveria feito estrela cadente e ao cair estrondo tão grande faria que não mais se ouviria mozart ou beethoven, apenas o surdo lamentar de um maestro a perder a serventia. tinhas as pernas dobradas sobre a cama e as abraçava como quem agradece o que lhe resta de liberdade, olhava os pés frágeis que a levariam a alguma tênue emoção que fosse, fora do quarto de paredes brancas e cortinas amareladas, não queria mais muros, mas como fazer se eles estavam dentro dela, se a força que crispava as mãos e apertava as pernas contra o peito — respiração tão contida, lá no peito — era dela mesma, que fazer se o dia ia e ali na cama ela ainda estava a pensar em como começar o dia, agora já foi, o sol já nasceu, a rosa já abriu, o bonde passou, não, não era de bonde que ia, mas entende, é figurativo. o que fazer, o que pensar, o que vestir, o que sentir, o que sonhar, eram tantas decisões para aquela hora tão pouca da manhã, tantos caminhos a escolher e desescolher, e depois de tanta angústia descobrir que os dois davam no mesmo lugar, rio deságua tudo no mar, mas a paisagem de um é mais bela que a do outro. pode ser, mas agora o pensamento acalmava pra deixar o corpo se mover, agora respirava. de início o inspirar profundo, depois leve, sem perceber, vôo raso da consciência. sentia a tensão dos dedos diminuir, e aos poucos a chuva lá fora ia ofuscando a brancura das paredes. o que das mãos saiu, não soube, não viu. é que olhava a chuva, ouvia o trovão e sentia o vento.

carol miotto, no seu palavrear no alpendre, que linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
13/1/2009 à 00h04

 
Maysa na Globo

Apesar da chuva de informações que desabou a respeito de Maysa ― Quando fala o coração (e agora são os altos índices de audiência que coroam a minissérie), tinha resolvido não assisti-la porque, forçosamente, perderia os últimos capítulos de Pantanal...

Acabei deixando a tevê sintonizada na Globo depois de A Favorita e fui sugada não só pelos tais olhos verdes de Maysa, mas também pelos excelentes figurino (Marilia Carneiro e Lucia Daddario) e fotografia (Affonso Beato) da série. Aos poucos, minha família toda foi aparecendo, primeiro assistindo em pé, depois puxando uma cadeira, se ajeitando no sofá, até o final do primeiro capítulo. Ou seja, a narrativa cortada em flashbacks também deu certo. O telespectador, nesta minissérie escrita por Manoel Carlos e dirigida por Jayme Monjardim, não é tratado como burro, como se fosse apenas capaz de compreender as narrativas lineares e bem explicitadas.

Além disso, o tratamento muitas vezes plano dirigido às personagens na teledramaturgia não teve vez em Maysa. E prende a atenção quando podemos nos enxergar assim imperfeitos, contraditórios, doces, violentos, ou seja, nas personagens esféricas, humanas como nós.

Talvez melhor do que a atuação da protagonista Larissa Maciel, como uma Maysa um tanto artificial, seja o convincente Eduardo Semerjian, no papel de André Matarazzo, inspirando austeridade e doçura por trás do sisudo bigode da época.

Ainda que algumas falas de Maysa possam parecer um tanto grandiloquentes ou exageradas, é um mérito a mais pois, se mais do que contar uma história a minissérie quer mostrar a vida de uma mulher ousada e que fazia o que queria (ou o que o coração mandasse), nada mais justo.

[Comente este Post]

Postado por Elisa Andrade Buzzo
12/1/2009 às 10h34

 
2008: retrospectiva tardia

[...]* Três livros de ficção/autores brasileiros — só se eu quisesse: 1) perder os amigos; 2) atrair o vudu dos amigos; 3) atrair o vudu dos amigos para os amigos listados (e suas respectivas famílias e animais domésticos).

Michel Laub, que voltou com seu blog.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
12/1/2009 à 00h03

 
Sobre o peso de Steve Jobs

(Tradução livre:) "Aham, Steve Jobs não vai fazer o discurso na MacWorld deste ano, alegando perda de peso excessiva, devido a algum problema hormonal." "Que pena. Eu imagino que a Apple deva estar bastante animada com a possibilidade de anunciar o mais fino e o mais leve CEO do mercado.", humor negro no xkcd, via @bfeld.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
9/1/2009 à 00h14

 
Sobre o futuro (?) do jornais

[...]Faça a seguinte experiência: compre todos os jornais do dia em sua cidade e compare as notícias de alguma editoria. Digamos, política e mundo. Verifique a assinatura de cada uma das matérias semelhantes. Percebeu algo interessante? Sim, os textos são quase todos iguais, com alguma pequena variação entre parágrafos. Sim, as agências de notícias são as fontes principais da maioria deles. Por algum motivo, as diretorias de jornais acreditam que você deva pagar - ou gostariam que pagasse - para ler notícias que podem muito bem ser lidas de graça nos sites de agências como Reuters, AFP e Agência Brasil.

Nas últimas décadas o número de funcionários nas redações tem caído constantemente. Consoante a isso, os jornalistas mais antigos têm sido demitidos porque ganham mais, ou têm saído voluntariamente porque não agüentam o ritmo de trabalho imposto pela necessidade de "reengenharia" das empresas de comunicação. O resultado são equipes insuficientes e inexperientes e a queda na qualidade do jornalismo. Produzir coberturas sempre originais fica quase impossível. E, de qualquer modo, a maioria dos assuntos políticos e econômicos serão tratados de forma muito parecida porque a técnica e as fontes usadas pelos repórteres são as mesmas.

Uma solução para o financiamento da atividade jornalística pode estar em oferecer material mais atraente ao leitor e cobrar por ele. Os jornais digitais poderiam deixar a informação que pode ser encontrada em outros lugares (abundante) disponível a todos e investir maior esforço de reportagem em pautas inusitadas e exclusivas. Isto é, produzir informação escassa. E escassez, como qualquer estudante de primeiro semestre de Economia sabe, é uma das bases do valor de qualquer produto. Enfim, é preciso primeiro aumentar a qualidade das notícias, para depois querer cobrar por elas.[...]

Träsel, no seu blog, uma indicação da Raquel Recuero.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
8/1/2009 à 00h01

 
O ano no YouTube



The Year in YouTube (é sério), via Jason Calacanis, que voltou a blogar.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
7/1/2009 à 00h45

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lóz a Evolução
Paulo Sinigaglia
Pandorga
(2014)



O Litigante de Má Fé
Adroaldo Leão
Forense (rj)
(1982)



Arte Como Prece
Ana Lisboa
Santa Marta
(2012)



Machado de Assis Teatro
Joel Pontes
Agir
(1960)



Os Grandes Líderes João Xxiii
Mylton Severiano da Silva
Nova Cultural
(1988)



Receitas do Vale dos Gourmets
Marta Gaspar Viana e Richard Neil
Vianna & Mosley
(2002)



São Luis 400 Ans
Alexei Bueno e Cristiano Mascaro
Fadel
(2013)



Fidelização e Captação de Investidores Institucionais
Scheila da Cruz
A Girafa
(2004)



Hotel e Motel: Sales, Marketing and Promotion
Joe Wolosz
Infinite Corridor
(1997)



La Maniere Detre Lecteur - Apprentissage et Renseignement de La
Jean Foucambert
Ocdl-sermap (paris)
(1976)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês