Concisão e sensibilidade | Digestivo Cultural

busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> POETICAS de um outro || BELIZARIO Galeria
>>> Livro ajuda crianças a compreender novas configurações familiares
>>> Sesc Pinheiros recebe Paulinho Moska em ‘Beleza e Medo’,
>>> Sesc 24 de Maio recebe o espetáculo O Pessoa nas Pessoas com Mônica Salmaso e mais artistas
>>> Evento literário em BH reúne João Anzanello Carrascoza, Nelson Cruz e Anna Cunha
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Não, não gosto de Harry Potter
>>> A pequena grande obra de Josefina Vicens
>>> PARÁBOLA
>>> Haydn: 200 anos da morte
>>> Paquetá: Ilha Ditosa e Florida
>>> Listen Again
>>> Microcontos ou micropoemas?
>>> Ainda a Flip
>>> 5 de Julho #digestivo10anos
>>> Se eu não te amar mais...
Mais Recentes
>>> Crime na Polícia de Georges Simenon pela Circulo do Livro (1987)
>>> Nada Fica sem Resposta de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2006)
>>> Enquanto o Amor Não Vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> O Grande Plano do Amor de T. L. Osborn pela Graça Editorial (2000)
>>> O Demonologista de Andrew Pyper pela Darkside (2015)
>>> Flores de Outono de Jésus Gonçalves e Francisco Cândido Xavier pela Lake (1984)
>>> Bênção de Paz de Francisco Cândido Xavier Espírito Emmanuel pela Sociedade Civil (1971)
>>> O Advogado de Deus de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1999)
>>> Hora da Pesquisa 3611 Pesquisas de Arnaldo Soveral Coord pela Bolsa Nacional do Livro (2002)
>>> Medicina Alternativa de a a Z de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2003)
>>> Oscar Niemeyer Folha De S. Paulo de Guilherme Wisnik pela Folha de S. Paulo (2012)
>>> Santa Maria da Escócia Protetora dos Pobres e Oprimidos de Newton Drummond pela Armazém de Ideias (1999)
>>> O Símbolo Perdido de Dan Brown pela Sextante (2009)
>>> Fortaleza digital de Dan Brown pela Sextante (2008)
>>> Outlander O Resgate no Mar Livro Três Parte II de Diana Gabaldon pela Arqueiro (2016)
>>> Memnoch As Crônicas Vampirescas de Anne Rice pela Rocco (1997)
>>> Existe um Modo Esplêndido de Viver de Seicho Taniguchi pela Seicho no Ie
>>> O Vale dos Girassóis de Sebastião de Lima pela Sebastião de Lima
>>> O Fantasma de Tio William de Rubens Francisco Lucchetti pela Ática
>>> Ah! Se Eu Soubesse - Volume III de Rose dos Anjos pela Reflexos
>>> Como Chegar no Sim - a Negociação de Acordos sem Concessões de Roger Fisher pela Imago
>>> Master Johnson- o Vinculo do Prazer de Robert J. Levin pela Circulo do Livro
>>> O Que é Sindicalismo - Coleção Primeiros Passos de Ricardo C. Antunes pela Brasiliense/ Abril Cultural
>>> A Viagem de uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento
>>> O Que é Homossexualidade - Coleção Primeiros Passos de Peter Fry e Edward Macrae pela Brasiliense/ Abril Cultural (1985)
BLOG >>> Posts

Terça-feira, 2/1/2007
Concisão e sensibilidade

+ de 2200 Acessos

Paulistana nascida em 1981, Elisa Andrade Buzzo estréia na poesia com o livro Se lá no sol (7Letras, 2005, 64 págs.), lançado pela do Rio de Janeiro. Curiosamente, o livro, da coleção Guizos, que já lançou também um pequeno catálogo de bons novos poetas, não sai por alguma das tantas editoras de São Paulo, atualmente o grande centro da literatura brasileira, ainda que pressionado pela produção do Rio Grande do Sul.

Elisa Buzzo apresenta ao leitor uma obra com 43 poemas em apenas um bloco. Embora caiba bem publicar a autora numa coleção inspirada na poeta portuguesa contemporânea Adília Lopes (a coleção tem o nome de Guizos porque este seria o nome de um dos gatos da poeta d'além mar), não é na dicção portuguesa que Se lá no sol mais se afilia. Elisa tem a leveza de quem leu os poetas marginais brasileiros dos anos 1970, relaciona-se com os temas da atualidade e brinca com certo instinto de mineiridade. Em "Cupido", tudo parece acontecer em Ouro Preto: "Anjinho mulato/ surrupiou/ meu coração barroco". E embora ela aponte para um eu poético anguloso e complicado, não é bem assim que se expressa. Muito pelo contrário, Elisa parece saltitar entre os versos com leveza e minimalismo. O coração barroco não se deixa migrar para a forma dos poemas, tão retos e suficientes.

O traço mais prazeroso da poesia de Elisa Andrade Buzzo pode ser, entre tantos outros, a concisão. Difícil, hoje, encontrar poetas que consigam fazer poema com pouco material lingüístico. Mais difícil é que isso aconteça de propósito, numa demonstração de domínio da ferramenta. A poesia, não raras vezes, tem sido verbosa ou mesmo apenas uma coleção de metáforas que pouco comunicam (às vezes nem mesmo entre si).

Uma certa nota musical cai bem, mas poesia "puro som" não convence o leitor que deseja, também, compreender. E a poesia de Elisa Buzzo, além de dar seus pinotes na linguagem ordinária (sem o quê não seria poesia), consegue dizer das coisas, consegue comunicar, algo que, imagino, pode facilitar até mesmo que ela seja falada em público. Tomara que públicos cada vez maiores.

Às vezes Elisa vem com versos auto-retratáveis, mas borrada de um ar de leveza, como em "Renascimento": "criei-me santa,/ mas sou perversa,/ galho de mil pontas". As pontas surgem na combinação de palavras e na flauta que parece ter sido regida por um "Cacaso": "quando meu amor/ tira os olhos de mim/ eu não enxergo". Se a autora não leu o poeta dos '70, é de fato uma coincidência deliciosa.

Em "Amor", Elisa Buzzo atormenta: "Frasco garrafal/ de perfume/ adoro/ tirar/ a tampa". Para o leitor que tira a tampa deste frasco cheio de poemas, fica a sensação de que não havia ali apenas cheiro, mas também uma brisa leve cheia de talentos já revelados no primeiro livro. Que Se lá no sol seja a primeira nota desta essência poética consistente.

Para ir além
Se lá no sol


Postado por Ana Elisa Ribeiro
Em 2/1/2007 à 00h33


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pondé por Paulo Lima de Julio Daio Borges
02. Os festivais de inverno de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Paratii Entre Dois Polos
Amyr Klink
Companhia das Letras
(2011)



123 Respostas Sobre Drogas
Içami Tiba
Scipione
(1997)



Retirada de Patrocinadora
Wladimir Novaes Martinez
LTr
(2007)



Cinquenta e um Tons de Sexo - Luxúria (lacrado)
Ada Gama
Tinta Negra
(2014)



Curso de Preparação para o Casamento
Pastoral Familiar
Vozes
(1979)



Candide ou L'optimisme
Voltaire
La Bibliothèque Française
(1947)



O Mandarim Coleção a Obra Prima de Cada Autor
Eça de Queiroz
Martin Claret
(2004)



Ortografia Teoria e Prática
Agnelo de Carvalho Pacheco e Maria Fernanda Soave
Atual
(1989)



Bechara para Concursos
Evanildo Bechara
Nova Fronteira
(2019)



Nunca Lhe Prometi um Jardim de Rosas
Hanna Green
Imago
(1993)





busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês