Mamãe Natureza | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Chico Buarque e o Leite derramado
>>> A favor do voto obrigatório
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 22/2/2007
Mamãe Natureza
+ de 99800 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Mamãe Natureza é boazinha, dizem. Bem, pelo menos me disseram isso, repetidas vezes. Tudo na Natureza tem um equilíbrio perfeito, também já ouvi muito.

Vi na TV uns gnus em pandemônio atravessando um rio. Crocodilos, com seus sorrisos compridos, puro sarcasmo, desciam do barro das margens e iam lá, morder as pernas dos gnus debaixo dágua. Eram milhares de gnus que tinham limpado a relva numa área de um quilômetro quadrado do lado de cá do rio e que agora iam rapar o outro lado.

Tinha umas zebras que ficaram sem capim e seguiram os gnus, levando no rastro uma família grande de hienas. As hienas balançam a cabeça de um modo sinistro e têm enormes dificuldades de relacionamento umas com as outras. Não querem atravessar a droga do rio mas vão até as margens porque sabem que ali tem umas leoas furiosas, escondidas atrás do mato raso. Estão contando com umas sobras.

A TV mostrou duas leoas lustrosas, espremidas atrás de uma moita, tensas e com os rabos dando chicotadas no ar, TPM em último grau. E o burro do gnu passa assim, na frente delas. A leoa pula de quatro em cima dele, o bicho leva um susto que o olho quase sai pra fora e caem os dois dentro da água, fazendo um escarcéu dos diabos, lama voando pra todo lado, e a outra leoa vem, franzindo a cara para não levar respingo no olho.

As hienas ficam na margem, botando olho grande, andando pra lá e pra cá, pra lá e pra cá, babando, fissuradas. Uma delas, mais retardadinha, não percebe que tá chegando perto de um crocodilo grotesco, camufladão no barro. Ele dá um pique em cima dela - um monstro de não sei quantos metros - e o bicho é rápido. A hiena escapa por pouco, com a adrenalina lá na tampa, o suficiente pra correr até os confins da África. O crocodilo tá agitado também, fecha a boca naquele sorriso esquisito e volta, rabeando, doidão, pra dentro do rio.

Lá na frente um hipopótamo obeso com um hipopotinho (sic) obesinho vai entrando na água e deixando aquela bagunça toda pra trás.

A câmera corta pra um urubu do tamanho dum ganso que vem voando, já baixo, e aterrisa com uns pulinhos igual gente que corre pra pegar o ônibus e o ônibus vai embora e o cara desiste da corrida e vai freiando sem graça.

O saldo dessa zona toda é: alguns gnus mortos ficando por ali e o resto já do outro lado do rio. Um ser humano, pelado, no meio de uma confusão dessas não duraria trinta segundos. Na verdade o ser humano, pelado ou não, não dura muito em nenhum lugar natural. Leva bicada, mordida e coice; da bactéria, do mosquito; pisa numa cobra, sai correndo e tromba no elefante. Também não dá mole pra nenhum animal. Mamãe Natureza sorri, maternal, com seus dentes de vampiro. O processo da vida é um negócio absolutamente psicopata.

- Ô, cadê o controle? Muda esse canal aí. Liga o ar condicionado, tá calor demais e me traz o uísque que o meu acabô. Ah, aproveita e me vê mais duas pedras de gelo.


Postado por Guga Schultze
Em 22/2/2007 às 23h01

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olavetes tomaram a cultura de Julio Daio Borges
02. Tom Waits - Hell Broke Luce de Vicente Escudero


Mais Guga Schultze no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/2/2007
01h05min
Ainda outro dia pensava na nossa obsessão coletiva por equilíbrio, como se tudo estivesse ponderado, projetado e definido. Pensei no céu, no inferno e tentei imaginar um meio termo e perguntei: Onde estamos? Imaginei em seguida o Demônio de Laplace e tudo que ele sabia; pensei na idéia sugestiva do destino inexorável. Como a sua talentosíssima narrativa brilha e brinca com o nosso temor ancestral que tudo faça sentido e que para cada ato falho ou omissão haja um juízo; o quanto esta culpa se dissemina em nós. O destino é o futuro, desconhecido e imponderável onde restará um juízo e um juiz inflexível, para justificar a fúria dos seus atos e o rigor das suas sentenças. Buscamos nos eventos mais desconexos a presença da razão divina ou a dimensão científica do acaso, via Teoria do Caos. Ciência, bela esfinge mais um dogma a nos subjugar e justificar. Nesta cosmogonia projetamos nosso ideal de salvação, das nossas culpas e cultivamos a nossa perdição. Tememos as leoas e as hienas também!
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
26/2/2007
13h14min
Não sei não. Não tenho inveja desses animais! A grande maioria vive em perigo constante, atenta a qualquer movimento, caça ou caçador, presa ou predador. O nível de estresse desses bichos é tremendamente mais alto do que qualquer executivo, do que qualquer bandido, do que qualquer vítima. Não falo só dos grandes mamíferos, refiro-me aos insetos, anfíbios, reptéis. Cruzes!!! A gente ainda tem um uísque pra tomar, de vez em quando, tem umas coisas boas pra se ler, e alguma boa música pra ouvir. (Lobo Mau??) Hêhêhê. Em tempo: Assisti ao filme, outro dia "A Sombra e Escuridão". Não sei por que motivo esse filme me atrai tanto. Aqueles leões são poderosos demais!!! Lindos demais!! Assassinos demais. E por que a gente sempre vê esses documentários sobre bichos, na Discovery, na NatGeo?? Eu, pelo menos, sempre vejo. E gosto. Somos doidos, brow, doidos, doidos... Bj. Saudade. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
27/2/2007
08h36min
Nível de estresse dos animais maior que o nosso? Quero me mudar para onde voce estiver vivendo... Ao menos até onde eu aprendi, os animais passam a maior parte de suas vidas operando instintivamente, o que significa que não passam pelo processo de contorção mental de "analisar fatos", "ficar decepcionado", "sofrer por antecipação", etecetra...
[Leia outros Comentários de Ram]
28/2/2007
00h19min
Bem, Ram, o estresse a que me referi é a própria luta pela sobrevivência, é o medo, a percepção do perigo, a busca pelo alimento. Como os humanos, os animais necessitam do estresse para viver, para alertá-los do perigo, entre outras coisas. Se fosse vc, Ram, assistiria a mais documentários sobre animais e olharia os vários significados da palavra estresse. Talvez, vc entendesse o meu comentário. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
28/2/2007
12h01min
Pesquisas recentes em psicologia/psiquiatria indicam que cachorros neuróticos "herdam" sua neurose dos donos, ao empatizar e serem confundidos pelos comportamentos daqueles que zelam pelo seu bem-estar... Portanto, "o estresse" ainda é uma dádiva do homo sapiens... Os estudos indicam ainda que a maioria dos animais na selva não sofre de neuroses ou "estresse" por ter que viver de acordo com seu instinto. Estresse surge de indecisão, qualidade inerente a nós, humanos... Mas seguirei a sugestão da leitora, e vou passar minhas tardes assistindo a programas sobre estresse do mundo animal... Quem sabe não escrevo um livro de auto-ajuda para cachorro?
[Leia outros Comentários de Ram]
28/2/2007
17h17min
Ótimo esse post, ri muito, mesmo. Mas, pô, cada um na sua selva e cada um na sua posição na cadeia alimentar. Não acredito que tem gente discutindo se o nível de stress do bicho-bicho é maior do que o do bicho-humano urbano! Eu juro, às vezes morro de vontade de, feito o crocodilo risonho, pular no hipopotão do meu chefe e no seu respectivo hipopotinho, o sub-chefe... Mas gosto muito do ar condicionado e do Johnny Red de que desfruto graças a eles e outros animaizinhos.
[Leia outros Comentários de Jose Bueno Franco]
28/2/2007
23h02min
Gostei do seu comentário, faz sentido. Mas às vezes a gente entra em umas histórias meio doidas e escreve umas coisas também doidas. Concordo com vc. Bicho é bicho! Humano é humano. Cada um em sua selva. Cada um com seu estresse. E assim caminha a bicharada e assim caminha a humanidade.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Historia Dos Estados Unidos: Das Origens Ao Seculo Xxi
Marcus Vinicius De Morais, Sean Purdy, Luis Estevam Fernandes, Leandro Karnal
Contexto
(2021)



The Road To Middle Earth
Tom Shippey
Harper Collins
(2012)



A Personalidade Através do Desenho
Dra Fernanda Barcellos
Do Autor
(1975)



Vozes do éden
R. M. Lamming
Bertrand Brasil
(2011)



Primeiros Acordes ao Violão - Método Prárico
Othon G. R. Filho
Irmãos Vitale
(2008)



Tratado de Direito -penal Parte Geral 1
Cezar Roberto Bitencourt
Saraiva
(2011)



Inteligência das emoções
Alírio De Cerqueira Filho
Plenitude
(2013)



La Armonia En El Color - Nuevas Tendencias
Bride M Whelan
Color Harmony
(1994)



Livro Literatura Estrangeira 10 Coisas Que nos Fizemos (E Provavelmente Não Deveriámos)
Sarah Mlynowski
Galera
(2013)



A arte da guerra
Sun Tzu
Ciranda cultural
(2019)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês