Intravenosa | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
>>> Aulas on-line percorrem os caminhos da produção editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os tataravôs da filosofia
>>> Sexo, drogas e rock’n’roll
>>> Dostoiévski era um observador da alma humana
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> Nélson e Otto #Clássico
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Escritor: uma ambição
>>> O Rei Roberto Carlos e a Ditadura
>>> Uma leitura jornalística
>>> A idéia que governa o mundo
Mais Recentes
>>> Como Ser Anjo de Vassilis Vassilikos pela Villa martha (1980)
>>> Kimi Wa Pet 5 de Yayoi Ogawa pela Kurokawa
>>> Terras de Sombras de J. M. Coetzee pela Best Seller (1997)
>>> Casé - o Jacaré Que Andava Em Pé de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (1994)
>>> A Morte Vem Buscar o Arcebispo de Willa Cather pela Cultrix (1968)
>>> Demônio do Bem de Henry de Montherlant pela Europa América (1977)
>>> Para Zoar Flamenguistas de Mário Brito Duke pela Leitura (2009)
>>> A Espetacular Viagem de D. Pedro II ao Paraná - Volume 5 de David Carneiro pela Gazeta do Povo (2003)
>>> Ana Z. Aonde Vai Você? de Marina Colasanti pela Atica (2007)
>>> O Leão e o Rato Em Quadrinhos de Editora Bicho Esperto pela Bicho Esperto (2015)
>>> The Art of Selling to the Affluent de Matt Oechsli pela Wiley (2005)
>>> Pode Beijar a Noiva de Patricia Cabot pela Planeta (2011)
>>> Pergunte ao Max de Max Gehringer pela Globo (2008)
>>> Boletim Técnico de Victoria Rossetti pela GOVSP (1997)
>>> O Clube dos Bacanas de Odette de Barros Mott pela Atual (1987)
>>> A Espetacular Viagem de D. Pedro II ao Paraná - Volume 4 de David Carneiro pela Gazeta do Povo (2003)
>>> Der Klang Der Zeit de Richard Powers pela Roman
>>> Garotas da Rua Beacon - Piores Inimigas/melhores Amigas de Annie Bryant pela Fundamento (2010)
>>> O Marido da Mamãe de Maria do Carmo Brandão pela Moderna (1990)
>>> Orange is the New Black de Piper Kerman pela Intrinseca (2014)
>>> O último Homem Bom de A. J. Kazinski pela Tordsilhas
>>> A Lebre e a Tartaruga Em Quadrinhos de Editora Bicho Esperto pela Bicho Esperto (2015)
>>> A Morte é um Dia Que Vale a Pena Viver de Ana Claudia Quintana Arantes pela Leya Casa da Palavra (2016)
>>> A Espetacular Viagem de D. Pedro II ao Paraná - Volume 3 de David Carneiro pela Gazeta do Povo (2003)
>>> Procedimentos Especiais de Marcus Gonçalves pela Saraiva (2007)
BLOG >>> Posts

Terça-feira, 13/3/2007
Intravenosa

+ de 2900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Eu queria escrever meu nome em algum lugar que tivesse muita visibilidade. Um outdoor no meio da Paulista, por exemplo. Ou um comercial da Globo em pleno horário nobre. Minha certidão de nascimento envolta por luzes coloridas e algum slogan ridículo embaixo. A fama. Eu queria a fama mais barata e fácil que alguém jamais ousou imaginar. Aquela que não custa esforço algum, que não requer qualquer movimento muscular brusco e que não tira o sono com algum tipo de culpa. A fama de uma dançarina de axé, por exemplo. A fama de quem balança as ancas. Mas eu não tenho ancas para balançar.

Então decidi escrever um conto qualquer, desses que marcam época. Uma história sobre o nada, com cavalos decapitados e pessoas alvoroçadas com a chegada das tropas russas. Desisti quando percebi que não faria o menor sentido para as massas. Talvez eu conseguisse algum sucesso póstumo, quando um maluco qualquer descobrisse que eu havia sido uma grande filósofa mal-compreendida. Mas assim não adianta. A fama só vale para quem tem sangue correndo nas veias, e não para um par de fêmures esquecidos num ossário. Desisti mais uma vez.

Sem saída, passei a usar drogas de todos os tipos: orégano, pó-de-mico, AAS infantil, perfume falsificado, longas tardes diante da TV, cola branca com pão francês e até mesmo intermináveis seções-pipoca assistindo filmes do Stallone. Nada adiantou. Minha última tentativa foi um galhinho de arruda atrás da orelha e três sementes de romã dentro da carteira. Por algum milagre sobrenatural, esta mistura natureba mostrou o caminho que eu tanto procurava: as palavras. Escrever seria minha dose de morfina, aquela que cura qualquer dor. Naquele momento já existia um vício irreversível incorporado à minha vida.

Com o tempo, no entanto, senti que precisava de mais, muito mais, e que minha produção caseira da droga já não bastava. Nos últimos três anos, muitas vezes meu cérebro saiu para comprar cigarros e voltou semanas mais tarde, sem dar qualquer satisfação. Quando isto aconteceu, tentei me virar sozinha com gotas vencidas de analgésico vagabundo. Minha sobrevivência foi minguando. Até o dia em que... Bem, eu não lembro direito como aconteceu, mas acho que passei a dar plantão em escolas e botecos, sempre segurando uma plaqueta com os dizeres "precisa-se de traficantes com ou sem prática". O resultado é que hoje somos um exército, uma horda, um bando de produtores viciados. E se você ainda não caiu nesta, duvido que resista por muito tempo.

Vanessa Marques, sobre os Morfinéticos, que eu descobri só hoje...


Postado por Julio Daio Borges
Em 13/3/2007 à 00h25


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre as novas pesquisas de Julio Daio Borges
02. Jobs lançando o iPod em 2001 de Julio Daio Borges
03. O Twitter do Diogo Mainardi de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/3/2007
13h35min
Tudo que a Vanessa diz das dançarinhas de axé que abundam por aí, em fama efêmera, também pensei, mas barbudo de baiana fica um pouco desusado para um piauiense criado desde um ano de idade no Rio Grande do Sul, tchê. Então, fiz terapias, lavei louça, as roupas em tanque. Cheguei ao doce devaneio da Confraria dos Blogs Não Lidos. Mesmo sem a Fama urgente, que talvez trouxese a reboque alguma Fortuna, persisto. Vou até publicar impresso algo mais alentado que já escrevi, a novela "O dia do descanso de Deus". Sei o que é dependência, nem consigo largar do teclado enquanto estou fumando.
[Leia outros Comentários de Adroaldo Bauer]
13/3/2007
12h51min
Realmente a escrita é uma das melhores terapias, uma forma de colocar pra fora os pensamentos apertados em nossas cabeças...
[Leia outros Comentários de Márcio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Caminho da Tranqüilidade
Dalai Lama Xi
Sextante
(2000)
R$ 5,00



Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo
Leandro Narloch
Leya
(2015)
R$ 13,00



Viver Ainda É a Melhor Saída
Jacob Melo
Mnêmio Túlio
(1999)
R$ 15,40



Essencial -um Guia Prático de Alimentação e Saúd Diabetes sem Segredos
Janice Florido
Nova Cultural
R$ 5,00



A Noite da Encruzilhada (Literatura Belga)
Maigret Simenon
Nova Fronteira
(1979)
R$ 10,00



Os Decanos. os Fundadores, Mestres e Pioneiros da Umbanda
Rubens saraceni
Madras
(2003)
R$ 100,00



Sierra Madre
Donald Dale Jackson e Peter Wood
Cidade Cultural Ltda
(1984)
R$ 8,00



Voltaire Historiador
Marcos Antônio Lopes
Papirus
(2001)
R$ 29,00



Exploda a Crise, Faça Sucesso
Lauro Trevisan
Da Mente
(1996)
R$ 10,00



Francisco de Assis
Giuseppino de Roma
Paulinas
(1996)
R$ 4,12





busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês