Os Jornais Acabam? IV | Digestivo Cultural

busca | avançada
59064 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
>>> Aulas on-line percorrem os caminhos da produção editorial
>>> Rapsódia capital de Mário de Andrade resgata a grandeza do modernismo nacional
>>> Livro: Os Festivais de Rock - Uma Vida Rock n Roll
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Erudição e humor na ficção de Ruy Castro
>>> Stay Hungry. Stay Foolish.
>>> 30 años de Apple
>>> Twitter: A Crítica Como Vocação
>>> John Lennon, o homem
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> I-ching-poemas de Bruna Piantino
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A busca
>>> Eu quero é rosetar
Mais Recentes
>>> Revista de História da Biblioteca Nacional Ano 8 Nº91 de Vários pela Sabin (2013)
>>> Bolos Decorados, volume 1,2 e 3 de Editora Três pela Três (2002)
>>> Psicologia Legislação de Conselho Federal de Psicologia pela Conselho Federal de Psicologia (1982)
>>> Boitempo & A Falta Que Ama de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1979)
>>> O Dom Supremo de Henry Drummond, adaptação de Paulo Freire pela Rocco (1994)
>>> Psicologia Educacional de Robert S. Ellis pela Nacional (1967)
>>> Jesus, A Dor e a Origem de Sua Autoridade Volume II de Paiva Netto pela Elevação (2016)
>>> Restaurante Chinês e Outras Histórias de Vários Autores pela Nova Prova (2002)
>>> Condição Física de José Antônio Pires Gonçalves pela Imprensa do Exército (1968)
>>> Taxitramas – Diário de um Taxista de Mauro Castro pela Sulina (2006)
>>> Comunicação Incomunicação no Brasil de Vários Autores pela Loyola (1976)
>>> Os Versos do Capitão de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (1997)
>>> Lira e Antilira - Mário, Drummond, Cabral de Luiz Costa Lima pela Civilização Brasileira (1968)
>>> A Arte de Educar de Flávio Gikovate pela Mg (2002)
>>> Recados da Lua (Coleção Amores Extremos) de Helena Jobim pela Record (2001)
>>> O Homem no Cotidiano - Alicerce do Paraíso 4 de Meishu-sama pela Immb (2007)
>>> Bíblia Sagrada de João Ferreira de Almeida pela Sociedade Bíblica do Brasil (1999)
>>> Bíblia Sagrada de João Ferreira de Almeida pela Sociedade Bíblica do Brasil (1999)
>>> Histologia de Leon O Weiss e Roy O Greep pela Guanabara Koogan (1981)
>>> Embriologia e Taxonomia das Malformações Cardiovasculares de José Hortencio de Medeiros Sobrinho pela Dante Pazzanese (1977)
>>> Crônicas 2 – Coleção Para Gostar de Ler de Vários Autores pela Ática (2011)
>>> A Usina Nuclear de Papai de Marc Laidlaw pela Nova Cultural (1989)
>>> A Virgem do Sol - os Quatros Cantos do Mundo - Tahuantinsuyo de Ana Cristina Vargas - José Antônio pela Boa Nova (2005)
>>> O rei artur e os cavaleiros da távola redonda de Thomas Malory pela Scipione (2002)
>>> A Morte do Clóvis & Outras Histórias do Teatro Gaúcho de Zé Victor Castiel pela L&PM (2001)
BLOG >>> Posts

Terça-feira, 24/7/2007
Os Jornais Acabam? IV

+ de 1500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O que é o tão falado jornal? Tradicionalmente, uma publicação em papel e diária, com conteúdo essencialmente jornalístico, produzido majoritariamente por jornalistas graduados, vendido por um preço baixo (mas inacessível para muitos) e sustentado por publicidade. Pois bem: desde o advento da comunicação de massa a periodicidade diária deixou de ser a regra. O "tempo real" atropela nossas coberturas, o que não significa que não possamos continuar nos organizando no ciclo diário. O conteúdo jornalístico há muito já não é especialidade dos "jornais" - além disso, jornalismo e entretenimento se misturam cada vez mais, independente do suporte. O monopólio dos jornalistas, que nunca foi benéfico para o interesse público, foi relativizado ainda mais pelas novas tecnologias e pelo crescente índice de alfabetização, especialmente em um país como o Brasil. Jornais pagos dão lugar aos gratuitos, ou quase isso, aproximando do texto escrito (ainda que em pequenas porções) um público acostumado apenas com imagens. Conseqüência: a circulação dos jornais em todo o mundo, inclusive no Brasil, cresce. Sustentados por publicidade cada vez mais. E o papel? Sinceramente, pouco me importa o papel. Espero ler matérias, reportagens, entrevistas, charges, artigos, crônicas e outros gêneros, em papel, monitor ou qualquer um dos inúmeros dispositivos que serão lançados nos próximos anos. O sagrado jornal, acredito, já nem existe mais. Pensando assim, terá vida longa...
Carlos d'Andréa
Belo Horizonte/MG


Creio que os jornais ainda terão uma sobrevida nas próximas décadas, posto que o hábito de leitura é secular e ainda temos um grande contingente de leitores e apreciadores do bom texto jornalístico e literário. Talvez a grande imprensa, por fazer parte da indústria cultural, se renda aos novos formatos e as novas mídias, mas a reflexão e o aprofundamento certamente têm tradição na imprensa escrita e por mais que queiramos nos render às novas tecnologias muitos leitores, como eu, se entusiasmam ao folhear um bom jornal, ao sentir o cheiro de tinta e o conforto de poder levar seu exemplar para qualquer lugar que seja. Não creio que os jornais acabarão tão cedo. E estou certo de que ainda estarei vivo e no final dos meus dias ainda vou ler as manchetes de jornal anunciando um novo mundo possível.
Osni Dias
Dourados/MS


O "Jornal de Papel e Tinta" sim, por razões econômicas. Um jornal tem duas fontes de receita: venda de exemplares (assinaturas e venda avulsa) e venda publicitária (publicidade e classificados). Classificados estão perdendo para os sites especializados, tipo Webmotors, Zap, etc. No site vão ser disponiblizadas matérias, anúncios, pod e videocast e será atualizado em tempo real. A receita da venda de exemplares não paga o custo marginal do exemplar (papel e tinta), sendo o jornal fortemente dependente da venda de publicidade para sobreviver. Ela não será suficiente, pois a internet e outros veículos, como revistas, competem pela mesma verba. Vão sobrar os jornais na internet, site + newsletter diária e, usando a tecnologia de e-print, vão ter as manchetes impressas, no escritório ou em casa, em 4 ou 6 páginas A4 ou letter, com chamadas para o site. A publicidade que vende vai estar nessas 4 páginas. Talvez uma edição impressa com poucas páginas, com um espaço destinado à publicidade maior e com chamadas para o site.
Francisco Camargo
São Paulo/SP


Para o jornalismo impresso, é visível que apenas uma remodelação de seus conceitos e técnicas trará os leitores e anunciantes de volta às suas páginas. Seu fim não está fadado enquanto houver a prerrogativa de mudança. É necessário a este meio a (re)convicção em aspectos tais como credibilidade, aprofundamento e imparcialidade e, sobretudo, é importante a esta mídia aprender uma lição com a irmã caçula no mundo midiático (a internet): há que se ter integração e interatividade dos leitores, seja através de reuniões de pautas nas quais estes participem, seja por meio de fóruns e canais abertos de discussão. Mas se este meio realmente quer se manter vivo para o leitor da próxima geração, uma coisa é fato: não há como prendê-lo somente com a coluna de cartas. E quem acreditar no contrário, este sim merece a morte de suas idéias.
Ana Júlia Muniz
Uberlândia/MG


Não considero que semelhante ocorra. O autor não considerou que historicamente as empresas passam por reformulações, assim como as instituições. O jornal como conhecemos percorre na atualidade ciclos de reciclagem com a chegada da era digital. Possuímos blogs jornalísticos de excelência, como muitos que devem ser desacreditados. A imprensa empresarial capitalista, como conhecemos, foi atingida em seu auge, surgindo, inclusive, a imprensa patrocinada e dirigida de distribuição gratuita na Europa, distribuída nos transportes públicos. Há algumas décadas estudei e publiquei ensaios sobre a dinâmica da imprensa nas comunidades interioranas do Brasil, como a região de Petrópolis. Até mesmo a publicação de livros foi acusada de estar em extinção! A sociedade possui hábitos cíclicos e condicionantes. Enquanto houver uma folha de papel, uma cópia a ser distribuída principalmente em comunidades, nunca se extinguirá a imprensa. Os panfletos foram o denominador político da imprensa revolucionária na França.
Oazinguito Ferreira da Silveira Filho
Petrópolis/RJ


[Feedbacks dos Leitores do Digestivo à Promoção]


Postado por Julio Daio Borges
Em 24/7/2007 à 00h08


Quem leu este, também leu esse(s):
01. The Doors Live at The Bowl 68 de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/7/2007
09h40min
O problema é que lendo jornal impresso a gente cai naquele "você leu isso no Estadão. Ah, mas eu li na Folha." Isso quem ainda tem sorte de morar em um cidade com dois jornais. Pela internet posso, por exemplo, acompanhar os acontecimentos no Oriente Médio lendo o Haaretz de Israel e o L'Orient - Le Jour do Líbano, sem saber línguas mais exóticas do que o inglês e o francês. Tenho um amigo botafoguense que só lê futebol internacional no Clarín de Buenos Aires, segundo ele a imprensa esportiva platina é tão superior à brasileira quanto o futebol brasileiro é superior ao platino. Papel é bom para ler o NYTimes no trem, ou A Economist no avião. Em S. Paulo, onde quem lê jornal não usa transporte coletivo, tem pouco futuro. Eu uso cada vez menos.
[Leia outros Comentários de F Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bem Sertanejo
Andre Piunti, Michel Telo
Planeta
(2015)
R$ 8,76



Pontos Essenciais da Tecnologia de Anticoncepção
Dr. Robert A. Hatcher e Outros
Centro de Programa
(2004)
R$ 5,00



Os Animais Têm Razão - 2ª Edição
Antonio Francisco
Imeph
(2010)
R$ 19,90



A Torre (torre de Vidro)
Richard Martin Stern
Círculo do Livro
(1976)
R$ 5,00



Atendimento a Desastres - Manual de Treinamento
Projeto Trauma
Projeto Trauma
(2000)
R$ 8,00



Viver Em Apostolado da Oração, Celebrando os 150 Anos do A. O.
Vários Autores
Editorial A O
(1995)
R$ 16,75



Vizinho o Pentelho Mora ao Lado
Castelo Antonio de Melo / Marcos Garuti
Nova Alexandria
(1999)
R$ 5,00



Leitura: práticas, impressos, letramentos -3ª ed.
Ana Maria de Oliveira Galvão & Antônio Augusto Gomes Batista (orgs.)
Autêntica
(2011)
R$ 18,90



Orgasmos Fatais
Fernanda Borges
Biblioteca 24 Horas
(2011)
R$ 19,00



O Mulato
Aluísio Azevedo
Klick
R$ 5,50





busca | avançada
59064 visitas/dia
2,3 milhões/mês