Bate-papo com Olivia Maia | Digestivo Cultural

busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
>>> Ribamar, de José Castello
>>> Whoopee
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Os Romances de Mainardi
Mais Recentes
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Guida Allo Studio Della Linguistica Storica (i) Profilo Storico... de Benvenuto Terracini pela EdizioneDell Ateneo/ Roma (1948)
>>> Curso de direito civil brasileiro 5 volume direito da família de Maria helena diniz pela Saraiva (2000)
>>> Escola, Estado e sociedade de Bárbara freitag pela Corte (1979)
>>> Las Lenguas y los Pueblos Indoeuropeos - Con Mapas En Colores de P. Kretschmer y B. Hrozný pela Madrid (1934)
>>> La Parola Quale Mezzo D Espressione de Vittorio Bertoldi pela Raffaele Pironte & Figli/ Ital (1946)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini...Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini: Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> O Abismal de Maria Helena Nóvoa pela Melhoramentos/ Bienal Nestlé (1986)
>>> Prática dos registros públicos de Ozeias J. Santos pela Fapi (2007)
>>> Fordlândia de Eduardo Sguiglia pela Iluminuras (1997)
>>> Não Verás Nenum País Como Este: Um Relato Cronlógico da Violência e do Arbítrio - A Censura, As Negociatas, a Corrupção Impune de Sebastião Pereira da Costa pela Record/ RJ. (1992)
>>> Novo Código civil explicado e aplicado ao processo 2 volumes de Wilson Gianulo pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Novo dicionário de economia de Organização; Paulo Sandroni pela Best Seller (1998)
>>> Um Velho Velhaco e Seu Neto Bundão de Lourenço Cazarré pela Atual/ Sp. (1993)
>>> A Vingança do Timão de Carlos Moraes pela Brasiliense/ SP (1982)
>>> Um Herege Vai ao Paraíso: Cosmologia de um Ex- Colono Condenado P/ Inquisição (1680-1744) de Plínio Freire Gomes pela Companhia das Letras/SP. (1997)
>>> Sociedade pós-capitalista de Peter Drucker pela Pioneira (1999)
>>> Um Chute na Rotina: os Quatro Papéis Essenciais do Processo Criativo de Roger Von Oech/ Ilustr. C. Scatamacchia pela Cultura Editores Associados (1998)
>>> Um Toc na Cuca: Técnicas para quem quer Ter Mais Criatividade na Vida de Roger Von Oech/ Ilustr. C. Scatamacchia pela Cultura Ed. Associados (1990)
>>> A filosofia na obra de Machado de Assis de Miguel Reale pela Pioneira (1982)
>>> La Rose du Peuple - La poésie de Carlos Drummond de Andrade de Dionysio Toledo- Wander Mello de Miranda- Celso Libânio (orgs.) pela Ufmg (2019)
>>> Cristianismo e Espiritismo de Léon Denis pela Feb (1994)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 1/8/2007
Bate-papo com Olivia Maia

+ de 8800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"(...)A Web pode existir sem o papel. Por isso, se tivesse que escolher só um, seria a internet. Pelo menos assim eu posso fazer barulho, ter o meu grupo de leitores. Antigamente os escritores se uniam e criavam revistas de vanguarda. Hoje em dia tudo parece muito mais distante porque as pessoas podem se conhecer e se comunicar mesmo estando muito longe. Parece contra-senso, mas faz muito sentido: porque as pessoas podem tudo isso por causa da Web. Tira a internet da mão dessas pessoas e elas vão estar completamente ilhadas(...)"

1. O que aconteceu (ou o que não aconteceu) com o seu livro que você ficou tão desiludida (com o mercado editorial)?
Eu diria que é uma sensação de "e agora?". O que acontece é que, afinal, por que ser publicado? Eu tenho um livro e quero mostrar ele pro mundo. Quero ver o meu livro na estante da livraria, e poder então dizer "olha, sou escritora". Quero saber que as pessoas estão lendo meu livro. E, por quê não, quero um pouco de atenção. Que a mídia olhe, fale do livro. Poxa, eu quero escrever literatura de entretenimento. Eu estou escrevendo uma coisa que é para a massa, não é para um público seleto de leitores especiais ou o que seja. Nunca pretendi virar best-seller, mas que ao menos quem gosta de literatura saiba do meu livro! Quero ler uma crítica no jornal, saber o que acharam. E, sem dúvida, que boa parte disso é uma vaidade. Mas afinal, o livro vai sair, foi escolhido por uma editora que está bancando seu livro todo do bolso dela. Você só vai precisar aparecer na noite de autógrafos e assinar umas cópias.

Acho que o processo todo me deixou um pouco cansada. O mercado editorial é lento, e não poderia ser de outro jeito. Falta livro? Que nada, há livros por todos os lados. Há uma porrada de revelações da literatura brasileira, inclusive sendo publicadas. É só olhar a quantidade de nomes desconhecidos na estante da livraria. Talvez essa gente esteja se sentindo como eu. Uau, consegui. E agora?

Afinal, o que eu quero com meus livros? Acho que me dei conta que disso tudo o mais importante são os leitores. Porque eu fico tão feliz quando um amigo para quem mando meus textos escreve um e-mail enorme sobre um livro que estou escrevendo e mandando para ele. Isso que é importante. Desumano está por aí. As pessoas reclamam que não encontram nas livrarias. Não faço a menor idéia de quantos exemplares foram vendidos, e, aparentemente, nem o meu editor. Será que estão lendo? Não sei. Sei que meus amigos leram, minha família leu, os amigos da minha mãe leram. Alguns leitores do meu blog, que nunca deram sinal de vida, devem ter lido também. Talvez, de certa forma, a atenção da mídia sirva para eu pelo menos ter a sensação de que o livro está sendo lido. É uma espécie de retorno. Eu preciso desse retorno, porque eu escrevo para esse retorno. Mas o livro saiu e é tudo um silêncio meio irritante. Se alguém que eu não conheço topou com meu livro na livraria ou viu a nota que saiu no jornal e comprou, eu não sei. Nem dá vontade de dizer que sou escritora. Talvez eu nem seja. Por que eu seria?

2. Publicar em papel não é a solução? (Um dia foi?)
O papel é importante. Se é por editora grande, por selo independente ou pelo próprio bolso, não importa. Mas o papel é importante porque é o meio para a leitura. Ler na tela do computador é desconfortável e cansativo, para os olhos e para os músculos. Eu nunca consegui ler um livro inteiro na tela do computador. E se não em papel... Onde?

O que não é a solução, para muita gente, é ir atrás de grandes editoras. Claro que se uma grande editora me ligasse agora dizendo "ei, quero publicar seu livro!" eu aceitava. Por quê não? Mas isso não acontece.

Eu já tive vontade de vender meus livros em PDF por um precinho simpático, mas sempre acabo desistindo. Quem lê PDF? Alguns devem ler, mas a maioria acha isso muito esquisito. Eu acho isso muito esquisito.

É preciso saber o que se quer (e a coisa começa a ficar toda muito existencial). Não é o papel que vai deixar alguém famoso e importante, mesmo que só no mundinho da literatura. Não é o papel que vai, necessariamente, fazer com que as pessoas leiam seu livro. Como você mesmo disse, o papel não vai resolver a vida de escritor nenhum. Mas o escritor, inevitavelmente, é um tanto quanto dependente do papel.

3. O que falta no mercado editorial brasileiro contemporâneo?
Eu diria que falta uma literatura mais rápida, mais descartável, um mercado mais ágil. E parece um pouco estúpido dizer isso, quando se pensa que existem editoras que publicam um livro por dia. Mas o livro sai e custa 30 reais e fica inerte na estante da livraria. Não existe público para um livro de 30 reais por dia. Não existe público para um livro por dia!

Isso deve frustrar o próprio mercado. Será que o mercado editorial está desiludido com os escritores brasileiros? Essa gente nova não dá dinheiro nenhum, e me pergunto se o meu livro vai conseguir se pagar.

Talvez sejam leitores de menos ou preço demais. Ou um pouco dos dois. E "aumentar o número de leitores" não é exatamente alguma coisa que a gente saiba como solucionar. Talvez se os livros fossem baratos de verdade. Um livro de 5 reais eu posso ler em dois dias para depois comprar outro.

Espaço no mercado editorial existe para qualquer um que seja persistente o suficiente e minimamente competente, com um tanto de sorte. Não falta espaço para o escritor iniciante no mercado editorial. Para a baixa quantidade de livros que a gente vende, capaz de estarem dando espaço demais! Não me parece que o problema esteja no mercado editorial. O problema é maior: é educação, é cultura, é a pouca importância que se dá para literatura num país como o Brasil. E são tão poucos os que vivem de seus livros que nem sei se dá para chamar "escritor" de profissão. O mercado editorial faz o que pode com esse público limitado que eles têm. E não dá para ter certeza se a culpa por esse público limitado é só da formação cultural da população ou se o próprio mercado editorial não tem também sua parte nela. Será que daria para abaixar os preços dos livros? Ou será que eles preferem não arriscar e continuar vendendo pouco, mas pelo menos mantendo a estabilidade que já têm?

4. E o que falta nos autores que surgem a partir da internet hoje?
Dos que conheço, boa parte está simplesmente dividida entre investir nessa história de continuar na internet ou ir atrás de editora. A internet é um bicho muito recente, e a gente acaba sem saber se é o caminho, se é o meio, se é a finalidade, se é o futuro, se literatura é blog ou se blog é literatura, se não é melhor deixar pra lá.

E acho ainda que nem entra nenhuma questão técnica de estilo e escrita. Se o cara tem seu blog e seus leitores, vá lá, ele que se entenda com eles. O que acontece é que muita gente cria um blog pensando que o blog vai trazer reconhecimento. E é curioso pensar assim porque é o mesmo que acontece com muita gente que quer publicar em papel por editora. O processo pelo qual os autores vão passar na internet é praticamente o mesmo que vão passar em uma editora, só que é mais rápido e mais direto. Se o que você faz interessa, vai ter seus leitores, mesmo que sejam só os seus amigos.

Então o que falta? Talvez um pouco de coragem. Muita gente olha torto quando ouve a palavra "blogueiro". Ninguém quer ser um blogueiro escritor. É feio! Já viu alguém se apresentar dizendo que "sou um blogueiro"? As pessoas dizem "tenho um blog", nunca dizem que são blogueiras. Aliás, pelo mesmo motivo que até hoje não consigo dizer que sou escritora. Digo que escrevo. Porque ser blogueiro não é profissão, não é atividade nem nada, é praticamente um hobby. E ser um, digamos, "filatelista escritor", pra citar um outro hobby, também não parece coisa nada atraente. E "blog" já é uma palavra horrorosa. Aí muitos autores estão todos segurando seus textos, pensando que é melhor mesmo publicar por fora e ser então um escritor blogueiro, que já é muito diferente! De certa forma foi o que eu fiz, mas veja só no que deu. Outros, ainda, ficam escondidos achando que ainda não são bons o suficiente. Imagino que se um editor de uma grande editora dissesse: "você é bom!", eles acreditariam. Mas isso provavelmente não vai acontecer. E será que a gente consegue se saber escritor, se o livro não tiver saído por uma editora? Será que a gente consegue se apresentar como escritor se tiver bancado a publicação do livro? Nem todos conseguem. Pode ser que fique aquela sensação de "só eu mesmo acredito em mim".

Tenho pelo menos dois amigos que conheci pelo blog, que têm blogs incríveis e escrevem contos sensacionais. Mas não publicam esses contos, ou porque acham que não estão prontos, ou porque acham que não são bons o suficiente, ou porque simplesmente o blog deles não é exatamente um blog de contos. E não é mesmo, mas essa literatura não precisa ser publicada como um post no blog. Até porque o post é um negócio que tem uma validade curta e cai no esquecimento em menos de uma semana. O blog é só uma porta de entrada para os leitores. Mas será que não dá para tomar coragem e fazer de outro jeito? Então fico pensando: gente, alguém precisa descobrir esses caras!

5. Ter um dos melhores blogs da internet brasileira ajudou o seu livro, ou atrapalhou?
Eu nunca me dei conta que tinha um dos melhores blogs da internet brasileira, para falar bem a verdade. Como eu estava dizendo: e o retorno? Oras, se alguém tivesse me avisado talvez eu tivesse usado isso a meu favor!

De qualquer forma, o blog ajuda bastante. Só poderia ter ajudado. Boa parte do pessoal que foi no lançamento do meu livro foi gente que conheci pela internet, e gente que ficou sabendo do lançamento e do livro pelo meu blog. Boa parte dos meus leitores são da internet, e boa parte das pessoas com quem eu converso sobre literatura e sobre escrever é gente que conheci pela internet, pelo blog. Alguns amigos escreveram sobre o meu livro em seus respectivos blogs, e isso pra mim é tão bom quanto falarem do seu livro em qualquer grande jornal.

O retorno que eu tenho do livro agora é só por causa do blog. As pessoas podem me achar por causa do blog. Estar na internet é importante, porque ficar ali na estante de uma livraria não vai servir de muita coisa para o meu livro. Se alguém procurar por "Olivia Maia" o Google aponta para o meu blog e diz: ali, ó. E então no meu blog eu tenho ali na barra lateral: esse é o meu livro, e você pode comprar ele pela internet. Já que é só mesmo na internet que as pessoas conseguem encontrar o livro.

6. Entre a Web e o papel - se você tivesse de escolher um dos dois -, com quem você ficaria? Por quê?
Ah! Mas eu quero os dois! Para mim não funciona o papel sem a Web. Se eu tivesse publicado Desumano e fosse contar só com a mídia e com alguns amigos mais próximos, estaria muito mais frustrada. É isso que acontece com muitos autores novos que conseguem publicar e então desaparecem. A Web pode existir sem o papel. Por isso, se tivesse que escolher só um, seria a internet. Pelo menos assim eu posso fazer barulho, ter o meu grupo de leitores. Antigamente os escritores se uniam e criavam revistas de vanguarda. Hoje em dia tudo parece muito mais distante porque as pessoas podem se conhecer e se comunicar mesmo estando muito longe. Parece contra-senso, mas faz muito sentido: porque as pessoas podem tudo isso por causa da Web. Tira a internet da mão dessas pessoas e elas vão estar completamente ilhadas. Para um escritor iniciante e desconhecido, sem a internet, acontece uma coisa parecida. Ele está ilhado com a sua literatura, esperando ser descoberto, mesmo que já tenha sido publicado. Essa é a escolha pelo papel, sem a Web. É depender demais de gente que sequer sabe quem é você. Gente que vive muito bem sem precisar saber quem é você.

7. Alguma coisa que você faria diferente (em relação à publicação do seu livro)?
Nada. Porque se fosse fazer qualquer coisa diferente ele provavelmente não estaria publicado. E eu não teria passado por tudo isso e estaria ainda ansiosa procurando alguém que topasse colocar meu livro no mundo. A publicação desse jeito foi importante até mesmo para eu me dar conta que talvez não seja esse o melhor caminho. Eu diria que foi bom enquanto durou, pena que durou tão pouco. Pena que não deu tão certo assim. É claro que olho o livro agora e acho que ele poderia ser melhor; essa é a sina de todo escritor que tem o livro publicado: putz, essa vírgula não devia estar aqui. Mas acredito em minha avó quando ela diz que uma hora a gente tem que dar o trabalho por acabado e parar de revisar, senão não vai parar nunca. Ela escreve roteiro e diz que é assim mesmo. E foi importante para mim dar um propósito para esse primeiro livro pronto; foi o primeiro livro que eu terminei e tive certeza que valia a pena ir atrás de publicação e divulgação. De certa forma, a publicação te força a dar o livro por terminado e seguir em frente para melhorar da próxima vez. O que aconteceu foi que me dei conta que talvez não fosse essa a melhor forma de publicação. Que talvez eu pudesse fazer diferente. E claro, é bom saber que, sim, fui aceita por uma editora grande, não sou a única que acredita no meu trabalho. Nesse sentido a publicação tem um ponto positivo, e serve para eu pensar: mas será que eu preciso mesmo de algum desconhecido importante acreditando no meu trabalho?

8. Um formato que misture o alcance da internet com a respeitabilidade do papel impresso poderia ser a solução?
É a solução. Aliás, uma ótima solução. Solução que parcamente está começando a existir no Brasil, mas ainda é um pouco, eu diria, tosca. Estou falando dessa coisa de impressão de livros on demand. Imprimir livro ainda é muito caro. E quanto menos livros você imprime, mais caro fica. Não podia ser assim. Bom seria se imprimir um livro fosse quase tão prático quanto distribuir um PDF. Mesmo as editoras que teoricamente fazem esse on demand te cobram um valor inicial para cobrir um monte de gastos. Seria um investimento que valeria a pena, se essas editoras estivessem um pouco mais integradas com essa gente que quer publicar. Por enquanto essas editoras só têm mesmo cara de solução para executivo. E escritor é um bicho estranho. Além de que escritor nem sempre tem 500 reais sobrando para investir no próprio livro, não importa o quanto ele acredite no seu talento. Ainda mais usar esses 500 reais em uma editora deslocada que você encontrou fazendo uma busca na internet.

9. O que você ainda espera do seu livro? (Ou já perdeu toda a esperança?)
Eu só espero que ele não vire uma pilha encalhada no galpão de estoque da editora e que depois eles piquem o papel para reciclar - coisa que muitas editoras fazem com encalhes - ou só para jogar no lixo mesmo. É um troço meio cruel. Mas não perdi esperanças de nada, porque, afinal, ele continua aí.

10. Fale de seus novos projetos literários (em papel, apesar de tudo; e na internet...).
Estou com outros 3 livros escritos e muito prontos. Um é uma história policial e os outros dois fazem parte de uma idéia para uma trilogia (não-policial). Um desses terminei recentemente e ainda vou reler um monte, mostrar para alguns amigos e mudar um monte de vírgulas. Não sei ainda o que fazer com eles, mas estou por enquanto tentando descobrir o que afinal eu quero com eles.

Agora estou escrevendo o primeiro livro de uma série policial que há muito estava enrolando para começar. Ao mesmo tempo, resolvi começar uma experiência com a publicação em um blog capítulo a capítulo de uma outra história policial. É uma espécie de romance policial folhetinesco. É uma experiência, mas até agora está sendo ótimo. O primeiro capítulo teve comentários legais e pelo menos os meus amigos estão interessados. Porque eu estava querendo o retorno. Depois de 3 livros prontos e silenciosos e parados eu estava precisando agitar alguma coisa, ter um feedback, lembrar para que eu estava escrevendo...

Para ir além
Livro e blog


Postado por Julio Daio Borges
Em 1/8/2007 às 17h22


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Para quem compara PSDB e PT... de Julio Daio Borges
02. O choro da torcedora de Julio Daio Borges
03. Brasil, Egito, Eike e Gay de Julio Daio Borges
04. A Empresa de Yuri Vieira
05. Quem me blogou? de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/8/2007
08h54min
Tudo bem, eu confesso que sou mais um desses "amigos", mas a opinião vale do mesmo jeito, né? Afinal, só aquele amigão sabe dizer: "Bom, essa parte tá chata pra caramba, eu sei que tu pode melhorar isso, pô!" Eu ainda não disse isso pra Olivia, porque não achei motivos, mas espera só ;) Como não faz mto tempo que conheci, ainda não li o livro da Olivia, mas como um bom amigo, claro que já tá na lista :) Eu não tenho lá muita - pra não dizer nenhuma - experiência no mercado editorial, mas acredito muito no potencial da internet. Hoje, quando você faz um blog, mantém uma boa rede de amigos e lógico, escreve bem, não é difícil você ganhar um certo reconhecimento e, quem sabe, até uma graninha. Você precisa, sim, ser paciente, ser criativo, ter os nervos no lugar pra não mandar aquele leitor chato pra PQP, ou num surto, mandar tudo pra PQP! Mas isso é detalhe ;)
[Leia outros Comentários de André]
2/8/2007
09h21min
Parece que o assunto "qual a melhor saída para iniciantes na literatura" é sem fim. Escritor não é profissão; escrever não é trabalho; pra publicar em papel, editores ditam as regras; num blog se tem toda liberdade e é possível se mostrar pra testar as próprias chances. Sem dúvida a internet dá espaço, modifica o olhar sobre "o escritor", mas este continua sendo o que é conhecido, aclamado, porque escritor é status, é uma posição que muitos querem preservar como algo especial, que só poucos conseguem fazer bem, a não ser os que precisam de um dinheiro a mais pra sobreviver, aí estes dizem ser possível aprender a fazer literatura, criam oficinas, mas se traem ao dizer que é preciso ter certas características para conseguir escrever algo que se destaque, mereça ser lido. Um problema de difícil solução? Nas ciências exatas a exceção serve para confirmar a regra, não para anulá-la, por isso torço pra que alguém influente um dia diga: escritor é profissão, cultura não é luxo, acreditem! Bjs
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
2/8/2007
10h11min
...e a entrevista da Olivia está simplesmente sensacional. Autora publicada, dando a cara a tapa? No meio de tantos novos escritores que "flipam" impregnados de ar blasé, é empolgante ver alguém que tem algo a dizer. A Olivia, falando da própria experiência, mostra todo um universo - um conflito dessa modernidade líquida onde "seres humanos com a capacidade da escrita" duelam com a figura canonizada do "Autor". ela questiona o status e o ego do Escritor - mesmo admitindo a vaidade. porque na web, tendo o contato dos leitores (os/quantos que forem), ela tem, em pequena escala, o retorno que gostaria de ter da sua literatura. por acreditar nela, na Literatura como um todo e por ousar desmistificar o que vem mudando a olhos vistos. revigorante! só aquela foto que tá meiga demais e não combina com ela. ;)
[Leia outros Comentários de tiagón]
2/8/2007
15h27min
Sabe, eu entrei uma vez no blog da Olivia (sem acento como ela prefere!), e estava muito paradão... Entrei outras vezes, e quase nada mudava. Mandei um e-mail perguntando qualquer coisa, ela respondeu muito sucintamente, mandei outro, nada de resposta... Agora leio esta entrevista e a Olivia, metafísica, não gostando disso e daquilo, reclama da vida. As coisas não foram para onde ela gostaria que tivessem ido, o mundo não deu as voltas que ela gostaria que tivesse dado, talvez fosse melhor do jeito que era mas do jeito que está talvez fique na mesma (?) ... O blog (voltei lá agora, de novo) está recheado, bombando. Muito melhor do que aquele que decidi excluir de minha lista de favoritos. Há alvissareiras notícias que livros novos estão no forno. Isso é muito positivo! É a parte que importa, Olivia. Acho que Olivia deveria deixar o bonde andar.
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ENGLISH WAY 17 8889
DIVERSOS
ABRIL
R$ 10,00



MARCEL PROUST PARA ALÉM DAS MADELEINES
MICHELLE JACOB
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



A ÁGUA E OS SERES VIVOS
MASSAO HARA
SCIPIONE
(1990)
R$ 19,90
+ frete grátis



AS MUTAÇÕES DO CINEMA NO TEMPO DO VÍDEO
MANUEL CARVALHEIRO
LIVROS HORIZONTE
(1989)
R$ 47,77



26 GRANDES MESTRES DA LITERATURA POLICIAL
ROSS PYNN
EDITORIAL IBIS
(1965)
R$ 60,00



SIPHILIS - MOLÉSTIA E TERMO - ATRAVÉS DA HISTÓRIA
AFRANIO DO AMARAL
INSTITUTO NACIONAL DO LIVRO
(1959)
R$ 39,00



EL MANIERISMO
ARNOLD HAUSER
EDICIONES GUADARRAMA
(1965)
R$ 13,30



ESTUDO AMBIENTAL DE UMA ÁREA DE MANGUEZAL NO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA(PA)
IVAN C. DA C. BARBOSA, REGINA C. S. MÜLLER UND JOSÉ F. BERRÊDO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



A GRANDE DESCOBERTA - NOVO TESTAMENTO VIVO
CEMEAR
CEMEAR
(1994)
R$ 5,00



A VERSÃO DE BARNEY
MORDECAI RICHLER
CIA DAS LETRAS
(2008)
R$ 12,00





busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês