Bate-papo com Olivia Maia | Digestivo Cultural

busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
>>> Residência Artística FAAP: espaço democrático onde os artistas de todo o mundo se encontram
>>> Última Terça Aberta do ano apresenta dois solos no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Paco e Raphael Rabello
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Mostra SP: EUA Contra Lennon
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
Mais Recentes
>>> A revolução cubana de Emir Sader pela Moderna (1985)
>>> O beijo da mulher aranha de Manuel Puig pela Codecri (1982)
>>> Elegias de Duíno de Rainer Maria Rilke pela Globo (1972)
>>> Coisas para o povo não fazer. Carnaval em Porto Alegre (1870-1915) de Alexandre Lazzari pela Unicamp (2001)
>>> O homem e a comunicação. O livro da escrita. de Ruth Rocha. Otávio Roth pela Melhoramentos (2004)
>>> Gestão em Educação. Estratégia, qualidade e recursos de Margaret Preedy, Ron Latter, Rosalind Levacic pela Artmed (2006)
>>> Desafios da educação municipal. de Donaldo Bello de Souza, Lia C. Macedo de Faria (orgs pela DP&A (2003)
>>> Assombrações de um padre regente. Diogo Antonio Feijó (1784-1843) de Magda Ricci pela Unicamp (2001)
>>> Pajens da casa imperial. Jurisconsultos, escravidão e lei de 1871 de Eduardo Spiller Pena pela Unicamp (2001)
>>> Em defesa da honra. Moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940) de Sueann Caulfield pela Unicamp (2000)
>>> As noites do Ginásio. Teatro e tensões culturais na corte (1832-1868) de Silvia Cristina Martins de Souza pela Unicamp (2002)
>>> Castas, Estamentos e Classes Sociais de Sedi Hirano pela Unicamp (2002)
>>> Dicionário Oxford de Filosofia de Simon Blackburn pela Jorge Zahar (1997)
>>> Conjugação dos Verbos Em Português de Maria Aparecida Ryan pela Ática (2012)
>>> Em Busca do Sonho, Vinte Anos de Aventuras da Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Record (2006)
>>> As Cidades do Brasil - Florianópolis de José Geraldo Couto e Caio Vilela pela PubliFolha (2006)
>>> Recursos Pesqueiros Estuarinos e Marinhos do Brasil de Melquíades Pinto Paiva (Coord.) pela Ufc (1997)
>>> La Nausée de Jean-Paul Sartre pela Le Livre de Poche (1966)
>>> A Fishkeeper's Guide to Marine Fishes de Dick Mills pela Salamander (1985)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Edibolso (1977)
>>> O Médico e o Monstro de Robert Luis Stevenson pela Bup (1963)
>>> Teoria e Prática em Aquarismo Marinho de W. Naccarato pela Direkta (1983)
>>> Cristo Minha Vida de Clarence J. Enzler pela Paulinas (1974)
>>> Princípios de Filosofia de René Descartes pela Guimarães (1984)
>>> Problemática de Estética e Estética Fenomenológica de Moritz Geiger pela Progresso (1958)
>>> O Papel da Violência na História de Friedrich Engels pela Poveira
>>> Le Nouveau Roman de Jean Ricardou pela Editions du Seuil (1973)
>>> Quints 1, 2, 3, 4, 5 - The Cleanup de Little Golden Book pela A Golden Book (1990)
>>> Winnie the Pooh and the Missing Bullhorn de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Mickey's Christmas Carol de Walt Disney Productions pela A Golden Book (1991)
>>> The Little Mermaid de Walt Disney Pictures pela A Golden Book (1991)
>>> Lady and the Tramp de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Geografia Interativa 8º Ano: A estrutura do Poder: América e África de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> História Interativa: 9º Ano: Integrada de Ubirajara F. Prestes Filho e Edson Xavier pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Geografia Interativa 9º Ano: Recursos Naturais, Europa, Ásia e Oceania de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Ensino Religioso: Conexão Essencial: 8ª Série - 9º Ano de Adolfo S. Suárez e Marcos De Benedicto e Rodrigo P. Silva pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> O caso Oppenheimer de Heimar Kipphardt pela Brasiliense (1966)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução - Edição especial de Carlos Marcelo pela Agir (2009)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução de Carlos Marcelo pela Agir (2013)
>>> A Fera de Macabu (A História e o Romance de Um Condenado à Morte) de Carlos Marchi pela Record (1998)
>>> Foklore fondano de Insegnante Dario Lo Sordo pela Associazione maestri Cattolici
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 1/8/2007
Bate-papo com Olivia Maia

+ de 8600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"(...)A Web pode existir sem o papel. Por isso, se tivesse que escolher só um, seria a internet. Pelo menos assim eu posso fazer barulho, ter o meu grupo de leitores. Antigamente os escritores se uniam e criavam revistas de vanguarda. Hoje em dia tudo parece muito mais distante porque as pessoas podem se conhecer e se comunicar mesmo estando muito longe. Parece contra-senso, mas faz muito sentido: porque as pessoas podem tudo isso por causa da Web. Tira a internet da mão dessas pessoas e elas vão estar completamente ilhadas(...)"

1. O que aconteceu (ou o que não aconteceu) com o seu livro que você ficou tão desiludida (com o mercado editorial)?
Eu diria que é uma sensação de "e agora?". O que acontece é que, afinal, por que ser publicado? Eu tenho um livro e quero mostrar ele pro mundo. Quero ver o meu livro na estante da livraria, e poder então dizer "olha, sou escritora". Quero saber que as pessoas estão lendo meu livro. E, por quê não, quero um pouco de atenção. Que a mídia olhe, fale do livro. Poxa, eu quero escrever literatura de entretenimento. Eu estou escrevendo uma coisa que é para a massa, não é para um público seleto de leitores especiais ou o que seja. Nunca pretendi virar best-seller, mas que ao menos quem gosta de literatura saiba do meu livro! Quero ler uma crítica no jornal, saber o que acharam. E, sem dúvida, que boa parte disso é uma vaidade. Mas afinal, o livro vai sair, foi escolhido por uma editora que está bancando seu livro todo do bolso dela. Você só vai precisar aparecer na noite de autógrafos e assinar umas cópias.

Acho que o processo todo me deixou um pouco cansada. O mercado editorial é lento, e não poderia ser de outro jeito. Falta livro? Que nada, há livros por todos os lados. Há uma porrada de revelações da literatura brasileira, inclusive sendo publicadas. É só olhar a quantidade de nomes desconhecidos na estante da livraria. Talvez essa gente esteja se sentindo como eu. Uau, consegui. E agora?

Afinal, o que eu quero com meus livros? Acho que me dei conta que disso tudo o mais importante são os leitores. Porque eu fico tão feliz quando um amigo para quem mando meus textos escreve um e-mail enorme sobre um livro que estou escrevendo e mandando para ele. Isso que é importante. Desumano está por aí. As pessoas reclamam que não encontram nas livrarias. Não faço a menor idéia de quantos exemplares foram vendidos, e, aparentemente, nem o meu editor. Será que estão lendo? Não sei. Sei que meus amigos leram, minha família leu, os amigos da minha mãe leram. Alguns leitores do meu blog, que nunca deram sinal de vida, devem ter lido também. Talvez, de certa forma, a atenção da mídia sirva para eu pelo menos ter a sensação de que o livro está sendo lido. É uma espécie de retorno. Eu preciso desse retorno, porque eu escrevo para esse retorno. Mas o livro saiu e é tudo um silêncio meio irritante. Se alguém que eu não conheço topou com meu livro na livraria ou viu a nota que saiu no jornal e comprou, eu não sei. Nem dá vontade de dizer que sou escritora. Talvez eu nem seja. Por que eu seria?

2. Publicar em papel não é a solução? (Um dia foi?)
O papel é importante. Se é por editora grande, por selo independente ou pelo próprio bolso, não importa. Mas o papel é importante porque é o meio para a leitura. Ler na tela do computador é desconfortável e cansativo, para os olhos e para os músculos. Eu nunca consegui ler um livro inteiro na tela do computador. E se não em papel... Onde?

O que não é a solução, para muita gente, é ir atrás de grandes editoras. Claro que se uma grande editora me ligasse agora dizendo "ei, quero publicar seu livro!" eu aceitava. Por quê não? Mas isso não acontece.

Eu já tive vontade de vender meus livros em PDF por um precinho simpático, mas sempre acabo desistindo. Quem lê PDF? Alguns devem ler, mas a maioria acha isso muito esquisito. Eu acho isso muito esquisito.

É preciso saber o que se quer (e a coisa começa a ficar toda muito existencial). Não é o papel que vai deixar alguém famoso e importante, mesmo que só no mundinho da literatura. Não é o papel que vai, necessariamente, fazer com que as pessoas leiam seu livro. Como você mesmo disse, o papel não vai resolver a vida de escritor nenhum. Mas o escritor, inevitavelmente, é um tanto quanto dependente do papel.

3. O que falta no mercado editorial brasileiro contemporâneo?
Eu diria que falta uma literatura mais rápida, mais descartável, um mercado mais ágil. E parece um pouco estúpido dizer isso, quando se pensa que existem editoras que publicam um livro por dia. Mas o livro sai e custa 30 reais e fica inerte na estante da livraria. Não existe público para um livro de 30 reais por dia. Não existe público para um livro por dia!

Isso deve frustrar o próprio mercado. Será que o mercado editorial está desiludido com os escritores brasileiros? Essa gente nova não dá dinheiro nenhum, e me pergunto se o meu livro vai conseguir se pagar.

Talvez sejam leitores de menos ou preço demais. Ou um pouco dos dois. E "aumentar o número de leitores" não é exatamente alguma coisa que a gente saiba como solucionar. Talvez se os livros fossem baratos de verdade. Um livro de 5 reais eu posso ler em dois dias para depois comprar outro.

Espaço no mercado editorial existe para qualquer um que seja persistente o suficiente e minimamente competente, com um tanto de sorte. Não falta espaço para o escritor iniciante no mercado editorial. Para a baixa quantidade de livros que a gente vende, capaz de estarem dando espaço demais! Não me parece que o problema esteja no mercado editorial. O problema é maior: é educação, é cultura, é a pouca importância que se dá para literatura num país como o Brasil. E são tão poucos os que vivem de seus livros que nem sei se dá para chamar "escritor" de profissão. O mercado editorial faz o que pode com esse público limitado que eles têm. E não dá para ter certeza se a culpa por esse público limitado é só da formação cultural da população ou se o próprio mercado editorial não tem também sua parte nela. Será que daria para abaixar os preços dos livros? Ou será que eles preferem não arriscar e continuar vendendo pouco, mas pelo menos mantendo a estabilidade que já têm?

4. E o que falta nos autores que surgem a partir da internet hoje?
Dos que conheço, boa parte está simplesmente dividida entre investir nessa história de continuar na internet ou ir atrás de editora. A internet é um bicho muito recente, e a gente acaba sem saber se é o caminho, se é o meio, se é a finalidade, se é o futuro, se literatura é blog ou se blog é literatura, se não é melhor deixar pra lá.

E acho ainda que nem entra nenhuma questão técnica de estilo e escrita. Se o cara tem seu blog e seus leitores, vá lá, ele que se entenda com eles. O que acontece é que muita gente cria um blog pensando que o blog vai trazer reconhecimento. E é curioso pensar assim porque é o mesmo que acontece com muita gente que quer publicar em papel por editora. O processo pelo qual os autores vão passar na internet é praticamente o mesmo que vão passar em uma editora, só que é mais rápido e mais direto. Se o que você faz interessa, vai ter seus leitores, mesmo que sejam só os seus amigos.

Então o que falta? Talvez um pouco de coragem. Muita gente olha torto quando ouve a palavra "blogueiro". Ninguém quer ser um blogueiro escritor. É feio! Já viu alguém se apresentar dizendo que "sou um blogueiro"? As pessoas dizem "tenho um blog", nunca dizem que são blogueiras. Aliás, pelo mesmo motivo que até hoje não consigo dizer que sou escritora. Digo que escrevo. Porque ser blogueiro não é profissão, não é atividade nem nada, é praticamente um hobby. E ser um, digamos, "filatelista escritor", pra citar um outro hobby, também não parece coisa nada atraente. E "blog" já é uma palavra horrorosa. Aí muitos autores estão todos segurando seus textos, pensando que é melhor mesmo publicar por fora e ser então um escritor blogueiro, que já é muito diferente! De certa forma foi o que eu fiz, mas veja só no que deu. Outros, ainda, ficam escondidos achando que ainda não são bons o suficiente. Imagino que se um editor de uma grande editora dissesse: "você é bom!", eles acreditariam. Mas isso provavelmente não vai acontecer. E será que a gente consegue se saber escritor, se o livro não tiver saído por uma editora? Será que a gente consegue se apresentar como escritor se tiver bancado a publicação do livro? Nem todos conseguem. Pode ser que fique aquela sensação de "só eu mesmo acredito em mim".

Tenho pelo menos dois amigos que conheci pelo blog, que têm blogs incríveis e escrevem contos sensacionais. Mas não publicam esses contos, ou porque acham que não estão prontos, ou porque acham que não são bons o suficiente, ou porque simplesmente o blog deles não é exatamente um blog de contos. E não é mesmo, mas essa literatura não precisa ser publicada como um post no blog. Até porque o post é um negócio que tem uma validade curta e cai no esquecimento em menos de uma semana. O blog é só uma porta de entrada para os leitores. Mas será que não dá para tomar coragem e fazer de outro jeito? Então fico pensando: gente, alguém precisa descobrir esses caras!

5. Ter um dos melhores blogs da internet brasileira ajudou o seu livro, ou atrapalhou?
Eu nunca me dei conta que tinha um dos melhores blogs da internet brasileira, para falar bem a verdade. Como eu estava dizendo: e o retorno? Oras, se alguém tivesse me avisado talvez eu tivesse usado isso a meu favor!

De qualquer forma, o blog ajuda bastante. Só poderia ter ajudado. Boa parte do pessoal que foi no lançamento do meu livro foi gente que conheci pela internet, e gente que ficou sabendo do lançamento e do livro pelo meu blog. Boa parte dos meus leitores são da internet, e boa parte das pessoas com quem eu converso sobre literatura e sobre escrever é gente que conheci pela internet, pelo blog. Alguns amigos escreveram sobre o meu livro em seus respectivos blogs, e isso pra mim é tão bom quanto falarem do seu livro em qualquer grande jornal.

O retorno que eu tenho do livro agora é só por causa do blog. As pessoas podem me achar por causa do blog. Estar na internet é importante, porque ficar ali na estante de uma livraria não vai servir de muita coisa para o meu livro. Se alguém procurar por "Olivia Maia" o Google aponta para o meu blog e diz: ali, ó. E então no meu blog eu tenho ali na barra lateral: esse é o meu livro, e você pode comprar ele pela internet. Já que é só mesmo na internet que as pessoas conseguem encontrar o livro.

6. Entre a Web e o papel - se você tivesse de escolher um dos dois -, com quem você ficaria? Por quê?
Ah! Mas eu quero os dois! Para mim não funciona o papel sem a Web. Se eu tivesse publicado Desumano e fosse contar só com a mídia e com alguns amigos mais próximos, estaria muito mais frustrada. É isso que acontece com muitos autores novos que conseguem publicar e então desaparecem. A Web pode existir sem o papel. Por isso, se tivesse que escolher só um, seria a internet. Pelo menos assim eu posso fazer barulho, ter o meu grupo de leitores. Antigamente os escritores se uniam e criavam revistas de vanguarda. Hoje em dia tudo parece muito mais distante porque as pessoas podem se conhecer e se comunicar mesmo estando muito longe. Parece contra-senso, mas faz muito sentido: porque as pessoas podem tudo isso por causa da Web. Tira a internet da mão dessas pessoas e elas vão estar completamente ilhadas. Para um escritor iniciante e desconhecido, sem a internet, acontece uma coisa parecida. Ele está ilhado com a sua literatura, esperando ser descoberto, mesmo que já tenha sido publicado. Essa é a escolha pelo papel, sem a Web. É depender demais de gente que sequer sabe quem é você. Gente que vive muito bem sem precisar saber quem é você.

7. Alguma coisa que você faria diferente (em relação à publicação do seu livro)?
Nada. Porque se fosse fazer qualquer coisa diferente ele provavelmente não estaria publicado. E eu não teria passado por tudo isso e estaria ainda ansiosa procurando alguém que topasse colocar meu livro no mundo. A publicação desse jeito foi importante até mesmo para eu me dar conta que talvez não seja esse o melhor caminho. Eu diria que foi bom enquanto durou, pena que durou tão pouco. Pena que não deu tão certo assim. É claro que olho o livro agora e acho que ele poderia ser melhor; essa é a sina de todo escritor que tem o livro publicado: putz, essa vírgula não devia estar aqui. Mas acredito em minha avó quando ela diz que uma hora a gente tem que dar o trabalho por acabado e parar de revisar, senão não vai parar nunca. Ela escreve roteiro e diz que é assim mesmo. E foi importante para mim dar um propósito para esse primeiro livro pronto; foi o primeiro livro que eu terminei e tive certeza que valia a pena ir atrás de publicação e divulgação. De certa forma, a publicação te força a dar o livro por terminado e seguir em frente para melhorar da próxima vez. O que aconteceu foi que me dei conta que talvez não fosse essa a melhor forma de publicação. Que talvez eu pudesse fazer diferente. E claro, é bom saber que, sim, fui aceita por uma editora grande, não sou a única que acredita no meu trabalho. Nesse sentido a publicação tem um ponto positivo, e serve para eu pensar: mas será que eu preciso mesmo de algum desconhecido importante acreditando no meu trabalho?

8. Um formato que misture o alcance da internet com a respeitabilidade do papel impresso poderia ser a solução?
É a solução. Aliás, uma ótima solução. Solução que parcamente está começando a existir no Brasil, mas ainda é um pouco, eu diria, tosca. Estou falando dessa coisa de impressão de livros on demand. Imprimir livro ainda é muito caro. E quanto menos livros você imprime, mais caro fica. Não podia ser assim. Bom seria se imprimir um livro fosse quase tão prático quanto distribuir um PDF. Mesmo as editoras que teoricamente fazem esse on demand te cobram um valor inicial para cobrir um monte de gastos. Seria um investimento que valeria a pena, se essas editoras estivessem um pouco mais integradas com essa gente que quer publicar. Por enquanto essas editoras só têm mesmo cara de solução para executivo. E escritor é um bicho estranho. Além de que escritor nem sempre tem 500 reais sobrando para investir no próprio livro, não importa o quanto ele acredite no seu talento. Ainda mais usar esses 500 reais em uma editora deslocada que você encontrou fazendo uma busca na internet.

9. O que você ainda espera do seu livro? (Ou já perdeu toda a esperança?)
Eu só espero que ele não vire uma pilha encalhada no galpão de estoque da editora e que depois eles piquem o papel para reciclar - coisa que muitas editoras fazem com encalhes - ou só para jogar no lixo mesmo. É um troço meio cruel. Mas não perdi esperanças de nada, porque, afinal, ele continua aí.

10. Fale de seus novos projetos literários (em papel, apesar de tudo; e na internet...).
Estou com outros 3 livros escritos e muito prontos. Um é uma história policial e os outros dois fazem parte de uma idéia para uma trilogia (não-policial). Um desses terminei recentemente e ainda vou reler um monte, mostrar para alguns amigos e mudar um monte de vírgulas. Não sei ainda o que fazer com eles, mas estou por enquanto tentando descobrir o que afinal eu quero com eles.

Agora estou escrevendo o primeiro livro de uma série policial que há muito estava enrolando para começar. Ao mesmo tempo, resolvi começar uma experiência com a publicação em um blog capítulo a capítulo de uma outra história policial. É uma espécie de romance policial folhetinesco. É uma experiência, mas até agora está sendo ótimo. O primeiro capítulo teve comentários legais e pelo menos os meus amigos estão interessados. Porque eu estava querendo o retorno. Depois de 3 livros prontos e silenciosos e parados eu estava precisando agitar alguma coisa, ter um feedback, lembrar para que eu estava escrevendo...

Para ir além
Livro e blog


Postado por Julio Daio Borges
Em 1/8/2007 às 17h22


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lobão no Roda Viva de Julio Daio Borges
02. Transcendentalismo de Ricardo de Mattos
03. 3 de Dezembro #digestivo10anos de Julio Daio Borges
04. 25 de Novembro #digestivo10anos de Julio Daio Borges
05. Jabor sobre o populismo atual de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/8/2007
08h54min
Tudo bem, eu confesso que sou mais um desses "amigos", mas a opinião vale do mesmo jeito, né? Afinal, só aquele amigão sabe dizer: "Bom, essa parte tá chata pra caramba, eu sei que tu pode melhorar isso, pô!" Eu ainda não disse isso pra Olivia, porque não achei motivos, mas espera só ;) Como não faz mto tempo que conheci, ainda não li o livro da Olivia, mas como um bom amigo, claro que já tá na lista :) Eu não tenho lá muita - pra não dizer nenhuma - experiência no mercado editorial, mas acredito muito no potencial da internet. Hoje, quando você faz um blog, mantém uma boa rede de amigos e lógico, escreve bem, não é difícil você ganhar um certo reconhecimento e, quem sabe, até uma graninha. Você precisa, sim, ser paciente, ser criativo, ter os nervos no lugar pra não mandar aquele leitor chato pra PQP, ou num surto, mandar tudo pra PQP! Mas isso é detalhe ;)
[Leia outros Comentários de André]
2/8/2007
09h21min
Parece que o assunto "qual a melhor saída para iniciantes na literatura" é sem fim. Escritor não é profissão; escrever não é trabalho; pra publicar em papel, editores ditam as regras; num blog se tem toda liberdade e é possível se mostrar pra testar as próprias chances. Sem dúvida a internet dá espaço, modifica o olhar sobre "o escritor", mas este continua sendo o que é conhecido, aclamado, porque escritor é status, é uma posição que muitos querem preservar como algo especial, que só poucos conseguem fazer bem, a não ser os que precisam de um dinheiro a mais pra sobreviver, aí estes dizem ser possível aprender a fazer literatura, criam oficinas, mas se traem ao dizer que é preciso ter certas características para conseguir escrever algo que se destaque, mereça ser lido. Um problema de difícil solução? Nas ciências exatas a exceção serve para confirmar a regra, não para anulá-la, por isso torço pra que alguém influente um dia diga: escritor é profissão, cultura não é luxo, acreditem! Bjs
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
2/8/2007
10h11min
...e a entrevista da Olivia está simplesmente sensacional. Autora publicada, dando a cara a tapa? No meio de tantos novos escritores que "flipam" impregnados de ar blasé, é empolgante ver alguém que tem algo a dizer. A Olivia, falando da própria experiência, mostra todo um universo - um conflito dessa modernidade líquida onde "seres humanos com a capacidade da escrita" duelam com a figura canonizada do "Autor". ela questiona o status e o ego do Escritor - mesmo admitindo a vaidade. porque na web, tendo o contato dos leitores (os/quantos que forem), ela tem, em pequena escala, o retorno que gostaria de ter da sua literatura. por acreditar nela, na Literatura como um todo e por ousar desmistificar o que vem mudando a olhos vistos. revigorante! só aquela foto que tá meiga demais e não combina com ela. ;)
[Leia outros Comentários de tiagón]
2/8/2007
15h27min
Sabe, eu entrei uma vez no blog da Olivia (sem acento como ela prefere!), e estava muito paradão... Entrei outras vezes, e quase nada mudava. Mandei um e-mail perguntando qualquer coisa, ela respondeu muito sucintamente, mandei outro, nada de resposta... Agora leio esta entrevista e a Olivia, metafísica, não gostando disso e daquilo, reclama da vida. As coisas não foram para onde ela gostaria que tivessem ido, o mundo não deu as voltas que ela gostaria que tivesse dado, talvez fosse melhor do jeito que era mas do jeito que está talvez fique na mesma (?) ... O blog (voltei lá agora, de novo) está recheado, bombando. Muito melhor do que aquele que decidi excluir de minha lista de favoritos. Há alvissareiras notícias que livros novos estão no forno. Isso é muito positivo! É a parte que importa, Olivia. Acho que Olivia deveria deixar o bonde andar.
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM CURUPIRA ATRAPALHADO
NEUZA LOZANO PERES
BEST BOOK
(2010)
R$ 22,00



VERSOS DE OUTRO TEMPO ...
J. MÉLO MACEDO
NÃO INFORMADA
(1946)
R$ 150,00



DESENHO DE PAISAGEM URBANA
PAULA DA CRUZ LANDIM
UNESP
(2004)
R$ 18,00



MAZE RUNNER 2 PROVA DE FOGO
JAMES DASHNER
PLATAFORMA 21
(2011)
R$ 43,00
+ frete grátis



CAUSOS RUSSOS (CAUSOS DE HUMOR) - MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (LITERATURA RUSSA)
MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (TRADUÇÃO: TATIANA BELINKY)
EDIÇÕES PAULINAS
(1988)
R$ 5,00



TEATRO DE GOLDONI (TEATRO ITALIANO)
CARLO GOLDONI
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1964)
R$ 30,00



VIAGEM PITORESCA E HISTÓRICA AO BRASIL VOL. 1
JEAN BAPTISTE DEBRET
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 39,90



KEYNOTE INTERMEDIATE STUDENTS BOOK - COM DVD
PAUL DUMMETT E OUTROS
CENGAGE
(2016)
R$ 127,90



ENCICLOPÉDIA DAS ARTES PLÁSTICAS EM TODOS OS TEMPOS - MUNDO ISLÂMICO
ERNST J. GRUBE
ENCYCLOPEDIA BRITÂNICA DO BRASIL LTDA
(1979)
R$ 25,00



A MORTALHA DE ALZIRA - ALUÍZIO AZEVEDO (LITERATURA BRASILEIRA)
ALUÍZIO AZEVEDO
F. BRIGUIET & CIA.
(1940)
R$ 15,00





busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês