Bate-papo com Lucas Murtinho | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 17/8/2007
Bate-papo com Lucas Murtinho

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Eu sou escritor como alguém que tem uma planta em casa é jardineiro. De vez em quando escrevo começos de coisas - contos, romances - e os abandono logo depois. Não faz muito tempo, essa minha mania de não terminar o que eu começava a escrever me deixava angustiado. Hoje relaxei, graças a um livro chamado On the Survival of Rats in the Slush Pile, de Michael Allen. O que ele diz é simples: mais do que talento, ter sucesso como escritor é questão de sorte. Não aposte suas fichas nesse jogo, nem se sinta fracassado se você não for um dos raros ganhadores. Escreva porque você gosta e não pela fama ou dinheiro que você acha que a literatura pode trazer. Era esse o meu erro, eu escrevia já pensando no discurso para a entrega do Nobel. Hoje, estou satisfeito em participar da cadeia literária como leitor e, em breve, crítico ou editor."

1. Você esperava todo esse sucesso da Copa de Literatura Brasileira?

Na verdade, espero mais. É legal ter gerado algum barulho com o anúncio da Copa e contar com o apoio das editoras, que nos mandaram exemplares dos livros concorrentes. Mas esse "pré-sucesso" precisa se confirmar quando a Copa for a público. Espero que os leitores compareçam, que as resenhas sejam comentadas, que os livros sejam discutidos...

2. Qual é a idéia por trás da Copa de Literatura Brasileira? (Explique o processo, dos grupos e cabeças-de-chave até a grande final...)

A CLB é inspirada no Tournament of Books, criado pela revista eletrônica americana Morning News em parceria com a livraria Powell's. Trata-se de um prêmio literário construído nos moldes de torneios esportivos, como as finais da Copa do Mundo ou da NBA: dezesseis livros se enfrentam em quinze "partidas", cada uma envolvendo dois livros: um é eliminado da competição, o outro avança para a próxima fase. Assim, a primeira fase tem dezesseis livros, a segunda oito e a terceira quatro. Na quarta fase - a grande final - todos os jurados votam e escolhem o campeão da Copa.

Esse é o processo. A idéia por trás dele é criar um prêmio literário transparente, em que o público saberá por que cada livro é eliminado ou segue na disputa. Os jurados têm muito poder, mas também, como aprendemos com o Homem-Aranha, a responsabilidade de justificar suas escolhas. E o público poderá discutir essas justificativas e dizer se concorda ou não com as decisões dos jurados.

Espero que uma conseqüência desse prêmio que não se leva muito a sério seja um questionamento dos prêmios que se levam a sério demais. Será que um grupo de oito ou dez pessoas, por mais cultas e bem preparadas que elas sejam, é capaz de decidir qual foi o melhor livro do ano? Será que é possível dizer, de forma objetiva e incontestável, que um livro é o "melhor" de um determinado período? Vendo como a Copa pode ser injusta e imprevisível, talvez as pessoas reflitam sobre a injustiça e a imprevisibilidade dos prêmios literários em geral. (Não custa, aliás, lembrar que o criador do Booker Prize disse uma vez que as pessoas gostam tanto daquele prêmio justamente por ele ser tão injusto.)

Mas essa é a justificação filosófica da Copa, que no fundo é apenas uma desculpa para ler e falar de livros.

3. Como você compôs o juri? De onde veio cada pessoa?

A primeira pessoa com quem falei sobre a Copa foi o Rafael Rodrigues, aliás, editor-assistente do Digestivo. Ele gostou da idéia, o que me deixou surpreso - então não é só uma maluquice da minha cabeça? - e me fez escrever a outras pessoas, como o Paulo Polzonoff e o Leandro Oliveira. Você mesmo, Julio, foi um dos primeiros a quem falei sobre a Copa. E fiquei mais e mais animado ao ver que mesmo quem recusava o convite para participar parecia gostar da idéia, ia além da recusa gentil e me dava boas sugestões. Ou seja, a cada resposta eu me sentia menos maluco. Hoje já estou me achando quase normal. Eu sempre pedia para as pessoas indicarem novos jurados, e de indicação em indicação cheguei aos quinze da Copa.

4. Você não pensa em realizar uma Copa onde haja, além da presenca da crítica, também a escolha da audiência?

Penso sim, e mais uma vez é no Tournament of Books que quero me inspirar. No ToB existe uma repescagem chamada "Zombie Round": os dois livros eliminados mais votados pelo público antes do começo do torneio recebem uma segunda chance e, como "zumbis", voltam do mundo dos mortos para disputar uma vaga na final. É uma forma divertida de incluir a audiência no processo do prêmio sem diminuir o poder - e a responsabilidade - dos jurados. Se a Copa der certo, pretendo criar uma "Rodada Zumbi" na sua próxima edição.

5. Que livros você esperava que já fossem entrar na seleção e que livros te surpreenderam na apuração dos resultados?

Entre as barbadas eu destacaria Mãos de cavalo, de Daniel Galera; O adiantado da hora, de Carlos Heitor Cony; Os vendilhões do templo, de Moacyr Scliar; e As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues. Entre as surpresas, Música perdida, de Luiz Antonio de Assis Brasil, e Corpo estranho, de Adriana Lunardi - livros dos quais, daqui da França, eu mal tinha ouvido falar. Mas fiquei ainda mais surpreso com dois livros que não entraram na lista final: A décima segunda noite, de Luis Fernando Verissimo, e Mastigando humanos, de Santiago Nazarian. Vai ver os jurados não gostam de animais.

Uma palavra, aliás, sobre o sistema de escolha dos livros concorrentes: fizemos uma pré-seleção com trinta e dois títulos e cada jurado votou nos dezesseis que na sua opinião deveriam participar do torneio. Dos quinze jurados, doze votaram, e o resultado me deixou satisfeito: uma lista que inclui a maior parte dos livros "que não poderiam faltar" ao mesmo tempo em que abre espaço para novidades e surpresas.

6. Acha que a literatura está ganhando mais espaço no Brasil, desde a Flip até os blogs?

Por um lado, sim. A Flip é uma ótima sacada - goste-se ou não do festival em si, é um prazer ver que durante quatro dias por ano a literatura se torna o centro das atenções no Brasil. E a Internet permite que quem gosta de ler e escrever discuta, civilizadamente ou não, com muitas outras pessoas que se interessam pelo mesmo assunto. São dois modestos avanços.

Por outro lado, o avanço importante é aumentar o número de leitores. E bibliotecas no metrô ou livros de bolso, embora iniciativas importantes e merecedoras de reconhecimento, não podem fazer tudo. O que falta no Brasil é educação. Mais gente educada quer dizer mais gente que lê, e quanto mais gente lê mais variadas são as leituras, o que leva a mais diversidade literária - e é da diversidade que surge a excelência. Precisamos de público, o resto é paliativo.

Algum tempo atrás, acho que durante a polêmica do projeto Amores Expressos, o "Prosa & Verso" dedicou uma edição às políticas públicas brasileiras de ajuda a autores e editores. Uma das matérias falava das políticas que existem aqui na França, e que são numerosas: ajuda-se o autor, o editor, o tradutor, as livrarias. Mas a grande diferença entre a França e o Brasil é que na França o ensino público elementar é de qualidade, e uma porcentagem muito maior de franceses do que de brasileiros vai à faculdade. É nisso que precisamos recuperar o atraso em relação aos países desenvolvidos, não em bolsas para escritores.

7. Você tambem é escritor? Tem um livro guardado na gaveta? O que pensa da crise do suporte papel?

Eu sou escritor como alguém que tem uma planta em casa é jardineiro. De vez em quando escrevo começos de coisas - contos, romances - e os abandono logo depois. Não faz muito tempo, essa minha mania de não terminar o que eu começava a escrever me deixava angustiado. Hoje relaxei, graças a um livro chamado On the Survival of Rats in the Slush Pile, de Michael Allen. É um livro curto que está disponível para download gratuito no site do autor. O que ele diz é simples: mais do que talento, ter sucesso como escritor é questão de sorte. Não aposte suas fichas nesse jogo, nem se sinta fracassado se você não for um dos raros ganhadores. Escreva porque você gosta e não pela fama ou dinheiro que você acha que a literatura pode trazer. Era esse o meu erro, eu escrevia já pensando no discurso para a entrega do Nobel. Hoje, estou satisfeito em participar da cadeia literária como leitor e, em breve, crítico ou editor.

A crise do suporte papel lembra aquela história, que não sei se é lenda urbana ou não, de que em chinês crise se escreve com dois caracteres, um representado o perigo e o outro a oportunidade. Acho que por enquanto leitores e escritores pensam em termos que funcionam melhor no papel: não se lê um romance na Internet, e ainda queremos ler e escrever romances. Mas talvez contos ganhem mais importância nesses tempos em que não temos tempo, ou surja um novo tipo de narrativa literária, impossível até agora mas perfeitamente adaptada à Internet. Falando assim, fica parecendo que eu concordo com o pessoal que de vez em quando resolve anunciar o fim do romance. Acho essa possibilidade distante mas curiosa, e não necessariamente ruim.

Para os editores, as mudanças podem ser pelo menos tão profundas e acontecer bem mais rápido. Torço muito pela impressão sob demanda e pela máquina do Jason Epstein, a Espresso Books, que fabrica um livro num punhado de minutos a partir de um arquivo de texto. Parece que ainda é meio caro e não funciona muito bem, mas quando essa tecnologia estiver mais avançada cada livraria de bairro poderá ter um catálogo tão grande quanto o da Amazon, e cada editor poderá se concentrar na procura de autores e no marketing dos livros sem se preocupar com distribuição, estoque, atrasos, retornos. Para quem quer trabalhar com edição, como eu, são possibilidades animadoras.

8. O que você faz aí na França, aliás? Com toda essa efervescência, não ficou com vontade de vir para o Brasil e montar um editora?

Acabei de terminar um mestrado em Edição na Sciences Po Paris, uma faculdade bem conceituada por aqui mas nada conhecida no Brasil, onde todo mundo ficava decepcionado porque eu não estava indo para a Sorbonne. Agora, estou procurando emprego e estagiando no departamento de educação da Hachette, na área financeira - antes de vir pra cá, estudei economia na PUC.

Durante o mestrado fiz outros dois estágios - na França, edição é um negócio movido a estagiários - que me ajudaram a entender melhor a realidade escondida e um pouco insana do setor editorial. Meu primeiro estágio foi no departamento de manuscritos não solicitados da Flammarion: cinco mil manuscritos são mandados para a editora a cada ano, e eu era um dos três estagiários responsáveis por fazer a primeira triagem. Na maior parte dos casos, bastava ler duas páginas para ver que o livro era impublicável. Hoje em dia, quando leio algum aspirante a autor reclamando de como é difícil ser publicado, concordo e completo mentalmente: ainda bem.

Sobre voltar ao Brasil, é uma possibilidade, embora talvez seja um pouco cedo para pensar em abrir uma editora. Mas por enquanto minha mulher e eu estamos tentando ficar por aqui mais um tempo. Depende, claro, da França querer que a gente fique...

9. Dos autores da internet de hoje, em quem você apostaria, em livro, para o futuro?

Eu gostei do Mulher de um homem só, do Alex Castro. É estranho que ele ainda não tenha sido publicado por uma editora. Talvez achem que quem já leu o livro de graça não vai comprar um exemplar de papel, mas acho que estão comendo mosca.

Mas o Alex já escreveu e publicou, ainda que a si próprio, então não pode ser uma aposta para o futuro. Sobre os outros, acho difícil dizer qualquer coisa, por causa da minha própria experiência: posso escrever um post de vez em quando, mas seria incapaz de escrever um romance ou um livro de contos. É preciso um fôlego, uma paciência e uma memória que eu não tenho, e acho que pouca gente tem. Mais: o que faz um bom blogueiro não faz um bom ficcionista, o texto que me atrai num blog não é o que eu gostaria de ler num romance. Como quase todo mundo que lê blogs no Brasil, adoro o que o Alexandre Soares Silva escreve, mas espero que o estilo dos romances que ele escreveu seja outro.

Tudo isso para dizer que não sei. Aguardo e observo, mas não me arrisco.

10. Se alguém quiser participar da Copa, ainda dá? Como?

A Copa deve começar em breve, e como todo bom site dessa era de Web 2.0 teremos um espaço para comentários. Para a Copa dar certo, é importante que esse espaço seja animado. Então, quem ainda quiser participar pode ler as resenhas - devemos começar a publicá-las no fim do mês - e, mais importante, discuti-las. Falar da Copa para amigos, em blogs e sites e comunidades virtuais, também ajuda muito.

Também estamos em busca de patrocinadores ou parceiros para a Copa. Quem tiver alguma sugestão nesse sentido, quem quiser participar da segunda edição da Copa ou ajudar a organizá-la, quem tiver alguma idéia que pareça bacana, quem quiser simplesmente dar um alô: [email protected].

Para ir além
Copa de Literatura Brasileira


Postado por Julio Daio Borges
Em 17/8/2007 às 16h17


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A São Paulo do 'Não Pode' de Julio Daio Borges
02. A história de cada livro de Julio Daio Borges
03. 16 de Agosto de Julio Daio Borges
04. Cassionei Niches Petry de Julio Daio Borges
05. Um ano na Provence de Ricardo de Mattos


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/8/2007
10h18min
nascida na internet, a copa deveria (ou poderia, vá lá) ter uma premiação para e-books. não acham?
[Leia outros Comentários de Biajoni]
18/8/2007
10h59min
Biajoni, os e-books não estão descartados da Copa. Um romance lançado em forma de e-book (como um tal de "Virgínia Berlim", por exemplo) pode até participar da próxima edição da CLB, se for escolhido pelos jurados... Abraços.
[Leia outros Comentários de Lucas Murtinho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lições de Direito Processual Civil 3 Volumes
Alexandre Freitas Camara
Atlas
(2014)



Guia de Walt Disney World & Orlando - Frommers
Frommers Em Portugues
Julio Louzada
(1998)



Casal e Família: Transmissão, Conflito e Violência - 1ª Edição
Terezinha Féres-carneiro ( Organizadora )
Casa do Psicólogo
(2013)



O Pastor
Frederick Forsyth
Record
(1975)



Meu Tio Lobisomem Historia Veridica
Manu Maltez
Peiropolis
(2011)



Ministério Público: Democracia e Ensino Jurídico - Autografado
Antônio Alberto Machado
Del Rey
(2000)



Gabi e o Tesouro do Oriente
Tiago de Melo Andrade
Melhoramentos
(2009)



A Cidade de Sao Paulo Volume I a Regiao de Sao Paulo
Aroldo de Azevedo
Cia Naconal
(1958)



O Fazendeiro Fred na Fazenda
Holland Publishing
Ciranda Cultural
(2011)



Música Em Surdina
Francis King
Record
(1987)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês