Trema, sentirei saudades | Digestivo Cultural

busca | avançada
74431 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Barenboim, Yo-Yo Ma & Perlman
>>> Colin Wilson (1931 - ...)
>>> Black Sabbath Biography
>>> Steve Jobs apresentando iBooks
>>> O webjornalismo agradece
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Tom Zé por Giron
>>> Seis anos de Digestivo
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
Mais Recentes
>>> In a different voice de Carol Gilligan pela Harvaard (1936)
>>> Les femmes juives de Renée David pela Perrin (1957)
>>> O maior anão do mundo de Ziraldo e Mauricio de Sousa pela Melhoramentos (2011)
>>> Do Roraima ao Orinoco- Vol 1 de Theodor Koch-Grunberg pela Unesp (2006)
>>> CBAP Master: Aprenda Análise de Negócios e conquiste de Marcelo Neves, CBAP pela Brasport (2017)
>>> The encyclopedia of tarot- Vol 2 de Stuart R. Kaplan pela U.S Games Systems (1985)
>>> O casarão verde: Paixão sem limites de Ricardo Ferrer pela Thesaurus (2007)
>>> Marketing de relacionamento de Gisela Demo- Valter Ponte pela Atlas (2008)
>>> Adobe indesign CS3 de Renato Nogueira Perez Avila pela Brasport (2015)
>>> Análise de sinais para engenheiros de Hélio Magalhães de Oliveira pela Brasport (2007)
>>> Sociologia: Teoria e estrutura de Robert K. Merton pela Mestre Jou (1968)
>>> Los sistemas políicos de los imperios de Eisenstadt pela Revisat de Occidente (1963)
>>> Educação ambiental: Nova Iguaçu de Vários autores pela Puc Rio (2012)
>>> Educação ambiental- Resende+ Visconde de Mauá de Vários autores pela Puc Rio (2011)
>>> Educação ambiental Duque de Caxias de Vários autores pela Puc Rio (2012)
>>> Box Morte de tinta de Cornelia Funke pela Cia das letras (2010)
>>> Exercise with pilates e yoga de Lynne Robinson, Howard Napper pela Barnes e noble (2002)
>>> Objectos Fractais de Benoît Mandelbrot pela Gradiva (1991)
>>> Along the Paraná and the Amazon de Frank G. Carpenter pela Doubleday, page e company (1925)
>>> Radamés Gnattali: O eterno experimentador de Valdinha Barbosa e Anne Marie Devos pela Funarte (1985)
>>> O choro de Alexandre Gonçalves Pinto pela Funarte (2009)
>>> Música e história no longo século XIX de Antonio Herculano, Martha Abreu, Martha Tupinambá, Monica Pimenta pela Fundação Casa Rui Barbosa (2011)
>>> Coleção conceitos da psicanálise: 18 vols de Vários autores pela Viver (2005)
>>> Essencialismo: A disciplinada busca por menos de Greg Mckeown pela Sextante (2015)
>>> Political parties and political development de Leonard Binder, Otto Kirchheimer, William N. pela LaPalombara (1999)
BLOG >>> Posts

Sábado, 1/11/2008
Trema, sentirei saudades

+ de 6200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O porquê de se mudar a ortografia de uma língua que já é difícil de aprender (segundo o senso comum), talvez tornando-a ainda mais complicada, está na intenção de padronizar a forma como se escreve o português nos oito países que o tem como idioma oficial.

Um dos resultados esperados é o maior intercâmbio de publicações entre os países, já que uma só ortografia facilita, por exemplo, o processo de edição. Não será necessário adaptar obras portuguesas para leitores do Brasil, ou o contrário. Entre outros possíveis ganhos, haveria uma maior aproximação entre as culturas lusófonas.

Os defensores da idéia têm ainda outros motivos na lista de benefícios, mas os argumentos dos opositores não ficam para trás em quantidade. Dentre os aspectos negativos está a percepção de que as mudanças são relativamente suaves ― ou seja, será que não poderíamos continuar bem como estamos? ― e a constatação de que algumas novas regras não estão muito claras, o que mantém, em vez de diminuir, os problemas com a ortografia da língua.

Por mais que você veja reportagens sobre o Acordo na mídia, dificilmente vai ter acesso a essas questões de fundo. Para entender um pouco mais, uma opção é o livro O novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa: o que muda, o que não muda (Editora Contexto, 2008, 96 páginas), de Maurício Silva. Por módicos R$ 19,90 (preço de venda no site da editora), você pode ter à mão as novas regras e saber que, a partir de sua vigência, a palavra "assembléia" não terá mais acento agudo na letra "e".

O portal iG também preparou um conteúdo especial sobre o Acordo, com a vantagem de ser gratuito e multimídia (mas com a desvantagem de você precisar fazer download das regras e ter que mudar de tela para consultar palavras, enquanto que o livro pode estar no seu colo enquanto você escreve). No texto do iG também é possível observar na prática a aplicação das mudanças, já que o portal adotou a nova forma desde 7 de setembro último. O especial do iG sobre o Acordo é muito bacana e vale a pena consultá-lo.

As mudanças começam agora, em 2009, e se tornam obrigatórias a partir de 2012. Imagino que, nesse período de transição, haverá um pouco de confusão. No caso de grandes produtores de texto, como jornais, revistas, portais, editoras, cada entidade irá definir um momento para iniciar a padronização. As agências de publicidade e assessoria de imprensa também já devem estar discutindo o fato. Afinal, a revisão vai passar a considerar as regras a partir de 1º de janeiro de 2009? Poderá haver algum estranhamento entre as pessoas do público-alvo que ainda não estão bem informadas sobre o "novo" português?

O Acordo simplifica a ortografia de muitas palavras e legitima formas mais simples e elegantes de escrever. Por exemplo, os meses do ano não precisam ter letra maiúscula no início. Eu nunca usei, mas já tive que argumentar que a forma com minúscula era mais simpática, menos pomposa. Agora, basta esfregar o Acordo na cara.

Outra mudança que me agradou bastante foi a simplificação das regras do hífen. Decorei apenas o necessário para passar no vestibular e depois fui assimilando o jeito certo por intuição, por bom senso ou pelo contato freqüente com as palavras através da leitura. Agora ficou bem mais fácil. Só vai hífen quando a primeira palavra termina com a mesma vogal com a qual começa a segunda palavra (contra-ataque); quando a segunda palavra começa com "h"(anti-higiênico); quando o final da primeira e o início da segunda são com a mesma consoante (inter-racial) e alguns outros casos específicos. Nos demais, as palavras se tornam uma só, como em "autoescola".

Mas não gostei das mudanças nos acentos. Palavras lindas como "vôo" ficarão "voo". Geléia vai perder seu acento agudo. E a pior de todas: não vai mais se usar o trema. Acho uma lástima. Aqueles dois pontinhos, já tão esquecidos e ignorados na escrita dos dias de hoje, serão para sempre eliminados. Vou aproveitando os últimos meses de 2008 para curtir bastante meus queridos tremas e assimilar com calma a dor dessa despedida.

Nota do Editor
Leia também o Especial "Reforma Ortográfica".


Postado por Adriana Baggio
Em 1/11/2008 à 00h11


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 6 de Julho #digestivo10anos de Julio Daio Borges
02. 6 de Abril #digestivo10anos de Julio Daio Borges
03. Inventor fala do Twitter de Julio Daio Borges
04. It's A New Day de Julio Daio Borges
05. Morar só: a melhor coisa de Julio Daio Borges


Mais Adriana Baggio no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/11/2008
10h36min
Eu acho que, embora bonitinho, o trema não serve para nada. Mesmo sabendo-me errado, nunca usei, a não ser em provas. Ele serviria para diferenciar o quê do quê? Alguém confundiria a pronúncia de linguiça, aguentar, tranquilo, consequência, aguerrido, querido? Não acho. Já as palavras duplas, com hífen no meio, acho-as muito mais bonitas do que sem o hífen. Uma pena. Ó que coisa feia: agronegócio. Assim também a eliminação dos acentos em epopéia, assembléia, enjôo. Parece que acinzentou tudo. Bom, a gente se acostuma com cada coisa, não será diferente com isso.
[Leia outros Comentários de José Bueno F. Neto]
5/11/2008
11h24min
O acordo ortográfico é um atalho para a mediocrização, uma espécie de pacto entre o mundo globalizado e suas conseqüentes perdas localizadas e a necessidade de que tudo venha mais simplificado, não de uma maneira simples, porém comodista e deselegante. Além do quê, sofrerá a prosódia com a retirada do trema e sofrerão e tremerão os professores para fazer com que os alunos separem o joio do trigo. Não precisava. Coisa de gente que não tinha o que fazer... Pena.
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Max Steel Dupla Em Ação - Livro de Colorir Com Atividades
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2016)



Notícias do Cristo - Diversos Espíritos
Ariston S. Teles
Livree
(1999)



Constituição da Republica Portuguesa
Ni
Almedina
(2004)



Este Beco Tem Saída
Irene Solano Vianna
Moderna
(1996)



Técnicas de Gerenciamento de Arquivos 2ª Edição - 1ª Reimpressão
Billy G. Claybrook
Campus
(1987)



Lappel Du Nord
H H Houben
Payot
(1936)



Receitas de Qualidade! Cozinha de Microondas
Vários
Edelbra
(1996)



O Incrível Roubo da Loteca - 11ª Edição
Stella Carr
Moderna
(1994)



Informações Históricas Sobre São Paulo no Século de Sua Fundação
Edith Porchat Rodrigues
Livraria Martins
(1956)



O Doce Amargo da Vida
Rogério Oliveira
Nova Fronteira
(1992)





busca | avançada
74431 visitas/dia
2,7 milhões/mês