Bate-papo com André de Leones | Digestivo Cultural

busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Lewis Wolpert explica como os organismos multicelulares se formam a partir de um simples óvulo
>>> Festival Aparecida Criativa surge para transformar a produção cultural de Sorocaba
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário celebra presença da literatura nas artes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A importância da virtude
>>> Deus ex machina
>>> Mulher-Flamingo
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Marchand da resistência
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> Cinema em 2002
>>> Ser intelectual dói
Mais Recentes
>>> Garota Pare de Mentir Pra Você Mesma de Rachel Hollis pela Sextante (2018)
>>> Mundo das Sombras 1 - Vampiro Secreto de L. J. Smith pela Record
>>> It a Coisa de Stephen King pela Suma de Letras (2017)
>>> Obras Completas de Antonio Machado - Manuel Machado pela Biblioteca Nueva (1984)
>>> Iniciação à Administração Financeira de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1990)
>>> Diário de Perséfone de Heloisa Seixas pela Record (1998)
>>> Iniciação à Administração de Materiais de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1991)
>>> Iniciação à Administração de Pessoal de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1990)
>>> Estrutura e Funcionamento da Educação Básica - Leituras de Varios pela Pioneira (1999)
>>> Câncer nos Cólons e no Reto de Pedro Henrique Saraiva Leão pela Ufc (1984)
>>> As Muitas Vistas de uma Rua - histórias e políticas de uma paisagem - Curitiba e a Rua Riachuelo de Aline Fonseca Iubel - Daiana Cordova - Fabiano Stolev pela Máquina de Escrever (2014)
>>> A condição humana de Hannah Arendt pela Forense Universitaria (1995)
>>> Mar de Histórias (Antologia do Conto Mundial 4º Volume) de Aurélio Buarque de Holanda e Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coleção Só Testes – Língua Portuguesa 1.000 Exercícios Questões Simuladas de Central dos Concursos pela Degrau cultural
>>> Língua Portuguesa Ensino Fundamental Unidade II Educação de Jovens e Adultos de Ceteb 2002 pela 0 (2002)
>>> Língua Portuguesa Ensino Fundamental Unidade I Educação de Jovens e Adultos de Ceteb pela 0 (2002)
>>> Mar de Histórias (Antologia do Conto Mundial - 2º Volume) de Aurélio Buarque de Holanda e Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1979)
>>> O Século do Cinema de Glauber Rocha pela Alhambra (1983)
>>> Na diagonal do campo de Carlos Simon pela Unisinos (2004)
>>> Guia e recursos didáticos: português 7 ensino fundamental de nove anos de Áurea Regina Kanashiro pela Moderna
>>> Conversas com quem gosta de ensinar de Rubem Alves pela Cortez (1987)
>>> 8º Ano – Ensino Fundamental : Grupo 6 – Teoria e Atividade de Sistema de Ensino COC pela Coc
>>> As formas do silêncio - no movimento dos sentidos de Eni Puccinelli orlandi pela Da Unicamp (1993)
>>> 8º Ano – Ensino Fundamental : Grupo 5 – Teoria e Atividade de Sistema de Ensino COC pela Coc
>>> A estrutura das revoluções científicas de Thomas S. Kuhn pela Perspectiva (1992)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 19/12/2008
Bate-papo com André de Leones

+ de 6900 Acessos

"Há uma idéia corrente de que não se pode elogiar ninguém publicamente, de que isso soa como 'troca de favores' ou coisa parecida. Eu elogio os autores de que gosto, de cujos livros eu gosto, mesmo que considere esses mesmos autores uns completos idiotas. Em outras palavras: muito embora eu me considere amigo de algumas das pessoas, quando cito seus nomes, estou me referindo aos seus livros e só. Elogio livros, não pessoas. A cretinice do meio literário brasileiro é tão acachapante que vive confundindo essas coisas..."

1. André: tendo sido criado em Silvânia, no interior de Goiás, e vivendo agora em Goiânia, o que você diria para os escritores brasileiros chorões que — para "acontecer" — acreditam que têm de vir ao eixo Rio-São Paulo?

Eu passo uns poucos dias por semana em Goiânia. A rigor, eu resido em Silvânia. Minhas correspondências vêm todas para cá. Eu voto aqui. O que eu diria aos chorões que querem se mudar para o eixo Rio-São Paulo a fim de que algo "aconteça"? Fiquem onde estão e parem de escrever.

2. Eu entendo que o Prêmio Sesc de Literatura — para o seu romance Hoje está um dia morto (Record, 2006) — foi um divisor de águas na sua carreira. Conte um pouco — até para os escrevinhadores de plantão — como chegou até lá e o que aconteceu depois.

Eu vivia e trabalhava (como professor de Química) em Silvânia. Escrevi esse romance a partir de um projeto fracassado de roteiro de cinema (eu fizera um curso de cinema anos antes). Entendi que aquele projeto de roteiro poderia render um bom romance e segui em frente. Quando terminei de escrevê-lo, um amigo chamado Aldair Aires (um escritor daqui de Goiás, infelizmente já falecido) me falou sobre o Prêmio SESC de Literatura, o qual eu sequer conhecia.

O Prêmio SESC é maravilhoso para autores inéditos na medida em que a premiação é o lançamento e distribuição do livro pela editora Record. Além disso, os autores vencedores fazem uma turnê de lançamento pelo Brasil. Venci o prêmio, tive o meu primeiro romance lançado por uma grande editora (chegou à 2ª edição) e a Record aceitou publicar o meu segundo livro, de contos, o recém-lançado Paz na terra entre os monstros. Em resumo, posso dizer que o Prêmio SESC me deu uma carreira. Mesmo em se tratando de Brasil, não creio que seja pouco.

3. A gente brincou, na noite do seu último lançamento, que tiraram sarro de você quando, escolhido pelo projeto Amores Expressos, veio parar logo em São Paulo... Gostou da experiência do blog (existencial)? E o livro, será que vê finalmente a luz do dia em 2009?

Eu fiquei um pouco chateado com isso de curtirem com a minha cara por ser o único autor com destino doméstico, mas depois pensei o óbvio: não é o destino que definirá a qualidade da obra. O romance que originalmente escrevi para o Amores Expressos, Como desaparecer completamente, é uma das melhores coisas que já fiz. Trabalhei nele feito louco e tenho muito orgulho dele.

Por outro lado, aconteceu uma coisa muito chata em relação à Companhia das Letras. A editora não teve transparência com os escritores. Dizendo claramente: a Companhia das Letras não agiu profissionalmente com os autores do projeto, na medida em que demorou mais de um ano (no meu caso, pelo menos) para dizer se publicaria o livro ou não (eles tinham, por contrato, o direito de não publicar alguns dos livros). E o que é pior: não recebi deles a notícia de que o meu livro não seria publicado. Aliás, eu jamais recebi sequer um telefonema ou e-mail de alguém da Companhia das Letras. É o oposto do tratamento que recebo da minha editora, a Record, que sempre fala comigo diretamente, sem rodeios e da maneira mais polida possível. Assim, Como desaparecer completamente deverá sair pela Record (ou não; quem sabe?) sem, obviamente, qualquer alusão ao projeto Amores Expressos. Tudo o que sei é: esse livro será publicado, ainda que em capítulos no meu blog.

4. Você também me contou dos inúmeros originais que te encaminham por e-mail — e, para o meu total espanto, você confessou que lê e ainda envia feedbacks (!). Tem mesmo esperança de encontrar uma pepita de ouro em meio a tanto cascalho?

Confesso não ter tido mais tempo para fazer esse trabalho. Atualmente, para ganhar a vida, encaro um monte de revisões e algumas palestras, bate-papos em feiras e bienais, coisas desse tipo. Mas, sim, quando eu lia o que me mandavam, tinha esperança de encontrar coisas boas. Aqui e ali, até encontrava, mas eram sempre textos que ainda precisavam ser trabalhados, lapidados. E eu, claro, dizia isso aos autores. Eles nem sempre gostavam (risos). Mas era só a minha opinião.

5. Em relação ao seu atual blog, você gosta de fabular no dia-a-dia e até criou situações embaraçosas para pessoas próximas. Eu tive a impressão, lendo seu Paz na terra entre os monstros, de que você literalmente vive no mundo da sua ficção. É isso mesmo?

Não sou tão maluco assim (risos). Tampouco me lembro de ter criado situações embaraçosas para pessoas próximas (se isso aconteceu, não me recordo ou não fiquei sabendo do embaraço alheio). Agora, acho bacana contar coisas que acontecem no meu cotidiano de um jeito diferente, fabulando, inventando, exagerando ou até mesmo "mentindo", isto é, ficcionalizando. Não diria que vivo no mundo da minha ficção, mas penso nela quase que o tempo todo. Eu sentimentalizo e, depois, racionalizo as coisas que acontecem comigo para que, se for o caso, possa transformá-las em ficção. Mas, sempre, o que mais me interessa nesse processo é pensar sobre a maneira por meio da qual construirei ou reconstruirei essas histórias, literariamente falando. A estrutura, o modo como as diversas partes de uma narrativa podem ser articuladas e, claro, o resultado disso tudo é o que há de mais instigante para mim enquanto escritor.

6. A gente falou em situações-limite, no Digestivo, e os Leitores se desdobraram em relatos fantásticos. Senti que, no seu caso, o sexo é uma experiência-limite, assim como as diferenças de idade, os relacionamentos que findam e a (óbvia) morte — a sua literatura se alimenta sempre de extremos assim?

Posso dizer que sim, mas algo está mudando. O romance Como desaparecer completamente se alimenta de todas essas coisas, também, mas busquei nele uma mudança de registro, um reconstruir-se que não existia antes e, arrisco a dizer, até mesmo algum otimismo. O desfecho dele é a coisa mais "feliz" que já escrevi, e afirmo isso sem ironia. Quero muito que as pessoas leiam esse livro, e logo.

7. Você escreveu, recentemente, o que chamou de um "ensaio", sobre os seus contemporâneos. A Geração 90, que ficou bastante queimada, hoje foge do rótulo, como o diabo da cruz — você se identifica com algum grupo, nem que seja esse, de "contemporâneos" mesmo?

Acho que foi mais uma diatribe o que escrevi no blog, e menos sobre os meus colegas escritores (embora cite alguns) e mais sobre a forma como, especialmente na blogosfera, impera uma boçalidade e uma agressividade enormes em relação aos autores contemporâneos. Adoro o blog do Sérgio Rodrigues, por exemplo, mas é incrível como ele é mal freqüentado, com aquelas caixas de comentários muitas vezes repletas de coisas torpes, raivosas, frustradas.

Também fiquei impressionado com o que, algumas vezes, fizeram da tal Copa de Literatura. A Copa é uma idéia bacana, mas foi, aqui e ali, quase que implodida por uma série de bate-bocas nem sempre produtivos, instigantes ou sequer inteligentes.

Curto alguns caras da Geração 90, como o Fernando Bonassi. Acho Subúrbio um livro muito bom. Não sei se Michel Laub se "enquadra" (não sei se alguém se "enquadra", aliás) nesse rótulo de "Geração 90", mas gosto de todos os livros dele. Música anterior foi um livro importante para mim na medida em que, quando do lançamento dele, eu engatinhava com os meus primeiros rascunhos e o Laub exibia uma simplicidade aparente, uma fuga de toda e qualquer obviedade ou apelação, um cuidado com a escrita que eu até hoje persigo.

Agora, eu não me identifico com ninguém, estilisticamente falando, mas aprecio muito as literaturas de Adriana Lisboa, Carola Saavedra, Flávio Izhaki, Wesley Peres, Lúcia Bettencourt, Luiz Ruffato, Maira Parula, Simone Campos, Marcelo Moutinho, Bruna Beber e muitos outros, só para ficar nos meus contemporâneos (e nos que lembrei agora, de imediato).

Há uma idéia corrente de que não se pode elogiar ninguém publicamente, de que isso soa como "troca de créditos" ou coisa parecida. Eu elogio os autores de que gosto, de cujos livros eu gosto, mesmo que considere esses mesmos autores uns completos idiotas. Em outras palavras, muito embora eu me considere amigo de algumas das pessoas citadas acima, quando cito seus nomes estou me referindo aos seus livros, e só. Elogio livros, não pessoas. A cretinice do meio literário brasileiro é tão acachapante que vive confundindo essas coisas.

8. E por falar, num certo sentido, em avaliações críticas, como sente a recepção à sua obra — é satisfatória, é o que você esperava, é surpreendente? Ou você não se importa tanto com esse tipo de coisa?

Eu me importo, e muito. Quem diz não ser afetado por críticas negativas é mentiroso. Agora, eu procuro separar: há as críticas negativas dignas, que foram escritas com cuidado e merecem ser lidas com atenção, e há críticas negativas que não passam de ataques rasteiros e muitas vezes pessoais. Ambas doem um bocado, é claro, mas eu procuro me ater ao "melhor dentro do pior". Se vou desenvolver um tumor por conta disso, não sei. Quanto à recepção aos meus livros como um todo, o primeiro recebeu críticas muito boas e uma ou duas negativas. Considero isso bastante satisfatório. Já o segundo acabou de ser lançado e, portanto, ainda é bastante cedo para avaliar.

9. O Daniel Galera falou, até numa entrevista aqui, que, no Brasil, faltam mais leitores, para "fazer a roda [do mercado editorial] rodar". Você tem alguma carência como escritor ou gostaria de fazer alguma sugestão nesse sentido?

O sistema educacional brasileiro está falido. O número de leitores de Dostoiévski, Pynchon e Montale não irá aumentar (irá diminuir) caso não haja uma revolução no ensino e caso toda essa porcariada de auto-ajuda utilizada por alguns professores em suas "didáticas" não seja extirpada das escolas. Conheço uma formanda em Letras que não conhece (nem "ouviu falar" de) Sebald, Joyce e Faulkner, mas "adora" (sic) Augusto Cury. Não, as coisas não vão melhorar.

Sugestões: eu promovo rodas de leituras e visito salas de aulas, falo sobre meus colegas contemporâneos, leio textos de Maira Parula, Wesley Peres, Bruna Beber, do próprio Galera, tento mostrar para eles que literatura não é só mais um troço chato que cai na joça do vestibular. Mas a maioria desses alunos com quem falo está "vencida", é apática.

A gente faz o que pode. Nós, escritores brasileiros contemporâneos com um pingo de decência, fazemos o que podemos. Inclusive, e sobretudo, continuando a escrever.

Para ir além
Blog de André de Leones


Postado por Julio Daio Borges
Em 19/12/2008 às 07h56


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Scarlatti by Leonardo Hilsdorf de Julio Daio Borges
02. Space Oddity de David Bowie de Yuri Vieira
03. Millôr no Digestivo de Julio Daio Borges
04. Twitter não é rede social de Julio Daio Borges
05. Conversa com Monteiro Lobato de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Questionário Básico de Trabalho de Campo Linguístico
Mônica Rector (org)
Fund Casa de Rui Barbosa
(1983)
R$ 15,28



Muito Além do Jardim Botânico
Carlos Eduardo Lins da Silva
Summus
(1985)
R$ 5,00



Operação Perfeito
Rachel Joyce
Suma de Letras
(2015)
R$ 8,00



Vergonha Dos Pés
Fernanda Young
Objetiva
(1996)
R$ 21,99



The Year Book of the Ear, Nose & Throat
John R. Lindsay
Year Book Medical
(1964)
R$ 9,80



Anjos, Homem e Pecado
Raimundo Ferreira de Oliveira
Escola de Educação Teológica
(2001)
R$ 10,00



Integração Suas/sinase - o Sistema Socioeducativo e a Lei 12. 594
Adilson Fernandes de Souza
Veras
(2012)
R$ 41,95



The Red Kite
Carol MacLennan
Oxford
(2004)
R$ 5,00



Fragmentos Sobre as Relações Nipo Brasileiras no Pós Guerra
Paulo Yokota Organização
Topbooks
(1997)
R$ 8,00



Florilégios Espirituais
Divaldo P. Franco
Instituo de Difusão Espírita
(1983)
R$ 10,00





busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês