Discurso de William Faulkner | Digestivo Cultural

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pronétaires, unissez-vous!
>>> O mapa da África
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
>>> Solidão Moderna
Mais Recentes
>>> Assumindo o Controle do Seu Tempo de Hbr pela Elsevier (2007)
>>> Feliz Ano Novo de Rubem Fonseca pela Companhia das Letras (1990)
>>> Ai de Ti, Copacabana de Rubem Braga pela Record
>>> O Poder da Esposa Que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (1998)
>>> Alexandre e Outros Heróis de Graciliano Ramos pela Record
>>> Nosso Lar de Chico Xavier pela Feb (1997)
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Maria, a Maior Educadora da História de Augusto Cury pela Planeta (2007)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupéry pela Harper Collins Br (2006)
>>> Ação e Reação de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> O Mestre dos Mestres Análise da Inteligência de Cristo Vol 1 de Augusto Cury pela Sextante (2006)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Mantenha Seu Cérebro Vivo de Lawrence C Katz pela Sextante (2000)
>>> Terminologia Em Enfermagem de Maria Aparecida Modesto dos Santos pela Martinari (2006)
>>> Oração de São Francisco de Leonardo Boff pela Sextante (1999)
>>> Dom Quixote - Série Reencontro de Miguel de Cervantes / José Angeli pela Scipione (1985)
>>> Orixás, Caboclos e Guias de Edir Macedo pela Unipro (2007)
>>> A Suspeita de Friedrich Durrenmatt pela Circulo do Livro
>>> O Quinze de Rachel de Queiroz pela Salamandra
>>> O Que Você Precisa Saber Sobre Maçonaria de Elias Mansur Neto pela Universo dos Livros
>>> Filha da Noite de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Rainha da Dança de Thalia Kalkipsakis pela Fundamento (2005)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
BLOG >>> Posts

Segunda-feira, 8/6/2009
Discurso de William Faulkner

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Eis o discurso feito por William Faulkner durante a recepção do Prêmio Nobel de Literatura, no dia 10 de Dezembro de 1950, em Estocolmo, Suécia. O texto foi revisado e corrigido posteriormente para publicação pelo próprio autor e pode ser lido logo abaixo. A traição tradução é minha.

Veja o original em inglês.

"Senhoras e senhores, sinto que este prêmio não foi concedido a mim enquanto homem, mas a meu trabalho ― o trabalho de uma vida na angústia e no sofrimento do espírito humano, não pela glória e menos ainda para obter lucro, mas para criar dos materiais do espírito humano algo que não existia antes. Assim, este prêmio está tão somente sob minha custódia. Não será difícil encontrar, para sua parte financeira, um destino condizente com o propósito e significado de sua origem. Mas eu gostaria de fazer o mesmo com esta aclamação também, utilizando este momento como o pináculo a partir do qual posso ser ouvido pelos jovens homens e mulheres já dedicados à mesma agonia e faina, entre os quais já está aquele que um dia estará aqui onde eu estou.

Nossa tragédia, hoje, é um geral e universal temor físico suportado há tanto tempo que podemos mesmo tocá-lo. Não há mais problemas do espírito. Há somente a questão: quando irão me explodir? Por causa disto, o jovem ou a jovem que hoje escreve tem esquecido os problemas do coração humano em conflito consigo mesmo, os quais por si só fazem a boa literatura, uma vez que apenas sobre isso vale a pena escrever, apenas isso vale a angústia e o sofrimento.

Ele, o jovem, deve aprendê-los novamente. Ele deve ensinar a si mesmo que o mais fundamental dentre todas as coisas é estar apreensivo; e, tendo ensinado isto a si mesmo, esquecê-lo para sempre, não deixando espaço em seu trabalho senão para as velhas verdades e truísmos do coração, as velhas verdades universais sem as quais qualquer história torna-se efêmera e condenada ― amor e honra e piedade e orgulho e compaixão e sacrifício. Antes que assim o faça, ele labora sob uma maldição. Ele escreve não sobre amor mas sobre luxúria, sobre derrotas em que ninguém perde nada de valor, sobre vitórias sem esperança e, o pior de tudo, sem piedade e compaixão. Sua atribulação não aflige ossos universais, não deixa cicatrizes. Ele escreve não a partir do coração, mas das glândulas.

Até que reaprenda estas coisas, ele irá escrever como se compartisse e observasse o fim do homem. Eu me recuso a aceitar o fim do homem. É bastante cômodo dizer que o homem é imortal simplesmente porque ele irá subsistir: que quando o último tilintar do destino tiver soado e se esvaecido da última rocha inútil suspensa estática no último vermelho e moribundo entardecer, que mesmo então haverá ainda mais um som: sua fraca e inexaurível voz, ainda a falar. Eu me recuso a aceitar isto. Creio que o homem não irá meramente perdurar: ele triunfará. Ele é imortal, não porque dentre as criaturas tem ele uma voz inexaurível, mas porque ele tem uma alma, um espírito capaz de compaixão e sacrifício e resistência. O dever do poeta, do escritor, é escrever sobre essas coisas. É seu privilégio ajudar o homem a resistir erguendo seu coração, recordando-o a coragem e honra e esperança e orgulho e compaixão e piedade e sacrifício que têm sido a glória do seu passado. A voz do poeta necessita ser não meramente o registro e testemunho do homem, ela pode ser uma das escoras, o pilar para ajudá-lo a subsistir e prevalecer."


Postado por Yuri Vieira
Em 8/6/2009 às 11h10


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Van Halen ao vivo em 2015 de Julio Daio Borges
02. Sucharita Kodali no Fórum 2020 de Julio Daio Borges
03. Reid Hoffman sobre Marketplaces de Julio Daio Borges
04. Víkingur Ólafsson toca Rameau de Julio Daio Borges
05. Márcio Appel da Adam Capital de Julio Daio Borges


Mais Yuri Vieira no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/3/2010
23h08min
Maravilhoso. Depois de ler o discurso do Faulkner, meu dia terminará melhor do que começou.
[Leia outros Comentários de Gustavo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Noite de Autógrafos
Reinaldo
Desiderata
(2010)



Muito além da loucura
Marcelo Simões
Geração
(2013)



Empreendedorismo Na Veia
Rogerio Chér
Elsevier
(2014)



Aos Quatro Ventos
Ana Maria Machado
Nova Fronteira
(1993)



Concreto Armado - Eu Te Amo - Vol. 2 - 4ª Edição
Manoel Henrique Campos Botelho & Osvaldemar M. ...
Blucher
(2015)



Complete Cae Students Book Without Answers With Cd Row
Guy Brook Hart and Simon Haines
Cambridge
(2012)



Poesia Visual - Vídeo Poesia - 1ª Edição
Ricardo Araújo
Perspectiva
(2012)



Onde a Religiao Termina?
Marcelo da Luz
Editares
(2011)



Manual de Ioga
Georg Feuerstein
Cultrix
(1975)



Imunizações Em Pediatria Serie Atualizações Pediatricas
Helena Keico Sato e Outros
Atheneu
(2013)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês