O blog do Luiz Schwarcz | Digestivo Cultural

busca | avançada
75675 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “A Maçã” estreia dia 7 de março no SESC Copacabana
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os EEUU e o golpe de 64
>>> Primeiro Concerto by Bernstein
>>> Os 25 anos do SBT
>>> Tiramisù!
>>> Blogueiros versus Jornalistas, o falso embate
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Sopro de haicai em Flauta de Vento
>>> Declínio e Queda do Império dos Comentários
>>> Benedict Evans sobre inteligência artificial
>>> Dê notícias! 9º Encontro BH
Mais Recentes
>>> Eu Mexi No Seu Queijo de Darrel Bristow-bovey pela Bertrand (2006)
>>> Ferramentas de Qualidade: Aplicações na atividade florestal de Celso Trindade; José Luiz Pereira Rezende; Laércio A. Gonçalves Jacovine; Maria Luiza Sartório pela Ufv (2007)
>>> Família De Alta Performance: Conceitos Contemporâneos Na Educação de Içami Tiba pela Integrare (2009)
>>> Sei Quem Tem Seu Queijo, Eu: Como Obter Sucesso Na Vida Pessoal E Profissional de Montgomery Lee pela Ciranda Cultural (2008)
>>> Segurança Pública: Histórico, realidade e desafios de César Alberto Souza; Marinson Luiz Albuquerque pela Intersaberes (2017)
>>> Controle interno e externo na administração pública de Ely Célia Corbari; Joel de Jesus Macedo pela Intersaberes (2012)
>>> A Cabeça De Steve Jobs: As Lições Do Líder Da Empresa Mais Revolucionaria Do Mundo de Leander Kahney pela Harpercollins Brasil (2008)
>>> Contabilidade em processo: da escrituração à controladoria de Neusa Higa; Stella Maris Lima Altoé pela Intersaberes (2015)
>>> A empresa inteligente: O sucesso é humano de Elyseu Mardegan Jr. pela Gente (1995)
>>> Valorização da Marca de Silvana Goulart Machado Rosa pela Sebrae (2004)
>>> Sua empresa é competitiva? Diagnóstico de competitividade para as pequenas empresas industriais de Roberto L. Ruas; Ivan A. Pinheiro pela Sebrae (1995)
>>> Negociando para o Sucesso de Henrique Sérgio Gutierrez da Costa pela Intersaberes (2013)
>>> Logística dos canais de distribuição de Caroline Brasil; Roberto Pansonatgo pela Intersaberes (2018)
>>> Supply Chain: uma visão gerencial de Luiz Fernando Rodrigues Campos pela Intersaberes (2012)
>>> iTrends: uma análise de tendências e mercados de Achiles Batista Ferreira Junior; Marielle Rieping pela Intersaberes (2014)
>>> A Alma Encantadora Das Ruas de João do Rio pela Companhia De Bolso (2008)
>>> Desenhando com o Lado Direito do Cérebro de Betty Edwards pela Nversos (2023)
>>> Administração Aplicada na Enfermagem de Themis Maria Dresch da Silveira Dovera/ João Paulo Zimmermann Silva pela Ab (2011)
>>> Conversa Franca Sobre Depressão ( Pocket ) de Joyce Meyer pela Da autora (2005)
>>> O Médico e o Monstro de R.L. Stevenson pela Ática (1998)
>>> Conversa Franca Sobre Depressão ( Pocket ) de Joyce Meyer pela Da autora (2020)
>>> Sherlock Holmes - O Vale do Medo de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Sherlock Holmes - Mais Aventuras de Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Se Eu Pudesse Viver Minha Vida Novamente... de Rubem Alves pela Verus (2004)
>>> Insustentavel Leveza Do Ser (ed De Bolso) - Linsou de Milan Kundera pela Companhia De Bolso (2024)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 16/6/2010
O blog do Luiz Schwarcz
+ de 6700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O endereço é histórico, rua Barão de Itapetininga, 93. O ano, 1982. Minha vida de editor já começara havia algum tempo, mas foi com a coleção Tudo é História que eu pela primeira vez ganhei autonomia editorial e liberdade de decisão. Não precisava aprovar previamente a escolha dos títulos e dos autores; podia ler sozinho os livros e, se quisesse, gritar da janela do último andar, para que todos ― do centro de São Paulo até o Brás, onde ficava a gráfica dos livros de bolso da editora Brasiliense ― ouvissem: IMPRIMA-SE!

Ao propor ao Caio Graco Prado uma coleção como a Primeiros Passos, só que voltada exclusivamente para livros de história, ouvi com surpresa: "Boa; só que essa você mesmo vai editar". Não era a primeira vez que o Caio me surpreendia. Alguns anos antes, depois que reportei a ele que não havia conseguido convencer nenhum crítico literário importante a organizar uma coletânea de contos de Lima Barreto, Caio mandou entregar, na minha sala, as obras completas do autor de Triste fim de Policarpo Quaresma, em capa dura e encadernação vermelha e preta, com um bilhete ao recém-promovido estagiário: "Luiz, divirta-se, faça a antologia você mesmo".

* * *

Em duas ocasiões eu aguardei, do lado de dentro da alfândega do aeroporto de Cumbica, a chegada de um escritor estrangeiro. O apoio do serviço cultural da embaixada americana às viagens dos autores convidados pela editora me conferia esse privilégio.

Na primeira vez, eu esperava por John Updike, que desembarcou de tênis e sobretudo longo, preparado para chuvas tropicais. Com um sorriso maroto, foi logo dizendo, "vocês não deveriam ter feito isso comigo, eu não estou acostumado com tratamento first class". Ele se referia ao upgrade de sua passagem que havíamos conseguido. Pouco depois, a reclamação, em tom de gozação, quase virou tragédia. No almoço, Updike passou mal, pediu para ir ao banheiro, de onde não saía. Fernando, meu sócio, era a favor de que fôssemos ao seu encalço. Eu fui contra. Ele estava certo. Lá, encontramos John Updike quase desfalecido, verde, dizendo "I said, first class!". Queríamos chamar um médico, mas Updike recusou, alegando que acabara de escrever sobre um ataque cardíaco, e por isso sabia que não estava tendo um. Levei-o ao hotel e pedi para que me permitisse aguardar no seu quarto. Updike saiu-se com mais uma frase de humor negro: "não, obrigado, estou melhor e, afinal, se acontecer algo comigo, a camareira saberá o que fazer".

* * *

Apesar do começo pouco alvissareiro ― com a fatídica pergunta sobre Camile Paglia ―, a primeira visita de Susan Sontag ao Brasil foi um sucesso. Em alguns momentos cheguei a temer que esse sucesso me custaria caro. Susan gostou tanto do Brasil que, no meio da estadia, disse que desejaria se mudar para São Paulo, assim como fizera com Tóquio e Berlim, e mais tarde faria com Sarajevo ― cidades pelas quais se apaixonara e nas quais decidira morar por pelo menos seis meses.

No aeroporto, a minha apresentação como o editor de Paglia no Brasil ainda vibrava silenciosamente no ar, e com ela a expressão frustrada de Susan. Abri os braços, sorrindo acanhado, com os olhos baixos. Susan entendeu que eu pedia desculpas. Emendei com um "sorry" e continuei: "escolhi alguns dos meus CDs favoritos para ouvirmos no carro, Chico, Caetano, Tom Jobim, ou, se você preferir, Beethoven e Bach?". Nesse momento as pesadas malas de Susan chegaram. Enquanto as colocava no carrinho, ela me perguntava ansiosa sobre qual Beethoven eu trouxera para ouvir. "O concerto de piano número 3 é o que tenho no carro, com Arthuro Benedetti Michelangeli." Bingo! Camille Paglia virou passado e Susan sorriu com franqueza. Nossos gostos musicais combinavam, o que para ela era mais que um sinal dos deuses ― Susan era uma colecionadora de discos ainda mais obsessiva do que eu. Descobrimos que ambos vivíamos atrás da gravação perfeita das mesmas peças musicais, uma prova de comportamento patologicamente perfeccionista dos dois.

No caminho para o carro fui bombardeado com perguntas sobre as minha gravações favoritas da última sonata de Schubert, ou das Variações Goldberg de Bach. Satisfeita com minhas respostas, Susan pediu que a levasse, logo depois do check in no hotel, para a melhor loja de CDs de São Paulo, e, no almoço, logo a seguir brindou, com algumas caipirinhas, às nossas coincidências musicais. Na loja, a Musical Box da praça Villaboim, poucas horas depois de me conhecer, Susan já me presenteava com uma versão que achava curiosa da tal sonata de Schubert e com uma caixa da ópera Vec Makropulos de Janacék, sobre uma mulher de mais de trezentos anos de idade, em busca do elixir para prolongar sua vida por outro tanto. (Não era difícil entender o fascínio que essa ópera exercia sobre nossa autora). Susan transbordava energia, estava sempre à frente de seu tempo, ouvindo óperas pouco encenadas, lendo livros que ninguém lia em seu país. Foi ela quem me apresentou às obras de Sebald e Bolaño, muito antes da Bolañomania.

Trechos de Luiz Schwarcz, editor da Companhia das Letras, no novíssimo Blog da Companhia.


Postado por Julio Daio Borges
Em 16/6/2010 à 00h37

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inteligência artificial e o fim da programação de Julio Daio Borges
02. 55 anos do Led Zeppelin de Julio Daio Borges
03. Stock Pickers ao vivo na Expert 2020 de Julio Daio Borges
04. O autoritarismo de Bolsonaro avança de Julio Daio Borges
05. Chilli Beans, IBM e Falconi de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/6/2010
20h35min
Estava na plateia do auditório do Masp quando Sontag veio ao Brasil para lançar "O Amante do Vulcão". Fiz-lhe, então, por escrito, conforme o combinado pelo próprio Schwarcz - seu editor no Brasil -, uma pergunta sobre a literatura de Clarice Lispecotor. Ela respondeu de modo seguro que não gostava da literatura de Lispector, pois não se interessava por escritores cujos escritos se assemelhavam a depoimentos subjetivos de si mesmos. Sontag poderia ter dito que não conhecia a brasileira, mas revelou conhecê-la e, mais do que isso, tê-la lido. Hoje fica a forte impressão de que suas leituras de Lispector (indicadas pela sua ex-companheira Irene Fornés) foram de livros como "Água Viva" ou "Um sopro de vida", que na época faziam sucesso junto à crítica feminista. E que que Sontag não teve oportunidade de ler os melhores livros de Lispector. De todo modo, foi uma noite memorável, Sontag toda de preto a ler trechos do seu então recém-lançado no Brasil romance, que ela não admitia ser um romance histórico.
[Leia outros Comentários de Carlos Shimote]
23/6/2010
15h16min
No mundo em que impera a desarticulação de valores individuais e a quase completa massificação do processo cultural, os seres pensantes são como peixes que nadam ao contrário da correnteza, mas também são os líderes de cardumes, capazes de sobreviver ao estio, e movem-se com tamanho sentimento que chegam a provocar a inversão no curso de um rio. Todavia, enquanto ser pensante, o artista deve ter o cuidado de não impor à sua arte a qualidade de única arte essencial, de não bulir no seu exagero, de não criar códigos particulares de mensagens que tornem o seu produto uma arte quase irreconhecível. Isso torna necessário que o artista tenha à mão um porta-voz, alguém que o conecte aos receptores, com o delicado ofício de saber selecionar quem deve ser mensagem, e a quem deve ser dirigida. Nesse quesito, ninguém no mundo supera o Schwarcz.
[Leia outros Comentários de ROBERTO ESCRITOR]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Clarice Na Cabeceira
Clarice Lispector
Rocco
(2012)



Para Conhecer Chica da Silva
Keila Grinberg- Anita C. Almeida-lucia Grinberg
Zahar
(2007)



Nunca E Tarde Demais - Late Bloomers Revolution
Anny Cohen
Best Seller
(2009)



A Obra dos Seis Dias
João de Passos
Scortecci
(2004)



Socorro Quero Ser Mãe
Denise Rodrigues
Peirópolis
(1999)



Livro Humor Guia do Pão-duro Feche o Bolso e Abra Sorrisos
Gustavo Nagib
Matrix
(2004)



/Pato Donald Nº 2167
Walt Disney
Abril
(1999)



Azeitonas: vida e saga de um nobre fruto
Mort Rosenblum
Rocco
(1999)



Manual de Sobrevivência do Menino Maluquinho
Ziraldo
L&pm
(2000)



Os Heroicos Inventores e Suas Audazes Maquinas Voadoras 1873-1973
Alberto Santos Dumont
Painel





busca | avançada
75675 visitas/dia
1,7 milhão/mês