José Antônio de Almeida Prado | Digestivo Cultural

busca | avançada
56543 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Bert Jr. aponta sintomas de uma sociedade mal-orientada em “Fict-Essays e Contos Mais Leves”
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hebe Camargo
>>> Podcast: carta de alforria
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> 23º Festival Mix Brasil de Cultura e Diversidade
>>> De Lucia, McLaughlin, Di Meola
>>> Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois
>>> A reação do cinemão
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Minha história com Marisa Monte
>>> Eu não uso brincos
Mais Recentes
>>> Viajantes do Infinito de Flávia Muniz pela Moderna (1991)
>>> O Fantastico Misterio De Feiurinha de Pedro Bandeira pela Ftd (1999)
>>> O Projeto Rosie de Graeme Simsion pela Record (2016)
>>> O Leitor de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Rio Do Meio de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Meu Pescoço É Um Horror E Outros Papos De Mulher de Lia Wyler pela Rocco (2007)
>>> O Confidente de Héléne Grémillon pela Aeroplano (2015)
>>> Michaelis. Dicionário Escolar Inglês de Vários Autores pela Melhoramentos (2009)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrinseca (2016)
>>> A Ditadura Envergonhada (as Ilusões Armadas) de Elio Gaspari pela Companhia Das Letras (2002)
>>> Grande Sonho Do Céu de Sam; Viotti, Sergio [traducao Shepard pela Arx (2003)
>>> O Efeito Rosie de Graeme Simsion pela Record (2016)
>>> Cervaja e Comida de Stephen Beaumont pela Publifolha
>>> Cervejas, Brejas E Birras de Mauricio Unknown pela Leya
>>> Carne. El Arte De Cocinar Con Carne de Valéry Drouet pela Moliere Editores Sas
>>> Crise Nas Infinitas Terras de Marv Wofman; George Perez pela Panini Comics (2015)
>>> Sanduiches Especiais de Vinícius Martini Capovilla pela Senac São Paulo
>>> Guerra Dos Tronos: As Cronicas De Gelo E Fogo - Livro 1 de George R. R. Martin pela Leya Brasil
>>> A Camareira de Nita Prose pela Intrínseca
>>> Pan-asian Collective (Shadowforce Archer) de Clayton A Steve; Gearin Scott; pela Alderac Entertainment Group (2024)
>>> Alguém Que Você Conhece de Shari Lapena pela Record (2023)
>>> Destino de Ally Condie pela Suma De Letras (2011)
>>> Contágio de Robin Cook pela Best Bolso (2008)
>>> Garota Infernal de Diablo Cody pela Record (2009)
>>> O Teatro de Um Homem Só de Ademar Guerra pela Senac
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 24/11/2010
José Antônio de Almeida Prado
+ de 3100 Acessos



Domingo, dia 21 de Novembro, faleceu em São Paulo o compositor erudito José Antônio de Almeida Prado, membro da Academia Brasileira de Música e ex-aluno de Olivier Messiaen, compositor que, num campo de concentração nazista, compôs o Quarteto para o Fim dos Tempos. Conheci Almeida Prado em 1999, na Casa do Sol, residência da escritora Hilda Hilst, sua prima. Nos dois anos em que lá morei, ele nos visitou em três ocasiões. Tínhamos longas conversas sobre arte, música, religião ― ele era católico ― e outros temas não muito ortodoxos. Num dia em que o acompanhei até uma farmácia para comprar insulina ― ele era diabético ―, Almeida Prado me disse: "Hildinha falou que você também está lendo sobre projeções astrais. É verdade?" Envergonhado como um garoto que tem as Playboys e Hustlers confiscadas pela mãe, que, por puro acaso, levantara o colchão para trocar aquele imundo lençol, comecei a gaguejar, afinal, não saio por aí revelando a meus amigos intelectuais, acadêmicos ou semelhantes tais gostos pervertidos de leitura. E ele: "É que tenho uma história que nunca contei a ninguém mas que gostaria de lhe contar". Ufa, pensei. E acrescentei: "Manda bala, sou todo Ovídios". E eis o que ouvi:

"Na noite em que comecei a compor o movimento das 'Cartas Celestes' que trata de Urano, fui acometido, ao piano, por um cansaço enorme, por um peso dolorido na nuca. Vendo que já era demasiado tarde ― e aproveitando que estava mesmo tendo dificuldades com a composição ― pus a um lado as partituras, o lápis e fui me deitar: 'melhor retomar amanhã, quando estiver com melhor disposição'. Já na cama, deitado de costas, fiquei pensando no meu trabalho, na importância que aquela obra teria para mim e tal e, assim, fui caindo naquela letargia que antecede o sono. De repente, senti, sabe?, aquele tranco e, meio aflito, abri os olhos: Yuri, que susto! Eu estava flutuando em cima do telhado da minha casa! Quando eu já começava a me desesperar, acreditando estar morto, surgiu à minha frente uma esfera de luz azul que, rapidamente, veio a meu encontro e se chocou comigo. Na mesma hora já me vi dentro de uma espécie de tubo muito comprido ― aliás, as laterais pareciam a superfíce de um desses muros chapiscados ―, o qual me sugava como um aspirador. Quando a viagem acabou ― parecia uma viagem de elevador sem a inércia ― eu me encontrei flutuando sobre uma planície muito bonita e sob um céu de uma tonalidade e luz que eu nunca vira: esta não é a Terra, pensei. 'Você está em Urano', disse calmamente uma voz ao meu lado. Olhei em sua direção e vi um homem bastante alto, vestindo apenas uma túnica: 'Não tenha medo, não vou lhe fazer mal.' e, pegando-me pela mão, me levou a sobrevoar a região. Depois de me mostrar tudo ― vi diversos prédios afastados uns dos outros, como em Brasília, mas sem o menor sinal de ruas ― ele me olhou diretamente nos olhos e falou com bondade e firmeza: 'Você notou? Não há o menor sinal de conflito aqui. Todos os que aqui estão vieram em missão de paz. Estamos aqui para ajudar seu planeta. Não estamos em guerra com ninguém. Portanto, volte ao seu trabalho e refaça todo o movimento sobre Urano das suas 'Cartas Celestes'. Se permanecer como está, você estará mentindo, transmitindo uma mensagem falsa sobre nossa missão. Vá com Deus!" E, de súbito, a esfera de luz azul, vinda não sei de onde, chocou-se novamente comigo. Refiz o percurso pelo tubo de muro chapiscado e, então, sofri novo tranco, já em minha cama. Levantei elétrico, os pelos arrepiados, o corpo formigando. Corri para o piano e, de uma só vez, compus todo o novo movimento sobre Urano. E o cara tinha razão: antes ele estava muito Stravinsky, muito 'Sagração da Primavera'."

Ao terminar seu relato, Almeida Prado me disse: "Não vai sair contando isso por aí não, Yuri [ooops!], senão vão achar que tô doido e vão me tirar da UNICAMP. Se alguém me perguntar, não vou negar, mas também não vou confirmar". E ria.

Em outra ocasião, Almeida Prado me falou de sua viagem até Medjugorje, na ex-Iugoslávia (Bósnia), aonde se dirigiu atraído pelos relatos da aparição de Nossa Senhora. Juntamente com outras dezenas de pessoas viu uma cruz de luz sobre Krizevak, a Montanha da Cruz. Uma chuva com cheiro de rosas caía sobre todos. Havia quase cem pessoas ali, mas nem todas eram capazes de enxergar a cruz. Comovido pela dádiva de poder vê-la, Almeida Prado se ajoelhou para orar e, então, ouviu a voz da mensageira celeste a falar em seu ouvido. Sentiu que ela o abraçava e o confortava. Disse-me que ela discorreu sobre seus problemas pessoais e o consolou. Sob a chuva, ele chorou de alegria. Sintetizou a experiência na composição para piano "Rosário de Medjugorje".

Assim como Jacques Bergier e Louis Pauwels tão bem colocavam, acredito que nosso universo não pode ter outra natureza senão a do fantástico, a do imprevisível. Almeida Prado acreditava no mesmo e, quando encontrava pessoas que compartilhavam a mesma convicção, desfiava suas histórias.

Tenha uma boa viagem, amigo. Vá com Deus.


Postado por Yuri Vieira
Em 24/11/2010 às 17h25

Mais Yuri Vieira no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Ética Empresarial no Brasil
Joaquim Manhães Moreira
Pioneira
(1999)



Teoria Poética de Fernando Pessoa
Georg Rudolf Lind
Inova



Contrato de Seguro: uma Lei para Todos
Vinicius Vieira
Quartier Latin
(2013)



Livro Gibis X-men O Ataque dos Mutantes do Passado! 005
Nova Marvel
Panini Comics
(2014)



Livro Literatura Estrangeira Trapaça no Harlem
Colson Whitehead
Harper Collins
(2021)



O significado da felicidade
Alan W. Watts
Pensamento



Dr. Cabelo
Luciano Barsanti
Elevação
(2009)



Mortalha Para Uma Enfermeira
P D James
Companhia Das Letras
(2011)



Poesias Completas
Casimiro de Abreu
Saraiva
(1954)



Educação do Espírito
Walter Oliveira Alves
Instituto Difusão Espírita
(1997)





busca | avançada
56543 visitas/dia
1,8 milhão/mês