Vândalos são eles | Digestivo Cultural

busca | avançada
75675 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “A Maçã” estreia dia 7 de março no SESC Copacabana
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os EEUU e o golpe de 64
>>> Primeiro Concerto by Bernstein
>>> Os 25 anos do SBT
>>> Tiramisù!
>>> Blogueiros versus Jornalistas, o falso embate
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Sopro de haicai em Flauta de Vento
>>> Declínio e Queda do Império dos Comentários
>>> Benedict Evans sobre inteligência artificial
>>> Dê notícias! 9º Encontro BH
Mais Recentes
>>> Finanças $em Complicação de Laila Del Bem Seleme pela Intersaberes (2012)
>>> Experiências Empreendedoras Volume 1 de Ceura Fernandes; João Marcos Adede y Castro (org.) pela Pallotti (2009)
>>> Crédito no varejo de Sérgio Kazuo Tsuru; Sérgio Alexandre Centa pela Ibpex (2009)
>>> A evolução da segurança pública municipal no brasil de Claudio Frederico de Carvalho pela Dialógica (2020)
>>> Accountability: A Evolução Da Responsabilidade Pessoal Nas Empresas. O Caminho Da Execução Eficaz de João Cordeiro pela Évora (2013)
>>> Você, vendedor de Mario Grieco pela Geração (2024)
>>> Eu Mexi No Seu Queijo de Darrel Bristow-bovey pela Bertrand (2006)
>>> Ferramentas de Qualidade: Aplicações na atividade florestal de Celso Trindade; José Luiz Pereira Rezende; Laércio A. Gonçalves Jacovine; Maria Luiza Sartório pela Ufv (2007)
>>> Família De Alta Performance: Conceitos Contemporâneos Na Educação de Içami Tiba pela Integrare (2009)
>>> Sei Quem Tem Seu Queijo, Eu: Como Obter Sucesso Na Vida Pessoal E Profissional de Montgomery Lee pela Ciranda Cultural (2008)
>>> Segurança Pública: Histórico, realidade e desafios de César Alberto Souza; Marinson Luiz Albuquerque pela Intersaberes (2017)
>>> Controle interno e externo na administração pública de Ely Célia Corbari; Joel de Jesus Macedo pela Intersaberes (2012)
>>> A Cabeça De Steve Jobs: As Lições Do Líder Da Empresa Mais Revolucionaria Do Mundo de Leander Kahney pela Harpercollins Brasil (2008)
>>> Contabilidade em processo: da escrituração à controladoria de Neusa Higa; Stella Maris Lima Altoé pela Intersaberes (2015)
>>> A empresa inteligente: O sucesso é humano de Elyseu Mardegan Jr. pela Gente (1995)
>>> Valorização da Marca de Silvana Goulart Machado Rosa pela Sebrae (2004)
>>> Sua empresa é competitiva? Diagnóstico de competitividade para as pequenas empresas industriais de Roberto L. Ruas; Ivan A. Pinheiro pela Sebrae (1995)
>>> Negociando para o Sucesso de Henrique Sérgio Gutierrez da Costa pela Intersaberes (2013)
>>> Logística dos canais de distribuição de Caroline Brasil; Roberto Pansonatgo pela Intersaberes (2018)
>>> Supply Chain: uma visão gerencial de Luiz Fernando Rodrigues Campos pela Intersaberes (2012)
>>> iTrends: uma análise de tendências e mercados de Achiles Batista Ferreira Junior; Marielle Rieping pela Intersaberes (2014)
>>> A Alma Encantadora Das Ruas de João do Rio pela Companhia De Bolso (2008)
>>> Desenhando com o Lado Direito do Cérebro de Betty Edwards pela Nversos (2023)
>>> Administração Aplicada na Enfermagem de Themis Maria Dresch da Silveira Dovera/ João Paulo Zimmermann Silva pela Ab (2011)
>>> Conversa Franca Sobre Depressão ( Pocket ) de Joyce Meyer pela Da autora (2005)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 19/6/2013
Vândalos são eles
+ de 2500 Acessos

Acompanhe a cobertura em tempo real no Twitter do Digestivo

Se dependesse das autoridades, protesto seria sempre ordeiro. Uma turminha bem comportada, carregando cartazes bem-feitinhos, dando voltas sem fim em algum lugar que não atrapalhe o trânsito ― num Sambódromo, ou quem sabe em um autódromo. Para participar, seria preciso se inscrever, apresentar RG, CPF, serviço militar quitado, Imposto de Renda, atestado de bom comportamento, e não ter antecedentes criminais. Vamos ser bem claros: protesto pacífico não serve pra muita coisa. A polícia não bate. A imprensa não dá espaço. Os governantes não dão bola. Protesto não é pra ser pacífico. Protesto é pra incomodar. Protesto é para questionar a ordem. Nada questiona tão bem quanto um soco, um incêndio, uma pedrada na vidraça.

Em protestos como vêm acontecendo no Brasil, uma minoria bem ínfima é que está quebrando, e agora saqueando. É essa minoria que ocupa muito espaço na cobertura televisiva. Por uma ótima razão: rende boa TV. Televisão é imagem, e imagem de gente brigando, correndo, botando fogo e enfrentando a polícia é mais emocionante que imagem de gente caminhando calmamente (por isso é que tem tanto seriado policial, e nenhum sobre gente que gosta de caminhar). E essa minoria aumenta muito o poder de fogo do conjunto dos manifestantes ― queiram os pacifistas do movimento ou não.

Vamos separar, por um minuto, as depredações dos saques. Vimos grupos, e não tão ínfimos assim, que se dedicaram a apedrejar, pichar, quebrar as frentes da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, o Palácio dos Bandeirantes e a prefeitura em São Paulo, e outros prédios públicos. São alvos absolutamente legítimos. A massa dos manifestantes, e praticamente todo mundo que acompanha o movimento, identifica governadores, prefeitos e a classe política como parte do problema, não da solução. São, nesse sentido, o inimigo. Estão sempre protegidos pela polícia, porque sabem que são alvos, e que merecem ser alvos. No limite, o governo sai matando de um lado, e os revoltosos saem matando do outro ― vide Síria.

Vamos seguir o mesmo raciocínio. Vimos outros alvos ontem, não-públicos. Quebraram agências de bancos. Os bancos são amigos ou inimigos da população? Quebraram McDonald's. De que lado você colocaria a rede de fast-food? Não deixaram Caco Barcellos trabalhar, botaram fogo em uma carro da reportagem da TV Record. De que lado você põe a mídia, a seu lado ou contra você? A decisão é de cada um, e de cada um que está nos protestos. Uns são muito radicais, outros muito moderados. Quem decidir ir pro pau, vai sabendo que pode levar porrada e talvez, ir para a cadeia.

Nos últimos dias, ficou mais complicado decidir a quem você se opõe. Agora toda a imprensa está simpática (se bem que cobrindo muitíssimo mal, em geral), a PM está bem contida, os políticos aplaudem, tá todo mundo vendo "beleza" nos protestos, como disse o governador do Rio. Da boca pra fora, claro ― ninguém se mexeu um milímetro para atender as reivindicações dos manifestantes, pelo menos nas grandes cidades. Mas o bloco do "a favor" está crescendo, inchando até. Virou obrigação aplaudir. Todos os famosos apóiam, e se os famosos apóiam deve ser boa coisa, né?

Mas todo esse a favor para quando começa o pau. Todos aplaudem os protestos, e todos são unânimes em satanizar os baderneiros, os infiltrados, os vândalos. E mais ainda os que roubam. Saquear lojas atravessa uma fronteira muito importante. Na linha acima, é fácil entender porque alguns manifestantes muito radicalizados veem esses grandes magazines como templos do consumo, símbolos do capitalismo, e portanto alvos válidos. Mas na hora que você sai correndo com uma TV, um celular ou um microondas, que vai levar pra sua casa e usufruir, passa a ser visto como um ladrão comum.

Em um contexto de desobediência civil, é estratégia sólida dar um chega-pra-lá nas regras cotidianas do consumo, e dar uma banana para a lei. Na época da ditadura militar, guerrilheiros roubavam bancos e ricaços e, com o dinheiro, financiavam ações contra o regime. Não era roubo, era "expropriação", diziam. A presidente da república, Dilma Rousseff, colaborou em ações do gênero. Vi um senador na televisão dizendo que manifestações violentas são incompatíveis com o regime democrático. Os militares também garantiam que vivíamos em uma democracia nos anos 70. Democracia não é o que senador diz, é o que o povo sente.

(...)O Brasil não vive um cenário de transformação radical. Mas nosso País é muito violento, o tempo todo, e particularmente com os mais pobres. Violência do crime, e violência do Estado, que nos leva o dinheiro e nos dá tão pouco em troca. Não se trata de defender quem depreda e saqueia. Se trata de ter consciência de que nossa paz é diariamente quebrada, que muitas empresas depredam o País cotidianamente, e que o poder público não nos protege. Donde que é ser muito ingênuo achar que todo protesto vai ser sempre pacífico e polido. É fácil pra classe média alta boazinha, que vive em condomínio, paga seguro saúde e escola, põe insulfilm no carro e depende muito menos do Estado, cobrar que todo mundo se comporte...

É preciso, também, descobrir outras maneiras de protestar. Não podemos ficar entre o quebra-quebra e esses passeios sem fim pela cidade, gritando palavras de ordem e "violência não". Desobediência civil ― e criativa ― é um dos melhores caminhos. Ainda mais se beneficiar diretamente a população que hoje não está nas ruas.

(...)Olha, eu sou o cara mais pacífico do mundo. Mas vamos botar a mão na consciência. O País atravessa uma turbulência que não tem precedentes na campanha pelo impeachment de Collor, ou pelas Diretas. É outro Brasil, outro mundo, são outros descontentamentos e anseios, são outros governantes e manifestantes. Quem protesta não enxerga hoje na tal sociedade civil quem o represente. Nem partidos, nem instituições. Os políticos que marcharam pelas diretas, e contra Collor, hoje estão no poder, e são amiguinhos dos herdeiros da ditadura, e do próprio Collor. É de se estranhar que tenha gente que quer quebrar tudo?

André Forastieri, em "Vândalos são eles"

Acompanhe a cobertura em tempo real no Twitter do Digestivo


Postado por Julio Daio Borges
Em 19/6/2013 às 12h44

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento de Julio Daio Borges
02. VTEX e Black & Decker sobre transformação digital de Julio Daio Borges
03. Os olavetes tomaram a cultura de Julio Daio Borges
04. Temporada 3 Leve um Livro de Ana Elisa Ribeiro
05. Blockchain by William Mougayar de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tomada de Posse
Louise Michel
Sobinfluencia
(2021)



Enciclopedia do Patrimonio da Humanidade - Volume 1 - Africa
Altaya
Altaya
(1998)



Em Defesa do Homem e do Meio
Senador Marcos Freire
Senado Ferderal
(1977)



Formação do Brasil Contemporâneo
Caio Prado Júnior
Brasiliense
(2000)



LPH Revista de História Vol.1 Numero 1 1990
Cristovam Paes de Oliveira(reitor)
Ufop
(1990)



A Cadeira do Dentista - Volume 15 Para Gostar de ler - Infanto
Carlos Eduardo Novaes
Atica
(2005)



Pelo amor ou pela dor...
Ricky Medeiros
Madras
(2012)



Livro de Bolso Administração A Arte da Guerra Coleção Obra Prima de Cada Autor 54
Sun Tzu
Martin Claret
(2004)



Biblia Sagrada Mensagem de Deus Novo Testamento
Pe. Antonio Charbel
Loyola
(1980)



Livro História do Brasil Família e Grupos de Convívio
Eni de Mesquita Samara
Marco Zero
(1989)





busca | avançada
75675 visitas/dia
1,7 milhão/mês