O que é que deu no Alckmin? | Digestivo Cultural

busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Sala de Visita” recebe Mauricio Virgulino para falar sobre Educomunicação e arte
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Contra reforma ortográfica
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Público, massa e multidão
>>> Vida de Estagiário II
>>> Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Suicídio on-line põe internet no banco dos réus
>>> O melhor presente que a Áustria nos deu
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Desfazendo alguns mitos sobre 64
Mais Recentes
>>> La bella vita - Marcello Mastroianni racconta de Emzp Biagi pela Rizzoli (1996)
>>> A paixão de Cristo segundo Mel Gibson. uma história bem contada? de Walter Eduardo Lisboa pela Paulinas (2005)
>>> O Barco - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Clube da Luta de Chuck Palahniuk pela Leya (2019)
>>> O Pega-pega - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> 12 Anos de Escravidão de Solomon Northup pela Seoman (2014)
>>> Respeita os Teus Limites de Ricardo Peter pela Paulus (1999)
>>> Ponciá Vicêncio de Conceição Evaristo pela Pallas (2017)
>>> Antologia poética de Fernando Pessoa pela Bazar do Tempo (2016)
>>> Poesia Reunida de Orides Fontela pela Cosac & Naify (2012)
>>> Guerras Mundiais - Kit com 2 Livros - 1ª e 2ª Guerra Mundial de Claudio Blanc pela Camelot (2020)
>>> Tungstênio de Marcello Quintanilha pela Veneta (2014)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Cia das Letras (2012)
>>> Getúlio (1930-1945): Do governo provisório à ditadura do Estado Novo de Lira Neto pela cia das Letras (2012)
>>> Getúlio 1 (1882-1930) de Lira Neto pela Cia das Letras (2012)
>>> Cabeça de porco de Luiz Eduardo Soares , Mv Bill, Celso Athayde pela Objetiva (2005)
>>> Poesia 1930-1962 de Carlos Drummond de Andrade pela Cosac & Naify (2012)
>>> Marcados de Claudia Andujar pela Cosac & Naify (2009)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Julio Verne pela L&PM Pocket (2002)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2014)
>>> Breaking the Silence: soldier's testimonies from the South Hebron Hills de Organization Breaking the Silence pela Onu (2021)
>>> Vicente Viciado de Renato Negrão pela Rótula (2012)
>>> Notas do Subsolo de Dostoiévski pela Pocket (2008)
>>> Capitão da minha alma, senhor do meu destino de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2017)
>>> Odisseia de Homero pela Independentes (2008)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 13/11/2014
O que é que deu no Alckmin?

+ de 900 Acessos

Como todo mundo sabe, desde 2002 que o PSDB disputa e perde eleição para o PT, para a Presidência da República. Foi assim em 2002 com José Serra, em 2006 com Geraldo Alckmin, em 2010 com José Serra (de novo) e agora, em 2014, com Aécio Neves.

A eleição de 2014 foi um raro momento de paz entre os líderes do PSDB. Principalmente porque Serra se elegeu para o Senado, Alckmin se reelegeu governador de São Paulo, para seu quarto mandato, e Aécio parecia o candidato consensual - todos se uniram para apoiá-lo.

Perdida a eleição, elencados os primeiros nomes para concorrer em 2018, a paz começou a se esvanecer. O nome de Aécio não era mais consensual, ainda que o PSDB nunca tivesse chegado tão perto da vitória. Começou a surgir o nome de Alckmin...

Até aí, faz parte do jogo. Como 2018 está muito longe, no horizonte político, as especulações vão prosseguir...

O problema começou há poucos dias. Enquanto o senador Aloysio Nunes, candidato a vice na chapa de Aécio, praticamente chamava a ex-candidata de "mentirosa" e a presidente reeleita de "estelionatária" no plenário, Alckmin se reunia com a dita cuja no Palácio do Planalto.

Quando indagado sobre isso, Alckmin tergiversou. Evocou a governabilidade. Como foi pedir R$ 3,5 bilhões a Dilma Rousseff para combater a crise hídrica, disse que a oposição deveria ser feita no Parlamento. Deu a entender que não era essa a função de quem ocupava "cargos executivos"...

Foi estranho. Mas ele podia estar sendo "prático". Ou pragmático. PSDBistas logo acudiram...

Agora, a coisa ficou um pouco mais séria, porque Alckmin foi a Nova York proclamar que "pessimismo é exagerado" em relação ao Brasil. E a Folha logo estampou: "Alckmin critica pessimismo na economia".

Descontando a malicia recorrente da Folha, a crise econômica não é mais uma questão de gosto. Ou de ponto de vista. Inflação descontrolada, juro real mais alto do mundo, crescimento próximo de zero e desemprego à vista... não são opiniões, são fatos. E devem ser encarados como tais.

Alckmin foi correto ao afirmar que se deve enfrentar "rápido" a questão fiscal. Até porque, como sabemos, o governo federal está à beira de se tornar um "fora da lei". Virtualmente incapaz de cumprir a meta para 2014, fixada em lei, apelou para o Congresso, querendo "revisar" a meta. Algo como mudar a média para passar de ano, quando o aluno ameaça levar pau... A oposição não quer "revisar", claro. E com razão. Sendo assim, o que quis dizer Alckmin?

Para completar, Geraldo Alckmin entoou, nos Estados Unidos, o canto da "reforma política", a mesma evocada por Dilma no discurso da vitória. Para não soar dúbio, levantou o problema do excesso de partidos, que ameaça a governabilidade. (Ele gosta dessa palavra.) Apesar de que, quando o PT fala em reforma política, a relação que se faz é com a tal "democracia direta" - que tiraria poderes do Congresso... para dar, em última instância, à militância (ao PT, de novo).

Como se percebe, com esses movimentos, Alckmin está adentrando em terreno pantanoso. Se no início parecia só uma disputa pela candidatura à Presidência em 2018, de repente o governador começou a melindrar a oposição encampada por seu próprio partido, no Congresso... E agora, fora do Brasil, defende o governo federal - e, mais do que isso, os *projetos* desse governo, cujo partido, conforme documentos oficiais deste, não morre de amores pela democracia...

Como se diz na gíria, depois de conquistar o quarto mandato, Alckmin está "se achando". Mas se esquece de que o primeiro mandato foi herança de Mário Covas, o segundo foi inércia de Covas. O terceiro foi por mérito próprio, OK. Mas neste quarto, apesar de existir mérito também, houve o fator "anti-PT", e a ausência candidatos competitivos. Paulo Skaf, o mais próximo disso, foi muito criticado pelo uso pessoal que fez da estrutura da Fiesp, e por não ter uma ideologia muito bem definida (sendo frequentemente comparado a Gilberto Kassab).

PSDBistas exaltados proclamam, nas redes sociais, que seu partido "não deve satisfação a ninguém" (sobre suas rusgas internas). Mas deve. Pior que deve. No mínimo, deve a quem votou nele. E isso inclui eleitores de Geraldo Alckmin.

Num momento em que até quadros representativos do próprio PT, como Marta Suplicy, vêm a público fazer críticas à condução da política econômica do governo federal, e até ao governo em si, não faz sentido que o governador reeleito de São Paulo, pelo partido da oposição, venha defender esse governo, indiretamente sua política econômica, e até obscuras "reformas" - em nome da "governabilidade", da crise hídrica, ou, pior, em nome de um suposto protagonismo numa longínqua disputa presidencial...

Geraldo Alckmin, com essa postura, desrespeita seus eleitores. Desrespeita a população de São Paulo, que fez questão de não eleger o PT em nenhuma instância. E desrespeita, além do posicionamento de seu partido, o voto de, no mínimo, 51 milhões de brasileiros - que decididamente não concordam com este estado de coisas...

Para ir além
Compartilhe


Postado por Julio Daio Borges
Em 13/11/2014 às 15h00


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Henrique Bredda e Luiz Alves Paes de Barros de Julio Daio Borges
02. Morte na Sala São Paulo... de Eugenia Zerbini
03. Vista aérea de 17/6/2013 de Julio Daio Borges
04. 28 de Junho #digestivo10anos de Julio Daio Borges
05. Os Jornais Acabam? III de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Poesia do Brasil - Volume 8
Varios Autores
Adebach
(2007)
R$ 5,00



Títulos de Crédito: Cheque, Nota Promissória e Duplicata
Valter R Augusto; Andréia Guimarães S. Aguiar
Desafio Cultural (sp)
(2001)
R$ 9,82



A Bôlsa É a Bossa - Guia Prático do Investidor - 10769
John Yeh Chang Tong
Apec
(1971)
R$ 11,00



Construir uma Formação, Definição de Objectivos Exercícios
Christiane Strauven
EDIÇÕES Asa
(1994)
R$ 48,00



Primeira Guerra Mundial 90 Anos Edição Especial - 1653
Diversos
Abril
(1987)
R$ 10,00



Crime e Castigo
Dostoiévski
Nova Cultural
(2002)
R$ 70,75



As Drogas
Denis Richard
Instituto Piaget
(1997)
R$ 26,00



Código de Processo Civil Anotado
Sávio de Figueiredo Teixeira
Saraiva
(1992)
R$ 5,00



Estado Escarlate
David Aaron
Nova Cultural
(1989)
R$ 5,00



A Bíblia a Palavra de Deus Ou de Homem?
Watchtower
Wastchtower Bible
(1989)
R$ 12,00





busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês