Existem vários modos de vencer | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Sala de Visita” recebe Mauricio Virgulino para falar sobre Educomunicação e arte
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> À beira do caminho
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Modernismo e Modernidade
>>> O último a sair que apague a luz
>>> Entretenimento dá dinheiro, sim!
>>> Teatro para todos
>>> Creating a profitable startup
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> Itaúnas não será esquecida e nem Bento
>>> Que exemplo arrebatador a Colômbia dá ao mundo
Mais Recentes
>>> Un Negocio Arriesgado de Nora Roberts pela Harlequin Ibérica
>>> A Mulher Só de Harold Robbins pela Abril Cultural (1985)
>>> Um Estranho Segredo de Marcos Diego Mogami pela Db (2014)
>>> Jesus, o Maior Líder Que já Existiu de Laurie Beth Jones pela Sextante (2006)
>>> Ley de Contrato de Trabajo Anotada de Mariano H Mark pela Lexisnexis (2005)
>>> Romeu e Julieta de Ganymedes José pela Ediouro (2004)
>>> 1984 de George Orwell pela Principis (2021)
>>> História dos Hebreus de Flávio Josefo pela Cpad (2004)
>>> O Fiel e a Pedra de Osman Lins pela Círculo do Livro
>>> Space Boy Volume 1 de Stephen Mccranies pela Dark Horse Books
>>> Cleópatra de Arlete Salvador pela Contexto (2011)
>>> 1984 de George Orwell pela Tricaju (2021)
>>> La Bodega de Noah Gordon pela Rocco (2008)
>>> O Espião Que Sabia Demais de John Carré pela Circulo do Livro
>>> A História do Brasil Em 50 Frases de Jaime Klintowitz pela Leya (2014)
>>> A Morte é um Dia Que Vale a Pena Viver de Ana Claudia Quintana Arantes pela Leya Casa da Palavra (2016)
>>> The Book of Why de Judea Pearl pela Basic Books (2018)
>>> O Morro das Ilusões de Zibia M Gasparetto pela Vida e Consciência
>>> Arraia de Fogo de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos
>>> The Book of Lost Tales II (the History of Middle-earth, Book 2) de J. R. R. Tolkien pela Harper Tolkien (2002)
>>> Nas Ruas do Brás de Drauzio Varella; Maria Eugênia pela Companhia das Letrinhas (2000)
>>> As Pompas do Mundo & o Retrato na Gaveta de Otto Lara Resende pela Círculo do Livro
>>> Shakespeare e o Amor de Arx pela Arx
>>> Direito Internacional Público - Curso elementar de J F Rezek pela Saraiva (1994)
>>> The Book of Lost Tales (the History of Middle-earth, Book 1) de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (2002)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 23/2/2018
Existem vários modos de vencer

+ de 1500 Acessos

E de repente, não mais que de repente, como diria Vinicius de Moraes, eis que me deparo com inúmeros artigos publicados no LinkedIn e pela internet afora em pleno começo de 2016 falando de home office como se ele fosse a grande novidade do momento; em menor quantidade, aparecem também os que defendem o home office (doravante denominado HO) como a grande solução para uma série de problemas enfrentados tanto por patrões quanto por empregados. 

Enfim, gostaria de dizer neste texto duas coisas sobre HO, baseado em minha experiência com o assunto, que iniciou oficialmente em 2003.

A primeira é que home office de fato é algo muito bom.

Em 2003, saí de um emprego público (era assistente administrativo do Departamento Municipal de Água e Esgotos, autarquia da Prefeitura Municipal de Porto Alegre), para me dedicar ao jornalismo cultural, mais especificamente ao site Brasileirinho, especializado em MPB, que eu colocara no ar um ano antes. Alugar um escritório nem me passou pela cabeça, pois no apartamento onde morava, de propriedade de minha mãe, havia computador com acesso à internet, telefone fixo e uma biblioteca com aproximadamente 2 mil livros (mais recortes de jornais e revistas) - inclusive uma pesquisadora do IBGE que esteve lá certa vez para apurar meus "hábitos de consumo" (risos) perguntou se ali era mesmo uma residência ou um escritório.... o que confirmava o que minha mãe já dizia desde, talvez, minha adolescência, que meu quarto era um escritório com uma cama. Desde então, nas diversas cidades onde morei ou ao menos passei um tempo considerável (São Paulo, Belém, Macapá e Salvador), sempre optei por alugar imóveis que me permitissem trabalhar no mesmo ambiente de moradia, economizando assim com outro aluguel (de escritório), com gastos e perda de tempo com deslocamentos e, mais recentemente, até com despesas de acesso à internet, já que muitos locadores incluem o wi-fi entre os benefícios ofertados aos locatários. De fato, na maioria das vezes é muito bom você poder trabalhar em sua casa à hora que você quiser, o que nos leva à...

segunda coisa: trabalhar em home office pode não ser tão bom assim...

...se você não souber controlar seus horários. Lá em 2003, por exemplo, ao assumir o apê de minha mãe como sede do site, caí numa armadilha da qual levei um bom tempo para me dar conta - até porque fui eu mesmo que a armei. Explico: até então, como funcionário municipal, eu só podia me dedicar a meus projetos pessoais à noite e aos finais de semana. Quando tive enfim livre o chamado horário comercial, começava a trabalhar de manhã cedo e avançava a madrugada, acreditando que quanto mais horas dedicasse ao trabalho, mais cedo atingiria meus objetivos. Hoje sei que o sucesso vem de um trabalho feito com qualidade, e não necessariamente da quantidade de horas nele investidas. Eu vivia estressado, com olheiras, mas levei uns bons seis anos para me dar conta de que algo poderia estar errado. Isto só aconteceu quando, ao conversar com uma amiga de outro estado por MSN, ela, que sempre me perguntava o que eu estava fazendo (e eu sempre respondia "trabalhando"), um belo dia fez a pergunta que mudou tudo:

"Mas você nunca tem lazer??"

Aí, como se dizia na época, "a ficha caiu". Me dei conta da quantidade absurda de horas que ficava trabalhando e instituí em minha vida o conceito de ilhas de lazer.  Havia na época um programa de jornalismo cultural na Rádio Gaúcha, das 16h às 17h; me habituei a fazer um intervalo nesse horário, me dedicando apenas a ouvir o programa (às vezes tomando chimarrão, às vezes deitado). Desde então mantenho também o hábito de caminhar, em torno de 1h a 2h por dia - nestas últimas semanas da minha atual temporada em Macapá, geralmente a caminhada é ao final da tarde, na orla do Rio Amazonas. Esse é um período bom para "esfriar a cabeça", muitas vezes surge durante o passeio alguma ideia ou a solução para uma questão cuja solução esteja demorando para vir em frente ao notebook. O horário da caminhada acaba coincidindo sim com parte do horário comercial, mas se houver alguma urgência eu posso ser contatado pelo celular ou pelo Facebook. Enfim, é uma prática boa para o corpo e para a mente, recomendo. 

Para fechar o texto, quero falar de outro modelo de HO, que o jornalista e escritor Fernando Morais relatou numa entrevista que li por volta de 1994, e que se referia ao seu processo de escrita da biografia Chatô - O Rei do Brasil. Para evitar cair na mesma armadilha que eu, de não parar de trabalhar enquanto estivesse acordado, Morais alugou outro apartamento no mesmo prédio que o seu, se não me engano apenas alguns andares abaixo. Ou seja, diariamente Morais acordava, tomava banho, vestia-se, tomava o café da manhã e, para chegar a seu escritório, pegava...o elevador. A vantagem, apontava ele na entrevista, é que com isso ele conseguia delimitar, tanto para si quanto para seus familiares, quando estava ou não trabalhando. 

Mesmo que os dois casos relatados, o de Morais e o meu, se tratem de profissionais autônomos, acredito que em linhas gerais o que expus acima se aplica também ao modelo que tem crescido mais recentemente (e que, a meu ver, está trazendo um ar de 'novidade' ao HO), que é o de funcionários autorizados pela empresa a trabalharem de casa algumas vezes por semana. Penso que este é mesmo o caminho para o trabalho no século 21, seja você autônomo ou subordinado a uma chefia: saber gerir o seu tempo de acordo com as demandas, sem descuidar da qualidade de vida.


  • Making-off do texto - Publicado no LinkedIn em 5.3.16, sendo este meu artigo mais lido enquanto mantive a conta naquele site. Republicado no blog Jornalismo Cultural em 11.4.17. 


Postado por Fabio Gomes
Em 23/2/2018 às 22h33


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Regravando Machine Head de Julio Daio Borges
02. Daddy Brother Lover Little Boy de Julio Daio Borges


Mais Fabio Gomes no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Proteção Ambiental
Jacson Corrêa
Juruá
(2002)
R$ 15,00



Uma História de Futebol
José Roberti Torero Apresentação Ana Maria Machado
Objetiva
(2001)
R$ 5,00



Retrato do Artista Quando Jovem
James Joyce
Folha de São Paulo
(2016)
R$ 20,00



Mundos Paralelos
Abril
Abril
R$ 10,87



O Combate a Corrupção Nas Prefeituras do Brasil
Antonio Chizzotti; João Alberto Ianhez
Atelie
(2003)
R$ 5,00



Otávio Roth - Recortes de um Percurso Artístico
Thérèse Hofmann Gatti (org.)
Cdt
(2017)
R$ 100,00



Dorme, Menino, Dorme
Laura Herrera
Livros da Matriz
(2015)
R$ 9,80



João Faz - de - Conta
Ganymédes José
Salesiana Dom Bosco
(1992)
R$ 5,00



Iaiá Quitéria
Manoel Ambrosio Junior
Não Informada
R$ 100,00



Sinais de Esperança
Alejandro Bullón
Casa Publicadora Brasileira
(2008)
R$ 5,00





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês