Digestivo Blogs

busca | avançada
28172 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
Últimos Posts
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> Agonia
>>> Anos 90, lado B
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> Eu não uso brincos
>>> Nuvem Negra*
>>> Ao Sul da Liberdade
>>> Ao Sul da Liberdade
>>> O mundo como ele realmente é
>>> O Facebook de Renato Janine Ribeiro
Mais Recentes
>>> Corrente Crítica de Elyahu M. Goldratt pela Nobel (1998)
>>> Spells for the Solitary Witch de Eileen Holland pela Weiser Books (2004)
>>> Intensivão ENEM de Vários pela Escala (2015)
>>> L. A. Detective de Philip Prowse pela Macmilan Readers (2010)
>>> Sister Moon Lodge - The Power & Mystery of Menstruation de Kisma K. Stepanich pela Llewellyn (1993)
>>> Lucky Number de John Milne pela Macmilan Readers (2005)
>>> Diamonds are Forever de Ian Fleming pela Macmilan Readers (2009)
>>> Dangerous Journey de Alwyn Cox pela Macmilan Readers (2005)
>>> A Colina dos Suspiros de Moacyr Scliar pela Moderna (2012)
>>> A Revolução do Coração 2 - Você pode melhorar sua qualidade de vida de Doralice Godim Machado Alves pela Essência
>>> A Droga do Amor de Pedro Bandeira pela Moderna (2011)
>>> Harry Potter e as Relíquias da Morte de J. K. Rowling pela Rocco (2007)
>>> Messalina/ Capa Dura de Francesco Mazzei pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Messalina/ Capa Dura de Francesco Mazzei pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Harry Potter e o Enigma do Príncipe de J. K. Rowling pela Rocco (2005)
>>> Orações Bençãos - exorcismo simplificado de Padre Nelson R. Rabelo pela Lotus do Saber (2002)
>>> No Urubuquaquá no Pinhém de Joao Guimarães Rosa pela Nova Fronteira/ RJ. (1994)
>>> Harry Potter e a Ordem da Fênix de J. K. Rowling pela Rocco (2003)
>>> História Concisa da Linguística de Barbara Weedwood pela Parábola (2010)
>>> Subsídios para uma Ética Profissional do Magistério (E outros Artigos) / AMAE Educando de Lázaro Frcº da Silva (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1979)
>>> Dramatização): a Abelhinha Abelhuda; Atíria, a Borboleta/ (E outros Artigos) / AMAE Educando de Adap. Profa. Cléa D. Bastos (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1979)
>>> Educação e Psicopatologia: Fatores Familiares e Sócio- Culturais(E outros Artigos) / AMAE Educando de Raimundo José Cabral (ufmg)/ (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1979)
>>> Problemas de Escrita na Escola (disgrafia)/ (E outros Artigos) / AMAE Educando de Doris Anita Freire Costa / (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1979)
>>> Angélica - O Caminho de Versalhes de Anne e Serge Golon pela Círculo do Livro (1983)
>>> A Educação Especial Em Mg: Prevenção e Atendimento/ (E outros Artigos) / AMAE Educando de Maria Blandina de M. Todeschi (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1979)
>>> As Mulheres da Inconfidência (jogral) (...)/ (E outros Artigos) / AMAE Educando de Maria Célia Bueno (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1979)
>>> A Educação Especial Em Mg: Prevenção e Atendimento/ (E outros Artigos) / AMAE Educando de Maria Blandina de M. Todeschi (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1979)
>>> Dramatização): a Abelhinha Abelhuda; Atíria, a Borboleta(E outros Artigos) / AMAE Educando de Adap. Profa. Cléa D. Bastos (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1979)
>>> A Revolução Alemã de Sebastian Haffner pela Expressão Popular (2018)
>>> Material Concreto Em Matemática (E outros Artigos) / AMAE Educando de Catarina I. Santana (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1979)
>>> Monsehor Quixote de Graham Greene pela Record (1982)
>>> Vingança Diabólica de Stephen Gilbert pela Círculo do Livro (1968)
>>> Estrutura agrária e produção de subsistência na agricultura brasileira de José Graziano da Silva coordenador pela Hucitec (1980)
>>> The city: problems o planning de Murray Stewart editted pela Penguin education (1974)
>>> Multiplicação Em Outras Bases(E outros Artigos) / AMAE Educando de Geralda Isa Lima Rodrigues (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1975)
>>> Educação - Magia?/ (E outros Artigos) / AMAE Educando de Prof. A. Ferreira de Andrade (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1975)
>>> Educação - Magia?/ (E outros Artigos) / AMAE Educando de Prof. A. Ferreira de Andrade (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1975)
>>> Matemática): Resolução de Problemas - Modelos de Planos de Aula (E outros Artigos) / AMAE Educando de Lélia Fernandes Cimini (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1975)
>>> Tudo Sobre Festa Junina (E outros Artigos) / AMAE Educando de Lélia Fernandes Cimini (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1975)
>>> America Latina: dependencia y subdesarrollo de Antonio Murga Frasinetti y Guillermo Boils seleccion y notas pela Educa (1975)
>>> Centros de Aprendizagem (...) (E outros Artigos) / AMAE Educando de Elza Vidal de Castro (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1975)
>>> Pela Expansão do Ensino Pré- Escolar (...) (E outros Artigos) / AMAE Educando de Henrique Furtado Portugal (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1975)
>>> 22 de Agosto: Dia do Folclore (...) (E outros Artigos) / AMAE Educando de Maria do Carmo D Avilla Arreguy Correa... (e outros) pela Inst. de Educação de MG. (1975)
>>> Subtração Em Outras Bases - Representação no Q. V. L. (E outros Artigos) / AMAE Educando de Irmã Débora Miguel (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1975)
>>> Nossos Recursos Naturais e Como Conserva-los.../ AMAE Educando de Gilda Pazzini Lodi- M. Helena Andrade... pela Inst. de Educação de MG. (1971)
>>> Semana da Inconfidência Mineira (e Outros Artigos)/ AMAE Educando de Stella Maris Fialho (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1971)
>>> Produto Cartesiano (e Outros Artigos)/ AMAE Educando de Profª. Sonia Fiuza da Rocha Castilho (e Outros) pela Inst. de Educação de MG. (1974)
>>> História Geral de Osvaldo Rodrigues de Souza pela Ática (1977)
>>> The Possible Dream de Mathe Gross pela Ballantine Books (1975)
>>> Cours de Français - second volume de Augusto R. Rainha e José A. Gonçalves pela do Brasil (1966)
BLOGS

Domingo, 6/1/2019
Digestivo Blogs
Blogueiros

 
Senhor do Corpo e da alma - poema

Estando eu, também angustiado,
Desolado com os haveres da vida.
Senhor onde estás que não respondes?
Te busquei em outros lugares,
Eu já nem me lembro aonde.

Uma voz veio, não vi de onde,
Por quem procuras nesse lugar?
Falava doce, tal qual o mel,
O caminho é longo e muito árido,
Pega o teu fardo e vás a Israel.

Chegando a Terra Santa,
Perguntei: aonde o Mestre encontrar?
Uma voz soprou em meu ouvido,
Segues o caminho de Nazaré,
É provável que Ele, lá tenha nascido.

Chegando a essa cidade,
Procurei-O sem descanso,
O meu corpo do normal já ia além,
Uma voz sussurra de mansinho,
Tomas o teu caminho no sentido de Belém.

Fui ao campo dos pastores,
Nas igrejas, cavernas e estábulos,
Busquei-O em todo o lugar,
Com fé esperança e caridade,
Mesmo assim, não O encontrei por lá.

Foi quando de um passante ouvi,
Jesus encontra-se no templo,
Na cidade de nome Jerusalém,
Tomei o caminho certo,
No templo, já não havia ninguém.

Procurei por toda a Jerusalém,
Lá, Ele também não estava,
Uma voz murmurava junto a mim,
Vai até a margem direita do Jordão,
Lá, a tua busca terá fim.

Andei rio acima, rio abaixo,
No cansaço do corpo, dormi uma noite vã,
Pela manhã cedinho, orei antes do desjejum,
A voz me falou novamente branda,
Segue o caminho, que leva a Cafarnaum.

Tomei as minhas sandálias,
Me pus na estrada a caminhar,
Uma longa Jornada, a cidade eu cheguei,
Indagava a uns e a outros,
Em Cafarnaum também não O encontrei.

Em conversa, escutei de pescadores,
Que ali se aglomeravam,
Eles discutiam, trocando suas ideias,
Sugeriam que Jesus pescava,
Nas águas do mar da Galileia.

Naveguei por sobre as águas,
Mas, Jesus não avistei,
Disse um velho pescador,
Segue a trilha de Emaús,
Lá Jesus prega o amor.

Mas lá naquela aldeia,
O Cristo não se encontrava,
A voz: prossiga a tua andança,
Segue pelos caminhos do deserto,
Ao monte das bem-aventuranças.

Uma multidão havia,
Mas o Mestre não encontrei.
Todos, entoavam um louvor,
Por entre os sons, a voz me sussurrava,
Toma as veredas, vai ao monte Tabor.

Quando o topo do monte eu alcancei,
Bem cansado e abatido,
Do peito um gemido e densas emoções,
No íntimo ouvi a voz dizendo,
Segue agora ao cume das tentações.

Como num passe de mágica,
No topo do monte eu me encontrei,
Muito procurei e muito chorei também,
A voz me foi muito incisiva,
Toma o caminho e volta a Jerusalém.

Percorri pelas vias dolorosas,
Até chegar ao monte do calvário,
Lá estava apenas uma cruz,
Mas alguém sussurrando me levava,
Para o tumulo do meu Senhor Jesus.

Adentrei por entre pedras,
Pensando encontrar o meu Senhor.
Senti em meu corpo um arrepio.
Olhei fundo ao sepulcro,
Mas ele já se encontrava vazio.

Senti na alma um calafrio,
Enquanto virava as costas,
Do tumulo ao pé da cruz ouvi o sim.
Te buscando em todos os lugares,
Enquanto estavas sempre em mim.

Daquela voz eu ouvia,
O Senhor Deus está em todas as partes,
Os atos perfeitos e imperfeitos são a cruz,
Para partilhar do amor conosco,
Ressuscitou o nosso Senhor Jesus.

Feitosa dos Santos

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
6/1/2019 às 19h16

 
Fotogenia

Minha
formalidade,

mera
consequência
de

inalcançável
informalidade

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
20/12/2018 às 12h34

 
É Natal

Mais um ano que passa, mais uma página virada, mais uma renovação de esperança e, cada um a caminhar o seu caminho.

- E você como vai? - Vou indo... - como Deus quer...

Assim, entra ano e sai ano como Deus quer. Não mudamos em nada. Não creio ajudarmos a ninguém mudar para melhor, sem antes mudar a nós mesmos.

Ajudar a virar a página do outro, incentivar na renovação de sua esperança e caminhar de mãos dadas em seus caminhares, faz parte da verdadeira mudança em cada um de nós.

Cobrar desse ou daquele, sem contribuir com nada, não ajuda a mudar coisa nenhuma. Não muda o outro e tão pouca a quem cobra a mudança.

Verdadeiramente o mundo só vai mudar, quando cada indivíduo reconhecer em si a necessidade de mudança, para só depois tentar mudar o mundo e consequentemente mudar o outro.

O Natal é uma reflexão interior, para o reconhecimento de si mesmo no outro. Assim fez o menino Jesus da sua infância até a sua vida adulta. Não vamos esquecer os exemplos deixado por Ele, na curta, mas intensa pregação a honestidade, comprometimento e amor para com o próximo e para consigo mesmo.

Um novo e feliz Natal para todos.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
19/12/2018 às 18h53

 
Canções de amor

Queridos amigos e leitores,
Será uma grande alegria encontrá-los
no lançamento do meu livro
CANÇÕES de AMOR
19 de dezembro
Livraria Prefácio
Rua Voluntários da Pátria, 39, Rio de Janeiro/ RJ
a partir das 19 horas

[Comente este Post]

Postado por Blog da Mirian
17/12/2018 às 21h50

 
A verdade? É isso, meme!

O compartilhamento de memes em redes sociais, para além da função de entretenimento, cumpre uma função nem sempre percebida de criticar certos valores, a maioria associados a condutas consideradas conservadoras, em nome de um progressismo aguado. Vejamos um exemplo.



A construção dessa figura segue um padrão bastante comum, pela associação de uma frase de efeito a um nome, normalmente de alguma personalidade intelectual. O efeito gerado é de uma citação; contudo, nem sempre a frase corresponde com sua fonte de origem, ou nem sempre com seus dizeres originais.

A frase se efetua a partir da oposição entre “pensar” e “julgar”. Assim como no período cada palavra ocupa um polo, na prática a primeira se associa a um aspecto positivo, enquanto que a segunda, negativo. “Pensar” é bom, pois vislumbram-se aspectos que, numa atitude imediatista – irrefletida –, passariam despercebidos; “pensar” consente ao raciocínio acessar camadas de compreensão mais profundas e, assim, mais verdadeiras; permite reavaliar certos valores e passar a considerá-los sob outras óticas. Isso requer um esforço que exige não apenas um mínimo de repertório intelectual, como também capacidade de abstração; algo, portanto, pouco agradável a um público numericamente extenso.

Em contrapartida, “julgar” é uma espécie de atalho, visto que para emitir um juízo de valor não é necessário percorrer todo aquele doloroso procedimento descrito acima; basta uma resposta imediata. Aplicando-se a lei do mínimo esforço, o “julgar” é preterido em função do “pensar”, pois o comum é preferir o mais fácil.

Contudo, essa predileção tem os seus efeitos colaterais, como a permanência constante na superfície, além de legitimar o compartilhamento de memes duvidosos por um grande número de pessoas e, assim, seguir o fluxo da maioria. O alvo do meme são aqueles que julgam os demais sem necessariamente conhecê-los ou, ao menos, levar em consideração a sua situação de contexto. Noutras palavras, pretende-se um ataque aos fofoqueiros e, através da associação com a autoridade intelectual de Jung, a frase efetua um ar de “verdade”, de sabedoria ou, pelo menos, de profundidade, assumindo uma postura crítica.

De fato, a frase foi pinçada de uma obra de Jung, mas o modo como está escrita é infiel. Ela se encontra no livro “Um mito moderno sobre as coisas vistas no céu”, publicado pela primeira vez em 1958. Trata-se de um ensaio a respeito dos constantes relatos de avistamento de óvnis, discos-voadores e quejandos, no decorrer do período do pós-guerra e parte da década de 1950.

Nesse quadro, Jung defende a tese de que tais avistamentos correspondem a uma projeção do inconsciente coletivo, manifestado por meio dos boatos visionários e, assim, compõe-se uma espécie de mitologia moderna. Não se trata de questionar o fundamento verídico dos relatos, mas de investigar seu fundamento psíquico.

A frase citada no meme encontra-se no Capítulo 2, dedicado a apresentar e comentar um conjunto de sonhos em que aparecem, de maneira evidente ou não, experiências com óvnis:

"O único fato indubitável é que o mais importante dos instintos fundamentais, a saber, o instinto religioso de totalidade, desempenha na consciência comum hodierna o papel mais insignificante, porque, sob o ponto de vista histórico, ele só consegue livrar-se, com muita dificuldade, e sob constantes recaídas, da associação e contaminação com os outros dois instintos. Enquanto estes podem recorrer constantemente a fatos de todo dia conhecidos por todos, o outro precisa, para a sua evidência, de uma consciência muito mais diferenciada, de circunspecção, de reflexão, de responsabilidade e de outras virtudes mais. Por este motivo, ele não se recomenda absolutamente ao homem de impulsos naturais, relativamente, já que ele está preso ao mundo que lhe é conhecido, e se apega aos lugares comuns e ao evidente, ao que é provável e coletivamente válido, seguindo o lema: “Pensar é difícil, por isso a maioria é quem decide!”. Ele considera um notável alívio da sua existência, quando algo aparentemente complicado, incomum, difícil de ser compreendido, que ameaça trazer problemas, pode ser relacionado com algo costumeiro, até mesmo banal, ainda mais se a solução parecer surpreendentemente simples, e além do mais, engraçada". (2013, p. 50)

Veja-se que, em primeiro lugar, a frase é aplicada como um lema aceito pelo senso comum, e não são dizeres oriundos da pena de Jung. Em segundo lugar, a frase caracteriza uma conduta do homem comum, aquele de “impulsos naturais”, pouco afeito ao cultivo intelectual e espiritual: ao invés, prefere seguir a decisão da maioria e, sendo assim, delega aos demais a responsabilidade dos afazeres mais trabalhosos, como, justamente, o pensar. Em terceiro lugar, neste trecho em específico, Jung discute as idiossincrasias do “instinto religioso”, que se caracteriza, basicamente, pela preocupação e percepção da totalidade do ser humano: carne e espírito; matéria e alma.

Como afirmado no início do excerto, o instinto religioso, apesar de fundamental, desde aquele contexto desempenha função cada vez menos significante. Enfatizo: cada vez menos significante. Isso quer dizer que estava perdendo seu lugar no âmbito de dar significados à existência e os homens passaram a encontrar nas coisas materiais essa função, deixando de lado a espiritualidade, pois demanda esforço para ser cultivada. Dessa forma, os constantes relatos de avistamentos de óvnis funcionava, segundo Jung, como uma espécie de sublimação, pois o homem moderno, receoso pela possibilidade de uma guerra nuclear, projetou no espaço a solução material para seus problemas. (Seria, na era contemporânea, os memes a cumprirem essa função?)

Nesse processo os símbolos adquirem uma importância fundamental para Jung, pois fazem a manutenção do instinto religioso.

Como afirmei, a frase que aparece no meme não é a mesma utilizada por Jung. O meme é pretensioso ao enaltecer a diferença entre a ação de “pensar” e a de “julgar”, inclusive estabelecendo uma diferença de valor. Já a frase em inglês, originalmente é: “Thinking is difficult, therefore let the herd pronounce judgement”. A despeito de a palavra “julgamento” aparecer na frase original, seu sentido não é o do que está no meme, mas, sim, no de “decidir” (uma possível tradução literal seria: “Pensar é difícil, por isso, deixemos a maioria julgar”).

Sendo assim, o meme desonestamente rechaça uma compreensão mais aprofundada, não apenas do pensamento de Jung (cuja teoria está longe de ser o alvo de interesse do meme), mas também da própria ação de “julgar”, ali reduzida ao ato de falar mal ou sem propriedade. Paradoxalmente, ela incentiva os demais a agirem conforme o que ela mesma condena: julgar antes de pensar; quem a compartilhou, não pensou se ela é correta, mas a julgou como tal.

Além disso, é interessante o significado implicitamente atribuído à palavra “julgar” no meme. Como já vimos, é oposto ao de “pensar”; dessa forma, “julgar” implica a ação irrefletida, imprudente, de emitir um juízo de valor, seja por ser infundado, seja por ser preconceituoso.

Além disso a frase reflete uma conduta comum, aceita como positiva, de que não há valores absolutos e, portanto, julgar implica em incorrer em tal falácia. Mesmo porque, para emitir um julgamento é necessária uma referência pré-estabelecida, isto é, uma forma de pré-conceito – outro palavrão.

Nesse plano, a querela detrás a frase do meme é criticar certo conservadorismo em função do multiculturalismo, seja em âmbito moral ou cultural. Julgar e não-julgar se associam a condutas políticas de tolerância: a primeira é fascista enquanto que a segunda é democrática. Entretanto, a despeito dessa beleza moral, a frase, além de mentirosa, não diz nada. Em primeiro lugar, a associação entre política e arte redunda em confusão; em segundo lugar, essa relação não é determinista, pois a índole política do artista não salva (ou condena) sua arte:

"(...) é perfeitamente possível que, tendo alcançado uma sabedoria política fundamental (...), o valor de nossas produções culturais se afigure muito inferior ao das produções culturais de sociedades cuja necedade política vigorosamente condenamos. Além disso, é dado da experiência que, quando do colapso de sistemas políticos ou sociais terríveis e de sua substituição por sistemas que, ao menos abstratamente, são melhores, as pessoas nem sempre ficam felizes. É essa a verdade que se encontra por trás do ditado dos camponeses romenos (...), segundo o qual a mudança de governantes é a alegria dos tolos". (DALRYMPLE, Qualquer coisa serve, p. 158)

A frase deturpada e atribuída a Jung cumpre um apelo retórico. Como não está restrita a um contexto específico, pode ser aplicada a um leque extenso, que vai desde questões multiculturalistas, até questões de ordem afetiva. O intuito é salvaguardar a supremacia do relativo em detrimento do padrão (do normativo).

Nesse processo a frase revela seu sentido verdadeiro, isto é, revela um modo de ser julgado, uma tentativa de mascarar diferenças qualitativas para que tudo seja considerado conforme as especificidades de cada contexto. Isto é, a mensagem do meme é: julgar é excludente e, por isso, ruim. Toda diferença deve ser considerada. Quebrar padrões, não se enquadrar a nada, ser diferente em todas as esferas da vida, é isso o que importa. Paradoxalmente essa conduta inaugura novos padrões de conduta aos quais são estabelecidos como referenciais para outros julgamentos: todo aquele que não for diferente será um inimigo.

Por fim, o modo composicional da frase cumpre o oposto do que ela pretende dizer, pois não está contextualizada e, além disso, transmite não um pensamento, mas um julgamento. E aí ela revela seu verdadeiro conteúdo: o descompasso, tão comum, mas normalmente disfarçado, de certos discursos que valorizam as diferenças em nome de outros preconceitos e outros juízos, estes sim, deletérios.

[Comente este Post]

Postado por Ricardo Gessner
9/12/2018 às 16h16

 
Ser pai, sendo filho - poema

Todos nós envelhecemos,
Pais, filho e filha envelhecem,
Enquanto os filhos voam,
Os país rezam uma prece,
Um dia, rezem eles aos seus,
Como pai, rezo aos meus,
Porquanto o corpo obedece.

Que sabem os filhos dos pais?
Muito pouco creio eu,
Os pais sabem dos filhos,
Tudo o que aconteceu,
Dos choros às travessuras,
Dos aconchegos e ternuras,
Neles, isso tudo se perdeu.

É bom que os filhos saibam,
Que seus pais foram criança,
Embora em tempo passado,
Ficou preso à lembrança,
Como eles, também voaram,
Foram dinâmicos e cansaram,
Mas carregam a esperança.

Quando o filho, se faz filho atuante,
Preserva bem os seus pais,
Quando eles vão embora,
Partem para nunca mais,
Só resta aos filhos a saudade,
De quem pela eternidade,
Serão os seus ancestrais.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
5/12/2018 às 18h20

 
A massa não entende

Se a leitura de poesia, atualmente, é algo raro, o que dirá das suas análises? Mais do que raro, é tormentoso; e com razão. Especialistas pululam para lastimar a falta de interesse, ora acusando o capitalismo, ora o comunismo, ora a sociedade secreta dos reptilianos, pela responsabilidade. Entretanto, é importante não deixar fora de foco a própria produção artística, assim como o modo que seus estudiosos e críticos falam dessas obras. Como bem observa Rodrigo Gurgel, em “Reflexões no império dos filisteus” (Crítica, literatura e narratofobia):

“Se o espaço diminui cada vez mais – e o número de publicações dedicadas à literatura escasseia –, isso se deve não só a certas políticas editorias ou questões de ordem sociológica, mas também aos próprios críticos, que afastam os leitores ao incorporar a linguagem hermética da academia e evitar fazer julgamentos claros.

O crítico assinala o teor altamente especializado da crítica literária, que se tornou comum nos idos de 1970 em diante, e facilitou a fuga do público para outros setores, como a música pop ou produções mais digestivas. A crítica literária deixou de exercer sua função básica, criticar, julgar – escudada em discursos politicamente corretos –, para exibir um virtuosíssimo teórico agradável aos ouvidos áridos dos departamentos de teoria literária.

Contudo, a crítica literária responde a um outro fator, que é a especialização da própria arte. Como falei na abertura dessa crônica, a poesia – e as demais formas de arte – não estão na boca do público. Nesse sentido, o filósofo espanhol Ortega y Gasset, em “A desumanização da arte”, segue dessa premissa – de que a arte moderna é impopular e, mais do que isso, antipopular – dividindo o público entre os que a compreendem e os que não: “Não se trata de que a maioria do público não goste da arte moderna enquanto uma pequena parte, sim. O que acontece é que a maioria – a massa – não a compreende”. E isso ocorre porque a arte moderna passou por um processo de desumanização.

De acordo com o filósofo espanhol, a arte é uma forma de olhar para o mundo, como se olhássemos para uma paisagem através do vidro de uma janela. A paisagem é a própria realidade, que não se restringe à concretude, mas abrange o universo humano: pode representar a lida com sentimentos, valores, ações, representações do campo sagrado ou experiências místicas. O vidro, por sua vez, é o modo como o olhar é direcionado para percebê-la; é o análogo da técnica artística. Quanto mais límpido o vidro mais evidente é a paisagem, da mesma forma que por séculos os artistas empregaram técnicas que permitiam representar seus objetos com maior fidedignidade, ou torná-los mais claros.

Contudo, num determinado momento, a realidade deixou de ser o foco principal. “Não é que o pintor caminha torpemente em direção a realidade, mas vai contra ela”. Noutras palavras, a paisagem adquire uma importância menor, pois o vidro da janela – a técnica artística – tornou-se o fator preponderante. Isso foi apresentado como sendo a autonomia do campo artístico, que não depende mais de nenhuma realidade externa e pode sobreviver por si mesmo. O poeta francês Théophile Gautier sistematizou a proposta no conceito, hoje bastante conhecido, de “arte pela arte”. A poesia tornou-se “a álgebra superior das metáforas”, segundo Ortega y Gasset.

Por um lado, a conquista dessa autonomia foi compreendida como uma libertação da Arte, pois estava livre da realidade, livre de convenções, livre do universo humano e poderia voltar-se ao seu próprio. Por outro lado, isso acarretou numa excessiva atenção à técnica, culminando na “desumanização da arte”, da qual fala Ortega y Gasset e sua consequente incompreensão por parte do público. Isto é, como a arte tem a si mesma como referencial e faz isso por meio de técnicas profundamente especializadas, quem não possui esse domínio permanece excluído, ou tem mais dificuldade de compreensão.

Alguns filósofos marxistas celebraram essa característica interpretando-a como se fosse uma forma de resistência a uma sociedade capitalista, burguesa, “hostil à arte, pois não gera riqueza”. Contudo, há de se reconhecer que não apenas os opressores ficaram de fora, como também os oprimidos. “O que acontece é que a maioria – a massa – não a compreende”.

Os artistas se tornaram seus próprios críticos, muitos se dedicando à reflexão filosófica sobre o campo estético, criando sistemas teóricos para justificar suas obras – vide Paul Valery, na França – ou alguns poucos acólitos que passaram pelo processo de iniciação e aprenderam o vocabulário esotérico – como o próprio Paul Valery em relação a Stephane Mallarmé. A crítica tornou-se fechada em si mesma, munida de um arsenal teórico desconhecido por aquele que frui da Arte porque é, antes de tudo, humano:

“Ora, o leitor dos cadernos culturais não quer receber, a cada semana, pílulas estruturalistas ou conceitos derridianos. E não quer chegar ao ponto final do texto sem saber o que, exatamente, o articulista pensa. Quer e precisa de uma crítica que se disponha à tarefa de intermediar o diálogo entre a obra e ele, o leitor. Portanto, se a crítica deseja recuperar seu espaço, deve, antes de tudo, reaprender a respeitar o leitor” (Rodrigo Gurgel, “Reflexões no império dos filisteus”, p. 41)

Com isso, os artistas que esnobam tudo aquilo que “não é Arte”, mesmo que se apresentem como politicamente democráticos, são estilisticamente elitistas ao pressuporem um arsenal teórico para a fruição, além de facilitarem a fuga do público para outras instâncias.

[Comente este Post]

Postado por Ricardo Gessner
2/12/2018 às 17h31

 
ARCHITECTURA

Talvez por gosto talvez por teimosia

ergui neste deserto a moradia


Na casa um girassol alucinado

revive em flor delírios do passado


Neste porão oculta-se em degredo

uma finada infância com seus medos


Ali repousam agora as velhas musas

na tessitura dos véus que encobrem as rugas


Numa xícara de arte em porcelana

me fitam gueixas de longas pestanas


E na janela aberta para a rua

vejo São Jorge e seu dragão na lua


De tinta e de papel minha morada

ora aparece e logo se apaga


Ayrton Pereira da Silva



[Comente este Post]

Postado por Impressões Digitais
1/12/2018 às 10h41

 
Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo


O mundo nasceu forjado no caus e na selvageria, onde os primeiros homens tiveram que travar lutas pela existência com animais vorazes e após sua extinção, iniciaram batalhas entre si por territórios, divergência de crenças, diferença de povos e todo tipo de motivo que sempre culminou em derramamento de sangue e maiores problemas que a bendita solução.

Claro que o planeta agora alcança melhores resultados com a sociedade moderna e uma diplomacia mais estabelecida entre as nações, porém nunca é o bastante pra sanar os atritos que surgem renovados por ideias que se perderam e não bastam na memória daqueles que não a viveram ao extremo.

Mas até que ponto algo é certo e cruzando a linha, passa a estar errado? Será que esse certo realmente já esteve correto um dia ou era só chamariz ganhando força pra se mostrar extremo mais adiante, no momento conveniente?

Tantas perguntas sem resposta e diferentes quadros que podem levar a diversos cenários entre a utopia e o caus completo. Quem sabe a Joia do Tempo no Olho de Agamotto tenha o resultado numa em milhões de possibilidades acontecendo aleatoriamente? kkk

Entretanto, é fato que uma ponta só existe porque há uma outra equivalente, uma balança, gangorra, que seja, equilibrando no meio os atos cometidos por ambas as partes. Dessa forma, a direita está mais forte porque a esquerda não soube dosar. Da mesma maneira que a guerra acontece porque quase ninguém tenta praticar a paz. Momentos em que tudo piora porque só assim pode melhorar, ressurgindo do fundo vingativos e violentos em forma de política, imigração em massa, terrorismo, catástrofes climáticas, guerras absurdas, modismos ensandecidos, etc.

As velhas lutas e batalhas morreram, esta é uma época velada. Porém, tão perigosa quanto a do início da Terra, há milhões de anos atrás. Cada vez mais a vista, dispersa e arriscada com os recursos tecnológicos, logística e poder de persuasão. Em praticamente todos os meios a propaganda é a alma do negócio e isso está mais que compreendido por aqueles que querem dominar.

Vivendo de novas armas, assim segue a humanidade. Ferindo como de costume pelos velhos objetivos de dominação. São só os efeitos colaterais desse ano no mundo, silenciosos e surreais devastando sorrateiramente até quando nem onde possa imaginar.



[Comente este Post]

Postado por Blog de Camila Oliveira Santos
30/11/2018 às 05h05

 
A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I

Durante madrugadas ébrias, chuvosas e frias, passo a noite em claro e um livro aberto. Entre o clarão de um raio e estrondo de um trovão, não sei se o que aparece no vidro da janela é a silhueta de Edgar Allan Poe, com dentes assustadoramente alvos, rindo-se enquanto sobrepõe tijolos para fechar qualquer saída, ou se o livro que tenho nas mãos é de uma ave de rapina cuja assinatura é “Nunca mais”. Desperto. Era um pesadelo? Olho ao redor e vejo-me num quarto fechado, sem portas nem janelas...

Edgar Allan Poe é um dos meus autores de cabeceira. Chama-me a atenção em seus contos uma fixação pelos espaços interiores e pequenos. Por exemplo, em “O gato preto” o personagem principal, depois de assassinar sua esposa, para livrar-se do cadáver, empareda-o no porão de sua casa; em “O coração delator”, depois de assassinar o velho companheiro, esconde o corpo debaixo do assoalho. Em ambos os contos, diga-se de passagem, a estrutura é bastante parecida, sendo vários os elementos em comum: a fixação do personagem pelo olhar (do gato no primeiro, do velho no segundo); um estado de clara perturbação mental do narrador-personagem; sons perturbadores, ora provindos da mente perturbada do narrador (o bater do coração do velho), ora das próprias condições situacionais (o miado do gato, que o narrador emparedou sem perceber junto com o cadáver).

Tenho comigo uma hipótese: acredito que esse “espaço fechado” é uma espécie de personagem que circunda, ou melhor, assombra inúmeros dos contos de Poe, mas que não tem nome e muitas vezes é o responsável pelo tom – para utilizar conceito do próprio Poe – do texto, ou até mesmo por gerar sua unidade de efeito. De tão evidente, passa despercebido. Este personagem é o “claustro”. Digo aqui “claustro” por falta de termo melhor; na verdade, penso nas quatro paredes fechadas que, mais do que seu sentido literal, funciona como uma espécie de arquétipo.

Em “O barril de Amontillado”, Montresor – o narrador-personagem –, amargurado e rancoroso por certas injúrias cometidas por Fortunato, tece uma armadilha para abandoná-lo numa câmara subterrânea, supostamente um depósito de vinhos onde haveria um “barril de Amontillado”. Provavelmente o conto é a principal fonte – ou barril? – que Sir Arthur Conan Doyle bebeu para escrever “A nova catacumba” ou Lygia Fagundes Telles para escrever “Venha ver o pôr do sol”. Montresor numa emboscada acorrenta Fortunato nessa câmara, fecha-a e segue, satisfeito de sua vingança. Toda a ação de “O poço e o pêndulo”, como sugere o título, se passa numa espécie de poço – um espaço fechado e misterioso. E talvez o conto que chega ao mais extremo nesse sentido seja “O enterro prematuro”, que versa sobre a fobia do narrador em ser enterrado vivo.

Ora, diante desses poucos exemplos ensaio que, mais do que um recurso literário utilizado por Poe, é, como disse no início, uma espécie de personagem. Um fantasma que assombra manifestando-se sob as mais diversas formas. E o “claustro” não se restringe ao espaço em si, também é sua manifestação, ou melhor, sua influência ou ligação sobre os personagens, como em “A queda da casa de Usher” ou em “Ligeia”, uma espécie de Feng-Shui macabro. E mais ainda, o claustro nem mesmo precisa ser um espaço físico: pode se associar à mente perturbada do personagem.

Acredito que o “claustro”, agora transposto para a condição humana, é um arquétipo. Trata-se do horror em ser levado, sem perceber, por uma força misteriosa que oprime e não oferece nenhuma perspectiva de saída. Vivo, consciente e sem saída, num lugar para sempre desconhecido, sem saber como chegou ali. O medo da morte torna-se um afago. Sem portas, sem janelas. Sem passado nem futuro. Isso é o “claustro”. Também pode ser inferno, eterno-retorno, imutabilidade... Pode se dar num espaço literalmente claustrofóbico ou a céu aberto, nas circunstâncias aparentemente mais insignificantes, mas é onde o abismo se abre. Tudo depende das circunstâncias ou da fertilidade mental de quem (não) pensa. Poe, nesse sentido, expõe as entranhas da vida. Seguimos sem saber como ou para onde, sobre uma jangada que acreditamos existir, fixos em miragens que por nós mesmos se transmutam a cada momento. Quando acordamos, estamos ali, num lugar fechado, sem portas nem janelas. O último gesto é gritar para escutar a própria voz.

To be continued...

[Comente este Post]

Postado por Ricardo Gessner
25/11/2018 às 14h29

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CITAÇÕES DO PRESIDENTE MAO TSETUNG
MAO TSETUNG (2ª EDIÇÃO)
EDITORIAL MINERVA (LISBOA)
(1974)
R$ 19,82



CRISTO COSMICO E OS ESSENIOS
HUBERTO ROHDEN
MARTIN CLARET
(2002)
R$ 15,00



SIMULAÇÃO DE FATORES QUE AFETAM AS PREDIÇÕES NA VARIABILIDADE ESPACIAL
CÁSSIO PINHO DOS REIS UND NERILSON TERRA SANTOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



FIQUE RICA SEM CULPA - DETOX YOUR FINANCES
JUSTINE TRUEMAN
GENTE
(2010)
R$ 67,00



ESTRATÉGIAS E MÁSCARAS DE UM FINGIDOR - A CRÔNICA DE MACHADO DE ASSIS
DILSON F. CRUZ JR.
HUMANITAS
(2002)
R$ 30,00



HISTÓRIA VIVA ANO I Nº 1 NOV 2003
ALFREDO NASTARI DIRETOR GERAL
DUETTO EDITORIAL
(2003)
R$ 6,00



FLORÍSTICA, FITOSSOCIOLOGIA E POTENCIAL MEDICINAL DE ESPÉCIES VEGETAIS
DAIANE MARTINS UND ROSELI LC BORTOLUZZI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



ARTE RETÓRICA E ARTE POÉTICA
ARISTÓTELES
DIFEL
(1964)
R$ 38,00



A CENTRALIDADE DO ESTUDANTE NA APRENDIZAGEM DO CUIDADO
ISABEL CRISTINA MASCARENHAS RABIAIS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 433,00



CONFIANÇA E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO
ANNA LYGIA COSTA REGO
SINGULAR
(2013)
R$ 20,00




>>> A Lanterna Mágica
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
28172 visitas/dia
922 mil/mês