Eu fui às touradas de Sevilha | Blog da Monipin

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Poesia para jovens
>>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3)
>>> Um estranho incidente literário
>>> Na Cama Com Tarantino
Mais Recentes
>>> O Grumete: romance do Brasil colonial do século XVIII de Luiz Carlos Carneiro pela Lake (2003)
>>> A terceira mulher Permanência e revolução do feminino de Gilles Lipovetsky pela Companhia das letras (2000)
>>> Os Limites da Paixão de Norma Jorge Moreira pela Dpl (2005)
>>> Vivendo uma História de Amor de Humberto C. Pazian pela Letras & Textos (2000)
>>> Elos Sem Fim de Deborah Cristina e Mello de Jesus (Espírito) pela Minas (2001)
>>> A eleição da criançada de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2006)
>>> Violência de Gênero e Políticas Públicas de Suely Souza de Almeida (Org.) pela Ufrj (2007)
>>> Ana levada da breca de Maria de Lourdes Krieger pela Moderna (2002)
>>> Psicanálise da criança de Melanie Klein pela Mestre Jou (1969)
>>> O Cipreste no Jardim de Osho pela Cultrix (1997)
>>> Los Hermanos Rico de Georges Simenon pela Punto de Lectura (2005)
>>> Não conte a ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Uma dobra no tempo de Madeleine L'Engle pela Harper Collins (2017)
>>> Diários de Berlim de Marie Vassiltchikov pela Boitempo (2015)
>>> Fidel Castro. Biografia a Duas Vozes de Ignácio Ramonet pela Boitempo (2016)
>>> Globalização, Dependência e Neoliberalismo na América Latina de Carlos Eduardo Martins pela Boitempo (2011)
>>> Paris, Capital da Modernidade de David Harvey pela Boitempo (2015)
>>> Geriatria Moderna Para Leigos - Série Viver A Vida de Newron Luiz Terra e Colaboradores pela Leitura XXI (2007)
>>> O Ano I da Revolução Russa de Victor Serge pela Boitempo (2007)
>>> Práticas Psicogerontológicas Nos Cuidados De Idosos de Eliana Novaes Procópio pela Juruá (2012)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1998)
>>> A Ilíada (Em Verso) de Homero pela Ediouro
>>> Psicogerontologia Fundamentos e Práticas de Diana Silvina Singer e Colaboradores pela Juruá (2009)
>>> A Montanha que Devemos Conquistar de István Mészáros pela Boitempo (2015)
>>> Desenvolvimento e Envelhecimento: Perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas de Anita Liberalesso (org.) pela Papirus (2012)
>>> A Ilíada (Forma Narrativa) de Homero pela Ediouro
>>> Poder e Desaparecimento de Pilar Calveiro pela Boitempo (2019)
>>> Eneida de Virgílio pela Ediouro
>>> As Ilusões Perdidas de Honoré de Balzac pela Abril Cultural (1978)
>>> A Aldeia Ancestral de Pearl S. Buck pela Gráfica Brasileira (1950)
>>> Trabalho e Dialética - Hegel, Marx e a Teoria Social do Devir de Jesus Ranieri pela Boitempo (2011)
>>> Crime e Castigo - 2 volumes de Dostoiévski pela Abril Cultural (1979)
>>> O Conhecimento do Cotidiano As Representações Sociais Na Perspectiva Da Psicologia Social de Mary Jane Spink (org) pela Brasiliense (1995)
>>> Lutas de Classes na Alemanha de karl marx e Friedrich Engels pela Boitempo (2010)
>>> O Conhecimento Confiável: Uma Exploração Dos Fundamentos Para a Crença na Ciência de John Ziman pela Papirus (1996)
>>> O Paradoxo da Moral de Vladimir Jankelevitch pela Papirus (1994)
>>> Uma Mensagem Profética Para Sua Vida de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> Educação não é privilégio de Anísio Teixeira pela Ufrj (2007)
>>> Germinal de Émile Zola pela Abril Cultural (1979)
>>> Soledad no Recife de Urariano Mota pela Boitempo (2009)
>>> Quando A Nossa Fé É Provada de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> As Aventuras do Sr. Pickwick de Charles Dickens pela Abril Cultural (1979)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril Cultural (1979)
>>> Dom Quixote de La Mancha de Cervantes pela Abril Cultural (1978)
>>> Aborto Perda e Renovação: Um Paradoxo Na Procura da Identidade Feminina de Eva Pattis pela Paulus (2000)
>>> Ana Karênina - 2 volumes de Tolstói pela Abril Cultural (1979)
>>> Sonhos A Essência Orientando A Existência de Djalma Argolo pela Amar (2012)
>>> A Sabedoria dos Sonhos Para Desvendar O Inconsciente Feminino de Karen A. Signell pela Ágora (1998)
>>> Vivências da Maternidade e Suas Consequências Para o Desenvolvimento Psicológico do Filho de Eliana Marcello de Felice pela Vetor (2006)
>>> Os Sentidos Do Sintoma Psicanálise E Gastroenterologia de Paulo Roberto de Sousa pela Papirus (1993)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 3/5/2015
Eu fui às touradas de Sevilha
Monica Cotrim

+ de 3100 Acessos



Tem gente que viaja para descansar ou fugir da rotina. Tem outros que querem conhecer novas culturas, experimentar comidas diferentes, ampliar horizontes. Tirar fotos e comprar um monte de lembrancinhas que espichem o prazer da viagem depois da volta para casa também faz parte da bagagem de qualquer turista. Nada contra. Faço sempre tudo isso, sem culpa nenhuma. Ultimamente, entretanto, tenho notado que a maior riqueza trazida de minhas viagens tem sido, cada vez mais, um olhar renovado para dentro de mim mesma. Em meio às lembranças, fotos e anotações do que foi visto e aprendido longe do meu cotidiano, logo embarco em uma nova viagem, mais rica e profunda, de revisão de meus próprios valores, conhecimentos e certezas.

Sevilha, a bela capital da Andaluzia, no sul da Espanha, provocou um turbilhão dentro de mim. Como qualquer turista, fiquei encantada com a beleza de suas ruas, monumentos, cultura e historia. Como pessoa, entretanto, vivenciei uma pequena surpresa, constrangedora para mim mesma: resolvi assistir a uma tourada na Real Maestranza de Caballería - um espetáculo chocante e decadente, ao qual eu jamais imaginei que fosse capaz de ir. Logo eu, que sempre critiquei quem apreciava e frequentava esse tipo de entretenimento bárbaro, onde a crueldade é aplaudida como uma nobre manifestação artística.

Pois é. Confesso que fui. E fui porque quis, ninguém me forçou.

Tento me justificar de todas as formas. Afinal, sem ter feito planos para isso, calhei de estar em Sevilha bem no meio da semana da Feria de Abril, uma das mais belas festas tradicionais da Europa.

Todos os anos, durante seis dias, Sevilha vira uma festa a céu aberto, com as ruas repletas de homens e mulheres em trajes típicos de cores vistosas e inúmeras charretes puxadas a cavalos por todos os lados. Boa parte do comércio fecha durante a semana. Só quem não tem mesmo jeito de justificar a ausência do batente é que vai trabalhar nesses dias de festa.



Uma das maiores atrações da Feria é a abertura da temporada anual das touradas na mais antiga Plaza de Toros da Espanha. Descubro que ainda há ingressos à venda - que sorte! Encantada com minha boa estrela, nem penso duas vezes: compro logo ingressos para a tourada daquele mesmo dia. Só existem assentos disponíveis no lado do sol, pois os do lado da sombra há muito já foram comprados por aficionados mais previdentes e em geral de alto poder aquisitivo. Nem ligo para isso. Afinal, o simples fato de estar ali naquele dia já é para mim uma grande conquista.



Enquanto cantarolo mentalmente a ária do Toreador da ópera Carmen de Bizet, a fantasia do imaginario coletivo passeia pela minha cabeça. Revejo obras de arte famosas que celebram a dança da morte entre touros e toureiros, produzidas por artistas como Goya, Miró e Picasso.



Na literatura, não faltam elogios à arte da tauromaquia. Heminway escreveu inúmeras páginas entusiasmadas sobre a faina dos toureiros e ainda gabava-se de ter assistido de perto à agonia e morte de cerca de 1500 touros.

O poeta andaluz Federico García Lorca certa vez disse que a tourada era "a festa mais culta que há no mundo". (Como assim, "culta"? Acho o termo exagerado, mas como quem disse isso foi o García Lorca... deixo a estranheza para lá e me concentro na promessa de grandes emoções daquela tarde de sol.)

E o nosso João Cabral de Melo Neto, que viveu treze anos na Espanha, alguns dos quais na sua amada Sevilha, era grande aficionado das touradas. Em um de seus poemas, ele presta homenagem "ao mais asceta" de todos os toureiros, Manolete, que demonstra aos poetas "como domar a explosão com mão serena e contida, sem deixar que se derrame a flor que traz escondida."

Se tantos artistas e intelectuais famosos se confessaram escancaradamente deslumbrados com as touradas, como é que eu poderia resistir ao ambiente festivo de uma Corrida de Touros em Sevilha? É tudo tão colorido e bonito! E os touros? Ah, bem, deixa os touros para lá. Abafo qualquer sentimento de comiseração que eu possa ter para com os animais que irão ser chacinados dali a pouco à minha frente. Eu quero é festa.

Enquanto espero o início das atividades, abro distraidamente o folheto do programa e encontro a lista dos seis touros condenados a morrer naquela tarde. É uma lista bizarra, com o nome e a data do nascimento de cada um (vejo que todos tem entre quatro e cinco anos de idade), bem como a cor da "capa" (ou seja, do pelo do animal), o peso (todos tem mais de 500kg) e o nome da "ganadería" (criador de gado). De repente, por mais que eu tente ignorar aquela obviedade, cada um daqueles touros condenados à morte se transforma num ser vivente, com personalidade e sentimentos proprios.



Aquilo que para mim parecia a promessa de uma bela festa de cores e emoções fortes rapidamente se transforma num espetáculo deprimente. Logo de início, um tristonho show de abertura se arrrasta pela areia, ao som de cornetas. Vejo desfilar um grupo de cavalos e toureiros presunçosos, engalanados como se ainda estivessem na época da Inquisição espanhola. A Maestranza se transforma num teatro dantesco, insuportavelmente falso e cruel.

De repente, surge o primeiro touro, correndo desorientado pela arena. Os ajudantes do toureiro principal iniciam seu bailado de capas coloridas, numa luta desigual contra aquele animal já condenado. Tudo parece obedecer a uma coreografia rigorosamente ensaiada. Depois da dança das capas, entra o picador, montado em um cavalo de olhos vendados e orelhas tapadas. Tenho a impressão de que o cavalo está também drogado, pois ele não foge das violentas chifradas do touro, aguentando o tranco com um estoicismo nada natural. A missão do picador é desferir uma série de estocadas no touro, para enfraquecê-lo bem, antes do toureiro entrar em cena. Em seguida, é com enorme ferocidade que o toureiro espeta banderilhas no lombo do touro já exausto. A essas alturas, o sangue escorre abundantemente pelos dois lados do corpo do animal. Depois de assistir à estocada fatal do Matador, quando o touro se esvai em sangue, completamente humilhado e rendido, estou decidida: não quero mais ver o resto do espetáculo. Já vi o suficiente.

Mas, para mim, o momento mais surpreendente de toda a tourada acontece dentro de mim mesma: em vez de deixar a arena, decido ficar mais tempo ali, para assistir ao segundo número. E depois ao terceiro. E ainda ao quarto. Não me peçam para explicar. É complicado compreender os descaminhos da mente humana. Até agora estou tentando entender por que motivo não deixei aquela arena logo de uma vez. Finalmente, quando só faltavam os dois últimos touros do programa, consigo me levantar e ir embora dali.



Descendo as escadas do Maestranza, vejo um grupo de jovens indianos (ou serão paquistaneses?) que, como eu, também resolvem sair antes do final do espetáculo. Por alguns segundos nossos olhares turistas se cruzam, meio envergonhados. Alguém poderia nos explicar o que é que a gente tinha ido fazer ali?

Grandes escritores podem dizer o que quiserem, pintores célebres podem produzir obras-primas inesquecíveis, os melhores músicos podem compor quantas belas canções desejarem sobre a dança da morte entre touros e toureiros. Todos tem o direito de pensar o que quiserem. Mas de uma coisa agora estou certa: tourada não é nem arte nem cultura.

Agora posso dizer a todo o mundo que já fui a uma tourada na vida. Sim, e daí? Digo isso com uma certa vergonha por não ter refletido melhor antes de comprar aqueles ingressos, movida por um entusiasmo de turista infantil. Mas também não me penitencio por isto, apenas observo. Depois desta tarde no Maestranza de Sevilha, acho que agora me conheço um pouco melhor. Touradas, nunca mais.

E constato, desapaixonada e sem alarde: eu fui às touradas de Sevilha. Sem parará-tim-buns.


Postado por Monica Cotrim
Em 3/5/2015 às 12h02


Mais Blog da Monipin
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PSICANÁLISE ENTRE DOIS NARCISOS; NARCISO, ÉDIPO E O OUTRO
TEMPO PSICANALÍTICO, Nº 1 E 2, VOL 7 DE 1984
SOC PSICANÁLISE IRACY DOYLE
(1984)
R$ 15,28



CANÇÃO DO MAR
PAT CONROY
CIRCULO DO LIVRO
(1995)
R$ 29,90
+ frete grátis



LIVRO DE VISITAS
MÁRCIO TÁVORA
BRAZILBIZZ
(2014)
R$ 16,51



RETIRO COM PE. SLAVKO NO BRASIL
PE. SLAVKO
LOYOLA
(1989)
R$ 30,00



A MORTE DO PLANETA (PENTALOGIA #4)
J. W. ROCHESTER; WERA KRIJANOWSKAIA
BOA NOVA / LUMEN
(1997)
R$ 15,00



MEU DOMINGO COM CRISTO B-3
PE JOSÉ GERALDO RODRIGUES
SANTUÁRIO
(1986)
R$ 5,00



ARQUIVOS DO NORTE
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 20,00
+ frete grátis



DO-IN (LIVRO COMPLETO)
MARGO GEESDORF
RIGEL
(1973)
R$ 15,00



A LUA DE YAKUZA: SURPREENDENTES REVELAÇÕES DA FILHA DE UM GÂNGSTER
SHOKO TENDO
ESCALA
(2010)
R$ 12,00



DOM JOÃO VI NO BRASIL 1808-1821 SEGUNDO VOLUME
OLIVEIRA LIMA
JOSÉ OLYMPIO
(1945)
R$ 377,06





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês