Uma História da Tecnologia de Informação- Parte 1 | Blog de Claudio Spiguel

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Mais Recentes
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Fotoleitura de Paul R. Scheele pela Summus (1995)
>>> O Rosto Materno de Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
BLOGS >>> Posts

Quinta-feira, 21/5/2015
Uma História da Tecnologia de Informação- Parte 1
Claudio Spiguel

+ de 900 Acessos

66 anos é a minha idade. Frequentemente eu penso nas mudanças que eu já observei durante a minha vida. Diz-se que na segunda metade do século XX e nos primeiros 15 anos deste século XXI, para todos os efeitos nos últimos 66 anos, a humanidade avançou mais que em toda sua história anterior. Em nenhuma área do conhecimento isso é mais aparente do que nas áreas das comunicações e da computação, que constituem o meu campo de especialização. E, na verdade, foi a junção dessas duas áreas lá pelo meio desse período áureo da, assim chamada, ERA DA INFORMAÇÃO, que se constituiu no maior fator catalizador dessa aceleração vertiginosa. Ela vem nos propulsionando como uma raça cada vez com mais alcance e menos barreiras neste nosso planeta azul.

Como evidência disso hoje nos comunicamos com os quatro cantos do mundo através de um computador, como se fosse um telefone, e temos telefones (chamados inteligentes) que são também computadores. No começo da minha carreira profissional, quando muito, havia sobre uma mesa de trabalho um telefone preto com um rotor que nos possibilitava discar os dígitos arábicos 0 a 9. Hoje consideramos o computador ferramenta obrigatória em uma mesa de trabalho, e a penetração desse aparelho nas residências ocorre no mundo inteiro com uma velocidade também vertiginosa. Ela é compatível com a sede de informação dos cérebros evolutivamente crescentes em puro tamanho e também em complexidade que equipam os membros da nossa espécie.

Esse fenômeno, alinhado com outra escolha evolutiva, a de produzir a cria mais indefesa de todas as espécies vivas, e portanto dependente do período mais longo de criação, orientação e educação supervisionada por adultos, faz com que nossas crianças sejam expostas à informática cada vez mais cedo em suas vidas, ao ponto de hoje um adolescente não conseguir imaginar que um dia houve vida sem o computador e a Internet. Nós, sexagenários, sabemos que não é bem assim, e é interessante acompanhar, década a década, o caminho que percorremos nessa subida vertiginosa.

No início do século XX (meros cento e poucos anos atrás...), se desejássemos nos comunicar com alguém no Japão, precisaríamos de recursos para empreender uma viagem de vários meses, talvez anos, repleta de perigos e incertezas, e encontrar face-a-face com nosso interlocutor. O motivo da comunicação teria de ser válido pelo menos por todo o período da viagem, para justificá-la, além da esperança que nenhuma doença grave ou, Deus o livre, a morte, acometesse o nosso interlocutor ou nós durante a viagem. E se decidíssemos mandar o recado por outrem, poupando-nos o risco pessoal, teríamos de esperar o dobro do tempo (meses, anos...): a ida, e a volta da resposta. Hoje, comunicamos com os quatro cantos do mundo em uma questão de segundos, horas, ou no máximo UM DIA se a comunicação é com o Japão ou adjacências.

A primeira metade do século XX viu duas evoluções importantes:
1) a transmissão analógica de sons (por analógica entenda-se através de propriedades físicas da matéria, como por exemplo a condutividade do cobre), e por consequência a telefonia analógica, com a aposta de que todos nós não nos importaríamos em nos tornarmos, sem remuneração, operadores de um terminal simples com apenas os dez dígitos arábicos 0 a 9 (aquele telefone preto...), em troca de podermos transmitir os sons da nossa voz além de onde nossos gritos pudessem alcançar; e
2) a formulação matemática que tornou possível a computação digital (aqueles mesmos dígitos...), associada aos materiais que possibilitaram a construção dos primeiros computadores.

A história da humanidade prova que é nos meios militares, e principalmente nas guerras, que tecnologias dão saltos descontínuos de progresso, e a 2ª Guerra Mundial (décadas de 1930 e 1940) não foi exceção. Ela foi fundamental para:
1) o aprimoramento da telefonia analógica para comunicação entre tropas e com os quartéis-generais;
2) o aprimoramento dos computadores digitais cuja primeira aplicação prática foi o cálculo de trajetórias balísticas, e
3) o início dos conceitos de redes de comunicações entre computadores que viriam a formar a base topológica do que hoje é a Internet.

Na década de 1950, a invenção do transistor nos laboratórios da AT&T (American Telephone & Telegraph) nos Estados Unidos lançou a indústria de manufatura de computadores digitais em uma direção de miniaturização, aumento exponencial de capacidade e consequente queda de preço e facilidade de acesso que persiste até hoje. Isso tudo teve um impacto social tremendo através da penetração dos computadores nas comunidades.

A década de 1960 lançou o germe da tal junção catalizadora através da digitização fiel de representações analógicas, por técnicas de amostragem que permitiram a codificação em sequências de dígitos dessas representações, e a decodificação fiel dessas sequências ao sinal original, tornando então possível o uso de computadores digitais como veículos de transmissão de sinais tradicionalmente analógicos como os de telefonia (digitização fiel da voz humana). Mais tarde, o mesmo ocorreu com imagens, com o advento da fotografia digital comercial na década de 1990. As décadas de 1970 e 1980 trouxeram a evolução e a liberação da rede DARPAnet militar americana para o que é hoje a Internet. A congruência de todas essas tecnologias foi tão poderosa que nessas mesmas décadas a AT&T foi esfacelada juridicamente em pequenas companias para evitar o risco de um monopólio perigoso na área de comunicações.

Por pura coincidência, ou pura sorte, a minha carreira profissional me proporcionou o privilégio de estar fisicamente presente em momentos-chave desse trajeto mirabolante, essa jornada maravilhosa. Proponho-me nos meus Posts subsequentes a descrever esses momentos com o mínimo possível de linguajar técnico (ZERO linguajar técnico é minha definição de sucesso), e a sequência cronológica deles formará o pano de fundo que fará jus ao título deste texto: Uma História da Tecnologia de Informação. Mas ela aparecerá sob o microscópio de uma carreira profissional, ou seja, aproximadamente 50 anos, e que toda a evolução a ser descrita ocorreu em período tão insignificante em termos evolutivos é algo que realmente desafia a compreensão humana. Considero um alto privilégio poder compartilhar essa minha experiência aqui no Digestivo Cultural, pois sei que vocês são, conscientemente ou não, usuários de toda a infraestrutura resultante, pelo simples fato de terem lido este texto até aqui. Venham viajar comigo nessa reminiscência fantástica. Mal posso esperar...


Postado por Claudio Spiguel
Em 21/5/2015 às 23h49


Mais Blog de Claudio Spiguel
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MATEMÁTICA FINANCEIRA
JOSÉ DUTRA VIEIRA SOBRINHO
ATLAS
(1982)
R$ 5,50



OS 500
MATTHEW QUIRK
PARALELA
(2013)
R$ 22,00



AIRBRUSHING FOR FINE & COMMERCIAL ARTISTS
ROBERT PASACHAL
VRN
(1982)
R$ 30,00



DEUS: TESE, ANTÍTESE, SÍNTESE
PAULO RESENDE
SAGA
(1969)
R$ 25,82



INVOCAÇÃO - TRILOGIA DARKEST POWERS
KELLEY ARMSTRONG
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 10,00



CONFISSÕES DE UM COMEDOR DE ÓPIO
THOMAS DE QUINCEY
L&PM POCKET
(2002)
R$ 12,00



COMENTÁRIOS AO NOVO CÓDIGO CIVIL - VOL. XIV ART. 966 A 1195
ARNOLDO WALD
FORENSE
(2005)
R$ 200,00



SEGMENTAÇÃO OPÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O MERCADO BRASILEIRO
RAIMAR RICHERS / CECÍLIA PIMENTA LIMA
NOBEL
(1991)
R$ 13,00



UM MILHÃO N°39 BATMAN PLANETA PRISÃO!
DC COMICS
ABRIL 50 ANOS
R$ 20,00



O OUTRO DESAFIO
JULIO LOBOS
DO AUTOR
(1987)
R$ 27,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês