1994: a Copa que foi uma festa | Blog de Luís Fernando Amâncio

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Civilizado?
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Dar títulos aos textos, dar nome aos bois
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Sexta-feira, 3/7/2015
1994: a Copa que foi uma festa
Luís Fernando Amâncio

+ de 1100 Acessos

Por Luís Fernando Amâncio


Striker, o mascote que ganhava nossa simpatia por parecer personagem da Hanna Barbera.

A Copa do Mundo de 1994 foi realmente um evento e tanto. Principalmente para nós, brasileiros. Um país que se orgulhava de ser uma referência na evolução do futebol não poderia ficar 24 anos sem um título mundial. O jejum caiu em Pasadena, numa tarde de 17 de julho, junto com a bola isolada por Roberto Baggio.

Sugestão: dá o play nesse vídeo, trilha sonora do texto

24 anos sem algo acontecer, para quem começara aquela Copa com 7 de idade, soava como algo próximo a todo o tempo da história da humanidade. Eu sabia pouco sobre a contagem do tempo e, sobretudo, a respeito do que era futebol. Para se ter uma ideia, eu não entendia a diferença entre os jogos que aconteciam no campo próximo à casa do meu avô e as partidas que eram transmitidas na TV. De fato, quando ia ao Canto do Rio (nome do bairro e do time amador de Três Corações), ficava procurando as câmeras, estranhava não ter narrador dizendo o nome dos jogadores e perguntava se um dos times era o Corinthians.

Foi com a Copa dos Estados Unidos que eu aprendi algumas coisas sobre o esporte bretão. A principal: que o futebol podia ser uma grande festa. Porque aquele campeonato já começou bem: fomos liberados mais cedo na escola para ver a abertura do evento em casa. Geralmente você tinha que quebrar o nariz ou algo similar para isso acontecer.

Com os jogos do Brasil, então, a coisa era mais animada ainda. Ia gente da família e amigos ver o jogo lá em casa - ou éramos nós que íamos até a casa deles. E, não bastasse ter companhia de outras crianças para brincar, ainda tinha comida boa e refrigerante. Até então, eu achava que isso se chamava "aniversário".

Por outro lado, não posso mentir, as quase duas horas de duração de um jogo era tempo demais para mim. Lembrem-se do primeiro parágrafo: 24 anos soavam uma eternidade, eu não sabia de nada. Se pensar bem, eu não devo ter assistido nenhum jogo inteiro. Por exemplo, no emblemático confronto com a Holanda, pelas quartas-de-final do torneio, eu vi o Brasil fazer dois a zero, fui jogar bola na rua (onde eu também não sabia muito bem o que estava fazendo, o que não mudaria com o passar do tempo), voltei e encontrei todo mundo sofrendo com o jogo empatado e, ufa, ainda deu tempo de festejar aquele golaço de falta do Branco.

E falando em rua, quando o Brasil ganhava (isso aconteceu cinco vezes naquela Copa, mais a final, que foi empate com vitória nos pênaltis), minha família entrava no fusca do meu pai e íamos para a principal praça de Três Corações. Lá, uma algazarra só, música e gente para todos os lados. Camisas verdeamarelas em todo mundo, carros buzinando. Eu tinha uma corneta verde e uma recomendação: pode fazer barulho à vontade. Isso era raro. Para mim, o nome de algo assim era "carnaval". Era muita novidade para uma Copa só.

Anos depois, mais entendido, descobri que aquela seleção brasileira nem era das melhores. Praticava um futebol pragmático, dizem, com muita marcação e pouca criatividade, abusando da boa fase de nossos atacantes. Isso é o que dizem os sabichões do futebol. Para mim, aquele time sempre será mágico. Pô, no meio-campo tínhamos uma dupla que combinava demais: Zinho e Mazinho. Nossos zagueiros, Aldair e Márcio Santos tinham mullets e o reserva, Ricardo Rocha, um bigode que só nos faz pensar na palavra RESPEITO. Isso era zaga, não babacas posando com a língua pra fora. O Dunga ~favor não confundir com o atual técnico da seleção~ era uma versão boleira do Guile, do Street Fighter. No penteado e na cara de quem vai por ordem na bagunça, nem que fosse necessário aplicar uns Sonic Booms.

Romário e Bebeto merecem um parágrafo à parte. O Baixinho era o cara, seus dribles curtos e eficientes, chutes certeiros e cabeçadas (AQUELE gol contra a Suécia na semifinal!) fizeram dele um dos maiores artilheiros da história. Romário era rei, era o máximo, era o cão. O Bebeto foi, talvez, nosso melhor coadjuvante em Copas. Veloz e também matador. Que time, amigos. Certamente maior do que a seleção de 1970, que por mais que pudesse ser excelente, cometeu o erro imperdoável de acontecer antes do meu nascimento.

O tempo passa, a gente envelhece e o futebol já não me faz festejar tanto. Também, pudera, hoje em dia não é mais qualquer corneta verde e pedaço de pizza que me compram. Não há festas como aquelas de antes dos 10 anos. E, com uma geração de futebolistas mais hábeis no manuseio de redes sociais do que em suas profissões, relembrar o passado é o que há de melhor no momento. Porque o nosso presente é de infinitos gols da Alemanha.


Postado por Luís Fernando Amâncio
Em 3/7/2015 às 16h45


Mais Blog de Luís Fernando Amâncio
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO - VOLUME 2
MIGUEL JORGE E OUTROS
EB
(2010)
R$ 95,00



VADE MECUM SARAIVA
EDITORA SARAIVA
SARAIVA
(2016)
R$ 75,00



ERKS: MUNDO INTERNO - 12ª EDIÇÃO
JOSÉ TRIGUEIRINHO NETTO
PENSAMENTO
(2012)
R$ 27,00



NOVA MECÂNICA INDUSTRIAL - METAIS, LIGAS E TRATAMENTO TÉRMICO
AMÉRICO YOSHIDA
LTDA
R$ 30,00



LÍNGUA E TRANSDISCIPLINARIDADE
CLAUDIO CEZAR HENRIQUES; MARIA TERESA G. PEREIRA
CONTEXTO
(2002)
R$ 35,00



O NÚMERO 1
ALVARO CARDOSO GOMES
MODERNA
(1997)
R$ 10,00



HISTÓRIA DA AMÉRICA
RAYMUNDO CAMPOS
ATUAL
R$ 4,00



VIVENDO SEMPRE
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER / ESPÍRITOS DIVERSOS
IDEAL
(1981)
R$ 11,00



ENCARANDO A VERDADE
ADÈLE GERAS
BERTRAND BRASIL
(2006)
R$ 12,90



EUCLIDES DA CUNHA E O PARAÍSO PERDIDO
LEANDRO TOCANTINS
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1978)
R$ 10,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês