1994: a Copa que foi uma festa | Blog de Luís Fernando Amâncio

busca | avançada
58445 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> A concisão dos meus poemas
>>> 13 de Novembro #digestivo10anos
>>> O altar das montanhas de Minas
>>> Dez obras da literatura latino-americana
>>> Prelúdio, de Júlio Medaglia
>>> Soul Bossa Nova
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> A proposta libertária
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Mais Recentes
>>> Coleção Harvard de Administração 19 de Vários pela Nova Cultural (1986)
>>> Globo de Bolso - aos Meus Amigos de Maria Adelaide Amaral pela Globo Antigo (2009)
>>> 1001 Maneiras de Premiar seus Colaboradores de Bob Nelson pela Sextante (2007)
>>> Brazil in United Nations 1946-2011 de Luyis Felipe de Seixas Corrêa ( Org.) pela Fundação Alexandre de Gusmão (2013)
>>> O Segredo de Chimneys de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Verdades Devem Ser Ditas ? ! de Marcio Marino pela All Print (2009)
>>> Fabricação Classe Universal de Richard J. Schonberger pela Futura (1997)
>>> O Livro dos Viloes de Carina Rissi; Diana Peterfreund; Ryta Vinagre pela Galera Record (2014)
>>> Sincronismo Organizacional: Como Alinhar a Estrategia os Processos e As Pessoas de Paulo Rocha pela Saraiva (2006)
>>> Lira Largada ao Vento de Marina Stella Quirino Marchini pela Roswitha Kempf (1985)
>>> O Tratado de Proibição Completa dos Testes Nucleares (CTbT): perspectivas para sua entrada em vigor e para a atuação diplomática brasileira de Maria Feliciana Nunes Ortigão de Sampaio pela Fundação Alexandre de Gusmão (2012)
>>> 3ds Max 8. Guia Autorizado Autodesk de Vários Autores pela Elsevier (2006)
>>> Sinal Verde de Francisco Cândido Xavier pela Cec (2003)
>>> A Única Coisa Que Importa de Karl Albrecht pela Thomson Pioneira (1997)
>>> Buriti Ciencias Historia e Geografia 2º Ano Fundamental Professor de Vários Autores pela Moderna (2017)
>>> O Que Acontece Com o Trabalho? de Ladislau Dowbor pela Senac São Paulo (2002)
>>> Gregor e a Profecia de Sangue Vol 3 de Suzanne Collins pela Galera Record (2011)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Lake (2005)
>>> Coleção Harvard de Administração - 2 de Vários Autores pela Nova Cultural (1987)
>>> Minha Guerra Particular de Masuda Sultan pela Nova Fronteira (2006)
>>> Programa do Livro-Texto 63 Contabilidade de Alessanda Cristina Fahl e outros pela Anhanguera Educacional, Pearson (2008)
>>> Os sertões e os desertos: o combate à desertificação e a política externa brasileira de André Heráclio do Rêgo pela Fundação Alexandre de Gusmão (2012)
>>> Mastering Data Mining de Michael J. A. Berry pela Wiley (1999)
>>> Girls Who Gossip - as Patricinhas Contra-atacam de Theresa Alan pela Bertrand Brasil (2008)
>>> 02 Neurônio Almanaque para Garotas Calientes de Jô Hallack; Nina Lemos; Raq Affonso pela Conrad Livros (1999)
BLOGS >>> Posts

Sexta-feira, 3/7/2015
1994: a Copa que foi uma festa
Luís Fernando Amâncio

+ de 3000 Acessos

Por Luís Fernando Amâncio


Striker, o mascote que ganhava nossa simpatia por parecer personagem da Hanna Barbera.

A Copa do Mundo de 1994 foi realmente um evento e tanto. Principalmente para nós, brasileiros. Um país que se orgulhava de ser uma referência na evolução do futebol não poderia ficar 24 anos sem um título mundial. O jejum caiu em Pasadena, numa tarde de 17 de julho, junto com a bola isolada por Roberto Baggio.

Sugestão: dá o play nesse vídeo, trilha sonora do texto

24 anos sem algo acontecer, para quem começara aquela Copa com 7 de idade, soava como algo próximo a todo o tempo da história da humanidade. Eu sabia pouco sobre a contagem do tempo e, sobretudo, a respeito do que era futebol. Para se ter uma ideia, eu não entendia a diferença entre os jogos que aconteciam no campo próximo à casa do meu avô e as partidas que eram transmitidas na TV. De fato, quando ia ao Canto do Rio (nome do bairro e do time amador de Três Corações), ficava procurando as câmeras, estranhava não ter narrador dizendo o nome dos jogadores e perguntava se um dos times era o Corinthians.

Foi com a Copa dos Estados Unidos que eu aprendi algumas coisas sobre o esporte bretão. A principal: que o futebol podia ser uma grande festa. Porque aquele campeonato já começou bem: fomos liberados mais cedo na escola para ver a abertura do evento em casa. Geralmente você tinha que quebrar o nariz ou algo similar para isso acontecer.

Com os jogos do Brasil, então, a coisa era mais animada ainda. Ia gente da família e amigos ver o jogo lá em casa - ou éramos nós que íamos até a casa deles. E, não bastasse ter companhia de outras crianças para brincar, ainda tinha comida boa e refrigerante. Até então, eu achava que isso se chamava "aniversário".

Por outro lado, não posso mentir, as quase duas horas de duração de um jogo era tempo demais para mim. Lembrem-se do primeiro parágrafo: 24 anos soavam uma eternidade, eu não sabia de nada. Se pensar bem, eu não devo ter assistido nenhum jogo inteiro. Por exemplo, no emblemático confronto com a Holanda, pelas quartas-de-final do torneio, eu vi o Brasil fazer dois a zero, fui jogar bola na rua (onde eu também não sabia muito bem o que estava fazendo, o que não mudaria com o passar do tempo), voltei e encontrei todo mundo sofrendo com o jogo empatado e, ufa, ainda deu tempo de festejar aquele golaço de falta do Branco.

E falando em rua, quando o Brasil ganhava (isso aconteceu cinco vezes naquela Copa, mais a final, que foi empate com vitória nos pênaltis), minha família entrava no fusca do meu pai e íamos para a principal praça de Três Corações. Lá, uma algazarra só, música e gente para todos os lados. Camisas verdeamarelas em todo mundo, carros buzinando. Eu tinha uma corneta verde e uma recomendação: pode fazer barulho à vontade. Isso era raro. Para mim, o nome de algo assim era "carnaval". Era muita novidade para uma Copa só.

Anos depois, mais entendido, descobri que aquela seleção brasileira nem era das melhores. Praticava um futebol pragmático, dizem, com muita marcação e pouca criatividade, abusando da boa fase de nossos atacantes. Isso é o que dizem os sabichões do futebol. Para mim, aquele time sempre será mágico. Pô, no meio-campo tínhamos uma dupla que combinava demais: Zinho e Mazinho. Nossos zagueiros, Aldair e Márcio Santos tinham mullets e o reserva, Ricardo Rocha, um bigode que só nos faz pensar na palavra RESPEITO. Isso era zaga, não babacas posando com a língua pra fora. O Dunga ~favor não confundir com o atual técnico da seleção~ era uma versão boleira do Guile, do Street Fighter. No penteado e na cara de quem vai por ordem na bagunça, nem que fosse necessário aplicar uns Sonic Booms.

Romário e Bebeto merecem um parágrafo à parte. O Baixinho era o cara, seus dribles curtos e eficientes, chutes certeiros e cabeçadas (AQUELE gol contra a Suécia na semifinal!) fizeram dele um dos maiores artilheiros da história. Romário era rei, era o máximo, era o cão. O Bebeto foi, talvez, nosso melhor coadjuvante em Copas. Veloz e também matador. Que time, amigos. Certamente maior do que a seleção de 1970, que por mais que pudesse ser excelente, cometeu o erro imperdoável de acontecer antes do meu nascimento.

O tempo passa, a gente envelhece e o futebol já não me faz festejar tanto. Também, pudera, hoje em dia não é mais qualquer corneta verde e pedaço de pizza que me compram. Não há festas como aquelas de antes dos 10 anos. E, com uma geração de futebolistas mais hábeis no manuseio de redes sociais do que em suas profissões, relembrar o passado é o que há de melhor no momento. Porque o nosso presente é de infinitos gols da Alemanha.


Postado por Luís Fernando Amâncio
Em 3/7/2015 às 16h45


Mais Blog de Luís Fernando Amâncio
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Uma Sombra Em Ação - Col. Girassol
Flavia Muniz
Moderna
(1994)



Geografia Ilustrada França Volume 5
Roberto Civita
Abril Cultural
(1971)



Uma Verdade Inconveniente
Albert Gore
Manole
(2006)



Organization Theory: a Strategic Approach
B. J. Hodge
Prentice Hall
(2002)



Fundamentos da Doutrina Espírita
Jose Benevides Cavalcante
Eme
(2011)



A Semente da Vitória
Nini Cobra
Senac
(2002)



Mickey Nº 808
Walt Disney
Abril
(2010)



Cultive o Bom Humor 18 Indicações Práticas
Luiz Miguel Duarte
Paulus
(2001)



O Guarani
José de Alencar
Martin Claret
(1999)



40 Escritos
Arnaldo Antunes
Iluminuras
(2015)





busca | avançada
58445 visitas/dia
1,8 milhão/mês