1994: a Copa que foi uma festa | Blog de Luís Fernando Amâncio

busca | avançada
54051 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
>>> ÚLTIMAS APRESENTAÇÕES ONLINE DO ESPETÁCULO O DESMONTE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Fred Trajano sobre Revolução Digital na Verde Week
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 7 de Setembro
>>> Fazendo as Pazes com o Swing
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> A invenção da imprensa
>>> Eclipse oculto
>>> A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone
Mais Recentes
>>> Coleção folha tributo a Tom Jobim nº8 Tide de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Rostos Do Protestantismo de José Míguez Bonino pela Sinodal/Est (2020)
>>> Coleção folha grandes vozes Fred Astaire nº4 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Sherlock Holmes – O Vampiro de Sussex e Outras Histórias de Sir Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (2003)
>>> As pernas de Úrsula e outras possibilidades de Claudia Tajes pela L&PM (2001)
>>> Comer, rezar, amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> A vitória final de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2008)
>>> Apoliom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> O glorioso aparecimento de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Armagedom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Assassinos de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Nicolae de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O possuído de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Profanação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O remanescente de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> A marca de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Comando Tribulação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
>>> A colheita de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Deixados para trás de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Questões do coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> 1 Litro de lágrimas de Aya Kito pela New Pop (2013)
>>> O lado bom da vida de Matthew Quick pela Intrínseca (2013)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova Fronteira (2007)
>>> Toda sua de Sylvia Day pela Paralela (2012)
>>> Mais escuro - Cinquenta tons mais escuros pelos olhos de Christian de E L James pela Intrínseca (2018)
>>> Grey - Cinquenta tons de cinza pelos olhos de Christian de E L James pela Intrínseca (2015)
>>> História da Companhia de Jesus no Brasil - 5 volumes de Serafim Leite pela Itatiaia (2000)
>>> A hospedeira de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2009)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2008)
>>> Material Completo de Estudo Elite Musical de Equipe Elite Musical pela Elite Musical
>>> Lua nova de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2008)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2009)
>>> Eclipse de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2008)
>>> Cinquenta tons de liberdade de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> Cinquenta tons de cinza de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> A elite de Kiera Cass pela Seguinte (2020)
>>> A seleção de Kiera Cass pela Seguinte (2016)
>>> A escolha de Kiera Cass pela Seguinte (2015)
>>> A herdeira de Kiera Cass pela Seguinte (2016)
>>> A promessa do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2015)
>>> A viagem do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2013)
>>> Ao Vencedor as Batatas de Roberto Schwarz pela Duas Cidades (1981)
>>> A Gaivota de Anton Tchekhov pela Cosac&Naify (2004)
>>> A maldição do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2013)
>>> O destino do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2013)
>>> O resgate do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2012)
>>> Hermes e seus filhos de Rafael Lopez-Pedraza pela Paulus (1999)
>>> Sussurro de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2012)
>>> Crescendo de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2012)
BLOGS >>> Posts

Sexta-feira, 3/7/2015
1994: a Copa que foi uma festa
Luís Fernando Amâncio

+ de 1300 Acessos

Por Luís Fernando Amâncio


Striker, o mascote que ganhava nossa simpatia por parecer personagem da Hanna Barbera.

A Copa do Mundo de 1994 foi realmente um evento e tanto. Principalmente para nós, brasileiros. Um país que se orgulhava de ser uma referência na evolução do futebol não poderia ficar 24 anos sem um título mundial. O jejum caiu em Pasadena, numa tarde de 17 de julho, junto com a bola isolada por Roberto Baggio.

Sugestão: dá o play nesse vídeo, trilha sonora do texto

24 anos sem algo acontecer, para quem começara aquela Copa com 7 de idade, soava como algo próximo a todo o tempo da história da humanidade. Eu sabia pouco sobre a contagem do tempo e, sobretudo, a respeito do que era futebol. Para se ter uma ideia, eu não entendia a diferença entre os jogos que aconteciam no campo próximo à casa do meu avô e as partidas que eram transmitidas na TV. De fato, quando ia ao Canto do Rio (nome do bairro e do time amador de Três Corações), ficava procurando as câmeras, estranhava não ter narrador dizendo o nome dos jogadores e perguntava se um dos times era o Corinthians.

Foi com a Copa dos Estados Unidos que eu aprendi algumas coisas sobre o esporte bretão. A principal: que o futebol podia ser uma grande festa. Porque aquele campeonato já começou bem: fomos liberados mais cedo na escola para ver a abertura do evento em casa. Geralmente você tinha que quebrar o nariz ou algo similar para isso acontecer.

Com os jogos do Brasil, então, a coisa era mais animada ainda. Ia gente da família e amigos ver o jogo lá em casa - ou éramos nós que íamos até a casa deles. E, não bastasse ter companhia de outras crianças para brincar, ainda tinha comida boa e refrigerante. Até então, eu achava que isso se chamava "aniversário".

Por outro lado, não posso mentir, as quase duas horas de duração de um jogo era tempo demais para mim. Lembrem-se do primeiro parágrafo: 24 anos soavam uma eternidade, eu não sabia de nada. Se pensar bem, eu não devo ter assistido nenhum jogo inteiro. Por exemplo, no emblemático confronto com a Holanda, pelas quartas-de-final do torneio, eu vi o Brasil fazer dois a zero, fui jogar bola na rua (onde eu também não sabia muito bem o que estava fazendo, o que não mudaria com o passar do tempo), voltei e encontrei todo mundo sofrendo com o jogo empatado e, ufa, ainda deu tempo de festejar aquele golaço de falta do Branco.

E falando em rua, quando o Brasil ganhava (isso aconteceu cinco vezes naquela Copa, mais a final, que foi empate com vitória nos pênaltis), minha família entrava no fusca do meu pai e íamos para a principal praça de Três Corações. Lá, uma algazarra só, música e gente para todos os lados. Camisas verdeamarelas em todo mundo, carros buzinando. Eu tinha uma corneta verde e uma recomendação: pode fazer barulho à vontade. Isso era raro. Para mim, o nome de algo assim era "carnaval". Era muita novidade para uma Copa só.

Anos depois, mais entendido, descobri que aquela seleção brasileira nem era das melhores. Praticava um futebol pragmático, dizem, com muita marcação e pouca criatividade, abusando da boa fase de nossos atacantes. Isso é o que dizem os sabichões do futebol. Para mim, aquele time sempre será mágico. Pô, no meio-campo tínhamos uma dupla que combinava demais: Zinho e Mazinho. Nossos zagueiros, Aldair e Márcio Santos tinham mullets e o reserva, Ricardo Rocha, um bigode que só nos faz pensar na palavra RESPEITO. Isso era zaga, não babacas posando com a língua pra fora. O Dunga ~favor não confundir com o atual técnico da seleção~ era uma versão boleira do Guile, do Street Fighter. No penteado e na cara de quem vai por ordem na bagunça, nem que fosse necessário aplicar uns Sonic Booms.

Romário e Bebeto merecem um parágrafo à parte. O Baixinho era o cara, seus dribles curtos e eficientes, chutes certeiros e cabeçadas (AQUELE gol contra a Suécia na semifinal!) fizeram dele um dos maiores artilheiros da história. Romário era rei, era o máximo, era o cão. O Bebeto foi, talvez, nosso melhor coadjuvante em Copas. Veloz e também matador. Que time, amigos. Certamente maior do que a seleção de 1970, que por mais que pudesse ser excelente, cometeu o erro imperdoável de acontecer antes do meu nascimento.

O tempo passa, a gente envelhece e o futebol já não me faz festejar tanto. Também, pudera, hoje em dia não é mais qualquer corneta verde e pedaço de pizza que me compram. Não há festas como aquelas de antes dos 10 anos. E, com uma geração de futebolistas mais hábeis no manuseio de redes sociais do que em suas profissões, relembrar o passado é o que há de melhor no momento. Porque o nosso presente é de infinitos gols da Alemanha.


Postado por Luís Fernando Amâncio
Em 3/7/2015 às 16h45


Mais Blog de Luís Fernando Amâncio
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CIDADE DOS ESPIÕES
GEOFFREY TREASE
BRASILIENSE
R$ 12,00



O CATOLICISMO POPULAR NO BRASIL: ASPECTOS TEÓRICOS
RIOLANDO AZZI
VOZES
(1978)
R$ 110,00



NÃO HÁ COINCIDÊNCIAS
MARGARIDA REBELO PINTO
RECORD
(2003)
R$ 7,00



OS SERTÕES - (CAMPANHA DE CANUDOS) - 9A EDIÇÃO - 3662
EUCLYDES DA CUNHA
FRANCISCO ALVES
(1926)
R$ 55,00



ON TRACK 2
ANGELA LLANAS LIBBY MARCELO
MACMILLAN
(2012)
R$ 9,90



ENCYCLOPÉDIE VISUELLE DE LA SCIENCE-FICTION
BRIAN ASH (DIRECTION)
ALBIN MICHEL
(1979)
R$ 158,28



SUPERINTERESSANTE EDIÇÃO 224 A CHAVE DOS SONHOS
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2006)
R$ 5,00



COZINHA VEGETARIANA - RECEITAS SAUDÁVEIS E NATURAIS
MAHAVIDYA LAKSMI DEVI DASI MARIS SANTOS
THE BHAKTIVEDANTA
(2011)
R$ 7,00



LAVOURA ARCAICA - 3ª EDIÇÃO - 33ª REIMPRESSÃOREVISTA PELO AUTOR
RADUAN NASSAR
COMPANHIA DAS LETRAS
(2016)
R$ 38,95



QUILOMBO MESQUITA: HISTÓRIA, CULTURA E RESISTÊNCIA
MANOEL BARBOSA NERES
CONQUISTA
(2016)
R$ 30,00





busca | avançada
54051 visitas/dia
2,1 milhões/mês