Escritor e Fisiculturista | O Equilibrista

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
>>> A Caçada Ao Lobo de Wall Street de Jordan Belfort pela Planeta (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito das Coisas vol 5 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2007)
>>> Diário do Chaves de Roberto Gomez Bolanos pela Suma (2006)
>>> O Aliciador - Ele está sempre um passo à Frente de Donato Carrisi pela Record (2019)
>>> Isaac Newton e Sua Maçã de Kjartan Poskitt pela Cia. das Letras (2021)
>>> A riqueza da vida simples - Como escolhas mais inteligentes podem antecipar a conquista de seus sonhos de Gustavo Cerbasi pela Sextante (2019)
>>> Fênix: A Ilha - Livro 1 de John Diox pela Novo Conceito (2014)
>>> Direito do Trabalho 23 ª ed. de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2007)
>>> O Sexo das Antas de Kelli Pedroso pela Pergamus (2011)
>>> Direito Administrativo 20ª Ed. de Maria Sylvia Zanella Di Pietro pela Atlas (2007)
>>> Cavalo de Tróia 1 - Jerusalém de J. J. Benitez pela Planeta (2010)
>>> O Desafio da Hiperinflação - em busca da moeda real de Francisco Lopes pela Campus (1989)
>>> Saneamento Ambiental na Baixada Cidadania e Gestao Democrática de Jorge Florêncio e outros pela Fase (1995)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 5/10/2016
Escritor e Fisiculturista
Heberti Rodrigo

+ de 2400 Acessos


A Árvore da Vida, de Klimt

Rebecca Solnit diz que andar permite “conhecer o mundo através do corpo”, ou, nas palavras do poeta modernista Wallace Stevens (1879-1955): “Eu sou o mundo no qual caminho”. Trata-se, pois, de uma experiência cognitiva, muito necessária nesses tempos em que as pessoas se deslocam sobretudo utilizando carros, trens, aviões. Mas caminhar também envolve um processo de autoconhecimento, quando não de inspiração. “Os grandes pensamentos resultam da caminhada”, diz o filósofo Friedrich Nietzsche (1844-1900), uma ideia que Raymond Inmon expressa de forma mais poética: “Os anjos sussurram para aqueles que caminham”.

Na segunda-feira, dia em que completei 40 anos, fiz o que muitas vezes faço quando meu filho não acorda junto comigo ou enquanto estou tomando o café da manhã. Olhei para os livros que tenho em casa, peguei um ao acaso e comecei a folheá-lo. Naquele dia, o livro que tinha em mãos era Les Livres de Ma Vie, de Henry Miller. Em certo momento, deparei-me com uma passagem com a qual tanto me identifiquei que a transcrevi mais abaixo. Ela está intimamente relacionada com o meu sentimento de vida, com tudo aquilo que venho buscando ao longo da minha própria. Aos 40 anos, reconheço em mim o mesmo impulso descrito por Henry Miller de buscar conhecer e libertar-se. Aos 40, quero mais daquilo que sempre quis: um acréscimo de força e vitalidade, a ousadia de viver aquilo que corre em minhas veias. Dizem que antes de morrer há três coisas a se fazer: ter um filho, escrever um livro e plantar uma árvore. A árvore que quero cultivar é a minha própria vida. Quero ver a semente germinar e acompanhar o amadurecimento de minhas potencialidades. Quero colher seus frutos, mesmo que espinhosos. É com essa mentalidade que vou para Paris daqui a poucos meses. É também por encarar este momento de minha vida como decisivo para alcançar o que aspiro que iniciei um treinamento mais intenso com um campeão brasileiro de fisiculturismo. Abri este post com uma citação aplicada à caminhada. A meu ver ela se encaixa perfeitamente à musculação. Esta permite que se conheça melhor o próprio corpo e é através de nossos corpos que adquirimos conhecimento a respeito do mundo. Todo o conhecimento fundamental na vida de um homem está de algum modo relacionado ao funcionamento de seu corpo. Quando as palavras calam, o corpo ainda pode falar. É um poderoso instrumento de linguagem, como demonstrou Chaplin, e não apenas ele. Basta pensar na dança. Desejo aprofundar meus conhecimentos sobre mim mesmo e isso me parece impossível sem explorar as possibilidades de meu corpo. Para mim, escrever é explorar todo os recursos de linguagem e conhecimento. Quero expressar o que fez e continua a fazer parte de meus dias, compreender o padrão de minha vida. Ambiciono que tudo aquilo que sempre me interessou, que sempre me foi vital, se expanda e frutifique antes que eu morra. Quero deixar de ser alguém meramente potencial para me tornar parte da realidade, tornando real a minha realidade mais íntima. Aos 40, quero me tornar cada vez mais eu mesmo. Não necessariamente melhor ou pior, mas ser mais eu mesmo e menos do que os outros acham que deveria ser. Isso significa romper preconceitos e limites, como os que envolve o fisiculturismo, sobretudo aqui no Brasil. O que diriam de um escritor fisiculturista? Que ou se é uma coisa ou outra, como se fossem atividades que se excluem? É para ganhar força para romper preconceitos como esse - e aqui tomo todo preconceito como um limite, uma estreiteza - que escrevo e sou tão apegado às atividades físicas. Escrevendo e treinando ganho confiança para prosseguir em minha busca de expressar e libertar e afirmar tudo aquilo em que se resume minha pessoa, meu sentimento de vida e de mundo. Escrevendo e treinando me sinto vivo e sentir-se vivo, para mim, é vivenciar em si mesmo aquela força vital que se confunde com esse querer tantas vezes repetido ao longo deste post. O que hoje sei de mim é que eu sou alguém que quer viver plenamente o que me faz sentir vivo.

Seguem, então, as palavras de Henry Miller que estão relacionadas com o que escrevi e tive a felicidade de me deparar na segunda-feira ao acordar.

Quels ont été les sujets qui m'ont fait rechercher les auteurs que j'aime, qui m'ont permis d'être influencé, qui ont façonné mon style, mon caractère, ma conception de la vie? Les voici en gros: l'amour de la vie, la poursuite de la vérité, de la sagesse et de la compréhension, le mystère, la puissance du langage, l'ancienneté et la gloire de l'homme, l'éternité, le but de l'existence, l'unité de toute chose, la libération de soi-même, la fraternité humaine, la signification de l'amour, les rapports entre sexe et l'amour, le plaisir sexuel, l'humour, les bizarreries et les excentricités dans tous les aspects de la vie, les voyages, l'aventure, la découverte, la prophétie, la magie (blanche e noire), l'art, les jeux, les confessions, les révélations, le mysticisme, et plus particulièrement les mystiques eux-mêmes, les religions et cultes divers, le merveilleux dans tous les domaines et sous tous ces aspects car "il n'y a que le merveilleux et rien que le merveilleux". En ai-je oublié? Remplissez vous-mêmes les vides! Je me suis intéresser à tout. Même à la politique..."vue d'en haut". Mais le combat que livre l'être humain pour s'émanciper, c'est-à-dire pour se libérer de la prison qu'il s'est bâti lui-même, voilá pour moi le sujet suprême. C'est pour cela, peut-être, que je ne parviens pas à être complètement l'"écrivain". C'est peut-être pour cela que, dans mes ouvrages, j'ai fait une si grande place à la simple expérience de la vie. Peut-être aussi est-ce pour cela - bien que si souvent les critiques ne sachent pas le percevoir - que je suis tellement attiré vers les sages, ceux qui ont fait pleinement l'expérience de la vie et qui donnent la vie - les artistes, les grandes figures de la religion - les pionniers, les innovateurs et les iconoclastes de toute sorte. Et peut-être - pourquoi ne pas le dire - est-ce pour cela que j'ai si peu de respect pour la littérature, si peu de considération pour les auteurs accrédités, que je apprécie si peu les revolutionnaires sans lendemain. A mes yeux, les seuls vrais revolutionnaires sont les inspirateurs et ceux qui poussent à l'action, les figures comme Jésus, Lao-Tseu, le Bouddha Gautama. La mesure que j'emploi c'est la vie: la position des hommes face à renverser um gouvernement, un ordre social, une forme de religion, un code moral, un système d'éducation, une tyrannie économique. Mais plutôt quelle influence ils ont eue sur la vie elle-même. Ce qui distingue, en effet, les hommes auxquels je pense c'est qu'ils n'ont pas imposé leur autorité à l'homme; au contraire, ils ont cherché à détruire l'autorité. Leur but et leur dessein étaient de révéler la vie, de donner à l'homme le goût de la vie, d'exalter la vie... et de ramener tous les problèmes à la vie. Ils ont exhorté l'homme à comprendre qu'il possédait tout la liberté en lui-même, qu'il n'avait pas à se préoccuper du destin du monde (problème qui ne le concernait pas) mais à résoudre son propre problème individuel, lequel était de se libérer, et rien de plus.

Contato: [email protected]


Postado por Heberti Rodrigo
Em 5/10/2016 às 07h43


Mais O Equilibrista
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Defesa do Alcazar De Toledo - Historia
Angel Palomino
Biblioteca do exercito
(2006)



As Damas do Vento
Bernard Giraudeau
Record
(2008)



A Beleza da Ação Indireta
John Kay
Best Seller
(2011)



Diários de Jack Kerouac
Kerouac, Jack
L& Pm
(2006)



O Mundo em que Eu Vivo
Zíbia M. Gasparetto
Os Caminheiros



Handbook de Relações Interorganizacionais da Oxford
Steve Cropper, Mark Ebers, Chris Huxham
Bookman
(2014)



Positivo:idéias Que Mudaram o Mundo - Geografia Ens. Médio 2ª Série
Vários
Positivo
(2007)



Os Amantes de Minha M?e
Christopher Hope
Record
(2009)



Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso
Rachel Polito
Saraiva
(2010)



Memórias de um Sargento de Milícias
Manuel Antonio de Almeida
Abril





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês