Escritor e Fisiculturista | O Equilibrista

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2004)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2019)
>>> Nada a perder volume 3 de Edir Macedo pela Planeta (2014)
>>> Campinas no início do século 20: percursos do olhar de Suzana Barretto Ribeiro pela Annablume (2006)
>>> A privataria tucana de Amaury Ribeiro Júnior pela Geração Editorial (2012)
>>> Campinas: visões de sua história de Lília Inés Zanotti de Medrano pela Átomo (2006)
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 5/10/2016
Escritor e Fisiculturista
Heberti Rodrigo

+ de 1100 Acessos


A Árvore da Vida, de Klimt

Rebecca Solnit diz que andar permite “conhecer o mundo através do corpo”, ou, nas palavras do poeta modernista Wallace Stevens (1879-1955): “Eu sou o mundo no qual caminho”. Trata-se, pois, de uma experiência cognitiva, muito necessária nesses tempos em que as pessoas se deslocam sobretudo utilizando carros, trens, aviões. Mas caminhar também envolve um processo de autoconhecimento, quando não de inspiração. “Os grandes pensamentos resultam da caminhada”, diz o filósofo Friedrich Nietzsche (1844-1900), uma ideia que Raymond Inmon expressa de forma mais poética: “Os anjos sussurram para aqueles que caminham”.

Na segunda-feira, dia em que completei 40 anos, fiz o que muitas vezes faço quando meu filho não acorda junto comigo ou enquanto estou tomando o café da manhã. Olhei para os livros que tenho em casa, peguei um ao acaso e comecei a folheá-lo. Naquele dia, o livro que tinha em mãos era Les Livres de Ma Vie, de Henry Miller. Em certo momento, deparei-me com uma passagem com a qual tanto me identifiquei que a transcrevi mais abaixo. Ela está intimamente relacionada com o meu sentimento de vida, com tudo aquilo que venho buscando ao longo da minha própria. Aos 40 anos, reconheço em mim o mesmo impulso descrito por Henry Miller de buscar conhecer e libertar-se. Aos 40, quero mais daquilo que sempre quis: um acréscimo de força e vitalidade, a ousadia de viver aquilo que corre em minhas veias. Dizem que antes de morrer há três coisas a se fazer: ter um filho, escrever um livro e plantar uma árvore. A árvore que quero cultivar é a minha própria vida. Quero ver a semente germinar e acompanhar o amadurecimento de minhas potencialidades. Quero colher seus frutos, mesmo que espinhosos. É com essa mentalidade que vou para Paris daqui a poucos meses. É também por encarar este momento de minha vida como decisivo para alcançar o que aspiro que iniciei um treinamento mais intenso com um campeão brasileiro de fisiculturismo. Abri este post com uma citação aplicada à caminhada. A meu ver ela se encaixa perfeitamente à musculação. Esta permite que se conheça melhor o próprio corpo e é através de nossos corpos que adquirimos conhecimento a respeito do mundo. Todo o conhecimento fundamental na vida de um homem está de algum modo relacionado ao funcionamento de seu corpo. Quando as palavras calam, o corpo ainda pode falar. É um poderoso instrumento de linguagem, como demonstrou Chaplin, e não apenas ele. Basta pensar na dança. Desejo aprofundar meus conhecimentos sobre mim mesmo e isso me parece impossível sem explorar as possibilidades de meu corpo. Para mim, escrever é explorar todo os recursos de linguagem e conhecimento. Quero expressar o que fez e continua a fazer parte de meus dias, compreender o padrão de minha vida. Ambiciono que tudo aquilo que sempre me interessou, que sempre me foi vital, se expanda e frutifique antes que eu morra. Quero deixar de ser alguém meramente potencial para me tornar parte da realidade, tornando real a minha realidade mais íntima. Aos 40, quero me tornar cada vez mais eu mesmo. Não necessariamente melhor ou pior, mas ser mais eu mesmo e menos do que os outros acham que deveria ser. Isso significa romper preconceitos e limites, como os que envolve o fisiculturismo, sobretudo aqui no Brasil. O que diriam de um escritor fisiculturista? Que ou se é uma coisa ou outra, como se fossem atividades que se excluem? É para ganhar força para romper preconceitos como esse - e aqui tomo todo preconceito como um limite, uma estreiteza - que escrevo e sou tão apegado às atividades físicas. Escrevendo e treinando ganho confiança para prosseguir em minha busca de expressar e libertar e afirmar tudo aquilo em que se resume minha pessoa, meu sentimento de vida e de mundo. Escrevendo e treinando me sinto vivo e sentir-se vivo, para mim, é vivenciar em si mesmo aquela força vital que se confunde com esse querer tantas vezes repetido ao longo deste post. O que hoje sei de mim é que eu sou alguém que quer viver plenamente o que me faz sentir vivo.

Seguem, então, as palavras de Henry Miller que estão relacionadas com o que escrevi e tive a felicidade de me deparar na segunda-feira ao acordar.

Quels ont été les sujets qui m'ont fait rechercher les auteurs que j'aime, qui m'ont permis d'être influencé, qui ont façonné mon style, mon caractère, ma conception de la vie? Les voici en gros: l'amour de la vie, la poursuite de la vérité, de la sagesse et de la compréhension, le mystère, la puissance du langage, l'ancienneté et la gloire de l'homme, l'éternité, le but de l'existence, l'unité de toute chose, la libération de soi-même, la fraternité humaine, la signification de l'amour, les rapports entre sexe et l'amour, le plaisir sexuel, l'humour, les bizarreries et les excentricités dans tous les aspects de la vie, les voyages, l'aventure, la découverte, la prophétie, la magie (blanche e noire), l'art, les jeux, les confessions, les révélations, le mysticisme, et plus particulièrement les mystiques eux-mêmes, les religions et cultes divers, le merveilleux dans tous les domaines et sous tous ces aspects car "il n'y a que le merveilleux et rien que le merveilleux". En ai-je oublié? Remplissez vous-mêmes les vides! Je me suis intéresser à tout. Même à la politique..."vue d'en haut". Mais le combat que livre l'être humain pour s'émanciper, c'est-à-dire pour se libérer de la prison qu'il s'est bâti lui-même, voilá pour moi le sujet suprême. C'est pour cela, peut-être, que je ne parviens pas à être complètement l'"écrivain". C'est peut-être pour cela que, dans mes ouvrages, j'ai fait une si grande place à la simple expérience de la vie. Peut-être aussi est-ce pour cela - bien que si souvent les critiques ne sachent pas le percevoir - que je suis tellement attiré vers les sages, ceux qui ont fait pleinement l'expérience de la vie et qui donnent la vie - les artistes, les grandes figures de la religion - les pionniers, les innovateurs et les iconoclastes de toute sorte. Et peut-être - pourquoi ne pas le dire - est-ce pour cela que j'ai si peu de respect pour la littérature, si peu de considération pour les auteurs accrédités, que je apprécie si peu les revolutionnaires sans lendemain. A mes yeux, les seuls vrais revolutionnaires sont les inspirateurs et ceux qui poussent à l'action, les figures comme Jésus, Lao-Tseu, le Bouddha Gautama. La mesure que j'emploi c'est la vie: la position des hommes face à renverser um gouvernement, un ordre social, une forme de religion, un code moral, un système d'éducation, une tyrannie économique. Mais plutôt quelle influence ils ont eue sur la vie elle-même. Ce qui distingue, en effet, les hommes auxquels je pense c'est qu'ils n'ont pas imposé leur autorité à l'homme; au contraire, ils ont cherché à détruire l'autorité. Leur but et leur dessein étaient de révéler la vie, de donner à l'homme le goût de la vie, d'exalter la vie... et de ramener tous les problèmes à la vie. Ils ont exhorté l'homme à comprendre qu'il possédait tout la liberté en lui-même, qu'il n'avait pas à se préoccuper du destin du monde (problème qui ne le concernait pas) mais à résoudre son propre problème individuel, lequel était de se libérer, et rien de plus.

Contato: escritor.equilibrista@gmail.com


Postado por Heberti Rodrigo
Em 5/10/2016 às 07h43


Mais O Equilibrista
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GRAMÁTICA EM TEXTOS
LEILA LAUAR SARMENTO
MODERNA
(2000)
R$ 15,00



CENSORES DE PINCENÊ E GRAVATA - DOIS MOMENTOS DA CENSURA TEATRAL NO BRASIL
SONIA SALOMÃO KHÉDE
CODECRI
(1981)
R$ 39,00
+ frete grátis



AS 22 CONSAGRADAS LEIS DE MARCAS
AL RIES E LAURA RIES
MAKRON BOOKS
(2000)
R$ 8,50



THE GREAT PYRAMID DECODED
PETER LEMESURIER
AVON
(1979)
R$ 80,00



FÍSICA MECANICA 1
JOSÉ LUIZ SAMPAIO
ATUAL
(2001)
R$ 6,00



A ÁRVORE DOS MEUS DOIS QUINTAIS
JONAS RIBEIRO
PAULUS
(2012)
R$ 15,90



A VIDA NO UNIVERSO
JEAN HEIDMANN
TERRAMAR
(1992)
R$ 15,63



LOGÍSTICA DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ORGÂNICOS
FERUCCIO BRANCO BILICH
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ESPAÇO, POLARIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
M. C. DE ANDRADE (2ª EDIÇÃO)
BRASILIENSE
(1970)
R$ 30,28



COMO VENDER PELA INTERNET SEM GASTAR QUASE NADA
MAURÍCIO SALVADOR
24X7 CULTURAL
(2011)
R$ 10,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês