A máquina de escrever. | Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Revista Dialética do Direito Tributário de Fernando Durão pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Plt 367 Contabilidade Gerencial de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas Anhanguera (2011)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Franscisco Baratti pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Le droit à la paresse de Paul Lafargue pela Mille et une nuits (1994)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Patricia Calmon pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Transcendentes de Luciana Alves da Costa;outros pela Sementes (2000)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de César Romero pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Services Marketing de Christopher H. Lovelock pela Prentice Hall (1996)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Alê Prade pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> África Em Cores de Ana Cristina Lemos pela Htc (2011)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Selma Daffré pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Duílio Ramos pela Oliveira Rocha (2010)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Iles de France Vues Du Ciel de M. Cotinaud; Dominique Cortesi; Entre Outros pela Chêne (1991)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> A Poética de Aristóteles - Mímese e Verossimilhança de Lígia Militz da Costa pela Ática (1992)
BLOGS >>> Posts

Sábado, 21/10/2017
A máquina de escrever.
ANDRÉ LUIZ ALVEZ
+ de 7000 Acessos

Não são normais os impulsos que me arrastam até bem perto de coisas antigas.

Se pudesse, moraria num antiquário, faria de velhos livros travesseiro, ouviria discos de vinil e manteria o olhar sereno, a voz calada, até ganhar a confiança da máquina de escrever jogada no canto fundo da loja, quase sem cor, num modo de mágoa, como se me cobrasse os tantos anos sem uma única visita.

Se houvesse gravado o instante do primeiro som das teclas invadindo meus ouvidos, ele não seria tão real como agora, quando aliso a máquina de escrever e apago o resto do mundo.

É aquele momento que o tempo – esse velho canalha e banguela – me arrasta até o ano de 1982.

Eu era um tímido rapaz do corpo esticado e dos cabelos ruins, repleto de ideais nunca concretizados.

A lida como aprendiz de ourives já havia me mostrado que eu não tinha habilidade suficiente para vencer naquela profissão.

Meu mestre, Gilberto Billerbeck, me falava, armado no seu assustador jeito sincero, quase todos os dias: “seu destino não é o metal, é o papel”.

Ele sabia o que falava: o alicate e as demais ferramentas judiavam das minhas mãos finas.

Eu precisava aprender a datilografar.

Ainda lembro com perfeição o lamber de dedos contando o dinheiro da matrícula, guardado na paciência de um monge, e a euforia assim que pude me sentar diante daquela que considerei a mais perfeita invenção de todos os tempos: a máquina de escrever.

O sistema quwrty logo dominei, em pouco tempo conseguia datilografar mais de quinhentos toques por minuto.

Aprendi ligeiro todos os movimentos, os dedos afundando as teclas, as mãos ágeis, quase um tapa, movimentando a alavanca, passando o carro para a linha de baixo, formando outro barulho inesquecível, como se fosse o eterno bater d'asas de um belíssimo pássaro. Tlec, tlec, tletlec, rec, rec, vupt!...

Era um tempo de medos, incertezas e tenebrosos segredos, daquelas coisas que só se confessa ao vento, mas naquele momento, o papel branco bem à frente dos olhos, pedia registros.

Escrevi desabafos no ritmo do barulho da máquina de escrever e depois joguei tudo no lixo.

Ah, que saudosismo bobo é esse provocando um fio fino de lágrima, quente e salgada, a riscar os meus olhos?

Ainda bem que não tem ninguém por perto

– eu choro, mas tenho vergonha – e lembro, naqueles tempos, os comandos usavam fardas.

Às favas com o seu autoritarismo!

Escrevi certa vez, marcando com tinta vermelha o papel virgem e branco, e depois completei, quase uma facada certeira na opressão, “se oprime o meu livre pensar e minha maneira de me expressar, és então meu inimigo!” frase forte que logo depois apaguei, com medo de perder várias coisas, principalmente me impedissem de escrever.

Anos depois, tornei a datilografar, na mesma letra vermelha e papel branco: Vencemos!”

Será?

. E foi na máquina de escrever o meu primeiro verso, torto, sem sentido, desprovido de sutilezas e ele também apaguei para nunca mais me aventurar em poesias, assim como elimineis com várias batidas na tecla X as sensações inconfessáveis que moça dos cabelos caracolados e boca carnuda, moradora da casa na esquina, me provocava.

Nem lembro mais o nome dela...

E agora, nesse canto úmido da loja de antiguidades, aliso com a ponta dos dedos o teclado da máquina de escrever e uma montanha de pensamentos me invade; quem sabe no futuro eu perca o resto de medo e escreva nela sobre tudo o que vivi - o corpo lasso, mas a mente sadia - somente para ouvir de novo aqueles barulhos confidentes de outrora e alimentar meu coração saudoso, sedento da vida, do ancião que desmorona e ainda guarda lembranças, doces, amargas, repletas de espantos, coisas que desde muito moço carrego e hoje já não me avassala.

Tlec, tlec, tletlec, rec, rec, vupt!...

Saí da loja de antiguidades levando nos braços a velha máquina de escrever, ansioso como um menino pobre que ganha um brinquedo.


Postado por ANDRÉ LUIZ ALVEZ
Em 21/10/2017 às 14h32

Mais Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Odisseia
Ruth Rocha
Salamandra
(2011)



Centenário do Hospital Nossa Senhora das Dores de Ponte Nova
Desconhecido
Imprensa Oficial
(1973)



Um Estranho no Ninho
Ken Kesey
Best Bolso
(2013)



Frauen der liebe Hortense Von Beauharnais
Freundin des Zaren Alexandres I
Druck und Verlag



Não se apega, não
Isabela Freitas
Intrínseca
(2014)



Guia de Conversação Langenscheidt - Italiano
Monica Stahel
Martins Fontes
(1999)



Operations Research
Wayne Winston
Thomson Brooks Cole
(2004)



Virus Clans
Michael Kanaly
Ace Charter
(1998)



Volumes 1, 2, 3 e 4: Grandes Fatos do Século XX vinte
Barnabé Medeiros Filho et al
RioGráfica



Livro Literatura Estrangeira Moon Palace
Paul Auster
Penguin Books
(1990)





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês