Cenas do bar - Wilsinho, o feio. | Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ

busca | avançada
51779 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez ao CCBB BH
>>> DJ Erick Jay participa de A Quebrada É Boa, evento realizado pelo Monarckas em Sapopemba
>>> Espetáculos gratuitos da São Paulo Escola de Dança acontecem na Pinacoteca e Teatro de Contêiner
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lá vamos nós outra vez...
>>> Tempo vida poesia 5/5
>>> Nós, os escritores derrotados
>>> A Paris de Chico Buarque
>>> Muhammad Ana Maria Ali Braga
>>> Segundo, o primeiro de Maria Rita
>>> Os bigodes do senhor autor
>>> Jackie O., editora
>>> Morrer, na literatura
>>> Sobre Caramujos
Mais Recentes
>>> Panfletos Satíricos de Jonathan Swift (tradução de Leonardo Fróes) pela Topbooks (1999)
>>> Fique De Bem Com Seu Cerebro de Suzana Herculano-houzel pela Sextante (2007)
>>> Livro Ciências Exatas Debate Nacional Projeto Nacional Ciência e Tecnologia de Luiz Toledo Machado; Esdras Magalhães dos Santos pela Inep
>>> Dona formiga mestre tatu e o imposto de renda de Cecília Lopes da Rocha Bastos; Hugo Ribeiro pela Do autor (1970)
>>> Novo Guia Cartoplam-Rio de Janeiro de Paulo Roberto Houch pela Cartopi
>>> Livro Infantil O Grande Livro dos Grandes Planetas de Luciano Campelo, Emily Bone pela Usborne (2017)
>>> Figueirense x Avaí: O clássico de florianópolis de Jairo Roberto de Souza pela Tribo da ilha (2005)
>>> Interpretação sintética do apocalipse de Cairbar Schutel pela O Clarim (1977)
>>> Educação Fisica Na Terceira Idade- Teoria e Pratica - Esportes de Francine Cruz pela Icone (2013)
>>> Diccionario de Bolsillo de la Lengua Española de Aquilino Sánchez Pérez pela SGel (1998)
>>> Livro Infantil As Aventuras De Tom Sawyer de Mark Twain pela Panda Books (2011)
>>> Teoria geral do federalismo democrático de Augusto Zimmermann pela Lumen Juris (1999)
>>> Tratado De Fisiologia Médica de Arthur C. Guyton; Hall pela Elsevier (2011)
>>> Correio Sul - Voo Noturno de Antoine De Saint-Exupery pela Abril Cultural (1974)
>>> Livro Infantil Quanto Lixo - Desperdício, Reciclagem e Proteção do Planeta de Jess French pela Girassol (2020)
>>> Mantras Para O Dia A Dia - Esoterico de Sonia Novaes E Outros pela Atomo (2014)
>>> Crônicas e comentários de Aureliano Alves Netto pela Culturesp (1987)
>>> O Mapa dos Ossos de James Rollins pela Ediouro (2005)
>>> Soluções Caseiras para problemas do dia-a-dia de Marleine Cohen pela Globo (2009)
>>> Livro Infantil 20 Mentes Extraordinárias Que Mudaram o Mundo de Moon SRL pela TodoLivro (2019)
>>> Ivana - A mulher de duas vidas de J. Stefanini pela Edicel
>>> O Poder Da Autorresponsabilidade de Paulo Vieira pela Gente (2017)
>>> The Catcher In The Rye de J. D. Salinger pela Penguin (1994)
>>> Eu Sou Jack 0 Estripador - Biografia de James Carnac pela Seamon (2016)
>>> Um Estranho Numa Terra Estranha de Robert Heinlein pela Aleph (2017)
BLOGS >>> Posts

Sábado, 21/4/2018
Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
ANDRÉ LUIZ ALVEZ
+ de 2700 Acessos

O novo garçom tem a cara do Wilsinho.

Eu não sei se feiúra mata, se sim, Wilsinho deve ter morrido faz muito tempo, assim como não terá vida longa esse garçom à minha frente.

- Vai mais um patrão?

- Sem espuma, por favor.

Mulher muito bonita quase sempre é cruel.

Maria das Dores, apesar desse nome horripilante, era linda da cabeça aos pés.

Vá lá, omitindo a bunda ligeiramente achatada, mas quem era eu para ficar preso a detalhes naquele fim de março de 1984, na quadra de esportes durante o recreio, momento sublime no qual ela dirigiu seus imensos olhos verdes na minha direção.

- Oi, você é o Juvenal?

Tive vontade de responder sobre o erro, meu nome é Vladimir de La Mancha, mas não podia perder a oportunidade.

Além dos olhos verdes do tamanho das estrelas, Maria das Dores tinha a voz de veludo.

Fiquei Juvenal mesmo.

- Sim, Juvenal, eu sou o Juvenal...

- Então Juvenal, eu queria saber se você topa fazer parte do nosso grupo para o trabalho de desenho geométrico.

Até hoje, passados tantos anos, não consigo compreender porque raios existia desenho geométrico no curso de biologia da Fucmat.

Estranhei o convite, eu era pé rapado, esquisito, só me sentia bem perto do Wilsinho, que era mais feio do que eu; e de desenho, até hoje, só sei desenhar o sol e umas nuvens bêbadas.

Geometria, para mim, era um palavrão e nada mais.

- Claro que aceito! Respondi após a terceira profunda respirada.

Ela usava uma blusa de riscado, azul e branco, bastante espaçosa.

Acho, não posso garantir, rolou uma lágrima quente de contentamento no canto do meu olho.

Levada pelo contentamento, Maria das Dores abriu um sorriso de metal, ela usava aparelho nos dentes já naqueles tempos, abriu os braços para cima, deixando aparecer os cabelinhos das axilas, visão ao mesmo tempo divina, inquietante e apavorante.

Gritou sem se constranger:

- Olha Deise, o Jacinto aceitou fazer o trabalho com a gente.

Deise era uma menina baixinha, usava sempre vermelho, tinha cachinhos e vivia pregada na Das Dores.

Era a cara da Luluzinha, famosa personagem dos gibis daqueles tempos, veio correndo para o nosso lado, mostrando uma cara tão aberta que pude ver pedaços da garganta.

Claro que notei a troca do nome, mas pra quem já havia aceitado ser Juvenal, não aborrecia nem um pouco ser o Jacinto.

Foi quando o Wilsinho se aproximou, no andar quase dançado, ajeitando os óculos fundo de garrafa e alisando os cabelos com as pontas dos dedos pouco antes encharcados pelo próprio cuspe.

Apertou minha mão olhando para as meninas, mais precisamente para Das Dores.

Preciso aqui abrir um parênteses para explicar melhor o Wilsinho: ele era horrível, tipo do feio cego, não enxergava a própria feiúra, pelo contrário, se achava bonito.

Além de pentear os cabelos com cuspe, ficava erguendo a abaixando as grossas sobrancelhas, em movimentos rápidos e irritantes.

Das Dores fez cara de nojo, Luluzinha continuou com as vistas pregadas em mim.

Achei estranho...

- E ai Vladimir, quais são as novas? Falou o Wilsinho, sem me dar tempo de explicar que naquele instante eu era o Juvenal.

Das dores levou um susto:

- Seu nome é Vladimir?

O olhar de desapontamento de uma mulher bonita é um dos mais terríveis venenos da natureza, mata aos poucos, sem encostar.

. Quantas dores pode provocar uma Maria bonita?

- Sim... Respondi meio gaguejante e senti um leve tremor nas pernas.

Eu tinha muito disso naquela época, tremia por qualquer coisa e colocava a culpa na virgindade.

Sim, eu era virgem em 1984.

O desapontamento marcado no rosto da musa dos olhos verdes não conseguiu retirar o olhar de Luluzinha para mim.

Me entupi de velho e bom orgulho e resolvi falar:

- Sim, meu nome é Vladimir de La Mancha. Algum problema?

Ela sorriu, um tanto sem jeito.

- É que eu pensei que você fosse o Juvenal...

- Juvenal é do quinto semestre e sabe tudo de desenho geométrico. Revelou Luluzinha, finalmente retirando aqueles olhos pequenos do brilho inquietante sobre mim.

A musa dos baitas olhos verdes a apanhou pelos braços, se retirando sem olhar para trás.

- Vamos Deise, a aula já vai começar.

Eu ia perguntar sobre o trabalho, se ainda estava de pé o convite, mas Wilsinho me atropelou:

- Viu o jeito que ela olhava para mim?

- Qual? Brinquei.

- A zoiúda, é claro.

- Wilsinho, caia na real, você é feio pra caralho!

Ele ergueu os óculos e mexeu as sobrancelhas bem perto de mim.

- Cale-se, você é virgem, não entende nada de mulheres, nem percebeu que a baixinha queria o seu colo. A gente podia combinar, eu fico com a gostosona e você com aquele piolho de galinha.

- Wilsinho, creia, ela nunca vai te dar bola!

- Seu rabo! Tá no papo. Eu sou amado, e você, um cão danado.

Ainda guardo na retina o olhar de triunfo do Wilsinho, a dor da saudade atravessada na lembrança de momento, aguda, dolorida pelo amigo que nunca mais reencontrei.

Bebo um último gole, aceno para o garçom, peço mais um chope, ele logo caminha até mim, um jeito de andar quase rebolado, a magreza infindável, o par de sobrancelhas grossas e vivas, atiçando o passado.

- Muito obrigado – eu digo e tomo em três goladas o copo todo. Pago com dinheiro e sorrio para o novo garçom.

- Fique com o troco e leve um abraço ao seu pai.

Ele então me olhou surpreso:

- Você conhece o meu pai?

- O Wilsinho? Sim, desde os tempos que nós dois éramos virgens.

Saí do bar sem esperar respostas, preferindo o gosto da dúvida, no peito ardendo a esperança que o meu antigo amigo ainda esteja vivo, apanhado pelo sopro do vento lá de fora, aos poucos voltando à realidade e permitindo o arroto de chope explodir, engolindo figuras do passado.


Postado por ANDRÉ LUIZ ALVEZ
Em 21/4/2018 às 11h52

Mais Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dona Lua e Donzelinha
Carmela Carminatti
A Fábrica De Desenhos
(2015)



Livro Literatura Brasileira Para Não Esquecer
Clarice Lispector
Rocco
(1999)



Livro Infanto Juvenis Homem Não Chora
Flávio de Souza
Formato
(1994)



Águas Turvas
Helder Caldeira
Quatro Cantos
(2014)



Secrets of Stylists
Sasha Charnin Morrison Grace Mirabella
Chronicle Books
(2011)



Criando Meninas - Raising Girls - Portuguese Edition
Gisela Preuschoff
Fundamento
(2003)



A Esperança 574
André Malraux
Record
(2000)



Como e por que se faz arte
Elizabeth Newbery
Ática
(2004)



Livro Literatura Estrangeira A Cabana
William P. Young
Sextante
(2008)



Infierno Grande
Guillermo Martínez
Planeta
(2006)





busca | avançada
51779 visitas/dia
2,3 milhões/mês